São Francisco

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Ninguém foi tão radical como ele: o último cristão de verdade

04 de outubro é o dia do Seráfico Pai São Francisco como os frades costumam afetivamente chamá-lo. Foi alguém que levou tão longe o projeto de Jesus que acabou se identificando com ele. Em razão disso é chamado o Primeiro depois do Único, Jesus Cristo ou também o Último cristão. A Tradição de Jesus gerou incontáveis seguidores, entre homens e mulheres. Mas ninguém foi tão radical como ele: o último cristão de verdade.

Segundo o historiador Arnold Toynbee, e o filósofo Max Scheler, professor de Martin Heidegger, Francisco foi o maior homem que o Ocidente produziu. Ele desborda a Ordem Franciscana e já não pertence mais à Igreja Católica, mas à humanidade. Tornou-se o irmão universal. Inspirou o Papa Francisco a escrever as duas encíclicas de ecologia integral: Sobre o cuidado da Casa Comum (2015) e Todos irmãos e irmãs (2020). Diz, comovedoramente, Francisco “é o exemplo pelo cuidado com o que é frágil; qualquer criatura era uma irmã, unida a ele por laços de carinho, pois, se sentia chamado a cuidar de tudo o que existe” (n. 10 e 11).

Francisco é chamado também de o Poverello o pobrezinho de Assis ou também de Fratello, o irmãozinho de toda criatura. Entre outras, três características marcam sua pessoa: a pobreza, a fraternidade e a minoridade.

A pobreza para Francisco não é um exercício ascético. É um modo de vida. Consiste em remover tudo o que possa me distanciar do outro: os bens, os saberes e principalmente os interesses. Como a palavra sugere, “interesse” é aquilo que fica entre (inter) mim e outro. Quis se despojar disso tudo. Colocar-se de joelhos, à altura do outro, para estar olho a olho e rosto a rosto. Sem distância, você sente o outro como seu irmão ou sua irmã, sua pele, seu olhar e o pulsar de seus corações.

A fraternidade resulta desta pobreza. Ser pobre para ser mais irmão e irmã e formar uma comunidade humana e também cósmica. Com profunda humildade acolheu o húmus escuro de onde todos nos originamos em suas palavras, “a mãe e irmã Terra”, também os seres todos da natureza. A minhoca que forceja por cavar um buraco no chão duro do caminho, ele cuidadosamente a leva a um lugar úmido. Vê um ramo quebrado e corre a enfaixá-lo para que possa reviver. Escuta as cotivas cantando e pede-lhes licença para unir-se a elas com seus salmos. Buscou a unidade da criação entre os seres humanos e todo criado. Em plena cruzada contra os muçulmanos, atravessa o front e vai conversar com o sultão do Egito. Não foi para convertê-lo. Foi para se confraternizar com ele e juntos rezarem. Ficam grandes amigos. Até o feroz lobo de Gubbio é feito irmão e faz com que se reconcilie com toda a cidade.

A minoridade nasce da pobreza e da fraternidade universal. Havia, em seu tempo, os “maiorestoda a hierarquia eclesiástica tendo o Papa como cabeça, os ricos comerciantes das Comunas, como seu pai, que estavam se formando e deixando para trás as hierarquias feudais. E havia os “menores”, os servos da gleba, os empregados das fabriquetas de tingir os tecidos, vivendo em condições miseráveis. E havia ainda os hansenianos (os leprosos), rejeitados e isolados, fora da cidade.

São os sem poder. É com esses que Francisco vai viver e conviver. Junta-se aos hansenianos, come da mesma escudela deles, limpa-lhes as chagas e os abraça como a irmãos e a irmãs. Renega todo o poder. Sabe que no poder consiste a maior tentação humana, pois, nos faz parecer “pequenos deuses” que define o destino dos outros. Bem observava Hobbes em seu Leviatã: “o poder para se assegurar busca cada vez mais poder e isso cessa apenas com a morte”. Os sábios de todas as tradições nos advertem: onde impera o poder, aí desaparece o amor e some a ternura; impera a concorrência, surge a tensão, irrompe o conflito e pode ocorrer até o assassinato do outro. Ser “menor” para Francisco é unir-se aos sem-poder, participar de sua marginalização e decididamente recusar-se a assumir qualquer poder. Não elaborou nenhuma instituição que os auxiliasse. Fez mais. Foi viver com eles e participar de sua sorte.

Por fim cabe referir o seu profundo amor a Clara. Poucas vezes na história cristã se verificou tanta sintonia entre o animus e a anima. Não fugiram da experiência mais gratificante e profunda do amor humano nem de suas argúcias. No amor real e verdadeiro entre ambos encontravam o Amor Maior que os unia mais profundamente e também com todas as criaturas.

*Leonardo Boff é filósofo e ecoteólogo. Autor, entre outros livros, de Francisco de Assis: ternura e vigor (Vozes).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Elias Jabbour Rubens Pinto Lyra Vinício Carrilho Martinez Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz Marilena Chauí Ricardo Abramovay Antônio Sales Rios Neto Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Salles Alexandre de Freitas Barbosa Andrés del Río Valerio Arcary Ari Marcelo Solon Liszt Vieira Vanderlei Tenório Ronaldo Tadeu de Souza Mariarosaria Fabris Tales Ab'Sáber Maria Rita Kehl Tadeu Valadares Marcelo Guimarães Lima Daniel Costa Sandra Bitencourt Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira Manuel Domingos Neto Anselm Jappe Michael Löwy Atilio A. Boron Berenice Bento Daniel Brazil Everaldo de Oliveira Andrade Otaviano Helene Leonardo Boff Bernardo Ricupero Antonio Martins Henri Acselrad André Singer Heraldo Campos Ladislau Dowbor Michael Roberts Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira José Geraldo Couto João Adolfo Hansen Marjorie C. Marona Ronald León Núñez Érico Andrade Eliziário Andrade Marcos Aurélio da Silva Kátia Gerab Baggio Fernando Nogueira da Costa Vladimir Safatle Daniel Afonso da Silva Dênis de Moraes Celso Favaretto Francisco de Oliveira Barros Júnior Luciano Nascimento Ricardo Musse Francisco Pereira de Farias Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Renato Martins Gabriel Cohn João Carlos Loebens Leonardo Avritzer Marcelo Módolo Julian Rodrigues Jean Pierre Chauvin Manchetômetro Michel Goulart da Silva Lorenzo Vitral Renato Dagnino Denilson Cordeiro Claudio Katz Alexandre de Lima Castro Tranjan Slavoj Žižek Paulo Martins José Machado Moita Neto Leda Maria Paulani Caio Bugiato Flávio Aguiar Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Sergio Amadeu da Silveira Annateresa Fabris Priscila Figueiredo Gerson Almeida Antonino Infranca Gilberto Maringoni Matheus Silveira de Souza Luis Felipe Miguel Luiz Carlos Bresser-Pereira Chico Whitaker Henry Burnett Luiz Werneck Vianna José Costa Júnior Luiz Eduardo Soares Tarso Genro Jorge Branco Luiz Marques Ricardo Antunes José Raimundo Trindade Flávio R. Kothe Eugênio Bucci Remy José Fontana Bento Prado Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Carla Teixeira Chico Alencar Jean Marc Von Der Weid Airton Paschoa Valerio Arcary Ronald Rocha Juarez Guimarães André Márcio Neves Soares Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Lopes Paulo Nogueira Batista Jr Luís Fernando Vitagliano Paulo Capel Narvai Rafael R. Ioris Afrânio Catani Thomas Piketty Boaventura de Sousa Santos João Sette Whitaker Ferreira José Dirceu Alexandre Aragão de Albuquerque Milton Pinheiro Yuri Martins-Fontes João Paulo Ayub Fonseca Marcos Silva Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Salem Nasser Jorge Luiz Souto Maior Anderson Alves Esteves Igor Felippe Santos Fábio Konder Comparato Samuel Kilsztajn Eduardo Borges João Lanari Bo Luiz Roberto Alves Bruno Machado Leonardo Sacramento Luiz Bernardo Pericás Paulo Fernandes Silveira Celso Frederico Eugênio Trivinho José Micaelson Lacerda Morais Marcus Ianoni Andrew Korybko José Luís Fiori Mário Maestri Eleutério F. S. Prado Armando Boito João Feres Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada