A nova utopia

Imagem: Kartick Chandra Pyne
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

A nova utopia

Por RODRIGO SUZUKI CINTRA*

Comentário sobre o livro de poemas de Régis Bonvicino

Uma poética-violência percorre a estrutura do novo livro de poemas de Régis Bonvicino: A nova utopia. Os tempos exigem. É na denúncia e crítica social da mediocridade de nossa época, um momento em que o coro de um politicamente correto surge nos discursos prontos de maneira cínica, que a violência se propõe. As imagens e temas do livro são, sim, duras, às vezes brutais. E bem se pode perceber que Régis Bonvicino faz poemas como quem anda armado contra o mundo, e sua metralhadora é a linguagem.

Com estruturas formais desconcertantes, e experimentalismo próprio de poeta que sabe o que faz, Régis Bonvicino reverbera “o lado útil da palavra” (A nova utopia 2) quando nas imagens forjadas nos poemas, a linguagem dobra sobre si mesma e provoca sensações de estranheza no leitor. O poeta é um radical da forma e um crítico agudo da sociedade. A nova utopia“é um livro de poemas que se propõe esteticamente e politicamente. E o engasgo na sua leitura vem tanto porque reconhecemos a corrupção própria aos tempos como também porque temos dificuldade em transitar pelos poemas tranquilamente, sem os assombros que Régis Bonvicino registra na língua. Um livro difícil pela proposta e pelo estilo.

A palavra “utopia” foi inventada por Thomas More e tinha o sentido inicial de descrever uma sociedade em que tudo funcionava de maneira perfeita. Um lugar em que os indivíduos eram felizes e haveria completa harmonia social. Com o passar do tempo, a palavra começou a ser utilizada para designar pensamentos fantasiosos, ideias impossíveis de serem implementadas, um ideal absolutamente inalcançável. O século XX, principalmente por meio da literatura, cunhou, também, uma palavra para designar futuros caóticos para a sociedade: distopia. 1984, de George Orwell, Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, Laranja Mecânica, de Anthony Burgess, Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley são exemplos de romances que projetam um futuro extremamente desalentador para a sociedade.

O título do livro de Régis Bonvicino, A nova utopia, já é, em si, uma construção sofisticada, pois é, ao mesmo tempo, poético e político. De um lado, nos leva a crer que apenas mais uma crença apareceu, mais uma quimera de ideias se produziu, entre as tantas idealizações que os indivíduos formulam. Segundo essa interpretação, o poeta, apesar de combativo, está descrente.

De outro lado, pode se pensar, também, que existe alguma esperança, alguma novidade no cenário social. Pois, a própria qualidade dos poemas do livro indica que a poesia pode ser uma chance. Quando o poeta, então, afirma que “A poesia está morta. / Mais do que morta. / A nova utopia não quer saber da lei das estrelas e da fórmula da flor” (A nova utopia 6), talvez consiga nos dar um alento, mesmo que às avessas, justamente pela força e valor de seus poemas, de que ainda existiria espaço para a poesia.  Se “o que está no poema não está no mundo” (Janeiro), uma redenção revolucionária, utopia de sempre, somente se dará via poesia.

Régis Bonvicino opera uma disfunção temporal e conceitual, ao longo dos poemas do livro, entre os termos utopia e distopia. Ambas as palavras, em seu uso cotidiano, apontam para a ideia de futuro. Ocorre que para o poeta, o futuro está prontamente situado no presente. Tudo se passa como se nós já vivêssemos a distopia. É o agora que é distópico e a nova utopia, mera imaginação, também faz parte da construção desse cenário, “é um relógio sobre uma lápide” (Arte).

A nova utopia não é tematizada, em sua proposta de obra, pelas imagens de flores, luz, luar, sol, ou algo parecido. É no espaço da cidade, tema recorrente na poética do autor, que encontramos, qual descrição precisa de um cenário, a imagem de mendigos dormindo na rua, lixo acumulado, capitalismo selvagem nas ruas, prostituição de ideias, cinismo político. Se esta proposta artística se afirma politicamente e poeticamente, é no cuidado obsessivo com a disposição das palavras no verso, nos cortes abruptos das imagens que cria, na insolência em provocar um sentido estético no leitor desavisado (que também tem que se armar para adentrar esse universo de letras particular), que o ritmo do livro arqui-provocativo se propõe.

Se o poema Uivo, de Allen Ginsberg, se transformou em um dos livros mais importantes da história, hino da beat generation, talvez fosse pela violência das propostas poéticas e vontade de liberdade que um uivo conclamava para assombrar a sociedade americana da década de 1950. Em A nova utopia, de Régis Bonvicino, também ouvimos nitidamente esse som, “outro, órfão de um noia / uiva na esquina” (Luz), na tentativa de enfrentar esteticamente uma sociedade cínica e injusta. Como em um violento uivo, que nesse caso também é político, o autor registra sua indignação com a sociedade e A nova utopia  ainda será lido como o livro que mais representou nossos tempos.

*Rodrigo Suzuki Cintra é professor titular da Faculdade de Direito da Universidade Paulista (Unip).

Referência


Régis Bonvicino. A nova utopia. São Paulo, Quatro Cantos, 2022, 160 págs.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes Antônio Sales Rios Neto Jorge Luiz Souto Maior Mário Maestri Everaldo de Oliveira Andrade Eugênio Bucci Renato Dagnino Flávio R. Kothe Manchetômetro Marcos Silva Eleutério F. S. Prado José Dirceu Anderson Alves Esteves Lincoln Secco Gabriel Cohn Samuel Kilsztajn Flávio Aguiar Marilena Chauí João Feres Júnior Caio Bugiato Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Matheus Silveira de Souza Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Aurélio da Silva Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Afrânio Catani Annateresa Fabris Henri Acselrad Luiz Roberto Alves Luiz Renato Martins Otaviano Helene Juarez Guimarães Gerson Almeida Gilberto Lopes Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias Paulo Sérgio Pinheiro Sandra Bitencourt Eugênio Trivinho José Raimundo Trindade Dennis Oliveira Boaventura de Sousa Santos Valerio Arcary Henry Burnett Celso Favaretto Paulo Nogueira Batista Jr Michael Löwy Gilberto Maringoni Fernando Nogueira da Costa Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon André Singer Thomas Piketty José Machado Moita Neto Antonino Infranca Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin João Lanari Bo Eleonora Albano Bernardo Ricupero José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Ricardo Abramovay Michel Goulart da Silva Armando Boito Anselm Jappe Luiz Eduardo Soares Rubens Pinto Lyra Airton Paschoa Carlos Tautz Rafael R. Ioris Milton Pinheiro Elias Jabbour Antonio Martins João Carlos Loebens Luiz Werneck Vianna Chico Alencar João Adolfo Hansen Jean Marc Von Der Weid Carla Teixeira Slavoj Žižek Tarso Genro Berenice Bento Kátia Gerab Baggio José Costa Júnior Manuel Domingos Neto Yuri Martins-Fontes Benicio Viero Schmidt Julian Rodrigues André Márcio Neves Soares Bruno Machado Ronaldo Tadeu de Souza Celso Frederico Michael Roberts Ricardo Fabbrini Eliziário Andrade Francisco Fernandes Ladeira Daniel Costa Igor Felippe Santos Ronald Rocha Atilio A. Boron Eduardo Borges José Geraldo Couto Alexandre Aragão de Albuquerque Walnice Nogueira Galvão Andrés del Río Lucas Fiaschetti Estevez Remy José Fontana Luis Felipe Miguel Leonardo Avritzer Alysson Leandro Mascaro Leda Maria Paulani Fábio Konder Comparato Vladimir Safatle Daniel Brazil Érico Andrade Claudio Katz Salem Nasser Vanderlei Tenório Tales Ab'Sáber Liszt Vieira Luiz Bernardo Pericás Marjorie C. Marona Marcus Ianoni Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Martins Priscila Figueiredo Marcelo Módolo Alexandre de Freitas Barbosa Sergio Amadeu da Silveira Chico Whitaker Luciano Nascimento Lorenzo Vitral Andrew Korybko Denilson Cordeiro Ricardo Musse Francisco de Oliveira Barros Júnior Maria Rita Kehl João Sette Whitaker Ferreira Bento Prado Jr. Jorge Branco Luiz Marques Luiz Carlos Bresser-Pereira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Mariarosaria Fabris Dênis de Moraes João Paulo Ayub Fonseca Luís Fernando Vitagliano João Carlos Salles Ladislau Dowbor Ronald León Núñez Heraldo Campos Tadeu Valadares José Luís Fiori

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada