As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A comunicação no governo Lula

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RENATO JANINE RIBEIRO*

Não há empenho, do PT ou do Governo, em suplementar o carisma de Lula por uma comunicação que vá aos afetos das pessoas

Duas proposições principais: 1ª, Lula é um comunicador extraordinário. FHC também o foi, como presidente, mas com diferenças importantes. FHC falava em prosa, Lula em epopeia. Uma vez, perguntei a FHC como ele via a questão, e ele me disse que era mais racional, Lula apelava mais aos sentimentos. E engatou: racional no sentido bem rasteiro, senso comum. Não foi uma resposta vaidosa. Enfim, Lula conseguiu se comunicar com toda a população, incluindo os mais pobres, enquanto FHC falava mais com a classe média e alta.

As famosas metáforas: a jabuticabeira, a mãe. Nos dois casos, ele pede para esperar. Lembra que as primeiras jabuticabas não virão antes de sete anos, que o bebê vai levar um ou dois para andar e falar. Mas deixou claro em Porto Alegre, janeiro de 2003, que faria tudo o que prometeu, só que não de imediato. A metáfora da mãe foi interpretada, por ignorância ou má fé, como se ele estivesse colocando como Pai da Nação. O paternalismo do governante, sim, infantiliza os cidadãos.

Bem, Lula usava a imagem de mãe, não de pai. Mas ele também não se punha como mãe da nação; ele se comparava às mães, se igualava a elas, assumia o papel de quem sabe que a criança demora a andar e a falar. Tomava a mais democrática das experiências, a da maternidade, aquela que com frequência as mais pobres exercem com mais amor e competência do que as ricas, como modelo.

2ª, o PT não gosta das redes sociais. Nem mesmo Lula gosta delas. Estive numa live dele com ex-ministros da Educação, por volta de 2017 (eu acho). E, quando eu disse que podiam fazer recortes de 30 segundos de falas dele e jogar nas redes, e dei o exemplo de uma vez em que ele disse que era muito fácil beneficiar os pobres, pouco custoso em termos de dinheiro, isso daria um ótimo vídeo, Lula respondeu contando quando foi ao Acre e, com Chico Mendes, seguiu de carro por quatro horas até uma cidade do interior, para falar do PT. E não havia ninguém lá para falar com eles.

O que eu entendi: que não há solução fácil para esclarecer as pessoas, para fazer política. Meme e dancinha não substituem o olho no olho, o esforço de quem rala nas estradas, nos morros. Beleza.

Beleza, sim – mas será verdade ainda? Quão verdade ainda é? Em 2008, a propósito de uma revolta na Moldova, que explodiu após postagens do Twitter criticando a fraude eleitoral – e que derrubou o governo –, eu comentei que os 140 caracteres só tiveram esse poder porque todo mundo lá já estava convencido da fraude. O tweet foi apenas a fagulha de pólvora, a iskra, que pôs fogo em tudo. Ou seja: você não constrói uma consciência política com posts, em especial os curtos, os efeitistas, os que parecem de linguagem publicitária, as lacrações. (Aliás, entendo que lacração = você perdeu no atacado, fica feliz com um bon mot no varejo).

Mas, então, o que fazer?

Lembro a campanha de Fernando Haddad para a reeleição como prefeito de SP, em 2016. Um cenário péssimo, Dilma Rousseff destituída, Lava Jato mirando Lula para abatê-lo. Perdeu. Mas, durante a campanha, perguntei a amigos onde estavam as realizações da Prefeitura. Finalmente, recebi um vídeo curto, com 10 principais feitos. O primeiro eram lâmpadas LED em praças da periferia. Achei sem noção.

E de fato o PT perde de goleada no uso das redes sociais. Nas quais, por sinal, quem deita e rola é a extrema direita. Esta percebeu a possibilidade enorme da mentira, e dela faz uso e abuso. Reconheço que a esquerda tem mais compromisso com a verdade (ou acredita tê-lo), mas o fato é que instrumentos incríveis de comunicação, que curto-circuitam as empresas de mídia, têm sido ignorados pelos setores progressistas. Não sei se é por um espirito iluminista.

André Janones é a exceção que confirma a regra até porque não era nem é do PT, quis concorrer a presidente, e finalmente apoiou Lula. Ele usa as redes de maneira escancarada. Alguns até dizem que o faz sem pudor. Mas por que a esquerda não faz isso?

Quando faz, como em algumas postagens recentes do PT ou do próprio governo, faz menos bem do que a extrema direita. Resta, ao PT, descobrir e assumir as novas formas de comunicação. Fico na dúvida se ele não sabe ou não quer saber como são, porque há muito petista, sobretudo entre os jovens, mas não apenas, que as conhecem; talvez a cúpula do partido desconfie delas.

Finalmente, hoje, toda a comunicação do governo repousa nos ombros de Lula. Assim como a articulação política, aliás, uma vez que os responsáveis por ela, no governo, não têm tido êxito – por exemplo, quando vão conversar com o presidente da Câmara, Arthur Lira. É peso demais. Como Lula, por alguma razão que não entendo, parece ter priorizado a agenda internacional, e terceirizado em certa medida a política doméstica para os quadros principais do governo (em especial, os do PT – ministros palacianos e Fernando Haddad), ficou nas mãos destes últimos tocarem a principal agenda do País, que é, exatamente, a política interna. Ora, com exceção de Fernando Haddad, que tem mostrado grande habilidade na condução da política econômica, não vemos sucesso nesse jogo. Tem dado uma espécie de empate – nem a vergonha da derrota, nem o fulgor da vitória.

Em suma, tudo está – perigosamente – nas mãos de Lula, dele apenas. Uma comunicação melhor – e que não pode copiar aquela em que ele é um ás – ajudaria as coisas. Não seria a comunicação intensamente pessoal que o Presidente utiliza. Mas não vejo empenho, do PT ou do Governo, em suplementar o carisma de Lula por uma comunicação que vá aos afetos das pessoas, disputando com um afeto democrático o afeto autoritário que historicamente funcionou tanto no Brasil, e continua municiando a extrema direita.

*Renato Janine Ribeiro é professor titular aposentado de filosofia na USP e ex-Ministro da Educação. Autor, entre outros livros, de Afeto autoritário – televisão, ética e democracia (Ateliê editorial).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni Heraldo Campos Osvaldo Coggiola José Machado Moita Neto Alysson Leandro Mascaro Luís Fernando Vitagliano Ricardo Fabbrini Gilberto Lopes Leonardo Sacramento Luiz Roberto Alves Lincoln Secco Eugênio Trivinho Marcelo Módolo Dênis de Moraes Antonino Infranca João Adolfo Hansen Jean Pierre Chauvin Ricardo Musse Luiz Carlos Bresser-Pereira Otaviano Helene Celso Frederico Ladislau Dowbor Antônio Sales Rios Neto Afrânio Catani Marilena Chauí Henry Burnett Marcus Ianoni Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo Bernardo Ricupero Carla Teixeira Daniel Brazil Paulo Martins Andrew Korybko Bruno Machado Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira José Luís Fiori Flávio R. Kothe Leonardo Boff Ronald Rocha Francisco Pereira de Farias Antonio Martins Rafael R. Ioris Rodrigo de Faria Salem Nasser João Carlos Salles Lucas Fiaschetti Estevez Anselm Jappe Ronald León Núñez Paulo Sérgio Pinheiro Sandra Bitencourt Celso Favaretto José Dirceu Luciano Nascimento José Costa Júnior Jorge Luiz Souto Maior Thomas Piketty Remy José Fontana Michael Roberts José Geraldo Couto Gerson Almeida André Márcio Neves Soares Tales Ab'Sáber Boaventura de Sousa Santos Chico Whitaker Manuel Domingos Neto Slavoj Žižek Luiz Bernardo Pericás Luiz Costa Lima Dennis Oliveira Caio Bugiato Liszt Vieira Roberto Bueno Leonardo Avritzer Valério Arcary Ricardo Antunes Sergio Amadeu da Silveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Marjorie C. Marona Fernando Nogueira da Costa Chico Alencar André Singer Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Tarso Genro Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr João Lanari Bo Eugênio Bucci Marcos Silva Benicio Viero Schmidt Alexandre Aragão de Albuquerque Bento Prado Jr. Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Abramovay Jorge Branco Érico Andrade Eleutério F. S. Prado Berenice Bento Eduardo Borges Mário Maestri Rubens Pinto Lyra Igor Felippe Santos João Feres Júnior Denilson Cordeiro Ari Marcelo Solon Walnice Nogueira Galvão Annateresa Fabris Luis Felipe Miguel Roberto Noritomi Luiz Eduardo Soares Mariarosaria Fabris Flávio Aguiar Fernão Pessoa Ramos Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Marilia Pacheco Fiorillo João Paulo Ayub Fonseca Samuel Kilsztajn Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Juarez Guimarães José Raimundo Trindade Armando Boito Vladimir Safatle Jean Marc Von Der Weid Maria Rita Kehl Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Marques Everaldo de Oliveira Andrade Gabriel Cohn Eleonora Albano Bruno Fabricio Alcebino da Silva Renato Dagnino Leda Maria Paulani Vanderlei Tenório Plínio de Arruda Sampaio Jr. Airton Paschoa Valerio Arcary Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Michael Löwy Atilio A. Boron Tadeu Valadares Luiz Renato Martins João Carlos Loebens Daniel Afonso da Silva Milton Pinheiro Claudio Katz Eliziário Andrade Henri Acselrad Carlos Tautz Anderson Alves Esteves José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada