As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Machado de Assis e a propriedade de pessoas

Soledad Sevilla, sem título, 1977
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GUILHERME RODRIGUES*

A questão da escravidão no romance machadiano

Para um leitor médio, já deve ser lugar-comum saber que a obra de Machado de Assis dialoga com as questões mais prementes de seu tempo – em especial do Brasil, mas também da Europa e da América. O autor não somente não se furtou das discussões públicas, como escrevia amiúde sobre a escravidão, sobre questões diplomáticas, disputas políticas internas e, claro, sobre arte – o objeto mais caro de sua obra.

Tais debates (que eram feitos nas páginas dos jornais do Rio de Janeiro) adentraram de modo sistemático em sua produção propriamente literária: um estudo sincrônico de sua prosa, poesia e teatro junto às crônicas demonstram isso (como é o caso da pesquisa de Lúcia Granja[i] e de Marcelo Lotufo[ii]). Isso é, qualquer acusação de algum tipo de silêncio ou pouco caso do escritor com questões como a escravidão parecem fora de seu tempo, e poderíamos recomendar os famosos contos “O caso da vara” ou “Pai contra mãe”.

No romance, ainda, a questão é também forte, seja no aspecto mais superficialmente temático (como, por exemplo, é o caso do escravo Prudêncio das Memórias póstumas de Brás Cubas) ou mesmo estrutural (como demonstrou o já clássico ensaio de Roberto Schwarz[iii]). Vejamos, então, o último livro publicado pelo autor em vida, o Memorial de Aires (1908).

Nele seguimos um caso típico do romance machadiano: um enredo rarefeito e furtivo, um estilo bastante digressivo com alto teor de autorreferencialidade e uma forma bastante ousada: a de um diário de um diplomata aposentado entre os anos 1888 e 1889. Não é de se espantar que o romance tem como pano de fundo histórico a abolição da escravidão e o fim do Império (em que se pese que o diário não atinge o 15 de novembro), e, mais, que se escolha como protagonistas pessoas oriundas da classe de proprietários de escravos com seus interesses mesquinhos. A sequência do diário que passa pela abolição, então, é de interesse para se notar em quais termos se dava o debate sobre a alforria entre essa classe e os intelectuais que dela pertenciam – como é o caso de José Marcondes Aires, o redator do diário.

Neste momento, entre fins de março e início de maio, temos um grande proprietário, o barão de Santa-Pia, que, enfurecido pela proximidade da libertação, decide alforriar seus cativos por força própria, pois “condenava a ideia atribuída ao governo de decretar a abolição”[iv], ao que justifica nos seguintes termos: “Quero deixar provado que julgo o ato do governo uma espoliação, por intervir no exercício de um direito que só pertence ao proprietário, e do qual uso com perda minha, porque assim quero e posso”[v].

O plano do barão é, neste sentido, liberar seus escravos antes de o governo fazê-lo, por acusar o ato de espoliação: ele, alguém que sujeita pessoas à condição de coisa, sem nome e sem história; e, assim, exige — como boa parte dos proprietários do tempo — uma indenização não aos cativos que foram sequestrados e destruídos por gerações, mas para si mesmo, por estar sendo usurpado de suas coisas, que, em realidade, são pessoas — um problema que Machado já havia tratado ironicamente em uma crônica de 1888 da série Bons Dias![vi] publicada na Gazeta de Notícias, jornal de caráter abolicionista e republicano do fim do século XIX.

O plano de Santa-Pia, porém, não é levado a cabo, por intervenção de seu irmão, que lhe assegura que “com a alforria imediata, ele prejudica a filha, herdeira sua”, e o barão não teria a intenção de “negar o direito eventual da filha aos escravos”[vii]. A herança de pessoas que tem sua vida espoliada até a morte em uma fazenda que passa por uma série de problemas de ordem produtiva, é isto que se tem em mente aqui; e ainda pesa o barão que, mesmo libertos, os cativos não sairiam da fazenda, mas ficariam “ganhando o salário que lhes vou marcar, e alguns até sem nada”[viii].

É de se notar, portanto, que o barão de Santa-Pia de fato permanecerá com os seus escravos, como também é o caso de Aires, cujo cativo José fica consigo mesmo após a alforria – com a chegada da Lei Áurea, o próprio Aires não deixa de notar que, mesmo com ela, “não poderemos acabar com os atos particulares, escrituras e inventários, nem apagar a instituição da história, ou até da poesia”[ix], o que sem dúvida tentou ser feito por uma parte considerável dos intelectuais brasileiros do século XX, tempo em que Machado de Assis escreve seu romance.

O caso ainda se desdobra de modo mais cínico no final do romance-diário: depois de morto o pai, a filha decide se desfazer da fazenda – note-se que a região da Paraíba do Sul, onde fica a propriedade de terra, se encontrava numa crise produtiva bastante significativa naquele tempo. Neste sentido, sua decisão, em primeiro momento, seria de vendê-la, porém o noivo lhe convence a doá-la aos escravos depois de um dos dois potenciais compradores recusar o valor de venda (pela crise?); como teria dito Tristão, o noivo: “Uma vez que os libertos conservam a enxada por amor da sinhá-moça, que impedia que ela pegasse a fazenda e a desse aos seus cativos antigos? Eles que trabalhem por si”[x]. Qualquer semelhança com discursos mais contemporâneos que imputam ao pobre a liberdade por meio do empreendedorismo periférico ou ditos do tipo não deve ser uma coincidência; eles só se transmutaram em termos mais ideologicamente próximos a nós.

Sabe-se como o processo da alforria no Brasil acabou por indenizar os proprietários e não as pessoas escravizadas por gerações, que, ainda mais, foram largados à própria sorte com discursos como este de Tristão. Estes jovens legatários da classe dominante então abandonam o Brasil em direção a Portugal, após seu casamento, deixando para trás o Rio de Janeiro em transformação, que verá no tempo de Machado de Assis a higienização de Rodrigues Alves, e, na antiga metrópole, o regicídio do último monarca português; enquanto isso, eles mesmos, os jovens apaixonados, ricos e já prometidos a uma vida de sucesso político, insinuam àqueles que foram brutalizados que o trabalho na roça os libertará.

Fidélia e Tristão estão em busca de um idílio, um amor campestre ao gosto de um quadro de Teócrito, como menciona o conselheiro em seu diário; contudo, há de se lembrar que o campo e a terra entre nós nunca foi um espaço de realização amorosa: ele foi, em verdade, o lugar da mais profunda brutalização – de pessoas e de outros seres vivos que ali estavam.

Machado de Assis está escrevendo este romance durante a primeira década do século XX, esta belle-époque fluminense, que após a Guerra, suscitou memórias idílicas de um passado belo em que se desfrutava da vida sem preocupações. Caberia observar, contudo, junto ao olhar arguto do escritor brasileiro, que este passado é constituído por um fantasma, e fundado, sobretudo, na brutal exploração e destruição — e os dominadores sempre buscaram inverter esta história. Seria o caso, então, de retornar à formulação de um dos mais poéticos pensadores modernos, um contemporâneo do velho Machado:

Aqueles que, até hoje, sempre saíram vitoriosos integram o cortejo triunfal que leva os senhores de hoje a passar por cima daqueles que hoje mordem o pó. Os despojos, como é da praxe, são também levados no cortejo. Geralmente lhes é dado o nome de patrimônio cultural. Eles poderão contar, no materialista histórico, com um observador distanciado, pois o que ele pode abarcar desse patrimônio cultural provém, na sua globalidade, de uma tradição em que ele não pode pensar sem ficar horrorizado.

Porque ela deve a sua existência não apenas ao esforço dos grandes gênios que a criaram, mas também à escravidão anônima dos seus contemporâneos. Não há documento de cultura que não seja também documento de barbárie.[xi]

*Guilherme Rodrigues é doutor em teoria literária pelo IEL da Unicamp.

Notas


[i] Para ficar em apenas dois casos de sua vasta produção: GRANJA, Lúcia. Machado de Assis: antes do livro, o jornal. São Paulo: Ed. Unesp, 2018; e “Das revistas aos livros: Machado de Assis, Jules Verne e seus editores”. in: Soletras, v. 40, 2021, pp. 131-43.

[ii] LOTUFO, Marcelo. “‘Instinto de Nacionalidade’ e os contos ‘Aurora sem dia’ e ‘A parasita azul’: uma proposta de leitura sincrônica para Machado de Assis”. in: Machado de Assis em Linha, v. 13, 2020, pp. 25-43.

[iii] SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. São Paulo: Editora 34, Duas Cidades, 2012.

[iv] Na entrada de 10 de abril de 1888 (referenciamos no restante deste artigo somente as datas das entradas do diário).

[v] ibid.

[vi] Crônica de 19 de maio de 1888, em que se incorpora na voz do cronista um proprietário que liberara seu escravo Pancrácio antes da alforria do 13 de maio.

[vii] Memorial de Aires, 10 de abril de 1888.

[viii] ibid.

[ix] Memorial de Aires, 13 de maio de 1888.

[x] Memorial de Aires, 15 de abril de 1889.

[xi] BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito de História”. in: O anjo da história. Org. e trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2020, pp. 12-3.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Milton Pinheiro Eleutério F. S. Prado Celso Favaretto Manchetômetro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Afrânio Catani Tarso Genro João Carlos Loebens Valerio Arcary Carla Teixeira Marilena Chauí Yuri Martins-Fontes Michael Roberts Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Andrew Korybko Francisco Pereira de Farias Igor Felippe Santos Daniel Costa Vinício Carrilho Martinez Bernardo Ricupero Benicio Viero Schmidt Michael Löwy Paulo Sérgio Pinheiro Heraldo Campos Luis Felipe Miguel Luiz Renato Martins Daniel Brazil Roberto Noritomi Alysson Leandro Mascaro Ari Marcelo Solon Remy José Fontana Luís Fernando Vitagliano Vladimir Safatle Paulo Nogueira Batista Jr João Adolfo Hansen Slavoj Žižek Gilberto Maringoni Julian Rodrigues Ronald Rocha João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Tadeu Valadares Anselm Jappe Bruno Machado Fábio Konder Comparato Atilio A. Boron Chico Alencar José Raimundo Trindade Eugênio Trivinho Mariarosaria Fabris Chico Whitaker Leonardo Boff Luciano Nascimento José Luís Fiori Antonino Infranca Celso Frederico Samuel Kilsztajn Luiz Marques Maria Rita Kehl Flávio Aguiar Osvaldo Coggiola Valério Arcary Armando Boito José Machado Moita Neto Ronald León Núñez Luiz Costa Lima Eleonora Albano Luiz Roberto Alves Denilson Cordeiro Luiz Bernardo Pericás Rubens Pinto Lyra Eugênio Bucci Dennis Oliveira Marcelo Módolo Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Salles Alexandre de Lima Castro Tranjan Manuel Domingos Neto Claudio Katz Thomas Piketty Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Abramovay Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Silva Anderson Alves Esteves André Márcio Neves Soares Jorge Luiz Souto Maior Luiz Eduardo Soares Ladislau Dowbor Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Fernão Pessoa Ramos Mário Maestri Vanderlei Tenório José Micaelson Lacerda Morais Jean Pierre Chauvin André Singer Marcos Aurélio da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Juarez Guimarães Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz Priscila Figueiredo Gabriel Cohn Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Kátia Gerab Baggio Ricardo Fabbrini Gilberto Lopes Liszt Vieira José Costa Júnior Otaviano Helene Berenice Bento Annateresa Fabris Leonardo Avritzer Renato Dagnino Antônio Sales Rios Neto Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Leda Maria Paulani Paulo Fernandes Silveira Bento Prado Jr. José Dirceu Jorge Branco João Lanari Bo Walnice Nogueira Galvão Gerson Almeida Antonio Martins Lincoln Secco Tales Ab'Sáber Eduardo Borges Henry Burnett Flávio R. Kothe Airton Paschoa Eliziário Andrade Marcus Ianoni Ricardo Antunes Sergio Amadeu da Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Sandra Bitencourt Fernando Nogueira da Costa Érico Andrade Paulo Martins João Paulo Ayub Fonseca Salem Nasser Ricardo Musse Marjorie C. Marona Rafael R. Ioris Daniel Afonso da Silva Elias Jabbour Dênis de Moraes Rodrigo de Faria Roberto Bueno João Feres Júnior Leonardo Sacramento Boaventura de Sousa Santos José Geraldo Couto Alexandre de Freitas Barbosa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada