As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Paulo Freire – o combate ao analfabetismo social

Imagem: Amarildo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ADEMAR BOGO*

Não é o Paulo Freire que os poderosos temem, mas a força das palavras geradoras

Há pelo menos duas formas de se fazer humano, a primeira é pelo nascimento; despontamos como obra da natureza e, a segunda, pelo conhecimento. Tornamos sabedores da memória coletiva e criadores das nossas próprias ideias e invenções. Da primeira forma, nada podemos fazer, a não ser esperar pelo acontecimento do nascimento. Da segunda, muito se pode falar, escrever e contar.

Paulo Freire é um grande educador. Esta afirmação adjetivada diria tudo e bastaria para que os seus detratores se calassem e refletissem toda vez que ouvissem algum elogio incontestável a seu favor. Mas eles sabem somente colocar Deus, a pátria e a família “acima de tudo” e não aprenderam os bons modos do respeito e do cuidado de não pronunciarem o nome de ninguém em vão.

Detratores são como os abutres rogadores de praga para que a rês ainda viva e com saúde morra. No caso de Paulo Freire, rogam para que seus feitos, exemplos e conquistas, gozadores de impressionante respeito mundial, desapareçam por um simples grasnar com os bicos fedorentos. Deveriam respeitar este senhor formulador de verdades, pois, pelo menos aprenderam a dizer, mesmo que façam o contrário a explicitação evangélica de que: “Conhecereis a verdade e a verdade voz libertará”(Jo 8,32).

Quando Josué de Castro publicou o seu livro Geografia da fome, em 1946, Paulo Freire atuava como professor de Língua Portuguesa no Colégio Osvaldo Cruz e lecionava Filosofia da Educação na Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Pernambuco. Mas o que têm a ver a fome com a educação? Tudo. Principalmente porque as duas mexem com a sensibilidade humana. Saciada a fome, as Belas Artes não formam apenas profissionais, mas reinventam a própria espécie humana.

Há muita ignorância nas mentes de rapinas e preconceituosas, incapazes de perceberem quando a humanidade, pela genialidade de seus representantes mais destacados, dá um salto adiante. Sócrates, o filósofo grego, em 400 anos antes de Cristo inventou a “maiêutica”, um método de aprendizado facilitado pelo diálogo cotidiano. Arquimedes, 200 anos antes de nossa era, inventou a alavanca e criou a expressão: “Dê-me um ponto de apoio que moverei a terra”. Sigmund Freud, já no século passado, descobriu o método da “Livre associação” e encontrou o jeito de entrar no inconsciente humano por meio da fala e da escuta. Paulo Freire formulou o “método de alfabetização de adultos” e, como Arquimedes poderia ter dito: “Dê-me um adulto analfabeto que eu, com 40 horas de aula o tornarei capaz de ler o mundo e escrever sobre ele”.

Tantos outros gênios e inventores poderíamos destacar, como, Copérnico, René Descartes, Charles Darwin, Isaac Newton, Albert Einstein, Karl Marx, etc., mas não é este o nosso objetivo. Voltemos a Josué de Castro, para que os possuídos pela incompetência governativa e inculta aprendam que há diferentes tipos de geografia, a ele interessou a Geografia da fome e, a Paulo Freire, o analfabetismo social. O nordeste do país naquele tempo da década de 1940 era povoado por 15 milhões de pessoas e, além da fome, a metade da população não sabia ler e escrever. Diante de tamanho peso a ser movido, poderia Paulo Freire ter-se tornado um beato como o fizera 50 anos antes dele, Antonio Conselheiro, e lançar mão das pregações religiosas. Poderia ter seguido o exemplo de Lampião, morto a menos de 10 anos de sua formatura universitária e ter dado continuidade ao cangaço, lançando mão das armas de fogo como mediação para a libertação. Não. Como Arquimedes buscou um ponto de apoio para colocar a alavanca, e encontrou a educação.

Como vemos, havia outras alternativas. Só no parágrafo anterior vimos três possibilidades e as três incomodaram tanto que, os agentes das duas primeiras iniciativas eleitas para enfrentar a pobreza, foram decapitados e suas cabeças levadas como prova da vitória da opressão contra a liberdade. Paulo Freire, embora queiram hoje decapitá-lo, ganhou a oportunidade de, miseravelmente, acompanhado da família, deixar o país em 1964.

A periculosidade de Paulo Freire, se quiserem em palavras religiosas os seus detratores, foi ter arriscado, como fizera Ezequiel, de ir até o “vale dos ossos” e lá ter ouvido a ordem: “Profetize a esses ossos e diga-lhes: Ossos secos ouçam a palavra… farei um espírito entrar em vocês e vocês terão vida. Porei tendões em vocês e farei aparecer carne sobre vocês e os cobrirei de pele; porei um espírito em vocês e vocês terão vida…” (Ez, 37,4-6). E os ossos acreditaram.

A arte da recriação humana, somente pode vir de quem acredita nas possibilidades impossíveis. A morte pela fome, descrita por Josué de Castro, naquelas circunstâncias, servia para motivar a vida. Não era e não é o silêncio dos mortos que abalava e abala a já desestabilizada ordem dos donos do poder, mas a reação dos decaídos. Paulo Freire soube sintetizar essa relação na “Pedagogia do oprimido”: “Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão”. Aqueles “ossos humanos” poderiam ter vida se fossem recriadas neles, a carne, as palavras e as ideias. E assim foi feito, os maltrapilhos levantaram-se e fizeram das próprias consciências bandeiras vermelhas que afugentaram o coronelismo, fecharam os currais eleitorais e apagaram a ignorância de repetir que “tudo é vontade de Deus”. E, se a forme ronda a região, o país e o mundo, é porque ainda faltam algumas palavras serem encarnadas, assimiladas, expressas e praticadas.

Por ocasião da comemoração dos cem anos de vida de Paulo Freire, ecoa pela consciência do mundo, o vigor da mensagem de que: “Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho”. Este legado ficou para nos orientar que a libertação somente pode ocorrer junto com a recriação que fazemos de nós mesmos. A cooperação é o segredo de nos tornarmos cada vez mais humanos. São as “palavras geradoras” que ensinam a ler o mundo e a perceber a exploração e a humilhação. Paulo Freire incomoda os arrogantes porque soube mergulhar fundo no abismo da miséria e retornar de lá com os braços carregados de pessoas confiantes e capazes de conduzirem o próprio destino.

Hoje o adulto alfabetizado pelo método Paulo Freire, sabe que a palavra “genocídio” é crime e por traz dela se esconde o “genocida” que precisa ser preso, julgado e condenado para se fazer justiça. A palavra “direitos” escreve-se no plural, porque eles estão interligados e, garanti-los não é um favor que se paga com votos.

Paulo Freire tornou-se imortal por ensinar a recriar o ser humano, com palavras geradoras de transformação: comida, tijolo, direitos, justiça, cooperação, insurreição. Há muitos alfabetizados que sabem escrevê-las, mas não sabem defendê-las e exercê-las. Há muitos que precisam apreendê-las, soletrá-las, praticá-las e escrevê-las,o que falta é a organização.

Não é o Paulo Freire que os poderosos temem, mas a força das palavras geradoras. Elas têm o poder de encarnar os ossos, cobri-los de pele saudável e encher os corpos de consciência e de revolta. Ele mostrou que a alavanca da libertação tem seu apoio na educação e, o apoio da alavanca da dominação é a ignorância. No final, ganha quem for mais inteligente e, organizadamente, colocar mais força.

*Ademar Bogo é doutor em filosofia pela UFBA e professor universitário.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eliziário Andrade Rodrigo de Faria Igor Felippe Santos Heraldo Campos Paulo Sérgio Pinheiro Luís Fernando Vitagliano Luiz Bernardo Pericás Julian Rodrigues José Luís Fiori Manchetômetro Bruno Machado Everaldo de Oliveira Andrade Thomas Piketty Marcus Ianoni Samuel Kilsztajn Elias Jabbour Lorenzo Vitral Antônio Sales Rios Neto Slavoj Žižek Ari Marcelo Solon Boaventura de Sousa Santos Leda Maria Paulani Michael Roberts Eleonora Albano Chico Whitaker Paulo Nogueira Batista Jr Ronald Rocha Airton Paschoa Paulo Martins Roberto Bueno José Geraldo Couto Gabriel Cohn André Márcio Neves Soares Carlos Tautz Michael Löwy Antonino Infranca Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Paulo Capel Narvai Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Mário Maestri Gerson Almeida João Lanari Bo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Andrew Korybko Alexandre de Freitas Barbosa Manuel Domingos Neto Luiz Werneck Vianna Annateresa Fabris João Sette Whitaker Ferreira Remy José Fontana Ricardo Abramovay Ronaldo Tadeu de Souza Kátia Gerab Baggio Luiz Carlos Bresser-Pereira Carla Teixeira Mariarosaria Fabris João Adolfo Hansen Ricardo Antunes Eugênio Bucci Jean Pierre Chauvin Henri Acselrad Antonio Martins Eleutério F. S. Prado Luiz Renato Martins Fábio Konder Comparato Henry Burnett Jean Marc Von Der Weid Sandra Bitencourt Leonardo Boff Luciano Nascimento Tadeu Valadares Luiz Marques Caio Bugiato Érico Andrade Eugênio Trivinho Sergio Amadeu da Silveira Francisco Fernandes Ladeira Valério Arcary Vladimir Safatle Marilena Chauí Daniel Brazil Jorge Branco Otaviano Helene José Machado Moita Neto Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Luiz Roberto Alves João Feres Júnior Claudio Katz Ronald León Núñez Marcelo Módolo Marcos Aurélio da Silva Luiz Costa Lima Benicio Viero Schmidt Berenice Bento André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Denilson Cordeiro João Carlos Salles Vinício Carrilho Martinez Juarez Guimarães Gilberto Lopes Dênis de Moraes Alexandre Aragão de Albuquerque Anderson Alves Esteves Renato Dagnino Rubens Pinto Lyra Milton Pinheiro Celso Frederico Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Luiz Eduardo Soares Bernardo Ricupero Marcos Silva José Dirceu Salem Nasser Flávio Aguiar Celso Favaretto Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Liszt Vieira Anselm Jappe Roberto Noritomi Fernão Pessoa Ramos João Carlos Loebens Valerio Arcary Armando Boito Fernando Nogueira da Costa Ladislau Dowbor Flávio R. Kothe Chico Alencar Leonardo Sacramento Jorge Luiz Souto Maior Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan José Raimundo Trindade Daniel Afonso da Silva João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Musse Paulo Fernandes Silveira José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Fabbrini Alysson Leandro Mascaro Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris Leonardo Avritzer Bento Prado Jr. Lincoln Secco Yuri Martins-Fontes Marjorie C. Marona Dennis Oliveira Tarso Genro Eduardo Borges Walnice Nogueira Galvão Francisco de Oliveira Barros Júnior Vanderlei Tenório Gilberto Maringoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada