Lula: um presidente populista?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Todo ou qualquer governo com compromissos democráticos e populares é espinafrado de antemão e sem tréguas

Populismo é um daqueles conceitos que de tão usados acabam quase totalmente esvaziados de qualquer sentido prático. Pode ser isso, aquilo – ou mesmo seu contrário, ao mesmo tempo agora – conforme o gosto do freguês. Na grande mídia, por exemplo, o termo aparece para adjetivar o que eles consideram regimes autoritários (quase sempre os de esquerda). Populismo seria, portanto, uma forma de governar maligna que deve ser repudiada.

A rigor, qualquer chefe de governo que acena com políticas públicas voltadas à diminuição da desigualdade e/ou à constituição de algo parecido com um Estado de bem-estar social é condenado imediatamente pela “tigrada” (os ricos e seus porta-vozes na mídia). Ganham carimbo fortes: viram feios, sujos, malvados – e ainda por cima recebem o anátema-mor: populistas.

Ou seja: fazer qualquer coisa para melhorar a vida do povo constitui-se em algo ruim por si. Todo ou qualquer governo com compromissos democráticos e populares é espinafrado de antemão e sem tréguas, porque, afinal, teria sido infectado pelo vírus populista. Mas o que é esse tal de populismo? O PT e Lula são populistas também? Se sim, isso é algo negativo ou positivo (e para quem)?

Ater-me-ei aos limites e características desse textinho – que é humilíssimo –, breve artigo jornalístico. Fugirei, portanto, de controvérsias teóricas. Solenemente vou desconsiderar a imensa produção crítica relacionada ao tema do populismo – tentarei ir direto ao ponto.

Jogo rápido: populismo é classificação atribuída a governos progressistas que implementam reformas sociais (geralmente na América Latina). Seus líderes – considerados carismáticos – costumam deter apoio tanto de frações da burguesia como das classes subalternas.

Pessoalmente prefiro enxergar tais governos como ensaio do que seria uma certa socialdemocracia possível em nuestra latino-américa. Perón na Argentina e Getúlio no Brasil, por exemplo.

Portanto, taxar de populista um governo como o de Jair Bolsonaro, neofascista, é muita sordidez e desonestidade intelectual – canalhice reproduzida pela grande mídia e também certos intelectuais “liberais”.

Populismo tem a ver, historicamente, com governos que melhoram de alguma forma a vida do povo. Como seria possível, então, colocar no mesmo balaio Maduro, Cristina e Bolsonaro? O que a mídia costuma rotular como populismo, na verdade se refere tão somente a governos que se situam no campo progressista – mesmo com diferenças e contradições.

Na verdade, populismo é a forma como tradicionalmente o andar de cima tende a classificar qualquer governo socialdemocrata em nosso continente (síntese afiada de Lincoln Secco). Perón e Getúlio – paradigmas do que seriam os tais governos populistas – não tinham origem pobre. Vinham de famílias “pequeno-burguesas”, por assim dizer. Todavia, fizeram na Argentina e no Brasil governos modernizadores que desenvolveram o capitalismo e seus respectivos Estados nacionais – com distribuição de renda e direitos sociais.

Ambos eram “populistas” então? Ou lideranças populares/carismáticas reformistas que operaram uma forte estratégia de comunicação e mobilização das massas trabalhadoras? Cá entre nós, talvez seja mais pertinente entender o getulismo e o peronismo como um ensaio socialdemocrata em latino-américa – e não como governos meramente “caudilhescos”.

Noves fora o “nojinho” que os liberais têm deles (o que por si só já é algo bem significativo), Getúlio e Perón deixaram sim um legado progressivo. Melhoraram a vida de muita gente com medidas modernizantes, industrializantes e distributivistas.

Aqui é preciso estabelecer um referencial: populismo – diferentemente do que propaga o senso comum, não tem, por si só conotação negativa – apesar de serem regimes/governos sempre considerados pela burguesia “feios, sujos e malvados”.

 

E o Lulão?

Há que se assinalar de saída as imensas diferenças entre a trajetória de Lula quando cotejada com a biografia dos históricos líderes populistas. Começando do começo. Lula era pobre, nordestino, migrante, um operário que se tornou líder sindical – e a partir daí protagonizou a formação do maior partido da classe trabalhadora brasileira.

Luís Inácio da Silva é, a despeito de todo preconceito e senso comum, um refinado intelectual orgânico do proletariado. Foi desde sempre arguto/dedicado dirigente partidário, além de extraordinário líder político – e ao mesmo tempo, gigantesco quadro de massas. Na Presidência da República revelou-se também talentoso gestor público. As políticas que executou no governo fortaleceram enormemente sua liderança entre as massas populares.

Às vezes acho que não temos nem de longe a noção exata da dimensão do que é agora e o que virá a ser o legado de Lula. A esquerda brasileira não deixa de ser privilegiada por poder contar com a liderança do filho da Dona Lindu. A burguesia e seus grilos-falantes se irritam demais (e nem ao menos tentam disfarçar) com a imensa capacidade que tem Lulão de falar diretamente às massas, e se firmar também como um estadista respeitado “all around the world”.

É fato. As políticas sociais de Lula foram fundamentais para estabelecer essa ligação especial que ele tem com os mais pobres. Críticas que tentam desqualificar a popularidade do Presidente, em especial a enormidade da força que detém no Nordeste, são em geral preconceituosas e elitistas – flertam com certo racismo regional.

Lula são muitos: é personagem dialético, pluridimensional. Navega por diversos espaços ao mesmo tempo – move-se entre eles com agilidade, argúcia e elegância singulares. Nas décadas vindouras Lula com certeza será tema de detalhadas pesquisas acadêmicas e figura de destaque nos livros de história.

André Singer foi pioneiro e ousado ao cunhar o termo “lulismo” – tateando, buscando uma teorização/explicação generalista. Mas, tem um problema de saída aí. Como esboçar uma teoria sobre Lula se ele ainda nem começou? Talvez seja melhor, do ponto de vista acadêmico, deixar a história se fazer por completo antes de buscar construir teses, hipóteses generalistas ou explicações sistêmicas sobre Lula e o “lulismo” (se é que isso existe mesmo).

O fato concreto (expressão que Lulão adora) é o seguinte: nem de longe se pode adjetivar Lula como líder “populista”. Suas raízes são sindicais: ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo é um agitador e organizador popular, orgânico.

Não me perfilo entre os que desqualificam e/ou consideram regressivos líderes como Getúlio ou Péron. Muito menos Néstor/Cristina Kirchner ou Chávez/Maduro – que são bem diferentes entre si, claro. Populismo, para nós progressistas, em nenhuma hipótese deve soar pejorativamente.

A Globo News e os nossos jornalões não cessam de martelar o tempo todo ideias neoliberais toscas: portam-se como assessoria de imprensa da Faria Lima. Recentemente dedicam-se o dia inteiro a incidir sobre o governo petista, sempre tentando bloquear o programa que elegeu Lula (uma plataforma keynesiana, social- desenvolvimentista).

Lula lidera um governo de coalizão com alguns setores (minoritários) das classes dominantes. Mas todos os sinais que vem emitindo vão na direção de realizar um mandato histórico. Ousado e transformador. Aliás, Lulão tem sido, na prática, a ala esquerda de seu próprio governo.

Mais experiente e preparado que nunca, marcado pela dolorosa experiência do cárcere é nítido que Lula não está a cultivar ilusões acerca do caráter das classes dominantes brasileiras. E parece determinado a deixar um consistente legado de democratização e redução da desigualdade.

 

Lula é maior que o PT? Certamente

Todavia, não existiria Lula sem o PT. Ou sem o sindicalismo, os movimentos sociais, sem toda a mobilização do campo democrático-popular. Lula tem raízes profundas no seio do povo organizado – e faz questão de as preservar. Nem de longe pode ser comparado a lideranças “populistas” (naquele sentido usual em que se emprega o termo).

Lula é a síntese das lutas da classe trabalhadora e de todos setores progressistas do país nos últimos 50 anos. É também produto do avanço da consciência política do povo. Não se trata de líder carismático que paira acima da sociedade civil e dos partidos. Pelo contrário. Lula só é o que é porque coletivamente o construímos nas últimas décadas – junto com um forte campo popular, democrático e socialista. Ele sempre reitera isso, a propósito.

Portanto, sem apressados ou superficiais rótulos. É ignorar e neutralizar a má vontade da mídia (e de certos setores acadêmicos) com um so-called populismo. Ou com o que seria o “lulismo”. (A propósito, já imaginaram Lulão em pleno modo populista? Seria bom demais).

Mas, todavia, porém, contudo, entretanto Lula e o PT expressam outro tipo de movimento, formato organizativo e representação de classe – fruto de outro contexto histórico. Além de ajudar Lula a realizar um excepcional terceiro governo, o desafio dado é aumentar a força eleitoral/social do PT e da esquerda como um todo. Portanto, é momento de apostar fortemente na mobilização/organização da juventude, priorizar a formação de quadros e realizar cotidianamente a disputa político-ideológica-cultural.

Quiçá o lulismo venha de fato a se constituir como uma força popular tão longeva e enraizada quanto efetivamente transformadora. Melhor ainda: que o PT siga sendo um partido orgânico, democrático, popular, plural e mantendo seu objetivo estratégico: a construção do socialismo no Brasil.

Parabéns e obrigado do fundo do coração a todas e todos lutadores do povo que ajudaram a construir o PT nesses últimos 43 anos. Vida longa ao Partido dos Trabalhadores. Viva Lula! Viva a classe trabalhadora! Viva o PT!

*Julian Rodrigues, jornalista e professor, é militante do PT e ativista do movimento LGBTI e de Direitos Humanos.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid Jorge Branco Samuel Kilsztajn Benicio Viero Schmidt Rubens Pinto Lyra Fernão Pessoa Ramos Ricardo Abramovay Chico Whitaker Matheus Silveira de Souza Eliziário Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Eugênio Trivinho Chico Alencar João Adolfo Hansen Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Martins Paulo Sérgio Pinheiro Mário Maestri Ronald Rocha Leda Maria Paulani Jorge Luiz Souto Maior Marilena Chauí Luiz Marques José Dirceu Vladimir Safatle Michael Löwy Érico Andrade Eleutério F. S. Prado Ricardo Musse Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Brazil Mariarosaria Fabris Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Paulo Capel Narvai Everaldo de Oliveira Andrade Tarso Genro Antonino Infranca Gabriel Cohn Eduardo Borges Andrew Korybko Celso Favaretto Henry Burnett Flávio Aguiar Flávio R. Kothe Alexandre Aragão de Albuquerque Walnice Nogueira Galvão Henri Acselrad Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa Lucas Fiaschetti Estevez João Lanari Bo Berenice Bento Luís Fernando Vitagliano Remy José Fontana Luis Felipe Miguel Francisco Pereira de Farias José Raimundo Trindade Juarez Guimarães Afrânio Catani José Micaelson Lacerda Morais Carlos Tautz Luciano Nascimento Paulo Fernandes Silveira Valerio Arcary Maria Rita Kehl Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado Sergio Amadeu da Silveira Rafael R. Ioris Annateresa Fabris Marcus Ianoni Marcos Aurélio da Silva Vanderlei Tenório Claudio Katz Leonardo Avritzer Andrés del Río Ari Marcelo Solon Atilio A. Boron João Carlos Salles Tales Ab'Sáber Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Yuri Martins-Fontes Daniel Afonso da Silva André Singer Otaviano Helene Ricardo Fabbrini Valerio Arcary Manchetômetro João Feres Júnior Elias Jabbour Dennis Oliveira João Carlos Loebens Luiz Eduardo Soares Renato Dagnino Igor Felippe Santos Ronald León Núñez Thomas Piketty Marcelo Módolo Caio Bugiato Francisco Fernandes Ladeira Luiz Bernardo Pericás Denilson Cordeiro Boaventura de Sousa Santos Osvaldo Coggiola Carla Teixeira Eugênio Bucci Luiz Renato Martins Alexandre de Freitas Barbosa Vinício Carrilho Martinez Anselm Jappe Anderson Alves Esteves Ronaldo Tadeu de Souza Milton Pinheiro Ladislau Dowbor Marjorie C. Marona Luiz Roberto Alves Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonio Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sandra Bitencourt Michael Roberts Fábio Konder Comparato José Geraldo Couto Leonardo Boff Gilberto Lopes José Machado Moita Neto Rodrigo de Faria Lincoln Secco Gilberto Maringoni Bernardo Ricupero Leonardo Sacramento Dênis de Moraes Liszt Vieira Daniel Costa Gerson Almeida Slavoj Žižek Tadeu Valadares José Costa Júnior Salem Nasser Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Marcos Silva João Paulo Ayub Fonseca Heraldo Campos Eleonora Albano Ricardo Antunes Armando Boito Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Celso Frederico Michel Goulart da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada