Fragmentos XVII

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AIRTON PASCHOA*

Cinco peças curtas

Desgosto

Morreu de desgosto, dizia minha mãe. Como é que se morria disso? Eis aí um dos maiores enigmas da minha infância. Aliás, o que era isso? Desgosto… Como se podia senti-lo? Tinha gosto o desgosto? Passava um tempão boquiaberto, nem sei se pensando mas com aquilo na cabeça rodando, respeitável que era o contingente de viventes abatido pelo flagelo, — perto de pandêmico pelos meus cálculos atuais, pois pouco contava o que oficialmente constasse do óbito… Tinha morrido de desgosto. Mas não foi fechando a boca que principiei a sentir gosto tão esdrúxulo e tão familiar, a intuir a natureza sub-reptícia do mal. Foi assim à toa, fechando um dia os olhos, baixando a cabeça naturalmente, lentamente espalmando sobre a mesa as mãos, tamborilando-a de leve com um e outro dedo, uma espécie de sinal, de pedido de água ao fim da jornada, tal e qual fazia meu pai. Que morreu de desgosto, dizia minha mãe.

 

O Cortiço II

Casara aos catorze, donzela e magricela. O marido a trancava em casa, caminhoneiro e cavernoso, lacrando porta e rótula. Ela aproveitava e brincava de casinha. Na volta, de noite, a enchia de guloseima, cocada, rapadura, paçoca, pé de moleque, quebra-queixo, maria-mole, suspiro, esquisito, o moço de conversa mole. Nem dez meses depois dava à luz o primeiro de um bando de tarados — viciados, debochados, homicidas, suicidas, epilépticos, artistas, e sabe o criador quantas mais taras, matéria de romance naturalista que só não escrevo porque caiu de moda (e nem quero eu lá saber de encrenca com entes queridos).

 

Sezão da tarde

Na saleta pobre e escura, ao lado do filho que-vai-ser-desse-menino doentio, a sessão da tarde atordoava. Ali, escondida do marido, beijou Clark Gable, Gregory Peck, Cary Grant; ali cantou e cantada foi por Frank Sinatra; ali dançou com Gene Kelly e Fred Astaire. Não sei se traziam a mesma cara, ou mesmo o mesmo corpo, mas era igual a gentileza, igual a leveza com que a levavam. Não sei também se ficava mais fácil ou mais difícil levantar e escolher feijão pra janta, não tinha escolha, tinha cinco filhos e a leve esperança no amanhã de filme bonito, antes de chegar a idade, a igreja e o fim. Exagero? Espero que sim, do fundo do coração, do fundo da memória escura e pobre, do fundo desta poltrona em que, não menos doentio, mas mais velho e vivido, inda vario com os mesmos musicais.

 

Quero-quero

A Mari Almeida
(em agradecimento)

Ao passo que os malabares humanos evitam horrorizados pisar no tabuleiro, os quero-queros, alheios ao rito privé, passeiam com graça pelo gramado de jazigos.

O que ela quis-quis nunca nos disse. Quem sabe não soubesse… Uma vida melhor, talvez, como a maioria da gente. Não a teve, como não a terá de resto a maioria indigente.

O que quero-quero acho que também não sei. Quem sabe o que sempre quis-quis… Mas outra vida em vida, emulando a irmã natural (ou sobrenatural), requer fé tamanha que costuma não sobreviver ao tempo.

O que queria-queria agora, nesta altura da curva, talvez mal passe de querer-querer. E é o máximo que posso aproximar.

 

[romance familiar]

Faço saber, a quem interessar possa, que nada teve de fantasia, caso singular na história da Psicanálise, nosso romance familiar. Fui confiado desde o cueiro à ama de leite, branca e bronca, porque me confinasse, ordem expressa, ao mundo das Letras. E assim se fez. Não podia brincar na rua, não podia ver tv, não podia jogar bola, tudo coisa de moleque. Não podia nada, em suma, e sumisse logo! senão ler e ler e nada de gibi! coisa também de moleque. Por conseguinte o menino ora, hora e meia, embevecido com a animada parada de travessões e redarguires e retorquires e confessares e murmurares e sussurrares e sentires e assentires, foi entrando no diálogo e, logo, na gaiola. Hoje, entrado em anos e pelo cano, (a outra boca do cânon) aguarda, não digo a presença em úbere em queda da Baronesa de Itararé, (ó mamãe, Mamãe, maMãe, ubi assunta?) que deve ter já passado desta pra mais plebeia das repúblicas, aguarda ao menos a herdade de Petrópolis… ou de Parati — com cujas festas, a propósito, havemos de acabar ato imediato, a bem de restabelecer o primado da gravidade histórica.

*Airton Paschoa é escritor, autor, entre outros livros, de Ver Navios (e-galáxia, 2021, 2.ª edição, revista).

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • Rio Grande do Sul – o desmantelamento do estadoAmélia Cohn 21/05/2024 Por AMÉLIA COHN: A catástrofe climática no Rio Grande do Sul não configura-se mais como uma tragédia repetida como farsa, pois não é a primeira enchente que devasta o estado e a capital gaúcha
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES