As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A cena brasileira – XXIX

Imagem: Laura Tancredi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO VIERO SCHMIDT*

Comentário sobre acontecimentos recentes

O STF, a partir da liminar da ministra Rosa Weber, depois confirmada pelo plenário (8 x 2), exigiu do Congresso a plena publicidade dos responsáveis pela “emendas do relator, emendas individuais e de bancadas.

Os dirigentes do Congresso, Athila Lira e Rodrigo Pacheco, negam-se ao atendimento pleno da decisão do Judiciário, alegando razões de ordem operacional. Uma tremenda manobra, acobertando interesses suspeitos em designação de municípios, ordens para obras e compra de maquinário superfaturado. Em alguns casos, já esclarecidos pela imprensa, ficam evidentes as operações particularistas beneficiando interesses eleitorais de familiares dos próprios congressistas, como é exemplificado pelas emendas favorecendo o clã de Lira em Alagoas, presidente da Câmara de Deputados.

Apesar do desgaste, a Câmara de Deputados vota em comissão o abandono de teto de 75 para 70 anos dos juízes das cortes superiores; obviamente em retaliação ao STF, beneficiando ao Presidente da República, que nomearia mais dois ministros ao STF e outros 23 de tribunais superiores, até dezembro de 2022. Resta saber se a ameaça terá trânsito ao plenário da Câmara e posterior envio ao Senado.  Mas, trata-se, inequivocamente, de uma ameaça à estabilidade dos tribunais superiores, incluindo o TCU (Tribunal de Contas da União), órgão vinculado ao Senado Federal. Isso indica que o governo e sua máquina administrativa estão buscando o exercício de um casuísmo que permitirá um maior controle dos órgãos judiciários. O exemplo de Donald Trump, nomeando novos ministros e juízes federais de índole ultraconservadora nos Estados Unidos, durante sua gestão, frutifica no Brasil.

Ainda que haja desgaste, frente aos critérios de moralidade e publicidade na gestão pública, Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, participa de efemérides que o lançam como candidato à presidência da república, sob a égide  de um extremo moralismo e uma verborrágica defesa da convivência democrática, “em um país dilacerado pelo órdio”!

O Auxílio Brasil, em substituição e em acréscimo ao Bolsa Família, foi aprovado pela Câmara Federal (344 x 0), com possibilidades de aumento substantivo nos gastos de outra natureza, abrigados pelo teto fiscal em rompimento. Prevê-se um descontrole das finanças, com verdadeiro calote na maior parte dos precatórios e acumulação das dívidas oficiais até 2033. O ano de 2022 será contemplado por operações semelhantes de mudanças nas rubricas dos gastos sociais, tendo em vista as eleições. Um quadro dramático, que trará efeitos permanentes sobre as finanças públicas, daqui para o futuro.

As pesquisas de opinião sobre as eleições presidenciais continuam na direção já constatada há meses: Lula e Bolsonaro lideram a liça, agora com o surgimento repentino de Sergio Moro (Podemos) como terceiro colocado. Manifestações e filiações ao  partido de Álvaro Dias, inclusive de quadros militares com destaque na taverna, indicam possibilidades de crescimento desta candidatura. Moro tem se pronunciado, com apoio nas ideias conservadores e recessionistas de Afonso Celso Pastore (ex-Banco Central), com reparos à política econômica e fiscal atual; contudo, sem apresentar reais alternativas. Tudo parece sinalizar para que Moro seja uma versão de Bolsonaro mais “civilizada”. Nada mais.

As demais agremiações partidárias continuam a testar o mercado de opiniões; como faz o DEM (futuro União Brasil) com o lançamento do ex-ministro Luiz Mandetta e também o MDB com o nome de Simone Tebet. São lançamentos com intenções de composição com forças políticas de maior vigor.

O caso fora da curva é a presença de Geraldo Alckmim – saindo do PSDB e indo para o PSD ou PSB – como primo inter pares, aberto a toda e qualquer composição eleitoral Ele é a própria indicação da debilidade ideológica e política do sistema partidário nacional.

Enquanto isto, aguardamos a votação da prévia tucana que, depois do fiasco da primeira tentativa com as urnas eletrônicas, deve dar a vitória a João Doria, apoiado por Arthur Virgílio. O PSDB sai enfraquecido da refrega e provavelmente alimentará muitas deserções daqui até 2022.

A vida política nacional espera, com ansiedade, o pronunciamento mais efetivo das forças partidárias frente às questões mais dramáticas da realidade, como a inflação e o desemprego. Neste sentido, a viagem consagradora de Lula ao exterior teve o dom de despertar na opinião pública, novamente, a aspiração à reintegração do Brasil na esfera decisória mundial. Mas, ainda é pouco diante da decadência do sistema democrático e popular entre nós.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB e consultor da Empower Consult. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Armando Boito Caio Bugiato Tales Ab'Sáber Luiz Werneck Vianna Carla Teixeira Tarso Genro Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira Érico Andrade Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin João Carlos Salles Julian Rodrigues Sandra Bitencourt Jorge Branco Gerson Almeida Marilena Chauí Heraldo Campos Slavoj Žižek Dennis Oliveira Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Marcus Ianoni Roberto Bueno Carlos Tautz Annateresa Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Marcelo Módolo Ladislau Dowbor José Geraldo Couto Juarez Guimarães Remy José Fontana Gilberto Lopes Valério Arcary Vanderlei Tenório Vinício Carrilho Martinez Kátia Gerab Baggio João Sette Whitaker Ferreira Anderson Alves Esteves João Lanari Bo Roberto Noritomi Ricardo Fabbrini Igor Felippe Santos Lincoln Secco Marcelo Guimarães Lima Dênis de Moraes Eugênio Bucci Luiz Eduardo Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Adolfo Hansen Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko Henri Acselrad Valerio Arcary Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Luiz Bernardo Pericás Sergio Amadeu da Silveira Rodrigo de Faria Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Pereira de Farias Eleonora Albano Fernando Nogueira da Costa Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Sacramento Eduardo Borges Marjorie C. Marona Alexandre de Lima Castro Tranjan Ari Marcelo Solon Bernardo Ricupero Thomas Piketty Luís Fernando Vitagliano Rubens Pinto Lyra Gilberto Maringoni José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Afrânio Catani Otaviano Helene Yuri Martins-Fontes André Singer Flávio R. Kothe Antonio Martins Claudio Katz Gabriel Cohn Alysson Leandro Mascaro Priscila Figueiredo João Paulo Ayub Fonseca Ronald Rocha Leonardo Boff Ronald León Núñez Fábio Konder Comparato Berenice Bento Eliziário Andrade Chico Alencar Airton Paschoa Ricardo Musse Luiz Renato Martins Jorge Luiz Souto Maior Flávio Aguiar Marcos Silva Anselm Jappe Leonardo Avritzer Manchetômetro João Carlos Loebens Vladimir Safatle Manuel Domingos Neto Celso Frederico Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Paulo Capel Narvai José Costa Júnior José Dirceu Eleutério F. S. Prado Atilio A. Boron Chico Whitaker Antonino Infranca Rafael R. Ioris Michael Löwy Osvaldo Coggiola Leda Maria Paulani Tadeu Valadares Renato Dagnino Eugênio Trivinho Liszt Vieira Francisco Fernandes Ladeira Bruno Machado Elias Jabbour Luiz Carlos Bresser-Pereira Michael Roberts Ricardo Antunes Daniel Costa Daniel Brazil Mário Maestri Antônio Sales Rios Neto José Machado Moita Neto Maria Rita Kehl Walnice Nogueira Galvão Luiz Roberto Alves Daniel Afonso da Silva José Micaelson Lacerda Morais Marcos Aurélio da Silva Milton Pinheiro Samuel Kilsztajn Luiz Marques André Márcio Neves Soares João Feres Júnior Luiz Costa Lima José Luís Fiori Mariarosaria Fabris Celso Favaretto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada