O capitão soviético

Frame de O Capitão Soviético, filme de Natasha Merkulova e Aleksey Chupov
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO LANARI BO*

Comentário sobre o filme dirigido por Natasha Merkulova e Aleksey Chupov

O capitão soviético, produção russa de 2021 dirigida pelo casal Natasha Merkulova e Aleksey Chupov, é o tipo de filme que opera naquilo que Freud chamou de “retorno do recalcado”: um mecanismo psíquico por meio do qual conteúdos que foram expulsos da consciência retornam, de maneira distorcida ou deformada – sonhos, atos falhos, fantasias – graças à negociação entre a instância psíquica repressora e as representações reprimidas.

O cinema, afinal de contas também é um mecanismo psíquico, expõe conteúdos traumáticos da história soviética, os expurgos promovidos por Stálin entre 1937 e 38, e traz à tona o recalque que jazia adormecido no inconsciente dessa nação formidável, mas fadada a extremos, a Rússia. O filme se inscreve no conjunto de representações da União Soviética no cinema russo contemporâneo.

Estamos em 1938, Leningrado, atual São Petersburgo. Carrascos e torturadores são metrossexuais, usam uniformes vermelhos bem desenhados, praticam ginástica olímpica e sambo, a arte marcial russa. Nosso protagonista, Capitão Volkonogov (Yura Borisov) passa por uma crise de consciência detonada pelo suicídio de um colega, que se lançou pela janela, caindo a poucos metros por onde caminhava.

É o começo da jornada típica dos romances de Fiódor Dostoiévski, aliando no protagonista angústia e redenção, arrependimento e culpa. O capitão soviético descreve, em última análise, um processo de metanoia, ou seja: mudança do modelo mental do sujeito, transformação profunda que altera a consciência do mundo, seja expandindo-a ou limitando-a. Uma leitura religiosa – e não faltam leituras religiosas dos personagens de Fiódor Dostoiévski – diria que a metanoia do capitão é o processo pelo qual o arrependimento se converte em doutrina, no caso o cristianismo.

No plano real da matança desenfreada, esta é a calamidade das calamidades, que Fiódor Dostoiévski não viu, mas de certa maneira antecipou. Escrevendo em Diários de um escritor, salientou como característica do povo russo: “O que em particular me surpreende é a urgência, o ímpeto com que o homem russo se apressa às vezes a manifestar-se, em determinados momentos de sua vida ou da vida do povo, no que é bom ou no que é sórdido. Às vezes simplesmente ele não tem como se conter”.

O Grande Expurgo, como é conhecido o terror que paira na atmosfera do filme, foi um extermínio em massa organizado de forma burocrática a partir da ordem número 00447 aprovada pelo Politburo, comitê central do Partido Comunista. Em 31 de julho de 1937, iniciou-se a perseguição e o aniquilamento de membros de comunidades religiosas, opositores dos bolcheviques, cossacos, kulaks (donos de propriedades rurais) e suspeitos de espionagem internacional.

Até agosto de 1938, quando foi suspenso o frenesi assassino, estima-se em 800 mil pessoas assassinadas a partir de confissões obtidas sob tortura e julgamentos sumários, mais centenas de milhares deportados para os campos do Gulag, onde muitos morreram.

Não se sabe o número exato das vítimas diretas e indiretas do expurgo: a cineasta Natasha Merkulova fala em dois milhões, a Wikipedia menciona arquivos soviéticos da NKVD – a polícia secreta, depois nomeada KGB e atualmente FSB – para informar que 1.548.366 pessoas foram detidas no período, das quais 681.692 foram executadas, média de 1.000 execuções por dia. A precisão estatística não altera muito o absurdo do que ocorreu.

Diante de tudo isso, Volkonogov foge, à paisana, é preso com alguns sem-teto e forçado a cavar a sepultura de antigos colegas do esquadrão: a paranoia dos expurgadores muitas vezes virava contra as próprias vísceras, os agentes do extermínio. Seu parceiro, Veretennikov (Nikita Kukushkin), volta à superfície, depois de enterrado, para arrancar as vísceras do capitão e exigir que ele obtenha o perdão de pelo menos um entre os assassinados, para alcançar, enfim, a redenção.

Esta é a saga metafísica de O capitão soviético: um a um, o capitão visita familiares das vítimas em busca da ilusória absolvição. Seu perseguidor é o Major Golovnya (Timofey Tribuntsev), obstinado e portador de doença pulmonar incurável. A busca do perdão, entretanto, se depara com fracasso atrás de fracasso: alguns são apparatchiks do Partido convencidos da culpa dos seus familiares, outros carregam o ódio pelo luto injusto, outros enlouqueceram. Na chave religiosa, o capitão parece confinado a um eterno purgatório.

Se é um mecanismo psíquico capaz de revisitar tamanha tragédia, o cinema não foi, infelizmente, capaz de assegurar a distribuição de O capitão soviético ao público russo. A atual invasão russa da Ucrânia aguçou as sensibilidades do governo e a tensão para temas históricos difíceis: os produtores optaram por não distribuir o filme no mercado interno, mesmo tendo o Ministério da Cultura russo entre os financiadores, por temor de gerar controvérsias perigosas, no estilo de questões patrióticas e nacionalistas.

Como disse Aleksey Chupov, um dos realizadores, ainda hoje muitas pessoas têm uma opinião positiva sobre Stálin: para elas, faz parte do passado e ajuda-as a continuar a viver o presente.

*João Lanari Bo é professor de cinema da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB). Autor, entre outros livros, de Cinema para russos, cinema para soviéticos (Bazar do Tempo). [https://amzn.to/45rHa9F]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vladimir Safatle Matheus Silveira de Souza Lorenzo Vitral Paulo Martins Ronald León Núñez Ladislau Dowbor Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez José Machado Moita Neto Carlos Tautz João Carlos Loebens Bernardo Ricupero Ricardo Musse Dennis Oliveira Michael Roberts Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Sandra Bitencourt Gabriel Cohn Milton Pinheiro João Lanari Bo Otaviano Helene Gilberto Lopes Everaldo de Oliveira Andrade Manchetômetro João Paulo Ayub Fonseca Andrew Korybko Vanderlei Tenório Claudio Katz Luís Fernando Vitagliano Francisco Pereira de Farias Rubens Pinto Lyra João Feres Júnior Thomas Piketty Marilena Chauí Leonardo Sacramento Daniel Brazil Daniel Costa Boaventura de Sousa Santos Luiz Roberto Alves Eleutério F. S. Prado Heraldo Campos Marjorie C. Marona Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade Luiz Eduardo Soares Juarez Guimarães Antônio Sales Rios Neto Ari Marcelo Solon Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Fernando Nogueira da Costa Jorge Luiz Souto Maior Rodrigo de Faria Paulo Sérgio Pinheiro Michel Goulart da Silva Ricardo Fabbrini Luiz Werneck Vianna André Márcio Neves Soares Flávio R. Kothe Liszt Vieira Jean Pierre Chauvin Antonio Martins Henri Acselrad José Geraldo Couto Valerio Arcary Airton Paschoa José Dirceu Fernão Pessoa Ramos Renato Dagnino Kátia Gerab Baggio Dênis de Moraes Flávio Aguiar Marcos Silva Remy José Fontana Lincoln Secco Berenice Bento Sergio Amadeu da Silveira Afrânio Catani Eugênio Trivinho Walnice Nogueira Galvão Luiz Bernardo Pericás Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade Jorge Branco Vinício Carrilho Martinez Celso Frederico Luiz Carlos Bresser-Pereira Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa José Luís Fiori Tarso Genro Leonardo Boff Gerson Almeida Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Abramovay Leonardo Avritzer Manuel Domingos Neto Caio Bugiato Luiz Marques Marcelo Módolo Osvaldo Coggiola Priscila Figueiredo José Costa Júnior Eugênio Bucci Daniel Afonso da Silva Fábio Konder Comparato João Adolfo Hansen Alysson Leandro Mascaro Andrés del Río Denilson Cordeiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Tadeu Valadares Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Annateresa Fabris Paulo Fernandes Silveira Ricardo Antunes Paulo Nogueira Batista Jr Rafael R. Ioris Elias Jabbour Marilia Pacheco Fiorillo Samuel Kilsztajn Anselm Jappe Marcos Aurélio da Silva Bruno Machado Salem Nasser Bento Prado Jr. Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Mário Maestri João Carlos Salles Mariarosaria Fabris Chico Whitaker Igor Felippe Santos Armando Boito Francisco Fernandes Ladeira Celso Favaretto Henry Burnett Antonino Infranca Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Maringoni Marcelo Guimarães Lima Leda Maria Paulani André Singer Luiz Renato Martins Ronald Rocha José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Alencar Maria Rita Kehl Eleonora Albano João Sette Whitaker Ferreira Slavoj Žižek Michael Löwy Paulo Capel Narvai

NOVAS PUBLICAÇÕES