Violência escolar

Imagem: Ignacio Palés
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GABRIEL MEDINA*

A escola pública segue sendo o mais importante equipamento público na vida de meninos e meninas.

O Brasil vive uma explosão de ataques violentos em escolas nos últimos anos, fenômeno que se agravou nas últimas semanas. Somente 2022 e 2023 já superam o número de ataques contra as escolas ocorridos nos últimos 20 anos, como apontam os dados da pesquisadora Michele Prado, do Monitor do Debate Político no Meio Digital da USP.

Os estudos de perfis dos autores dos ataques têm demonstrado que são jovens, em sua maioria do sexo masculino e brancos, com baixa sociabilidade em ambientes presenciais, com pouca vivência coletiva. Exercendo a socialização majoritariamente por meios virtuais, o desconforto social é mobilizado como ódio ao diferente, sendo facilmente cooptados por discursos extremistas e misóginos, racistas e autoritários.

Ainda que faltem estudos para compreender a relação dos ataques com o bolsonarismo, é inegável que o caldo produzido nos últimos anos, com a flexibilização do porte de armas, estímulo à ação policial sem qualquer controle e a naturalização da violência de raça, gênero e homofóbica, constituíram um ambiente permissivo para a ação dos jovens. Soma-se a isso, um ambiente digital com redes sociais que permitem a disseminação da cultura do ódio, encorajando os jovens para a realização de ações violentas.

A violência escolar não pode ser compreendida como um fenômeno isolado. Ainda que tenha contornos particulares, deve ser observada como parte de uma cultura social mais ampla, presente no mundo, mas com características brasileiras. A violência é tipicamente parte da cultura da masculinidade, sustentada no patriarcado, responsável pelas guerras e tantas atrocidades ao longo da história e isso está longe de ser um problema nacional. O Brasil é um país construído em bases muito violentas, seja pelo genocídio dos povos indígenas, seja pelo processo de escravização, convivemos desde a colonização com uma naturalização de formas violentas nas relações sociais e na organização do Estado.

A escola, que foi bastante atacada nos últimos anos, com um MEC inepto e projetos como escola sem partido, não conseguiu desde a redemocratização ser uma instituição acolhedora e capaz de apresentar uma perspectiva de futuro para todos e todas. Sua organização ainda se estrutura em um modelo meritocrático, onde se valoriza os que se adaptam ao seu formato e conquistam lugar ao sol (com alguma sorte conseguem acessar o ensino superior público) e uma grande massa descartada, que ou abandonam os bancos escolares ou terão uma trajetória marcada pela pobreza, precarização no mundo do trabalho e desalento.

A diversidade das juventudes não é considerada pela escola, as trajetórias populares, de completa ausência de direitos e dignidade, não são acolhidas e apoiadas, em geral, são consideradas por educadores como de responsabilidade das famílias pela falta de educação. As identidades de raça, gênero, orientação sexual não são compreendidas e apoiadas pelos gestores e professores. Ainda que com dimensões que exigem outras abordagens, o mesmo pode se dizer dos jovens com deficiência.

Portanto, as juventudes que adentram a escola, são obrigadas a conviver com normas e regras rígidas, que não foram chamados a construir, sem ter seus desejos atendidos, sem que suas identidades respeitadas e com relações bastante autoritárias por parte dos educadores.

Com essa caracterização, não pretende desconsiderar o esforço de educadores e profissionais da educação para transformar esse cenário e construir processos inclusivos e significativos na vida de milhares de jovens. A escola pública segue sendo o mais importante equipamento público na vida de meninos e meninas, impulsionando positivamente muitas trajetórias.

Enfrentar essa temática da violência exige uma reflexão profunda, envolvendo gestores públicos, comunidade escolar, profissionais e acadêmicos de distintas áreas, pois se trata de um problema complexo e que demanda uma resposta sistêmica, preventiva e não apenas projetos emergenciais, produzidos no calor do momento.

Portanto, as respostas são intersetoriais e passa por compreender as juventudes como sujeitos de direitos, em todas as dimensões da vida e construir uma escola realmente para todos, com práticas pedagógicas ativas, que desperte o encantamento pelo saber e a curiosidade científica, que promova o respeito aos direitos humanos e uma cidadania ativa.

É importante que sejam realizadas ações emergenciais e protocolos de orientação aos profissionais da educação e estudantes de como reagir em casos de incidentes graves, com botões de alerta para equipes de atendimento (saúde, segurança…), ampliando a segurança na escola e garantindo a preservação da vida de todos. As respostas dos governos parecem caminhar mais nessa direção.

Contudo, é imprescindível que passemos de ações emergenciais e reativas para a construção de políticas estruturantes e integrais, que demandam diálogo amplo e respostas preventivas de longo prazo e especificamente em relação à escola, sustentadas em princípios da justiça restaurativa e não punitiva. A criação de grupos de mediação de conflito, de professores e estudantes capazes de promover a convivência democrática e regras que sejam construídas coletivamente, que geram responsabilização e compromisso de todos.

Por isso, um passo essencial é a ideia de construir um percurso de acolhimento, escuta e participação significativa na escola, que ainda foi pouco experimentada na escola pública. É preciso que o menino negro, a mulher trans, um menino com baixa capacidade de interação social e todas as formas de ser das juventudes tenham lugar na escola. A participação é promotora de sentido, contribuindo com a promoção de ambientes mais seguros e promotores da saúde mental. É a hora de colocar a defesa da vida no centro da reconstrução do Brasil.

*Gabriel Medina, psicólogo, é mestrando em Ciências Humanas e Sociais na UFABC. Foi Secretário Nacional de Juventude e presidente do Conselho Nacional de Juventude.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Eduardo Soares Heraldo Campos Lucas Fiaschetti Estevez Ari Marcelo Solon Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Elias Jabbour Tales Ab'Sáber José Luís Fiori Gilberto Lopes Fernando Nogueira da Costa Sandra Bitencourt André Márcio Neves Soares Tarso Genro Gilberto Maringoni José Machado Moita Neto Luciano Nascimento Eugênio Trivinho Boaventura de Sousa Santos Celso Favaretto Carla Teixeira Luiz Marques Celso Frederico Gabriel Cohn Bernardo Ricupero Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Alencar Jorge Luiz Souto Maior Jorge Branco Antonino Infranca Marcos Silva Berenice Bento Claudio Katz Bento Prado Jr. Daniel Brazil Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko Flávio R. Kothe Eduardo Borges Priscila Figueiredo José Raimundo Trindade Ricardo Antunes Luiz Werneck Vianna Mário Maestri Ladislau Dowbor José Costa Júnior Dennis Oliveira Rodrigo de Faria Luís Fernando Vitagliano Benicio Viero Schmidt Julian Rodrigues Ricardo Musse Renato Dagnino Ricardo Abramovay Denilson Cordeiro Francisco Fernandes Ladeira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado Afrânio Catani Otaviano Helene Andrés del Río Yuri Martins-Fontes Daniel Costa Valerio Arcary João Carlos Loebens Leonardo Avritzer Alexandre de Freitas Barbosa Tadeu Valadares Antônio Sales Rios Neto José Geraldo Couto Annateresa Fabris Anderson Alves Esteves Milton Pinheiro Marjorie C. Marona Marilia Pacheco Fiorillo Michael Löwy Chico Whitaker Érico Andrade Manchetômetro Leonardo Boff Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Rubens Pinto Lyra Marcus Ianoni Caio Bugiato Luiz Renato Martins João Paulo Ayub Fonseca Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Henri Acselrad Antonio Martins Jean Marc Von Der Weid Eliziário Andrade Jean Pierre Chauvin Michel Goulart da Silva Leda Maria Paulani José Micaelson Lacerda Morais Flávio Aguiar Osvaldo Coggiola Fernão Pessoa Ramos Lorenzo Vitral João Lanari Bo Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Carlos Tautz Juarez Guimarães Eleutério F. S. Prado Walnice Nogueira Galvão Vanderlei Tenório Armando Boito Vinício Carrilho Martinez Matheus Silveira de Souza Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Bernardo Pericás Maria Rita Kehl Luis Felipe Miguel Eugênio Bucci Daniel Afonso da Silva Ronald León Núñez Paulo Capel Narvai Michael Roberts Henry Burnett Paulo Sérgio Pinheiro Ronald Rocha Francisco Pereira de Farias Manuel Domingos Neto Everaldo de Oliveira Andrade Anselm Jappe Eleonora Albano José Dirceu Luiz Roberto Alves Leonardo Sacramento Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira Mariarosaria Fabris João Adolfo Hansen Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco João Sette Whitaker Ferreira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Thomas Piketty Atilio A. Boron Paulo Martins Kátia Gerab Baggio Ricardo Fabbrini Vladimir Safatle Liszt Vieira André Singer Marcelo Módolo João Carlos Salles João Feres Júnior Slavoj Žižek Rafael R. Ioris Dênis de Moraes Remy José Fontana Marcelo Guimarães Lima Gerson Almeida

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada