A criminalização dos políticos

Imagem: Feson Xie
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SEGADAS VIANNA*

As Jornadas de 2013 abriram as portas para a direita envergonhada

Desde a redemocratização até 2013 a direita brasileira ficava praticamente isolada em dois campos: um se abrigava sob o patrimonialismo e o outro ancorado em figuras aparentemente folclóricas e histriônicas isoladas dentro da vida legislativa. E isso muda de forma radical em 2013.

Manifestações surgidas originalmente no Rio de Janeiro contra o aumento de 20 centavos nas passagens de ônibus logo se transformaram em manifestações contra o governo, evoluíram para manifestações contra “os políticos” e culminaram em incluir os partidos políticos nessa pauta. Em pouco tempo a direita percebeu essa larga avenida que se abria para ela, onde várias características do fascismo estavam aparentes e incluiu nas manifestações a luta por um Projeto de Lei que viria a dar mais poderes aos Procuradores da República.

Com esse quadro muito vivo e pujante nascem duas outras questões que foram fundamentais nos alicerces da atual direita bolsonarista. O impedimento da presidenta Dilma Rousseff e o início da Lava Jato, dois marcos na criminalização dos políticos, em especial nos políticos da esquerda e mais especialmente nos políticos do PT.

Estava mais do que pronto o quadro para aquela direita que se ocultava ideologicamente com medo de ser tachada e estigmatizada pela esquerda e pelos libertários como ignorante e atrasada começasse a ter um orgulho doentio das posições que defendia e com o crescimento do fascismo tupiniquim, renascido verde amarelo nas manifestações contra Dilma Rousseff, como todo projeto fascista precisa da idolatria foi criada a figura do “Mito” onde o expoente da extrema direita se consolida como liderança nacional das diversas matizes da direita e investe pesadamente na fanatização das massas.

Explorando dois medos incutido no subconsciente da classe média brasileira, um vindo da formação cristã, que é “o medo do comunismo” (ainda que as massas mal saibam o que é comunismo) e o da segurança pessoal e familiar onde supostamente a esquerda apoiaria a atividade criminosa, tese criada pela direita no Rio de Janeiro nos anos 1980 para combater Leonel Brizola, a direita consegue fazer renascer o conceito de um “salvador da pátria e dos valores da família”.

Voltando às jornadas de 2013 outro fator que contribuiu de forma marcante para que o campo para a direita caminhar fosse pavimentado, de forma consciente ou não, foi a atuação de grupos de Black Blocs que teoricamente agiriam “para defender os manifestantes da brutalidade policial” e para ações anarquistas como a depredação de sedes de instituições financeiras. Estas ações que se transformaram em depredações generalizadas e ataques até mesmo a jornalistas, como o que foi vítima fatal de um explosivo, um “morteiro”, e consolidaram na população em geral medo das esquerdas.

Todo o restante, ocorrido no processo da chegada da direita, especialmente a extrema direita ao poder, nasceu, em nossa opinião, nas chamadas jornadas de julho de 2013 que foram na verdade uma espécie de Marchas com Deus pela Família e pela Liberdade turbinadas e travestidas em uma versão 2.0.

E hoje a sociedade consciente deve aprender também com isso para não haver repetições ou revivals. Cabe às esquerdas aprender que não basta ganhar eleições e chegar ao poder. Que é necessário educar e informar massivamente a população sobre política de forma correta, pois essa direita que está “ferida”, mas ainda bem viva não volte a criar cenários onde ela reapareça para “salvar o Brasil”.

Segadas Vianna é jornalista.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tarso Genro Claudio Katz Berenice Bento Marcos Silva Luiz Eduardo Soares Michael Löwy Daniel Afonso da Silva Jorge Luiz Souto Maior Matheus Silveira de Souza Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria Marcus Ianoni Salem Nasser Henri Acselrad Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado André Márcio Neves Soares Eugênio Trivinho Thomas Piketty Marilena Chauí Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Flávio R. Kothe José Machado Moita Neto Otaviano Helene Marcos Aurélio da Silva Slavoj Žižek Michel Goulart da Silva Francisco Pereira de Farias Chico Alencar Leda Maria Paulani Gerson Almeida José Dirceu Luiz Carlos Bresser-Pereira Carla Teixeira Priscila Figueiredo Ronald Rocha Ronaldo Tadeu de Souza Lincoln Secco Carlos Tautz Valerio Arcary Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado José Costa Júnior Chico Whitaker Juarez Guimarães Julian Rodrigues Gabriel Cohn Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Luiz Werneck Vianna Marcelo Módolo Celso Favaretto Eliziário Andrade João Sette Whitaker Ferreira Benicio Viero Schmidt Eleonora Albano Elias Jabbour João Paulo Ayub Fonseca Daniel Costa Fábio Konder Comparato José Luís Fiori Vanderlei Tenório Alexandre de Lima Castro Tranjan Armando Boito Marilia Pacheco Fiorillo Ari Marcelo Solon Yuri Martins-Fontes Celso Frederico Liszt Vieira Paulo Capel Narvai Leonardo Avritzer Valerio Arcary José Raimundo Trindade Gilberto Maringoni Kátia Gerab Baggio Paulo Sérgio Pinheiro Andrés del Río Fernão Pessoa Ramos Heraldo Campos Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Eugênio Bucci Bruno Fabricio Alcebino da Silva Atilio A. Boron Paulo Martins Daniel Brazil Caio Bugiato Paulo Nogueira Batista Jr João Lanari Bo Michael Roberts Marjorie C. Marona Eduardo Borges Luiz Marques Renato Dagnino Paulo Fernandes Silveira Ricardo Musse Mário Maestri Luiz Renato Martins Everaldo de Oliveira Andrade Alysson Leandro Mascaro Luis Felipe Miguel Andrew Korybko Ricardo Antunes Tales Ab'Sáber José Geraldo Couto Jean Pierre Chauvin Luiz Roberto Alves João Carlos Loebens Francisco Fernandes Ladeira José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Manchetômetro Milton Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Afrânio Catani Samuel Kilsztajn Tadeu Valadares Henry Burnett Antonino Infranca Luciano Nascimento Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Fabbrini Maria Rita Kehl Osvaldo Coggiola Dênis de Moraes Érico Andrade Flávio Aguiar Manuel Domingos Neto Anselm Jappe Airton Paschoa Dennis Oliveira Marcelo Guimarães Lima André Singer Denilson Cordeiro João Adolfo Hansen Luiz Bernardo Pericás Remy José Fontana Leonardo Boff João Carlos Salles Annateresa Fabris Igor Felippe Santos Rafael R. Ioris Bento Prado Jr. Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Sacramento Antônio Sales Rios Neto Gilberto Lopes Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid João Feres Júnior Jorge Branco Vladimir Safatle Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Antonio Martins Ricardo Abramovay Ladislau Dowbor Francisco de Oliveira Barros Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES