As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A distopia bolsonarista

Imagem: Grupo de Ação
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO MANOEL DE OLIVEIRA MORAIS*

A morte, a mentira, o desprezo, a indiferença como projetos de um governo

Acredito que grande parte dos leitores já tenha lido algum livro distópico (como a obra Admirável mundo novo) ou assistido a algum filme (como V de Vingança ou Jogos Vorazes) com esta temática. Normalmente se vive em uma realidade na qual todos os indivíduos são assujeitos por um processo altamente opressor, que domina não apenas a forma de se vestir, mas também o pensamento e a expressão. Tem-se um governo despótico que conseguiu criar um imaginário social no qual a maioria dos indivíduos reconhecem o regime ou não são capazes de vocalizar suas discordâncias. Mas não se trata de uma repressão pura e simples. Os indivíduos se veem no regime. Como diz Foucault, os assujeitados se tornam vigias não apenas dos outros, mas de si mesmos.

Uma marca que comum a todas estas distopias parece ser uma certa “normalização do absurdo”. Na obra de Aldous Huxley, por exemplo, normaliza-se o imperativo da felicidade, que deixa de ser algo efêmero e se torna decorrência de uma droga. Normaliza-se a morte, que passa a ser um evento programado (literalmente) e massificado. Normaliza-se o vazio de uma vida que gira em torno de tarefas cotidianas, vácuo este que não é sentido devido à referida droga. Normaliza-se, ainda, a presença de um Estado em quase todos os segmentos da vida, aceita pela ideologização inconsciente das pessoas. O Estado passa a estar na cultura, policiando o que é e o que não é cultural. O Estado passa a estar na educação, filtrando o que é “neutro” ou “sem partido” e o que não é.

Normaliza-se também o sumiço das pessoas que não se enquadram neste modelo de sociedade. E o que mais intriga nestas distopias é precisamente o fato de que as pessoas simplesmente aceitam tudo passivamente, e isso quando não são fiéis defensoras do absurdo. A pergunta que eu colocaria é a seguinte: estaríamos tão distantes assim de uma distopia?

A pergunta é fruto de uma angústia que, por vezes, parece ser passível de ser apagada apenas por algo que seria próximo à droga “soma” (e, aqui, compreendo “soma” não como a droga da distopia citada, mas como alienação deliberada). Explico.

Vemos um contexto social no qual as pessoas realizam manifestações individuais ou coletivas pedindo o fechamento do Congresso Nacional, o fechamento do Supremo Tribunal Federal, a intervenção militar, bem como carreatas da morte. Estes indivíduos se apoiam na liberdade democrática de manifestação do pensamento para pedir o fim da democracia. Ou seja, manifestam o pensamento para reivindicarem que o pensamento não possa ser manifestado. E o mais curioso de tudo isso é que manifestações deste teor ocorrem desde 2015. A pitada distópica do momento é que estamos em meio da uma pandemia que já matou centenas de milhares de pessoas só no Brasil e há cidadãos que, de forma consciente, objetivam a morte. Mais ainda, vozes defenderam (e ainda defender) que não haveria problema se alguns milhares morressem.

Vemos também um Presidente da República cujas falas deixam claro que não há, de sua parte, qualquer apreço pelo regime democrático e pela vida das pessoas. Mais de 250 mil pessoas já morreram. Somos o segundo país com o maior número de mortes. Não obstante, suas declarações ultrapassam o limite do abjeto. Ele sequer tenta esconder as suas pretensões ditatoriais. Após o episódio do “vou intervir” vir a público, ele nem mesmo tentou remediar suas palavras. O anterior Presidente da Câmara dos Deputados afirma não ver crimes de responsabilidade por parte do chefe de governo.

Vemos um grupo de Ministros de Estado tomar parte em um projeto político claro de descaso com políticas públicas de saúde e de educação, colocando-se, deliberadamente, como parte de um genocídio. Ora, um Ministro que aceita impor um protocolo médico baseado no uso de um medicamento sem comprovação científica; não estabelece medidas coordenadas para frear a disseminação da doença e diminuir o número de mil mortes diárias; deixa sobrar a verba separada para o enfrentamento da pandemia, não se pode dizer que ele esteja preocupado com a saúde ou com a vida das pessoas. Ao contrário, ele parece justamente querer o contrário.

Com relação à educação, testemunhamos um (breve) Ministro que parecia não ser capaz de gerir uma conta-salário. Convivemos, por mais de um ano, com um outro que era claramente inepto. Vimos um quase ministro mentir no currículo. Não fosse o bastante, o governo tentou boicotar o FUNDEB, criticou ideologicamente o papel das Universidades Públicas e ataca constantemente o ofício dos professores.

Também neste cenário distópico vemos uma infinidade de outros absurdos: compartilhamentos de cenas de goldenshower; evidências claras da prática de rachadinha e lavagem de dinheiro pela família Bolsonaro, bem como de seu envolvimento com milícias e grupos de extermínio; o recebimento de 89 mil reais pela Primeira Dama, Micheque; uma incapacidade de tomar decisões rápidas e de forma séria; uma política ambiental que tem o desmatamento como meta; o envolvimento do governo em um esquema de destruição de reputações através do tal gabinete do ódio; apoiadores do governo intimidando uma criança de 10 anos que sofreu um estupro; o Ministro da Economia dizer que livros devem ser taxados porque são produtos da elite.

E mesmo diante de tudo isso, o que se passa? Absolutamente nada. Assistimos de forma passiva o absurdo se consolidar como aceitável. E a popularidade do atual governo se mantém. Sim. Um governo que optou por destruir a vida, a educação, o acesso à leitura, o meio ambiente, a dignidade de crianças vítimas de crimes bárbaros. Um governo que espalha, de forma deliberada, notícias e informações falsas. Um governo que resolveu fechar os olhos para a realidade indígena. Um governo que não queria viabilizar o mínimo existencial para as famílias durante a pandemia. Sim, é um governo “popular”.

E é esta a distopia. Temos a morte, a mentira, o desprezo, a indiferença como projetos de um governo. Errados parecem estar aqueles que não estão de acordo.

*Ricardo Manoel de Oliveira Morais é doutor em Direito Político pela UFMG.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rubens Pinto Lyra Everaldo de Oliveira Andrade André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Dênis de Moraes Celso Frederico Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano João Carlos Salles Kátia Gerab Baggio Gilberto Maringoni Salem Nasser Eduardo Borges Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber Milton Pinheiro José Luís Fiori Remy José Fontana Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha Gerson Almeida João Feres Júnior Lincoln Secco Osvaldo Coggiola Anderson Alves Esteves Antonio Martins Ronaldo Tadeu de Souza João Lanari Bo Carla Teixeira Eugênio Trivinho Francisco Pereira de Farias Alysson Leandro Mascaro Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Claudio Katz Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Bucci Ricardo Fabbrini Annateresa Fabris Mariarosaria Fabris João Sette Whitaker Ferreira Igor Felippe Santos Caio Bugiato Marcelo Módolo Roberto Bueno Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Sacramento Carlos Tautz André Singer José Raimundo Trindade Érico Andrade Paulo Capel Narvai Luiz Renato Martins José Dirceu Ladislau Dowbor Paulo Martins Chico Alencar Rafael R. Ioris João Adolfo Hansen Jorge Luiz Souto Maior João Carlos Loebens Luciano Nascimento Armando Boito Michael Roberts Ricardo Antunes Dennis Oliveira Berenice Bento Daniel Afonso da Silva Mário Maestri Antonino Infranca Luiz Roberto Alves Paulo Fernandes Silveira José Geraldo Couto Gabriel Cohn Ronald León Núñez Daniel Brazil Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe Luiz Costa Lima Antônio Sales Rios Neto Maria Rita Kehl Manuel Domingos Neto Fernando Nogueira da Costa Luis Felipe Miguel Flávio R. Kothe José Machado Moita Neto Valerio Arcary Henry Burnett Lorenzo Vitral Paulo Nogueira Batista Jr José Micaelson Lacerda Morais Samuel Kilsztajn Paulo Sérgio Pinheiro Julian Rodrigues Marcelo Guimarães Lima Airton Paschoa Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Sandra Bitencourt Marcus Ianoni Marilena Chauí Benicio Viero Schmidt Michael Löwy Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás Tarso Genro Priscila Figueiredo Luiz Eduardo Soares Jean Marc Von Der Weid Ricardo Abramovay Vinício Carrilho Martinez Ari Marcelo Solon Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tadeu Valadares Rodrigo de Faria Ricardo Musse João Paulo Ayub Fonseca Denilson Cordeiro José Costa Júnior Bruno Machado Bento Prado Jr. Eliziário Andrade Elias Jabbour Thomas Piketty Daniel Costa Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marjorie C. Marona Eleonora Albano Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Lima Castro Tranjan Fábio Konder Comparato Leonardo Avritzer Roberto Noritomi Yuri Martins-Fontes Andrew Korybko Jorge Branco Otaviano Helene Luiz Werneck Vianna Leda Maria Paulani Luiz Carlos Bresser-Pereira Liszt Vieira Renato Dagnino Heraldo Campos Valério Arcary Fernão Pessoa Ramos Slavoj Žižek Walnice Nogueira Galvão Marcos Silva Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Celso Favaretto Juarez Guimarães Leonardo Boff Vladimir Safatle Luiz Marques

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada