A farra verde-oliva

Imagem: Manifesto Coletivo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALEXANDRE ARAGÃO DE ALBUQUERQUE*

O tempo presente vem desnudar o véu da persistente e violenta estrutura escravista brasileira, viva e atual, dispondo de métodos mais sutis de construção de golpes civil-militares híbridos

Braço forte, mão leve, cara lisa. Em 11 de julho o tenente-coronel do Exército brasileiro, Mauro Cesar Barbosa Cid (Mauro Cid), ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro e filho do general Mauro Cesar Lourena Cid, preso desde maio por ser objeto de oito investigações pelo Supremo Tribunal Federal (STF), apresentou-se fardado para prestar depoimento na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), que apura o atentado golpista de Estado perpetrado no dia 08 de janeiro contra a democracia brasileira.

Esse evento, denominado pelos arruaceiros criminosos de “Festa da Selma”, ocupando e depredando os prédios dos Três Poderes, uma turba coordenada e alimentada ao redor dos quartéis em diversas partes do Brasil, desde o final do pleito de outubro de 2022, demonstrava publicamente o grau de comprometimento daquela força militar com a quadra tenebrosa vigente com a chegada do bolsofascismo ao poder executivo central. Fardado naquela sessão da CPMI, o tenente-coronel Mauro Cid apresentava-se não como uma pessoa individual, mas como uma pessoa coletiva, um representante da instituição.

Para ajudar na compreensão da enorme assimilação de Jair Bolsonaro no Exército, é preciso olhar para a Academia Militar Agulhas Negras (Aman), principalmente para a turma de 1977. Se sua reabilitação naquela força terrestre já havia ocorrido exemplarmente na formatura dos cadetes em 2014, ou seja, bem antes das eleições de 2018, esse processo foi coroado com a chegada, ao topo do poder militar, de seus contemporâneos da Aman. Quando assumiu a presidência do Brasil, quatro dos seus colegas de turma exerciam o posto máximo da carreira: os generais Mauro Cesar Lourena Cid (pai do tenente-coronel Mauro Cid), Carlos Alberto Neiva Barcellos, Paulo Humberto Cesar de Oliveira e Edson Leal Pujol haviam sido promovidos a generais de exército (quatro estrelas).

Edson Leal Pujol, como se sabe, foi nomeado comandante do Exército. Lourena Cid foi nomeado Chefe do Escritório da Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex), em Miami – EUA. Paulo Humberto virou presidente da Postalis, fundo de pensão dos funcionários dos Correios. E Neiva Barcellos assumiu, em Genebra – Suíça, o posto de conselheiro militar junto à representação do Brasil na Conferência do Desarmamento na ONU.

Mas, além disso, as boas relações dos integrantes da turma da Aman 1977 com o Executivo Federal (Jair Bolsonaro) se estenderam para além do seleto grupo de generais quatro estrelas. Para ficar num único exemplo, o general de brigada (duas estrelas) da reserva Cláudio Barroso Magno Filho atuou como lobista ativo de mineradoras brasileiras e canadenses com interesses em exploração em áreas indígenas, tendo sido recebido pelo menos dezoito vezes no Planalto. (Cf. VICTOR, Fábio. Poder camuflado, Companhia das Letras).

Visando mensurar a dimensão do fenômeno de cessão de integrantes das Forças Armadas para exercer funções de natureza civil no governo Bolsonaro, entre 2019 e 2022 foram produzidos inúmeros levantamentos. Coube ao Tribunal de Contas da União (TCU), a pedido do ministro Bruno Dantas, uma dessas investigações, identificando a presença de 6.157 (seis mil, cento e cinquenta) militares exercendo funções civis na administração pública federal em 2020.

Como atesta o pesquisador Fábio Victor, os benefícios, privilégios e agrados dos mais variados a integrantes das Forças Armadas foram um dos fortes sintomas da militarização da gestão pública federal sob o bastão de Bolsonaro, mostrando abertamente que não se tratava apenas de um governo de militares, mas também para militares. Um dos fortes sinais desta situação pode ser facilmente constatado pela manobra autorizada pelo ministério da Economia de Paulo Guedes, garantindo supersalários para vários militares em altos postos na Esplanada. Generais palacianos como Augusto Heleno (o pequeno), Braga Netto e Luís Eduardo Ramos começaram a ganhar R$60 mil por mês, acima do teto máximo constitucionalmente permitido equivalente ao vencimento dos ministros do STF (op. cit.).

Voltando um pouco na história, importante relembrar que, na véspera do julgamento do Habeas corpus em 04 de abril de 2018, para garantir liberdade ao então ex-presidente Lula, autorizando-o a concorrer à eleição presidencial daquele ano, o general quatro estrelas, da reserva, Luís Gonzaga Schroeder Lessa, que fora comandante militar do Leste e da Amazônia, rosnou numa entrevista concedida ao jornal golpista O Estado de São Paulo: “Se acontecer [o habeas corpus], aí eu não tenho dúvida de que só resta o recurso à reação armada. Aí é dever da Força Armada restaurar a ordem” (Supremo pode ser indutor da violência. O Estado de S. Paulo, 03 de abril de 2018).

Às 20h39, do mesmo dia 03 de abril, o general três estrelas Otávio Rego Barros (que viria a ser porta-voz da presidência na gestão Bolsonaro), auxiliar direto de Eduardo Villas Bôas, disparou o tuíte, na página oficial do seu superior, a ameaça do então comandante do exército ao Supremo Tribunal Federal: “Asseguro à Nação que o exército brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social, à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”. Resultado já sabido, no dia seguinte, o STF negou o Habeas corpus ao então ex-presidente Lula. Jair Bolsonaro chegou ao poder executivo central com sua companhia de militares, a partir do histórico emparedamento do Supremo por generais do exército. O autoritarismo seria o traço desta gestão presidencial.

No dia 02 de janeiro de 2019, na cerimônia de posse de cargo do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, o já presidente Bolsonaro discursou: “General Villas Bôas, o que já conversamos morrerá entre nós. O senhor é um dos responsáveis por eu estar aqui”. Em resposta a Jair Bolsonaro, no dia 11 de janeiro, na transmissão do comando do exército para Pujol, Villas Bôas disse: “A nação brasileira festeja os sentimentos coletivos que se desencadearam a partir da eleição de Bolsonaro”.

Pergunta-se: que sentimentos seriam? A exacerbação da violência social e estatal, da discriminação, da elevação do autoritarismo, da subserviência ao poder estadunidense, da perda da credibilidade internacional do Brasil, do desmonte e entrega do patrimônio público ao capital privado, da propagação indiscriminada de fake news, do ataque sistemáticos às urnas eletrônicas e aos Tribunais Superiores, do descaso pelas pautas populares, da insensibilidade diante da miséria a que o povo brasileiro esteve submetido durante os quatro anos do governo passado? Este foi o projeto militar bolsonarista?

O tempo presente, depois do retorno à democracia com a reeleição do Presidente Lula em 2022, vem desnudar o véu da persistente e violenta estrutura escravista brasileira, viva e atual, dispondo de métodos mais sutis de construção de golpes civil-militares híbridos, cínicos, como ocorreu em 2016 e aprofundou-se em 2019, com o objetivo de manter a concentração de renda e poder nas mãos de pouquíssimos privilegiados, avessa a qualquer horizonte democrático alicerçado na liberdade e na igualdade substantivas, bem como na justa distribuição dos bens produzidos socialmente.

Mas agora o ditador está nu e precisa ser combatido tenazmente por toda a sociedade democrática. A nudez do ditador faz lembrar aquele conhecido poema colegial: “Um coleguinha me deu a cola / Eu a distribuí com a tropa / Dos mais argutos aos mais carolas / Todos chafurdaram gatunamente nas pedrarias / A farsa repetindo-se pela histórica e reincidente malandragem da companhia”.

*Alexandre Aragão de Albuquerque é mestre em Políticas públicas e sociedade pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernando Nogueira da Costa Caio Bugiato Jean Marc Von Der Weid Boaventura de Sousa Santos Antonino Infranca Luís Fernando Vitagliano Airton Paschoa Ricardo Abramovay Henry Burnett João Carlos Salles Igor Felippe Santos Érico Andrade Mário Maestri Tarso Genro Vladimir Safatle Carlos Tautz João Lanari Bo Daniel Brazil Luiz Werneck Vianna Paulo Fernandes Silveira Chico Whitaker Bruno Machado Ricardo Fabbrini Jorge Branco Leonardo Sacramento Luciano Nascimento Valerio Arcary Heraldo Campos Chico Alencar Ricardo Antunes Luiz Carlos Bresser-Pereira Antônio Sales Rios Neto Michael Roberts Matheus Silveira de Souza Annateresa Fabris Marilena Chauí Lincoln Secco Lucas Fiaschetti Estevez Everaldo de Oliveira Andrade José Luís Fiori Anselm Jappe Sergio Amadeu da Silveira Otaviano Helene Rafael R. Ioris Marjorie C. Marona José Dirceu Antonio Martins Luiz Renato Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen Henri Acselrad Salem Nasser Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer Ari Marcelo Solon Dênis de Moraes Maria Rita Kehl Marcus Ianoni Yuri Martins-Fontes Mariarosaria Fabris Luiz Eduardo Soares Ronald León Núñez Francisco Pereira de Farias Ricardo Musse Alysson Leandro Mascaro Paulo Sérgio Pinheiro Rubens Pinto Lyra Daniel Afonso da Silva João Sette Whitaker Ferreira José Raimundo Trindade Gerson Almeida Osvaldo Coggiola André Singer Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Andrés del Río Carla Teixeira Vinício Carrilho Martinez Michel Goulart da Silva Juarez Guimarães Luis Felipe Miguel Michael Löwy Ronald Rocha Valerio Arcary Marcelo Guimarães Lima Vanderlei Tenório Sandra Bitencourt Leonardo Boff Fábio Konder Comparato José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto Flávio Aguiar Andrew Korybko Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Gabriel Cohn Liszt Vieira Priscila Figueiredo João Carlos Loebens Slavoj Žižek Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Frederico Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira Fernão Pessoa Ramos José Costa Júnior Eleutério F. S. Prado Julian Rodrigues Jorge Luiz Souto Maior Luiz Roberto Alves Paulo Nogueira Batista Jr Ronaldo Tadeu de Souza Lorenzo Vitral Rodrigo de Faria Jean Pierre Chauvin Gilberto Maringoni Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares André Márcio Neves Soares Eduardo Borges Luiz Marques Luiz Bernardo Pericás Eliziário Andrade Leda Maria Paulani Paulo Martins Bernardo Ricupero Francisco de Oliveira Barros Júnior Elias Jabbour Claudio Katz Benicio Viero Schmidt Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Marcelo Módolo Eugênio Bucci Alexandre de Lima Castro Tranjan Alexandre Aragão de Albuquerque Remy José Fontana Gilberto Lopes Thomas Piketty João Feres Júnior Renato Dagnino Milton Pinheiro Manchetômetro Eleonora Albano Denilson Cordeiro Dennis Oliveira Walnice Nogueira Galvão Armando Boito Eugênio Trivinho Flávio R. Kothe Berenice Bento João Paulo Ayub Fonseca Afrânio Catani José Geraldo Couto Daniel Costa Atilio A. Boron Alexandre de Oliveira Torres Carrasco José Machado Moita Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES