Páginas rasgadas

Imagem: Claudio Cretti / Jornal de Resenhas
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GUILHERME E. MEYER*

Cinco poemas

uma promessa
quando tudo parecer perdido
me lembra que uma coragem vive no desespero
e em sonhos que nunca nos tiraram
me lembra que nada dura pra sempre
e cada segundo contém a chance
de um novo começo
me lembra que esperança é risco
e o nosso grito
é parte de um eco
me lembra que a dor nos quebra
e não precisa
e toda luta carrega uma promessa
nem a pedra mais dura resiste à força
de toda essa água

 

o fogo não é nada de novo
dias que mal me lembro
que mal sinto se passam
o coração é um apartamento fechado
e até as paredes têm cor de desalento
(as janelas cobertas de poemas velhos)
o que seria de mim sem
as tuas palavras no ouvido
rugas nos olhos
um corpo cansado
milhões de mortos
e mais um outono
pedaços de quem só pensa em pedaços
………………………………………………….[e o fogo
não é nada de novo

 

sexta-feira, 20 de março de 2020
páginas manchadas de café
será que algum dia para de doer
não há mais por que chorar
não há mais por que ter medo
nada mais é nosso
é isso que temos
um sonho cheio de risco
um delírio embriagado de desejo
uma esperança sem espera e cheia
de revolta

 

carta contra o firmamento
                                                                                                to sean bonney

hoje levantei de madrugada
e li poemas de katerina gagou
você foi encontrado morto
em algum lugar em berlim
katerina se suicidou em 1993
o futuro é agora ou não é nada
ninguém mais apaga a nossa revolta
mais três cliques pra esquerda
o corpo cheio de cartas e letras
e páginas rasgadas
nossa solidão imensa
garrafas de cerveja em fila
o maldito som das sirenes
e das medidas de austeridade
não acredite em nada
que sai da boca deles
hoje, onde o futuro não existe e as flores
só nos deixam mais tristes

 

um mar de revolta
ônibus em chamas e janelas estouradas
a voz dos silenciados
na língua de saques e explosivos
“pelo terceiro dia seguido
a bolsa de valores fechou mais cedo”
o exército nas ruas
me ama agora. tudo queima
“estado de emergência” a norma
a verdadeira cara
do estado de coisas
“uma cidade muito, muito vazia”
um grão de areia
um mar de revolta
aperta a minha mão
e não solta.agora só resta trazer à tona uma
outra emergência

 

*Guilherme E. Meyer é doutorando em literatura inglesa e americana na New York University.

 

 

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • Depois do dilúvioTarso Genro 20/05/2024 Por TARSO GENRO: Um cavaleiro apocalíptico, três negacionismos e muitos funerais

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES