As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A camisa 10

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO AGUIAR

Uma homenagem a Pelé

Na final da Copa no Qatar, os dois principais jogadores de Argentina e França, Messi e Mbappé, vestiam a camisa 10. Apenas um deles foi o vencedor, mas ambos honraram a camiseta, que é a mais reverenciada nas seleções de estrelas.

Mas nem sempre foi assim. Quem consagrou a camiseta de número 10 foi Pelé, na Copa de 1958 e depois na de 1970. Na de 1962 Pelé se machucou no segundo jogo contra a Checoslováquia e foi substituído por Amarildo. Na de 1966 ele foi literalmente caçado pelos portugueses e saiu quebrado de campo. O Brasil acabou eliminado. Mas em 1970 as “Feras do Saldanha”, como ficou conhecida a seleção, embora o técnico final fosse o Zagallo, deram o troco, arrasando os adversários. E Pelé fez de tudo, com a camisa 10.

Até a Copa de 1958 a camisa mais reverenciada numa equipe era a de número 9, a do centro-avante.

A história do encontro do Pelé com a camisa 10 da seleção – ou pelo menos o que se conta sobre ela – é muito original. Foi fruto do acaso. Quando a então CBD (hoje CBF) enviou para a FIFA e a Federação Sueca a relação dos jogadores brasileiros, ela foi sem a definição dos números das suas camisetas. E quem a recebeu, desconhecendo os detalhes da seleção, distribuiu os números um tanto arbitrariamente. Até a Copa de 1954, disputada na Suíça, a numeração canônica das camisetas impunha que os titulares tivessem os algarismos de 1 a 11, do goleiro à ponta esquerda, assim distribuídas: 1 (goleiro), 2 e 3 (zagueiros), 4, 5 e 6, médios, e de 7 a 11 para os atacantes, da ponta-direita à ponta-esquerda. Os reservas repartiam os números de 12 a 22, na mesma ordem.

Na Copa de 1958, a numeração brasileira subverteu tudo. O time titular, que estreou contra a Áustria, vencendo por 3 x 0, tinha a seguinte numeração: goleiro, Gilmar, no. 3; Bellini e Orlando (zagueiros), no. 2 e 15; De Sordi, Dino e Nilton Santos (médios), no. 14, 5 e 12; e os atacantes, Joel, 17, Didi, 6, Mazzola, 18, Dida, 21, e Zagallo, 7. Os reservas eram Castilho (1), goleiro; Mauro e Oreco (16 e 8), zagueiros; Djalma Santos, Zito e Zózimo (4, 19 e 9), médios; Garrincha, Moacyr, Vavá, Pelé e Pepe (11, 13, 20, 10 e 22), atacantes. Esta formação passou por mudanças ao longo dos jogos, até fixar a equipe consagrada na final, com Gilmar, Bellini e Orlando; Djalma Santos, Zito e Nilton Santos; Garrincha, Didi, Vavá, Pelé e Zagallo, Pelé com a no. 10. Para aumentar o dinamismo numérico, nesta altura, embora os locutores, ao anunciar as equipes, seguissem a ordem da formação em “pirâmide”, ou seja, 1; 2 e 3; 4, 5 e 6; 7, 8, 9, 10 e 11, o Brasil já jogava na formação 4 – 2 – 4, com a variante 4 – 3 – 3, ou seja, Gilmar, Djalma Santos, Bellini, Orlando e Nilton Santos; Didi e Zito; Garrincha, Vavá, Pelé e Zagallo (às vezes recuado para o meio do campo).

Em 1958 o Brasil deu seis jogadores para a seleção mundial do certame: Djalma Santos (embora este tivesse jogado uma única partida, a final), Bellini, Nilton Santos, Didi, Garrincha e Pelé. Didi foi aclamado como o melhor jogador da Copa, e chamado de “Rei”. Pelé ficou em segundo lugar, também aclamado como o melhor jovem jogador, pois tinha 17 anos. O franco-argelino Just Fontaine foi o goleador, com 13 gols, e ficou em terceiro. Em Copas anteriores, os brasileiros Leônidas (1938) e Zizinho (1950), foram eleitos os melhores jogadores da Copa, embora o Brasil não ganhasse o título.

Antes de Didi, o brasileiro Friedenreich foi aclamado “Rei” pela imprensa francesa durante uma excursão pela Europa. Leônidas ganhou o apelido de “Diamante Negro”, que virou nome de uma barra de chocolate fabricada pela Lacta. Em 1950 a imprensa europeia comparou o brasileiro Zizinho a Leonardo da Vinci, pela sua versatilidade, chamando-o de “gênio”. Na Europa, Didi ganhou o apelido de “Mr. Football”. Numa votação de especialistas em futebol Pelé foi eleito o melhor jogador do século XX; Didi ficou em 19o. lugar, sendo o 7o. brasileiro.

Pessoalmente, considero Didi o melhor jogador que já vi jogar. Pelé era o mais completo, fazendo de tudo com maestria; atuava até no gol, se fosse necessário. Decididamente, no entanto, Didi (junto com Falcão) era o mais elegante. Nelson Rodrigues apelidou-o de “Príncipe Etíope”, e dizia que quando ele corria “levava um manto de arminho nos ombros”. Quanto a Falcão, ganhou o apelido de “Rei de Roma”, quando jogava na Itália (1980 – 1985) e foi considerado o segundo melhor jogador da Copa de 1982.

Embora em 1962 a numeração das camisetas dos jogadores brasileiros seguisse a orientação canônica, a partir daquela numeração de 1958 a atribuição dos números começou a variar muito, até que a FIFA padronizou a distribuição numérica, impondo que cada jogador tivesse um algarismo definido, fosse qual fosse. E em muitas equipes a numeração passou por variações enormes, com jogadores assumindo números extravagantes para o futebol, como 99, 89, 36 e outros.

O fato é que a partir dali consagrou-se a camiseta 10 como a mais famosa na maioria das equipes, do “Rei Pelé”, assim nomeado a partir de 1970, até Messi e Mbappé, em 2022, passando por Maradona. Pelé ficou sendo também o eterno Rei da Camisa 10.

Uma curiosidade. Quando se instalou o 4 – 2 – 4 como formação básica das equipes, na maior parte do Brasil o atacante recuado para o meio do campo foi o de número 8, meia-direita, mantendo na frente o de número 10, meia-esquerda. Já no Rio Grande do Sul seguiu-se a orientação dominante no Uruguai e na Argentina naquele momento, recuando-se o número 10 e mantendo-se no ataque o número 8. Coisas da fronteira.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Paulo Ayub Fonseca Luiz Costa Lima Mariarosaria Fabris Luis Felipe Miguel Flávio Aguiar Leonardo Boff Leonardo Sacramento Leda Maria Paulani Denilson Cordeiro Marjorie C. Marona Luiz Bernardo Pericás Marcelo Guimarães Lima Vanderlei Tenório Luiz Roberto Alves Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Manuel Domingos Neto Fernão Pessoa Ramos Daniel Brazil Marcos Aurélio da Silva Armando Boito Eugênio Trivinho Paulo Capel Narvai Thomas Piketty Remy José Fontana Eleonora Albano Vladimir Safatle Airton Paschoa Antônio Sales Rios Neto Anselm Jappe Andrew Korybko Antonio Martins Manchetômetro Valerio Arcary Bento Prado Jr. Alysson Leandro Mascaro Michael Löwy Priscila Figueiredo Michael Roberts Liszt Vieira Chico Whitaker Maria Rita Kehl Benicio Viero Schmidt Gilberto Lopes Flávio R. Kothe Anderson Alves Esteves Paulo Martins Julian Rodrigues Rubens Pinto Lyra Walnice Nogueira Galvão Atilio A. Boron Eduardo Borges Alexandre de Freitas Barbosa Kátia Gerab Baggio Ronaldo Tadeu de Souza Otaviano Helene Eugênio Bucci André Márcio Neves Soares Marcus Ianoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Luciano Nascimento Luís Fernando Vitagliano Vinício Carrilho Martinez Roberto Noritomi André Singer João Adolfo Hansen Ricardo Musse Ricardo Fabbrini Carla Teixeira José Costa Júnior Eliziário Andrade Jorge Branco Luiz Renato Martins Tarso Genro Afrânio Catani Samuel Kilsztajn Leonardo Avritzer Lorenzo Vitral Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Marilena Chauí Yuri Martins-Fontes Rodrigo de Faria Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Fernandes Silveira Celso Frederico Everaldo de Oliveira Andrade Ari Marcelo Solon Francisco Fernandes Ladeira Ladislau Dowbor Jean Pierre Chauvin Roberto Bueno Tadeu Valadares Gilberto Maringoni José Raimundo Trindade Lincoln Secco Bruno Machado Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Slavoj Žižek Elias Jabbour Mário Maestri Paulo Nogueira Batista Jr Tales Ab'Sáber Plínio de Arruda Sampaio Jr. Juarez Guimarães Dênis de Moraes Carlos Tautz Francisco Pereira de Farias Sandra Bitencourt Igor Felippe Santos João Feres Júnior José Machado Moita Neto Henry Burnett Ronald Rocha João Lanari Bo Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcos Silva Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris Jean Marc Von Der Weid Ricardo Abramovay Eleutério F. S. Prado Luiz Eduardo Soares Renato Dagnino Luiz Marques Celso Favaretto José Luís Fiori Heraldo Campos Érico Andrade Ronald León Núñez Rafael R. Ioris Sergio Amadeu da Silveira Chico Alencar Henri Acselrad Milton Pinheiro Salem Nasser José Dirceu Dennis Oliveira Gabriel Cohn Fernando Nogueira da Costa João Carlos Salles José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Valério Arcary José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Bernardo Ricupero Marcelo Módolo Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Daniel Costa Berenice Bento João Sette Whitaker Ferreira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada