As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As redes sociais como padrão jornalístico

Imagem: Brett Sayles
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO MUSSE*

Réplica à resenha de “China contemporânea” feita por Carlos Graieb

A resenha de Carlos Graieb do livro China contemporânea (Autêntica) publicada no jornal Folha de S. Paulo  encontra-se aquém da expectativa do leitor e do padrão usual na mídia impressa. Falta-lhe objetividade e imparcialidade. A dicção, os adjetivos, os tipos de juízos emitidos foram emprestados da linguagem dos influenciadores digitais. Nesse mimetismo, deliberado, prevalecem cacoetes dos ativistas das redes sociais: discorrer, em tom peremptório, sem meditação prévia, sobre assuntos que não dominam. As considerações do resenhista transmitem a impressão de leitura apressada e incompleta. Vejamos.

No comentário do artigo de Luiz Enrique Vieira de Souza sobre a situação ambiental na China o resenhista, de forma unilateral, reporta apenas os aspectos negativos. Ignora as páginas que apresentam avanços como a paulatina internalização de critérios ambientais na legislação chinesa e investimentos pesados em energia limpa, eficácia energética e reflorestamento. O leitor não é sequer informado que o objetivo explícito do sociólogo foi estabelecer um balanço do andamento contraditório da questão do meio-ambiente, da polaridade entre “fluxos de modernização ecológica e vetores de degradação ambiental”.

Graieb qualificou como “leitura árdua” o artigo “A ascensão chinesa e a economia-mundo capitalista: uma perspectiva histórica”, do economista e professor da USP, Alexandre de Freitas Barbosa. Os motivos elencados – a confrontação de teorias da história econômica, o esforço de abstração – revela apenas o descaso do resenhista em relação ao pensamento conceitual, forma de conhecimento inaugurada por Sócrates e eixo estruturante da ciência moderna desde Galileu.

O resenhista acusou Elias Jabbour e Alexis Dantas, especialistas reconhecidos por economistas de diferentes escolas como Luiz Carlos Bresser Pereira e Luiz Gonzaga Belluzzo pela originalidade de suas análises sobre a China, de “compromisso ideológico”. A ideologia, assim posta, é atribuída ao outro, um recurso argumentativo que foge da discussão intelectual, recorrendo ao ad hominem. Esse registro suscita a indagação: por que os juízos prévios de Carlos Graieb sobre a China e Hong-Kong não são “ideológicos”?

A resenha não informa aos leitores sequer que o artigo de Jabbour e Dantas examina do papel do Estado na gestão, coordenação e planificação da economia, sustentando a tese de que essa intervenção teria gestado uma formação econômica-social específica: “o socialismo de mercado”. Tampouco menciona os conceitos centrais do ensaio – “nova economia do projetamento” e “geopolítica institucionalizada pela China”.

Graieb recusa-se a comentar o artigo de Vladimir Pomar, por conta das credenciais de “ativista político” do autor. Pomar é conhecido nos meios jornalísticos por ter sido membro do Diretório Nacional do PT e coordenador da campanha de Lula em 1989. Sua respeitabilidade intelectual deriva também de suas investigações sobre o enigma chinês, assunto sobre o qual publicou nos últimos 40 anos quase uma dezena de livros. Nesse caso, a atitude do resenhista assemelha-se à dos ideólogos da “Escola sem partido” que pretendem, entre outras barbaridades, banir da bibliografia os livros de Karl Marx, um destacado ativista político.

O resenhista confessa que o artigo de Francisco Foot Hardman, historiador e professor de literatura na Unicamp, o deixou “desconcertado”, mas não esclarece se foi por se deparar a aplicação dos conceitos de simultaneísmo e fusão aos espaços-tempos histórico-culturais ou por não conseguir comentar as obras analisadas no artigo, do romancista Mo Yan e do cineasta Jia Zhangke. Sua reação ao desconforto, uma boutade desprovida de graça, foi surpreendente, pois trata-se de comportamento típico de semiletrados.

Graieb não dissimula seus preconceitos e seu anti-intelectualismo. A resenha abre com uma frase adversativa: “fui ao livro organizado pelo sociólogo Ricardo Musse com interesse, mesmo sabendo que a pegada era acadêmica”. Não admira que prefira repetir estereótipos a reconhecer as valiosas contribuições brasileiras para entender a gênese, o desenvolvimento e o futuro da ascensão chinesa.

* Ricardo Musse é professor do Departamento de Sociologia da USP, organizador de China contemporânea: seis interpretações (Autêntica) e autor de Émile Durkheim: fato social e divisão do trabalho (Ática).

Versão ampliada de artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, em 14 de agosto de 2021.

Referência


Ricardo Musse (org.). China contemporânea: seis interpretações. Belo Horizonte, Autêntica, 2021, 198 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleutério F. S. Prado Celso Frederico Thomas Piketty João Carlos Salles André Márcio Neves Soares Rubens Pinto Lyra Henry Burnett Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Freitas Barbosa José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Eduardo Borges Celso Favaretto Marcos Silva Tales Ab'Sáber Jorge Luiz Souto Maior João Carlos Loebens Airton Paschoa Roberto Bueno Vinício Carrilho Martinez Gilberto Maringoni Luiz Renato Martins Marcelo Guimarães Lima Osvaldo Coggiola Paulo Sérgio Pinheiro Valério Arcary Vladimir Safatle Claudio Katz Marcos Aurélio da Silva Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Marjorie C. Marona Everaldo de Oliveira Andrade Dênis de Moraes Renato Dagnino Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Priscila Figueiredo João Feres Júnior Luis Felipe Miguel Annateresa Fabris Antonio Martins José Machado Moita Neto Vanderlei Tenório Luiz Carlos Bresser-Pereira João Paulo Ayub Fonseca Luiz Costa Lima Heraldo Campos Armando Boito Luciano Nascimento Samuel Kilsztajn Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leda Maria Paulani Anselm Jappe Alexandre de Lima Castro Tranjan Michael Roberts Ladislau Dowbor Mário Maestri Daniel Costa Afrânio Catani Ricardo Fabbrini Otaviano Helene Marilia Pacheco Fiorillo Tarso Genro Paulo Capel Narvai Chico Whitaker Eugênio Bucci Alexandre Aragão de Albuquerque Jean Marc Von Der Weid Julian Rodrigues Sandra Bitencourt Anderson Alves Esteves Michael Löwy Slavoj Žižek Sergio Amadeu da Silveira Fábio Konder Comparato Gerson Almeida Salem Nasser Luiz Eduardo Soares Luiz Werneck Vianna Leonardo Boff Bruno Fabricio Alcebino da Silva Mariarosaria Fabris José Costa Júnior Daniel Afonso da Silva Juarez Guimarães Leonardo Sacramento João Sette Whitaker Ferreira Milton Pinheiro João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Luiz Marques Gilberto Lopes Luiz Bernardo Pericás Marcelo Módolo Remy José Fontana Lincoln Secco Bruno Machado Luís Fernando Vitagliano Lucas Fiaschetti Estevez Boaventura de Sousa Santos Liszt Vieira Igor Felippe Santos Paulo Martins Ricardo Antunes Ricardo Musse Atilio A. Boron Yuri Martins-Fontes Ronald León Núñez Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Caio Bugiato Manuel Domingos Neto José Raimundo Trindade Ari Marcelo Solon Daniel Brazil Marcus Ianoni André Singer Valerio Arcary Henri Acselrad Jorge Branco Elias Jabbour Bento Prado Jr. Fernão Pessoa Ramos Andrew Korybko Denilson Cordeiro Eugênio Trivinho Eliziário Andrade Flávio R. Kothe Dennis Oliveira Antônio Sales Rios Neto Manchetômetro Ricardo Abramovay Berenice Bento Rodrigo de Faria Tadeu Valadares Érico Andrade Chico Alencar Roberto Noritomi Bernardo Ricupero Gabriel Cohn Ronald Rocha João Adolfo Hansen Leonardo Avritzer Francisco Fernandes Ladeira Antonino Infranca Rafael R. Ioris Marilena Chauí José Dirceu Francisco de Oliveira Barros Júnior Carla Teixeira Lorenzo Vitral Fernando Nogueira da Costa José Luís Fiori Ronaldo Tadeu de Souza Jean Pierre Chauvin José Geraldo Couto Eleonora Albano Benicio Viero Schmidt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada