As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A semana da China e a ex-Colônia britânica

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Gilberto Maringoni*

Esta foi a semana da China

O marco principal foi a comemoração dos 70 anos da Revolução que transformou um país quase medieval na segunda potência do globo. Como contraface, tivemos mais um gigantesco protesto contra o governo de Pequim, em Hong Kong. 


O feito dos comunistas chineses se equipara em grandiosidade ao seu principal marco arquitetônico, a Grande Muralha, fortificação de pedra que se estende por 21 mil quilômetros e construída ao longo de quase mil anos. Colocar de pé um regime socialista num país periférico, multiétnico e semifeudal não é um passeio. Houve tentativas desastrosas – o Grande Salto Adiante (1958-60) e a Revolução Cultural (1966-76) – e um novo empenho, a partir da genialidade do principal dirigente chinês depois de Mao Zedong (1893-1976), que foi Deng Xiaoping (1904-97).


O país apresenta um poderoso projeto de desenvolvimento com soberania nacional em tempos de endurecimento das agressões imperiais. Faz do progresso tecnológico e da inovação industrial a pedra de toque de suas diretrizes. Conseguiu fazer sua revolução industrial e resolver a equação desenvolvimento tecnológico/ inovação/ emprego sem o descarte significativo da força de trabalho à maneira capitalista. Como se sabe, a revolução industrial na Europa acarretou, entre o final do século XVIII e o início do século XX, a emigração de cerca de 100 milhões de trabalhadores tornados obsoletos diante da urbanização e do aumento da produtividade na indústria e nas atividades rurais. A China logrou estabelecer competitividade entre empresas estatais do mesmo ramo e implantou uma dualidade econômica considerada herética por setores da esquerda, a dinâmica de “um país, dois sistemas”. 

Deng Xiaopiong em discurso na ONU


Produtividade de inclusão

Entre 1978-92, Deng buscou resolver um problema crucial: como industrializar, aumentar a produtividade média da economia e trazer financiamento externo para o desenvolvimento? Para isso, o governo estabeleceu uma política de abertura à propriedade privada na produção, sem comprometer a direção política do processo. Muitos têm apontado que o Partido Comunista estaria aplicando uma versão ampliada do que fez Lênin em 1922, ao permitir a volta de empreendimentos particulares na indústria e na agricultura, sem abrir mão do poder soviético. A iniciativa, combatida acidamente por comunistas ortodoxos foi denominada Nova Política Econômica (NEP). 


Era uma maneira desesperada de se solucionarem gargalos produtivos em um país cortado pela fome e arrasado pela guerra e por sabotagens internas e externas.


É leviano tratar a China na estreita forma de “capitalismo de Estado”, sendo que a apropriação social do excedente é real, através de uma política de elevação do padrão de vida médio do trabalhador. O país deixou há quase vinte anos de ser uma plataforma de exportação de quinquilharias com salários arrochados para se colocar no centro da arena global.


Constrói-se na China um socialismo que não abandona práticas de mercado, num tempo de aberta defensiva da esquerda mundial. Há pelo menos 13 anos o leme da economia foi invertido de forma radical. O setor exportador deixou de ser o polo dinâmico da economia em favor da ampliação do mercado interno.


Essa ousada mudança ensejou – a partir do 17º. Congresso do PCCh, em outubro de 2007 – a elevação do salário real em até três vezes em alguns ramos de atividades laborais, como atestado até pela revista Economist. O rendimento médio do trabalhador chinês é mais elevado do que a média da América Latina. Ao mesmo tempo, o avanço do desemprego começa a preocupar a administração pública.

Manifestante empunha bandeira britânica em Hong Kong


Problemas na ex-Colônia

O problema de Hong Kong é extremamente delicado. Colônia britânica desde 1841, só foi incorporado à China em 1997. É uma das cidades mais caras do mundo – segue como enclave capitalista – e apresenta inúmeros desequilíbrios sociais. Um dos mais graves é o de moradia. Há tensões sérias, que se agravaram quando a China tentou fazer valer seu sistema legal – inclusive as leis penais – no território. Seria algo perfeitamente normal, que, no entanto, não é aceito por parte do movimento que se autodenomina democrático.


Se há razões objetivas para protestos – e o governo Chinês atendeu algumas das reivindicações, como uma institucionalidade legal própria na cidade – há motivos de sobra para a desconfiança de seus reais propósitos. O uso aberto de símbolos e bandeiras dos antigos colonizadores, a queima de panteões chineses e o pedido de auxílio a Donald Trump – não desautorizado pelas lideranças – mostram que o processo pode ter sido capturado pela direita, como ocorreu em mobilizações maciças em outras partes do mundo, desde 2010.


Socialismo não é sonho, devaneio ou utopia. Esse último conceito é estranho e danoso à política. Utopia, na obra de Tomas More era uma ilha idealizada, para a qual não existiam rotas ou caminhos. Não há como se chegar a ela. O sincretismo da metáfora literária para a política poderia se traduzir em objetivo sem programa, ou estratégia sem tática, quase um oximoro.


O socialismo é obra de pessoas reais, no mundo real, sujo, feio e às vezes repugnante. É construção acidentada e dura, mas concreta e objetiva.


Mesmo os maiores críticos não conseguem contestar algo perceptível por qualquer analista de política internacional. Graças à emergência da China como grande ator global, quebrou-se o unilateralismo imperial estadunidense, surgido com o fim dos regimes do Leste Europeu, a partir de 1991. Pode não parecer, mas o mundo melhorou muito com a chegada de um competidor a altura. Os anos da política externa altiva e ativa do governo Lula (2003-11) só puderam existir nessa nova quadra do contexto internacional.

*Gilberto Maringoni, é professor de Relações Internacionais da UFABC

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Luiz Bernardo Pericás Ari Marcelo Solon Julian Rodrigues Marilena Chauí Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Eduardo Borges João Feres Júnior Benicio Viero Schmidt Caio Bugiato Priscila Figueiredo Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Lucas Fiaschetti Estevez Yuri Martins-Fontes João Carlos Loebens Bento Prado Jr. Luiz Marques Gilberto Lopes Eugênio Bucci Rodrigo de Faria Leonardo Boff Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos André Márcio Neves Soares Valerio Arcary Slavoj Žižek Sergio Amadeu da Silveira Ronald Rocha Francisco Pereira de Farias Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Michael Löwy Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manchetômetro Luiz Werneck Vianna Ronald León Núñez Roberto Noritomi Érico Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Antunes Leda Maria Paulani José Dirceu Marcos Silva Vinício Carrilho Martinez Antônio Sales Rios Neto André Singer José Luís Fiori João Lanari Bo Dennis Oliveira Milton Pinheiro Maria Rita Kehl Gerson Almeida João Carlos Salles Luiz Renato Martins Everaldo de Oliveira Andrade José Machado Moita Neto Luciano Nascimento Renato Dagnino Airton Paschoa João Sette Whitaker Ferreira Antonino Infranca Thomas Piketty Claudio Katz João Adolfo Hansen Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade Ricardo Musse Annateresa Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Gabriel Cohn Fernando Nogueira da Costa Osvaldo Coggiola José Raimundo Trindade Heraldo Campos Carlos Tautz Marjorie C. Marona Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonio Martins Michael Roberts Tadeu Valadares Armando Boito Leonardo Sacramento Celso Favaretto Mariarosaria Fabris Leonardo Avritzer Bernardo Ricupero José Costa Júnior Luis Felipe Miguel Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Eduardo Soares Flávio Aguiar Vladimir Safatle Alexandre Aragão de Albuquerque Liszt Vieira Ricardo Fabbrini João Paulo Ayub Fonseca Manuel Domingos Neto Atilio A. Boron Lorenzo Vitral José Micaelson Lacerda Morais Dênis de Moraes Flávio R. Kothe Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Costa Lima Walnice Nogueira Galvão Daniel Costa Anselm Jappe Eugênio Trivinho Jean Pierre Chauvin Chico Alencar Celso Frederico Sandra Bitencourt Vanderlei Tenório Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Abramovay Anderson Alves Esteves Jorge Branco Andrew Korybko Paulo Fernandes Silveira Otaviano Helene Berenice Bento Denilson Cordeiro Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Brazil Marilia Pacheco Fiorillo Remy José Fontana Marcelo Guimarães Lima Lincoln Secco Fábio Konder Comparato Fernão Pessoa Ramos Daniel Afonso da Silva Afrânio Catani Elias Jabbour Eleonora Albano Mário Maestri Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn Carla Teixeira Paulo Martins Bruno Machado Tales Ab'Sáber Marcus Ianoni Rubens Pinto Lyra Jorge Luiz Souto Maior Igor Felippe Santos Marcelo Módolo Valério Arcary Paulo Capel Narvai Roberto Bueno Ladislau Dowbor Salem Nasser Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Rafael R. Ioris Jean Marc Von Der Weid

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada