As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Na Suécia

Imagem: Valéria Possos
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FELIPE MARUF QUINTAS*

A social-democracia sueca não foi só distributivista, foi também nacionalista e desenvolvimentista

A Suécia é bastante conhecida nos debates políticos brasileiros como referência em igualdade social, progressismo de costumes e cultura pop. É bastante incomum, porém, o país ser associado a uma das suas principais características, o elevado grau de desenvolvimento industrial e tecnológico.

Com efeito, o país, apesar de ter uma população menor que a da cidade de São Paulo, possui uma estrutura industrial doméstica extremamente diversificada, controlada por grandes empresas e marcas nacionais, quase todas privadas. Muitas delas são internacionalmente conhecidas, como a Volvo e Scania (veículos), Electrolux (eletrodomésticos), Ericsson (telecomunicações), SAAB (aeroespacial e defesa), Atlas Copco e Sandvik (equipamentos industriais), Bofors (material bélico), Husqvarna (equipamentos de jardinagem e manejo florestal), IKEA (móveis), Tetra Pak (embalagens), entre várias outras.

Em estimativa de 2017, 33% do PIB sueco correspondem ao setor industrial, acima de outros tradicionais países industriais europeus, como Alemanha (30%), Áustria (28,4%), Suíça (25,6%), Bélgica (22,7%), Reino Unido (20,2%) e França (19,5%)[1]. Em 2018, a Suécia era o país europeu que mais investia em P&D proporcionalmente ao PIB, e o 4º do mundo, atrás de Israel, da Coréia do Sul e de Taiwan[2].

Produzem-se, na Suécia, por empresas e marcas nacionais: aviões, carros, caminhões, tratores, guindastes, escavadeiras, belonaves e iates (incluindo suas respectivas peças e sistemas), equipamentos ferroviários, aços, papéis, embalagens, fármacos, armas, eletrônicos, semicondutores, robôs, satélites, eletrodomésticos, relógios, aparelhos e dispositivos de telefonia, máquinas agrícolas, aparelhos de jardinagem e de manejo florestal, ferramentas manuais, compressores e rolamentos industriais, turbinas hidrelétricas, prensas hidráulicas, instrumentos de perfuração de rochas, derivados de petróleo, equipamentos médicos de alta complexidade como máquinas de radiocirurgia e tubos de ressonância, móveis, instrumentos musicais, instrumentos de pesca etc.

Entretanto, muitos setores industriais deixaram de existir no final do século XX, em um processo de reestruturação produtiva que marcou o fim do período social democrata e o avanço de práticas neoliberais. Na década de 1970, quando a Suécia vivia os últimos momentos do regime social-democrata, o país, por meio da joint-venture ASEA-ATOM (entre a empresa privada nacional de material elétrico ASEA e a estatal Atomenergi, ambas extintas hoje), era o único europeu a dominar todos os ramos da indústria atômica civil e construir usinas nucleares sem qualquer licenciamento tecnológico dos EUA. Entre 1972 e 1985, a ASEA-ATOM construiu nove usinas nucleares, sendo que apenas quatro permanecem ativas, operadas pela estatal Vattenfall. A Suécia também foi responsável, do início do século XX até 1975, por cerca de 10% da produção mundial de navios. Uma grande crise nos anos 1980/90 devastou o setor, um dos mais pujantes que a Suécia já teve, e hoje o país especializa-se na produção de belonaves (navios militares) pela divisão naval da SAAB[3].

Um outro aspecto interessante, também, é o fato de nenhuma mineradora estrangeira operar na Suécia, apesar do país ser um dos mais ricos em minérios da Europa[4]. Isso se explica por uma lei do século XIX que proibia a participação estrangeira na mineração. Apesar de abolida no início da década de 1990, a consolidação das empresas nacionais afastou possíveis interessados do exterior. A LKAB e a empresa privada nacional Boliden controlam a maior parte do setor mineiro sueco, o que assegura o pleno controle interno sobre os recursos naturais e alta capacidade de aproveitamento industrial dentro do país.

Longe de ser meramente “regulador”, como propugnado pelos arautos da “governança” neoliberal, o Estado sueco possui uma grande estrutura empresarial e de provisão de serviços, o que lhe permite elevada capacidade de coordenação econômica e de mobilização estratégica de recursos, impactando positivamente no desempenho produtivo do país. O Estado, por meio das suas empresas, agências e institutos, atua como parceiro do setor privado, criando as condições para que esse se desenvolva. No total, o Estado sueco possui 49 empresas estatais “multinacionais”, à frente da França (45), da Coréia do Sul (32) e muito à frente do Brasil (12)[5].

A Suécia possui empresas 100% estatais como a SEK (banco de desenvolvimento com foco em grandes empresas exportadoras), LKAB (mineração e equipamentos de mineração, maior produtora de ferro da Europa), Vattenfall (eletricidade, 6ª maior companhia elétrica da Europa em venda de energia[6]), SJ (ferrovias), Rymdbolaget (espacial), Svevia (construção civil) e Sveaskog (indústria florestal). O país possui forte integração física com seus vizinhos escandinavos por meio de empresas estatais compartilhadas, como a empresa postal PostNord e a de linhas aéreas SAS. Mesmo o programa de privatizações do governo de centro-direita de Carl Bildt (1991-1993), que transferiu ao setor privado cerca de 35 empresas estatais, não liquidou absolutamente o controle estatal em empresas estratégicas. O Estado sueco manteve-se como o maior acionista da empresa de telecomunicações Telia (antiga estatal Televerket), com 39,5% das ações atualmente, e o segundo maior acionista da siderúrgica SSAB, com 7,88% das ações hoje.

Um dos maiores projetos em curso com a participação de empresas estatais é o HYBRIT, trabalho conjunto entre a SSAB, a LKAB e a Vattenfall para desenvolver o primeiro processo do mundo de fabricação siderúrgica livre de combustíveis fósseis. O objetivo é iniciar a construção de uma planta-modelo em 2023, com previsão de conclusão em 2025[7].

As agências estatais também cumprem importante função no desenvolvimento da indústria nacional. Destaca-se, particularmente, a Vinnova, criada em 2001 para financiar inovações tecnológicas de modo a incrementar a liderança do país em setores de ponta, como biotecnologia, aeroespacial, internet das coisas (IoT), sistemas eletrônicos, industrialização do grafeno e aplicação de materiais metálicos. Vale mencionar também a Agência de Pesquisas Geológicas (SGU), criada em 1858, que fornece importantes serviços de pesquisa, assistência técnica e financiamento às mineradoras suecas.

O Estado sueco também possui centros tecnológicos de renome internacional, como o Instituto Real de Tecnologia (KTH) e o Instituto Karolinska, e exerce controle sobre o Instituto Tecnológico Chalmers. Esses institutos foram criados no início do século XIX e, desde então, servem de incubadora para vários técnicos, cientistas, inventores e empresários, dentre eles muitos ganhadores do Prêmio Nobel. Em 1997, foi criada a empresa estatal RISE – Research Institutes of Sweden, com o intuito de colaborar com as empresas e universidades no avanço científico e tecnológico do país.

Cabe mencionar também que a rede hospitalar pública, construída ao longo do século XX, além da evidente função social, serviu e serve também como colaboradora da indústria farmacêutica e médica, tendo contribuído para a formação e o desenvolvimento de grandes empresas como a Astra (atualmente AstraZeneca) e a Gambro (incorporada em 2013 à norte-americana Baxter), uma das primeiras fabricantes mundiais de máquinas de hemodiálise, ainda na década de 1960.

A estrutura desenvolvimentista do Estado sueco não é recente nem surgiu com a social-democracia, que governou o país ininterruptamente de 1932 a 1976. Remonta ao Império Sueco (1611-1718), uma das maiores potências militares da época, e perpassou os séculos seguintes, incluindo o século XX. Combinaram-se investimentos públicos em infraestrutura e educação, abolição de restrições ao comércio interno, subsídios e incentivos à criação de novas indústrias, tarifas protecionistas e restrições ao capital estrangeiro, proibindo-o em certos setores como financeiro, mineração e imobiliário. O Estado desenvolvimentista assegurou, desse modo, as condições para o florescimento do capital nacional, seguindo a clássica formulação de Ragnar Nurkse, notabilizada no Brasil por Barbosa Lima Sobrinho, de que “o capital se faz em casa”.

Portanto, ao contrário das mitologias correntes, a revolução industrial sueca, entre o final do século XIX e o início do século XX, não se deu em contexto de laissez-faire, assim como a social-democracia, longe de ter sido meramente distributivista, foi também bastante desenvolvimentista, dentro de uma concepção nacionalista. A história bem sucedida do desenvolvimentismo sueco levou, no século XX, à criação de um Estado de bem estar social onde havia pleno emprego e uma estrutura industrial bastante sofisticada, em um contexto de quase inexistência de investimentos estrangeiros dentro do país. Essa trajetória será explicada no próximo artigo.

*Felipe Maruf Quintas é doutorando em ciência política na Universidade Federal Fluminense (UFF).

Publicado originalmente no site A Revolução Industrial Brasileira.

 

Notas


[1] https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/fields/214.html

[2] https://data.oecd.org/rd/gross-domestic-spending-on-r-d.htm

[3] A história do auge e do declínio das indústrias nuclear e naval na Suécia está bem contada nos livros The Age of Social Democracy (2011), de Francis Sejersted, e An Economic History of Modern Sweden (2012), de Lennart Schön.

[4] https://www.sgu.se/en/mining-inspectorate/mines/mines-in-sweden/

[5] https://unctad.org/system/files/official-document/wir2017_en.pdf

[6] https://www.statista.com/statistics/267066/largest-european-electric-utilities-based-on-power-sales/

[7] https://im-mining.com/2020/06/02/ssab-lkab-vattenfall-plot-hybrit-pilot-production-pathway/

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilena Chauí Jean Marc Von Der Weid Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Antônio Sales Rios Neto Carla Teixeira Remy José Fontana Otaviano Helene Anselm Jappe Chico Alencar Marjorie C. Marona Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ladislau Dowbor Sandra Bitencourt Priscila Figueiredo Luiz Costa Lima Antonio Martins Eugênio Bucci Paulo Nogueira Batista Jr Claudio Katz Ricardo Fabbrini Annateresa Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior Eugênio Trivinho Heraldo Campos Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Caio Bugiato Osvaldo Coggiola José Geraldo Couto Juarez Guimarães Ronald León Núñez Flávio R. Kothe Lorenzo Vitral Celso Favaretto Leda Maria Paulani Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Luís Fernando Vitagliano Luiz Roberto Alves Kátia Gerab Baggio Salem Nasser Leonardo Avritzer Marcos Aurélio da Silva Flávio Aguiar Bruno Machado João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Ronald Rocha Rafael R. Ioris Alexandre de Freitas Barbosa Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Andrew Korybko Eliziário Andrade Luiz Bernardo Pericás Dênis de Moraes Igor Felippe Santos Yuri Martins-Fontes Valerio Arcary Lincoln Secco Paulo Fernandes Silveira Thomas Piketty Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt Walnice Nogueira Galvão Armando Boito Paulo Capel Narvai Daniel Costa Boaventura de Sousa Santos Slavoj Žižek Rubens Pinto Lyra Celso Frederico Tadeu Valadares Jorge Branco Roberto Noritomi Denilson Cordeiro Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Musse Vinício Carrilho Martinez Luiz Eduardo Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carlos Tautz Rodrigo de Faria Airton Paschoa José Micaelson Lacerda Morais Berenice Bento Liszt Vieira Gabriel Cohn Luiz Werneck Vianna Tarso Genro Daniel Afonso da Silva Vladimir Safatle Dennis Oliveira Gilberto Lopes Ricardo Abramovay Vanderlei Tenório Julian Rodrigues José Luís Fiori Alysson Leandro Mascaro Fábio Konder Comparato Marcelo Módolo Chico Whitaker Michael Löwy Milton Pinheiro Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Maringoni José Machado Moita Neto Mariarosaria Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Sergio Amadeu da Silveira Maria Rita Kehl Jorge Luiz Souto Maior Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Sacramento Roberto Bueno João Carlos Loebens João Carlos Salles Ari Marcelo Solon José Costa Júnior Luiz Marques Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Carlos Bresser-Pereira Henri Acselrad Eduardo Borges Atilio A. Boron Marcus Ianoni Samuel Kilsztajn Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Martins Henry Burnett Gerson Almeida Fernão Pessoa Ramos Marcelo Guimarães Lima André Singer Luiz Renato Martins José Raimundo Trindade Ricardo Antunes Daniel Brazil Mário Maestri Michael Roberts João Adolfo Hansen André Márcio Neves Soares Luciano Nascimento Eleonora Albano Leonardo Boff Antonino Infranca Valério Arcary José Dirceu Francisco Pereira de Farias Manchetômetro Manuel Domingos Neto Renato Dagnino Jean Pierre Chauvin Bento Prado Jr. Anderson Alves Esteves Érico Andrade João Lanari Bo Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada