Agentes públicos nas redes sociais: imunidade do poder?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

As mensagens no twitter do presidente deveriam estar sujeitas às normas da Administração pública, pois são reconhecidas socialmente como “declarações estatais” e não como meros arroubos ou devaneios

Por Rafael Valim*

O Direito Público afirma-se, historicamente, como um projeto de contenção do poder. No lugar de autoridades incontrastáveis foi se impondo, em meio a avanços e retrocessos, um exercício condicionado e limitado do poder. Engana-se, porém, quem pensa que tal processo histórico tenha alcançado o seu fim. Na luminosa expressão do Prof. García De Enterría, “a luta contra as imunidades do poder” é um fenômeno inconcluso e periodicamente revivificado por novos desafios sociais.

A ascensão do populismo de extrema direita no Brasil e em várias partes do mundo, ao pretender instalar, no oximoro de Nadia Urbinatti, uma “representação direta” por meio da comunicação permanente e sem intermediários entre o “líder” e o “verdadeiro povo”, sobretudo no ambiente das redes sociais, coloca em evidência uma atividade administrativa que, embora de invulgar importância, continua completamente à margem das regras e princípios do Direito Administrativo brasileiro, qual seja: a atividade informativa da Administração Pública.

Nesse contexto, diversos agentes públicos e até o Chefe do Poder Executivo Federal se valem de ferramentas como o Twitter para anunciar nomeações, desfazer rumores, registrar o avanço de obras e políticas públicas, mas também para falsear dados científicos ou históricos, insultar adversários políticos, investir contra minorias, promover o ódio, entre outras “finalidades”. Será que todas essas informações são irrelevantes para o Direito? Uma mensagem do Presidente da República nas redes sociais tem o mesmo significado jurídico que uma mensagem produzida pela aclamada figura do “tiozão do churrasco”?

Lamentavelmente, para muitos a resposta é positiva. O Presidente pode se sentir o “tiozão do churrasco” e, de modo irresponsável, dizer o que lhe convém, sem se submeter aos princípios da Administração Pública quando está se “divertindo” no Twitter. Assim entendeu, por exemplo, o Ministério Público Federal no Mandado de Segurança nº 36.666/DF, nos seguintes termos: “Apesar de a conta pessoal do Presidente da República veicular informações de interesse social, as publicações efetuadas na rede social não geram direitos ou obrigações para a Administração Pública, tampouco podem ser enquadradas como atos administrativos”.

O curioso é que as declarações “particulares” do Presidente da República abalam a economia nacional, afetam as relações internacionais e geram profunda comoção social por força de seu frequente caráter performático. O que motivaria consequências tão significativas? Seria apenas o número expressivo de seguidores ou seria o fato de que toda e qualquer pessoa interpreta aquela mensagem como uma declaração do Chefe de Poder Executivo?

Ora, a resposta é constrangedoramente óbvia: as aludidas declarações são reconhecidas socialmente como “declarações estatais”e não como meros arroubos ou devaneios do mais alto mandatário do país. O princípio da boa-fé – que deve presidir a relação entre Administração Pública e os cidadãos – desautoriza entendimento diverso.

Em outras palavras: todas as informações que os agentes públicos prestam ao público – no ambiente físico ou virtual – constituem “atos administrativos declaratórios”e, nessa medida, estão sujeitos aos princípios que regem a atividade informativa da Administração Pública, entre os quais avultam a veracidade e a impessoalidade.

Aliás, a justiça estadunidense proclamou explicitamente a natureza pública da conta do Twitter administrada pelo Presidente Donald Trump: “Ele usa a conta para anunciar “assuntos relacionados a negócios oficiais do Governo”, incluindo modificações relevantes na Casa Branca e no quadro de funcionários de alto escalão, bem como mudanças nas principais políticas públicas nacionais (…). Ele utiliza a Conta para se aproximar de líderes estrangeiros e anunciar decisões e iniciativas de política externa. Por fim, ele usa as funções “curtir”, “retweetar”, “responder” e outras funcionalidades da Conta para compreender e avaliar a reação do público ao que ele diz e faz. Em suma, desde que assumiu o cargo, o Presidente usou consistentemente a conta como uma importante ferramenta de governança e de alcance executivo. Por esses motivos, concluímos que os fatores que apontam para a natureza pública, não privada da conta e de seus recursos interativos são sobrepujantes” [1].

Democracias que desprezam a importância da informação abrem caminho para a sua própria destruição. Urge, pois, romper a cegueira doutrinária e jurisprudencial em torno da atividade informativa da Administração, de sorte a ensejar o controle e a responsabilização dos agentes públicos que a desempenham.

*Rafael Valim é acadêmico visitante no Institute of European and Comparative Law da Universidade de Oxford. Autor, entre outros livros de Lawfare: uma introdução (com Cristiano Zanin e Valeska Zanin Martins) – Contracorrente, 2019.

Notas

[1] https://cases.justia.com/federal/district-courts/new york/nysdce/1:2017cv05205/477261/72/0.pdf.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcos Silva Michael Löwy Atilio A. Boron Alysson Leandro Mascaro Marjorie C. Marona Eugênio Trivinho Vinício Carrilho Martinez Alexandre Aragão de Albuquerque Airton Paschoa Antonio Martins Antonino Infranca João Adolfo Hansen Sergio Amadeu da Silveira Daniel Brazil Igor Felippe Santos Jorge Branco Flávio Aguiar Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr Gabriel Cohn Marcus Ianoni Rafael R. Ioris Dênis de Moraes Jean Pierre Chauvin José Dirceu José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai Ricardo Fabbrini Ari Marcelo Solon Marilena Chauí Tarso Genro Andrew Korybko João Lanari Bo Andrés del Río Marcelo Módolo Flávio R. Kothe Manuel Domingos Neto Boaventura de Sousa Santos Armando Boito Eduardo Borges Ricardo Musse Slavoj Žižek Berenice Bento Walnice Nogueira Galvão Samuel Kilsztajn Caio Bugiato José Machado Moita Neto José Geraldo Couto Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Renato Dagnino Eleonora Albano Rubens Pinto Lyra Chico Alencar Ronald León Núñez Luiz Bernardo Pericás Marilia Pacheco Fiorillo Michel Goulart da Silva André Márcio Neves Soares José Costa Júnior João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato Julian Rodrigues Ricardo Abramovay Bernardo Ricupero Benicio Viero Schmidt Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Denilson Cordeiro Anselm Jappe João Feres Júnior Annateresa Fabris Luis Felipe Miguel Luiz Marques Ricardo Antunes Michael Roberts Lincoln Secco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leda Maria Paulani Jorge Luiz Souto Maior Valerio Arcary Daniel Costa Tales Ab'Sáber Osvaldo Coggiola Rodrigo de Faria Lorenzo Vitral Fernão Pessoa Ramos Dennis Oliveira Juarez Guimarães José Raimundo Trindade Luiz Roberto Alves Paulo Sérgio Pinheiro Matheus Silveira de Souza Valerio Arcary Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Tadeu Valadares Gilberto Lopes Ronald Rocha Vanderlei Tenório Otaviano Helene Manchetômetro Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Martins Henry Burnett Chico Whitaker Eugênio Bucci Marcelo Guimarães Lima Francisco Fernandes Ladeira Priscila Figueiredo Alexandre de Lima Castro Tranjan Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Boff Bruno Machado Antônio Sales Rios Neto Érico Andrade Celso Frederico Alexandre de Oliveira Torres Carrasco João Carlos Salles Luiz Werneck Vianna Eliziário Andrade Henri Acselrad Ladislau Dowbor Luiz Eduardo Soares Gerson Almeida Thomas Piketty Sandra Bitencourt João Paulo Ayub Fonseca Claudio Katz Elias Jabbour Afrânio Catani José Luís Fiori Luiz Renato Martins Fernando Nogueira da Costa Mário Maestri Maria Rita Kehl Alexandre de Freitas Barbosa Carlos Tautz Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes André Singer Francisco Pereira de Farias Liszt Vieira Celso Favaretto Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Avritzer Mariarosaria Fabris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Heraldo Campos Marcos Aurélio da Silva Milton Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Luís Fernando Vitagliano João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira Remy José Fontana Daniel Afonso da Silva Bento Prado Jr. Gilberto Maringoni

NOVAS PUBLICAÇÕES