30 de outubro

Imagem: Ekaterina Bolovtsova
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GILBERTO NEVES*

A eleição de nossas vidas exige engajamento total

Guardadas as proporções e os sinais ideológicos distintos, a base social bolsonarista-raiz possui hoje o “ímpeto militante” que o petismo possuía na década de 1980. A criação do PT como partido de novo tipo (de massas e de base) nos estertores do combalido Regime Militar que convergiu para as Diretas-Já e a Assembleia Constituinte criou um discurso inovador, potente e mobilizador. Militava-se por ideal, não por votos. Isso levou muita gente a assumir a política como abnegação militante. Nosso discurso era portador da esperança com o fim da ditadura (futuro). O petismo possuía moral arrebatadora.

A chegada do PT ao poder criando a lógica da governabilidade e depois as crises do mensalão e da Lava Jato, com a criminalização do PT, erodiu nossa moral. Teceu-se a química do antipetismo. Envelhecemos, houve pouca renovação geracional.

Nesse ínterim a extrema direita surgiu capturando as bases da direita com um discurso moralista, retrógrado e negacionista contra o “comunismo” (qualquer ideia de justiça social). Em essência, autoritário. Coincidiu com a ascensão da extrema direita no mundo, e isso trouxe motivação e engajamento ao bolsonarismo. Na sua ótica neofascista, eles sentiram-se em condições de destruir os valores da esquerda/progressista. Sentem que podem nos derrotar eleitoralmente, e também aniquilar nossa sobrevivência como força política relevante. É isso que os anima e engaja milhões em escala gigante. Para eles, está em jogo que tipo de pais será o Brasil no próximo período (futuro).

Do nosso lado caímos numa postura reativa e defensiva. Vivemos do “nosso legado” de governo (passado). Que sociedade queremos? Não temos ideal. Dependemos da força pessoal do Lula para salvar a democracia. Carecemos hoje de um projeto engajador como o do PT anos 1980. Muitos andam cheios de medo, acomodados e presos às pesquisas de opinião.

Carecemos de coerência e de maior consequência quando afirmamos que esta é a “eleição de nossas vidas “. Agimos como eleitores, não como militantes de uma causa maior. Embora cumpra função importante, não é suficiente ficarmos ligados às bolhas de whatsapp. Observo muita gente nos grupos virtuais com análises e debates, mas pouca atuação prática nas ruas. São sempre os mesmos enquanto a tropa bolsonarista aos milhares veste verde amarelo, adesiva o carro, pressiona seus funcionários e nos intimida.

Precisamos entrar na campanha Lula aos milhões todos os dias o tempo todo. Se não temos um projeto ideal, façamos valer a resistência ao neofascismo com força coletiva. Conversar com as pessoas, ir às atividades, virar votos. Denunciar e enfrentar o inimigo. Entender que não é mais só votar e ir para casa. Temos que ganhar eleições virando votos, apoiando nosso eleitor. Depois virá a batalha pela posse.

Mais difícil será governar na atual correlação desigual de forças. Se ganharmos sofreremos oposição encarniçada, boicotes e sabotagens. Não será fácil, e sem mobilização popular nada vai acontecer com alianças conservadoras.  Nossa vitória eleitoral será o início de um novo período duro e tenso. Todos nós somos chamados a atuar sob a liderança de Lula. Mas precisamos vencer as eleições. Isso significa engajar, ocupar território e mostrar nossa força nas atividades de ruas e com nosso visual vermelho e branco no dia da eleição.

Se cada um virar votos, manter votos e atuar sem temor, o nosso eleitorado sentirá respaldo e confiança. À luta, companheiros (as)!!! Unidos, Venceremos!!!

*Gilberto Neves é advogado e professor. Ex-vereador e ex-Secretário Municipal de Cultura de Uberlândia.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • O Trabalhismo venceu, mas não é um partido de esquerdamaçã mpodre 07/07/2024 Por KEN LOACH: O líder trabalhista Keir Starmer não é um moderado, não é um centrista, mas sim um político de direita, intransigente e orientado para o livre mercado
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • O balcãohomem caminhando preto e branco 08/07/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Neoliberalismo na universidade pública
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • A indenização esquecidamercado de escravos 07/07/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: O capital inicial das famílias da elite foi de escravizados, o grande e escondido capital inicial de quase todos os grandes empresários brasileiros
  • A lição francesaandré kaysel 10/07/2024 Por ANDRÉ KAYSEL: Não há como derrotar a extrema direita sem a esquerda
  • Nordeste — um novo cenáriovermelho ddddddddddd 10/07/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O Nordeste passará a ser visto como exemplo para o Brasil, da mesma forma que escolas públicas do Ceará são referência em qualidade de ensino
  • Greve — o curso da verdade e um fragmento do realclarisse gurgel 08/07/2024 Por CLARISSE GURGEL: Toda greve do serviço público, em nosso país, é um fragmento do real do qual outra ideia de Brasil atesta que o trabalho de sua verdade está em curso

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES