A arte multifacetada

Josef Albers, Homage to the Square: Broad Call, fall 1967
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Reflexões sobre escritores e suas obsessões

Na Literatura, como em outras artes, há dois tipos bem definíveis de artista: o que experimenta de maneira insaciável formas diferentes, explorando ângulos, texturas, materiais, técnicas, linguagens, caminhos e bifurcações, e os que mergulham de forma obsessiva num objeto de estudo (de desejo?), traçando uma rota de aprofundamento progressivo, numa tentativa heroica e vã de chegar ao âmago, ao deslindamento final e definitivo, ao cristal límpido e absoluto.

Há outras motivações, sabemos, mas fiquemos com estes dois opostos, por enquanto. E antes que optemos pelo generalista ou pelo especialista (categorias que não funcionam muito bem quando se trata de arte), é importante fazer uma ressalva: esse tipo de classificação não implica num juízo de valor.

De fato, há experimentadores ruins e obsessivos maravilhosos, e vice-versa. A radicalidade sintética do haicai, por exemplo, é uma das mais traiçoeiras armadilhas para os poetas iniciantes. Bashô é genial, mas tem uma legião universal de seguidores medíocres, com poucas exceções.

Como não admirar o mergulho suprematista de um Malevitch, que lhe custou caro na Rússia stalinista, e ao mesmo tempo não se espantar com seu retorno ao figurativismo? E aqui surge mais um dado complicante: há artistas que são “especialistas” em certa fase da vida e “generalistas” em outra. Mestres absolutos em dado momento, e auto diluidores em outro. Os que tem vida longa são mais visados por esse tipo de crítica, é óbvio, uma vez que o conjunto de obras tende a ser desigual quanto mais vasto for.

Alguém supõe que Mozart pudesse manter a excelência se vivesse mais quarenta anos? Ou Rimbaud? Será mais fácil ser gênio morrendo jovem? Novamente, não podemos estabelecer uma regra. Há artistas geniais e longevos, que criaram obras-primas provocativas na chamada terceira idade, como Verdi, que estreou sua ópera Falstaff (baseada na peça As Alegres Comadres de Windsor, de Shakespeare) aos 80 anos, ou Oscar Niemeyer, que inaugurou o Museu de Arte Contemporânea de Niterói com 89 anos (e continuou criando até os 105).

Outros explodiram cedo, como fogos de artifício, passando o resto da vida tentando reacender as cinzas de sua obra gloriosa. Ou procurando outros caminhos, movidos por uma inquietação que, dependendo do caso, pode ser confundida com falta de objetividade, oportunismo, pura sobrevivência ou até relaxamento estético. E há o inevitável apelo do mercado editorial, que joga seus dados em obra de fácil digestão, consumidas rapidamente e trocadas por outras. Muito citado no Brasil é o caso de Jorge Amado, radical em suas primeiras obras, que à medida em que se torna um grande vendedor de livros, cede à tentação do erotismo temperado com dendê, como apontam vários críticos.[1]

A literatura brasileira é terreno onde medra toda espécie de escritor. De contistas geniais e sintéticos, como Dalton Trevisan, até caudalosos autores de obra pouco lembrada, como Otávio de Faria, cuja Tragédia Burguesa, prevista para vinte volumes, teve treze publicados em vida e mais dois póstumos. No entanto, estes dois exemplos são obsessivos, cada qual a seu modo. Enquanto um esmiúça a relação de amor, ciúme e ódio entre joões e marias, outro busca dissecar a sociedade carioca sob o ponto de vista de classe, sem desviar o foco do cenário.

A literatura brasileira contemporânea, assim como a música ou as artes plásticas, é multifacetada e permeável a muitas influências, típicas de uma era midiática e globalizante. Apesar disso, ainda é possível observar obsessões estéticas criativas (ou paralisantes, dependendo do caso).  A legião de epígonos de Rubem Fonseca, por exemplo, buscando emular o clima dos primeiros contos do mestre. A empreitada ambiciosa de Alberto Mussa, construindo uma história do Rio de Janeiro por cinco séculos, em tramas policiais.

A lupa de Chico Lopes sobre a vida interiorana das pequenas cidades em modificação/estagnação num Brasil que é sempre um conjunto de frustrações. Escritoras feministas que rompem amarras e, paradoxalmente, se enredam em novos cercados. O esforço do escritor Chico Buarque em alcançar a excelência do compositor Chico Buarque. Os cronistas da periferia que martelam temas essenciais, porque é impossível não falar sobre violência, preconceito, fome ou miséria, assuntos que atravessam séculos sem perder a urgência. Cada qual a seu modo sustenta suas obsessões da forma possível, com as ferramentas que têm ao seu alcance.

Arte permite várias visões, interpretações, audições e leituras, e essa natureza multiforme encerra toda a graça e mistério da coisa. Espelho distorcido do mundo em que vivemos, pode ampliar ou reduzir qualidades e defeitos, mas nunca deixa de ser um termômetro das ansiedades da época em que foi produzida. Feita por casmurros obcecados ou panteístas delirantes, sempre pode nos fornecer algumas chaves para compreensão do mundo, do céu ou do inferno em que vivemos.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Nota


[1] vale conferir Motta, Carlos Guilherme, Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974) (Editora 34).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lucas Fiaschetti Estevez Matheus Silveira de Souza Luiz Bernardo Pericás Elias Jabbour Renato Dagnino Anselm Jappe Otaviano Helene Flávio R. Kothe Jean Pierre Chauvin Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior Ladislau Dowbor Alexandre Aragão de Albuquerque Jean Marc Von Der Weid Celso Frederico Milton Pinheiro Paulo Capel Narvai Dênis de Moraes Leda Maria Paulani Michael Löwy Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto Leonardo Avritzer Luciano Nascimento Alexandre de Lima Castro Tranjan Tales Ab'Sáber André Singer Atilio A. Boron Gilberto Lopes Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Ronald León Núñez João Adolfo Hansen Daniel Costa Daniel Brazil Henri Acselrad Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Sacramento Gabriel Cohn Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos Luiz Renato Martins Chico Alencar João Lanari Bo Ricardo Fabbrini Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ronald Rocha Alexandre de Freitas Barbosa Vinício Carrilho Martinez Rubens Pinto Lyra Eleonora Albano Lincoln Secco Maria Rita Kehl Osvaldo Coggiola Heraldo Campos Carlos Tautz Luiz Marques José Raimundo Trindade João Paulo Ayub Fonseca Everaldo de Oliveira Andrade Walnice Nogueira Galvão Antonino Infranca Thomas Piketty Mariarosaria Fabris Afrânio Catani José Geraldo Couto Rafael R. Ioris Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado Salem Nasser Bento Prado Jr. Benicio Viero Schmidt Slavoj Žižek Vanderlei Tenório Valerio Arcary Priscila Figueiredo Marilena Chauí João Feres Júnior Juarez Guimarães Luiz Roberto Alves Claudio Katz Remy José Fontana Ricardo Musse Dennis Oliveira Annateresa Fabris Michael Roberts Marcos Silva Mário Maestri Carla Teixeira Luis Felipe Miguel Sandra Bitencourt Kátia Gerab Baggio Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Costa Júnior Denilson Cordeiro João Carlos Loebens Tarso Genro Daniel Afonso da Silva Ari Marcelo Solon Flávio Aguiar Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Maringoni Boaventura de Sousa Santos Andrés del Río Andrew Korybko Luiz Carlos Bresser-Pereira Berenice Bento Henry Burnett Eduardo Borges Lorenzo Vitral Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Guimarães Lima José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Francisco Pereira de Farias José Luís Fiori João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Michel Goulart da Silva Érico Andrade Eugênio Bucci Chico Whitaker Vladimir Safatle Paulo Martins Armando Boito Paulo Fernandes Silveira Fábio Konder Comparato Celso Favaretto Bruno Machado Alysson Leandro Mascaro João Carlos Salles Caio Bugiato Marilia Pacheco Fiorillo Jorge Branco Eliziário Andrade Gerson Almeida Igor Felippe Santos Manchetômetro Eugênio Trivinho Ricardo Antunes José Machado Moita Neto André Márcio Neves Soares Paulo Sérgio Pinheiro José Dirceu Ricardo Abramovay Liszt Vieira Antonio Martins Airton Paschoa Julian Rodrigues Luiz Eduardo Soares Tadeu Valadares Marcus Ianoni Marcelo Módolo Paulo Nogueira Batista Jr Marjorie C. Marona Yuri Martins-Fontes

NOVAS PUBLICAÇÕES