As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Uma nova síntese

Imagem: Alexander Zvir
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ION DE ANDRADE*

O desafio de integrar desenvolvimento econômico, inclusão social e cidadania

Como já disse um filósofo, quando uma coisa está em movimento, ela está e não está, ao mesmo tempo, em dado lugar. Com o governo Lula 3 dá-se o mesmo, como está em movimento, ele está e não está nos governos passados, está e não está no Brasil que devemos construir.

Essa condição natural do movimento produz discursos que poderiam parecer contraditórios, mas que refletem a própria elaboração de Lula e do seu governo quanto aos caminhos a seguir. Encontrar esse caminho produzirá um considerável ganho de velocidade no rumo efetivamente desejado. Não por coincidência, o governo quer o Brasil no “rumo certo” o que é uma equação bastante complexa.

Para manter esse movimento em marcha e no rumo certo é preciso, portanto, conhecimento preciso do que constitui a etapa do ontem e a do amanhã, o que fará com que o movimento ganhe velocidade.

Vejamos inicialmente nessa elaboração de Lula a parte do discurso, que se alinha aos governos passados. Não se trata, quero sublinhar, de uma crítica, mas do desejo de contribuir para que a dualidade natural do momento atual se conclua, o quanto antes, por uma nova síntese.

Na parte final do artigo veremos discursos e iniciativas do próprio Lula alinhados ao que entendemos seja o novo projeto de futuro. No centro do debate que propomos aqui o recorte do acesso ao direito à cidade, à inclusão social e à contemporaneidade para as maiorias.

 

O velho: de onde estamos vindo, um economicismo keynesiano para a multiplicação de consumidores

Influenciado pelo inegável sucesso dos governos passados, que são o ponto de saída do atual governo, o discurso de Lula tem sido marcado por um conteúdo de viés economicista centrado na melhoria da renda do povo que também funciona como locomotiva da economia.

É uma lógica verdadeira, (embora parcial) já que o crescimento econômico e a recomposição da esperança do povo no futuro do país produzem alegria de viver, popularidade e governabilidade.

O vídeo curto do portal “Lula Oficial” ilustra essa compreensão que, em economia, é keynesiana. Porém, a extrapolação linear dessa lógica keynesiana, de forma absoluta, numa espécie de keynesianismo social pode gerar um problema cuja detecção é crucial para afinar o rumo certo, que é o que nesse artigo propomos.

Antes de abordar o risco vale considerar que a incorporação dos mais pobres ao mercado consumidor, obviamente é parte da equação do dito “rumo certo”.

Vejamos, porém, os riscos contidos nesse “keynesianismo social”. Obviamente que Lula tem uma visão muito mais abrangente sobre o papel do povo na vida social do que esse fragmento de vídeo poderia deixar supor, e, obviamente, não seria justo reduzi-lo a meia dúzia de palavras num discurso de improviso.

O propósito aqui não é, portanto, de condenar, mas de: (a) tentar captar uma das ideias força presentes no momento histórico do Brasil de hoje, um “melhorismo” que, de certa forma, apequena realidade social que o governo se dá como alvo, cujo viés aí é bem mais “passadista” e (b) de reconhecer que elementos dessa compreensão minimalista do que o povo quer ou do que é devido ao povo efetivamente perpassam uma certa compreensão política e algumas ações de governo.

Alguns devem estar perguntando que diabos de risco esse vídeo ilustra? Vejamos.

 

Consumidores x cidadãos; integrismo religioso; jornadas de junho e mal-estar social

Nesse último vídeo, o horizonte estratégico da vida das maiorias é visto sob o prisma de uma extrapolação linear economicista da distribuição e da circulação da renda enunciada no primeiro vídeo, visão essa que desemboca na ideia de uma produção em larga escala de consumidores pobres, mas não de cidadãos.

O problema é que escapam desse ideário dois elementos estratégicos: (a) o projeto de vida coletiva das comunidades no seio das quais essas famílias vivem, que pode ser fonte de politização, participação e desenvolvimento de aptidões, mas também, por carência de projeto, de alienação política e social e (b) a ideia da formação cotidiana de uma consciência cidadã e politizada no meio do povo ou seja, aquela consciência que pauta a coletividade.

Embora a “felicidade da família nuclear” exaltada no vídeo seja parte da equação, tais ausências deixaram, nos governos Lula 1 e 2, esses novos consumidores pobres à mercê das igrejas neopentecostais que tiveram um crescimento exponencial com base na ocupação do espaço vazio deixado pela inexistência de um projeto cívico cidadão.

A ausência desse projeto cívico ajuda a explicar o tremendo mal-estar e a explosão de insatisfação das jornadas de junho de 2013, até hoje mal compreendidas, que emergiram como uma frustração difusa com a vida medíocre, limitada e sem horizontes vivida por milhões.

Vale também ressaltar, para além das jornadas de junho, que o horizonte pequeno burguês no meio popular, sem projeto cívico e sem preocupação com a formação de uma cidadania politizada e numerosa, quando prospera, é a sementeira do vigoroso e bem conhecido integrismo religioso. Esse integrismo é o projeto cívico substituto em decorrência da ausência de um projeto cívico indutor de participação social e cidadania.

Esse fenômeno, aliás, conseguiu, apesar dos pesados investimentos do Estado (em moradias, por exemplo) e do esforço hercúleo de diversas políticas públicas, ser vitorioso em incontáveis cenários naquilo que é mais estratégico: a formação da consciência de si e da sociedade pelo povo que, sob esse formato e na circunstância tenebrosa, se alinhou, como vimos, ao fascismo.

O que não se vê aí é que, os avanços citados por Lula como possíveis de serem conquistados pelo povo se forem vistos desde a perspectiva macro para a micro, revelarão (e é o que ele vê) a ação de um Estado que quer cuidar das pessoas, porém, se forem enxergadas na perspectiva inversa, da micro para a macro, que é o que está ao alcance das pessoas, o que sobressai é (a) o mérito pelo trabalho e (b) a ajuda de Deus pelos sacrifícios e pelos inúmeros sofrimentos trazidos por vidas inteiras de exclusão social.

A extrapolação da lógica economicista e a ausência do projeto cívico (vida coletiva e cidadania) produziu e aos milhões uma percepção carregada de afetos e certezas na meritocracia e no integrismo religioso com profundas raízes.

Veremos agora o que há de novo no próprio discurso de Lula e nas ações do governo Lula 3 que dão conta de que estamos em movimento e que o governo se busca e busca o caminho.

 

O novo: para onde temos que ir: um projeto cívico capaz de produzir vida coletiva e replicar a cidadania em grande escala

Vejamos.

Então o povo não quer tão pouco assim, há elementos simbólicos novos no maior programa social previsto pelo governo que é o Minha Casa Minha Vida e que no discurso de Lula emerge, (batalha dos urbanistas que desenharam a ideia), com novidades como a sacada e a biblioteca, frestas solares de uma vida coletiva e cidadã que põem aí as suas primeiras folhas.

O vídeo curto abaixo mostra com maior clareza ainda de que trata esse projeto, vejamos.

A proposta, gestada no Napp Cidades da Fundação Perseu Abramo e no Br Cidades que agora se materializa no Novo Minha Casa Minha Vida é a da oferta da moradia casada com equipamentos sociais de qualidade para a cultura, o esporte e o lazer e suas políticas para o benefício não somente dos conjuntos Minha Casa Minha Vida como também das populações do entorno para quem a presença do Minha Casa Minha Vida trará qualidade de vida, facilitando a sua integração no tecido social e urbano do bairro onde estará.

Que diferença simbólica traz o equipamento público preenchido por suas políticas específicas para a cultura, o esporte, o lazer… em relação à “felicidade da família nuclear” da extrapolação keynesiana? Ele produz vida coletiva, domínio de uma arte ou de um esporte (novas aptidões), uma nova cosmologia do eu no mundo, atado a um “nós”, autoconfiança e autoestima pelo avanço interior do domínio da técnica, novos horizontes de interesse, trabalho em equipe, autodisciplina… e oferta dessas novas oportunidades. A casa e o carro, não, mas o equipamento cultural ou esportivo funcionando escapam à ideia da meritocracia individual, pois devolvem visibilidade meridiana à ação pública e politizam porque nesse desenho o desenvolvimento de cada um condiciona o desenvolvimento dos outros!

Embora o Minha Casa Minha Vida não possa ser definido como periferia, pois já se trata de uma política de saída, nele a proposta surge como uma primeira matriz do que poderá ser feito no conjunto das periferias brasileiras enquanto política integrada a diversas outras, todas focadas no enfrentamento de séculos de abandono dos mais pobres devido à omissão do Estado. Essa ideia força está presente na elaboração da Secretaria de territórios periféricos do Ministério das Cidades através do inovador Projeto periferia viva.

A própria Secretaria de territórios periféricos, comandada por Guilherme Simões, criada com o papel de construir a integração das políticas públicas nas periferias, é uma inovação genial desse governo Lula 3 e pertence, portanto, ao universo de feitos e ideias desse “para onde devemos ir” do movimento que está em andamento.

Vale salientar que, com cada ministério focado na busca do rumo certo por conta própria, que a Secretaria de territórios periféricos oferece ao conjunto do governo a oportunidade de buscar esse rumo certo de forma integrada onde ele é mais necessário: as favelas, comunidades, bairros populares e zonas rurais do Brasil.

Na condição de torcedor do governo Lula penso que seria um golaço fortalecer as ações de direito à cidade, de inclusão social e de acesso à contemporaneidade nos territórios periféricos de forma integrada. De fato, no cenário social do Brasil de hoje nada há de mais importante, o que justificaria até mesmo um verdadeiro esforço de guerra por essas bandeiras estratégicas para a sociedade, para as pessoas e para a democracia brasileira.

Esse esforço (i) é factível, pois temos a competência nacional para fazê-lo; (ii) é barato, sobretudo se utilizarmos a estratégia de territorialização como faz o SUS, pois essa nova rede de equipamentos e políticas é muito mais barata do que a do SUS e (iii) é estratégico, pois produzirá cidadania a cento por um, massa crítica crucial para a estabilidade da democracia, para a governabilidade, para a sedimentação dos consensos necessários à continuidade dos avanços sociais e transformará em definitivo e para melhor a sociedade brasileira.

*Ion de Andrade é médico, professor universitário e membro da Rede BrCidades.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Lopes Paulo Sérgio Pinheiro José Micaelson Lacerda Morais Airton Paschoa Marcos Aurélio da Silva Salem Nasser André Márcio Neves Soares José Geraldo Couto Dênis de Moraes Luiz Eduardo Soares Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Anderson Alves Esteves Fábio Konder Comparato Marilena Chauí Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carla Teixeira Marcelo Guimarães Lima Daniel Brazil Luiz Costa Lima Osvaldo Coggiola Celso Frederico Liszt Vieira Flávio Aguiar Daniel Costa Tadeu Valadares Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos Caio Bugiato Tarso Genro Eugênio Trivinho Ricardo Antunes Lorenzo Vitral Rodrigo de Faria Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Mariarosaria Fabris Bento Prado Jr. Eleonora Albano Gerson Almeida José Costa Júnior José Luís Fiori Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Marques Tales Ab'Sáber Lincoln Secco Ronald Rocha Eugênio Bucci Yuri Martins-Fontes Remy José Fontana Rafael R. Ioris Gabriel Cohn Celso Favaretto Flávio R. Kothe Slavoj Žižek João Paulo Ayub Fonseca Roberto Bueno Maria Rita Kehl Luiz Renato Martins Leda Maria Paulani Leonardo Boff Jean Pierre Chauvin Claudio Katz Alexandre de Freitas Barbosa Luis Felipe Miguel Walnice Nogueira Galvão Vinício Carrilho Martinez Luiz Werneck Vianna Marcos Silva Antonio Martins Carlos Tautz Sergio Amadeu da Silveira Jorge Branco Jorge Luiz Souto Maior Dennis Oliveira Paulo Martins Rubens Pinto Lyra Michael Roberts João Adolfo Hansen Ricardo Musse Eduardo Borges Mário Maestri Marjorie C. Marona Armando Boito José Raimundo Trindade Michael Löwy Benicio Viero Schmidt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valério Arcary Daniel Afonso da Silva Heraldo Campos Annateresa Fabris Everaldo de Oliveira Andrade Gilberto Maringoni João Carlos Loebens João Carlos Salles Alysson Leandro Mascaro João Sette Whitaker Ferreira Samuel Kilsztajn Fernão Pessoa Ramos Henri Acselrad Ricardo Abramovay Ronald León Núñez Manchetômetro Thomas Piketty Henry Burnett Atilio A. Boron Bernardo Ricupero Otaviano Helene Francisco Pereira de Farias Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino João Feres Júnior Denilson Cordeiro Paulo Capel Narvai João Lanari Bo Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade Andrew Korybko André Singer Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Fernandes Ladeira Afrânio Catani José Machado Moita Neto Milton Pinheiro Leonardo Sacramento Berenice Bento Elias Jabbour Roberto Noritomi Marcus Ianoni Anselm Jappe Ladislau Dowbor Chico Whitaker Luiz Roberto Alves Érico Andrade Sandra Bitencourt Bruno Machado Antonino Infranca Vanderlei Tenório Marcelo Módolo Alexandre de Lima Castro Tranjan Julian Rodrigues Ari Marcelo Solon Manuel Domingos Neto Ronaldo Tadeu de Souza Eleutério F. S. Prado Vladimir Safatle Luciano Nascimento Fernando Nogueira da Costa Priscila Figueiredo Jean Marc Von Der Weid José Dirceu

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada