Democracia e fascismo na América Latina

Imagem: Sinitta Leunen
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Faltam “estratégias” nos desesperos de T. S. Eliot e Antonio Negri, que não faltam na animalidade fascista de Javier Milei

“É assim que o mundo termina, não com um estrondo, mas com um gemido”(T. S. Eliot. Os Homens Ocos).

Democracia e fascismo na América Latina mantêm uma luta equilibrada. A socialdemocracia – para sobreviver depois dos 30 anos gloriosos do pós-guerra – substituiu a luta pela igualdade, pôs na mesa do contrato social as políticas compensatórias de combate à fome. De outra, o neoliberalismo (“libertário” ou reformista) cultiva no pântano do fascismo a energia para constituir-se “grupo dirigente” de uma “revolução” reacionária. Numa época distópica, a resistência tem um valor extraordinário, mas a travessia para uma sociedade de menos desigualdades sociais e sem miséria será uma longa e complexa aventura do espírito.

O belo poema de T. S. Eliot anuncia o dissabor definitivo do mundo burguês com a civilização que ele mesmo criou, porque a parte saborosa da experiência humana, já conservadora, vai sendo substituída pelo mundo do futuro. E este mundo também fenece ou transmuda-se, não mais como utopia de uma civilização da “paz perpétua”, de Kant, mas mais como gemido tomado pelo fascínio de Clausewitz: a guerra como continuação da política e vice-versa.

Numa entrevista de Antonio Negri, a pretensão dialética de “conhecer um futuro, no qual teríamos conquistado o poder de ser livres, de trabalhar menos, de nos queremos mais”, adormeceu. “Estávamos convencidos de que conceitos burgueses como liberdade, igualdade e fraternidade poderiam se materializar nas consignas de cooperação, solidariedade, democracia radical e amor. (…), o que não significa produzir mais mercadorias em menos tempo, nem fazer guerras cada vez mais devastadoras. Ao contrário, tratava-se de dar o que comer a todo o mundo, de modernizar e fazer felizes as pessoas. Assim, o comunismo (seria) uma paixão coletiva alegre, ética e política, que luta contra a trindade da propriedade, fronteiras e capital”.[i] Tudo deu errado para Negri e tudo permaneceu expectativas para Eliot.

A fala de Antonio Negri desencadeia, no lado oposto da conclusão dramática de T. S. Eliot, o fim da utopia comunista na sua forma vencedora e depois derrotada, perplexa perante os mesmos desencantos de Eliot com o futuro. Entre conservadorismo burguês democrático e a utopia de uma sociedade livre, entre iguais – todavia – emergem os demônios que trazem à superfície o mal absoluto: ele se chama de “libertarismo”, embora seja, no mundo real, a escravidão miliciana: “é a mesma fórmula que se aplica nos Estados Unidos, onde as armas de fogo se tornaram uma das principais causas de morte de adultos e menores de idade”.

Javier Milei, porém – o novo bandido argentino –, acredita que na Argentina será diferente. Segue o demônio: “em outros temas, (Javier Milei) assegura que pode funcionar um livre mercado de compra e venda de órgãos sem maiores mediações estatais, onde as pessoas possam vender ou comprar partes de seus corpos em total liberdade econômica. Os preços, é claro, seriam governados pela lei tácita da oferta e da demanda, como em qualquer economia “libertária”.[ii] As filas zumbis para vender pedaços dos corpos vão substituir as filas para receber os seguros sociais congelados.

O keynesianismo de guerra inaugurado por Ronald Reagan, com suas fábricas de armas que administram o medo, geram empregos internos e milhões de mortes externas, não acordaram o mundo para o perigo, antes acostumaram-no ao desastre. As grandes mutações de ordem econômica no mundo, com o fim da “guerra fria”, que aceleraram o derramamento de sangue e as estratégias no tabuleiro geopolítico são, hoje, uma sequência de catarses de uma história que quer superar a fase do “fim da história”. Tenta realizar os mitos do liberalismo político das luzes no jogo lento e violento dos espasmos regionais de paz, mas apenas preparam novas catarses estratégicas para as guerras sem fim.

Faltam “estratégias” nos desesperos de Eliot e Negri, que não faltam na animalidade fascista de Javier Milei, mas os primeiros assaltos no ciclo da guerra “final” da modernidade em dissolução, não pode gerar uma derrota permanente: “o comandante de um exército” (diz Maquiavel) que quer se preparar para uma luta que não pode fazer pior do que dispô-lo numa única linha, de modo que a sorte da batalha seja decidida no primeiro assalto”. Da citação de Maquiavel, podem ser retiradas consequências importantes para a política e o manejo do Estado moderno, pois foi ele quem revolucionou as relações entre “guerra”, “ética”, “política” e “poder de Estado”, vínculos que são premissas subjetivas do Estado como aparato de exercício do poder.

Hoje, a crise de segurança pública – por exemplo – não tem mais soluções “domésticas” e é o eixo interno de todas as disputas pelo poder, já que a sua crise está associada à depredação do ambiente, à questão climática, à apropriação dos bens naturais pelo crime organizado – nacional e globalmente articulados– à possível emergência da narco-guerrilha em regiões nacionais estratégicas, orientadas nas redes financeiras (legais e piratas) a na circulação de dinheiro e de informação.

A segurança mundial e a segurança pública interna, bem como a insegurança, estão ancoradas nestes fatores absolutamente conjugados: uma criança que leva uma droga para entregar num bairro de alta classe média e é assassinada por um miliciano, num sábado à noite, é substituída rapidamente como uma mercadoria-trabalho que recebe ofertas infindáveis dentro de uma cadeia global de ofertas e procuras.

Registro alguns pontos de apoio que suponho importantes para uma reflexão sobre o destino nacional brasileiro e a sua evolução democrática: (i) independentemente de qual a hegemonia ideológica hoje existente nas Forças Armadas do país, abre-se um novo período na relação entre as instituições armadas e o conjunto da sociedade brasileira pela sua não–adesão ao golpismo; (ii) a estratégia do campo democrático da esquerda e do centro-esquerda no país deve valorizar esta ocorrência histórica para, por dentro do Estado e por fora do Estado, fazer a defesa do Estado Constitucional como Estado Social, definindo e modernizando os deveres das instituições militares no plano interno (soberania nacional) e externo (segurança continental compartilhada); (iii) urge, assim, e por isso, uma redefinição do conceito de Segurança Nacional e da Segurança do Estado, vinculando estes dois níveis da macro segurança do país com a “Segurança Pública” em sentido estrito.

A objetividade do pensamento de Maquiavel destacou a existência de “fatos estratégicos”, que numa cadeia de acontecimentos históricos – seja em termos políticos (ou militares) – influem em todo o processo histórico e têm a capacidade de incidir e, no limite, decidir sobre seu resultado neste processo. Os “fatos estratégicos” da Segurança Pública estão ancorados nesta universalidade concreta.

Por isso pensemos em hipóteses para a nossa posição sobre o futuro da democracia, como método de formação de maiorias parlamentares e sociais, para atingir os objetivos da própria Constituição. Primeira hipótese, a democracia não é mais capaz de formar maiorias com poder para aplicar o programa da Constituição Social; segunda hipótese, na era da universalização do dinheiro transformado em sinais e dados, sem lastro material, os donos do capital financeiro podem, dentro da democracia –com maiores ou menores concessões– tornar permanente o seu poder real sobre os Estados.

E terceira hipótese: para evitar que se abra um período indeterminado de caos sem previsão, as formações de esquerdas, “velhas“ e “novas”, devem pactuar entre si e com as forças democráticas do liberalismo político centrista, um programa civilizatório de eliminação política do fascismo, no qual a questão das instituições políticas do Estado e as instituições econômicas e financeiras do Estado Social, são a porta de ingresso para um novo projeto socialdemocrata.

*Tarso Genro Foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).

Notas


[i] Negri, Antonio. “Tengo 90 años y me he salvado. Pero me sigue doliendo haber dejado a compañeros em la cárcel”. Ctxt CONTEXTO Y ACCIÓN.2023. Disponível neste link.

[ii] Las ideas de Javier Milei: liberalización de armas, negacionismo del cambio climático y cierre del BCRA. LaRed21, Argentina, 2023. Disponível neste link.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Benicio Viero Schmidt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Yuri Martins-Fontes Ricardo Fabbrini Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Daniel Afonso da Silva João Carlos Loebens Elias Jabbour Plínio de Arruda Sampaio Jr. Remy José Fontana Luis Felipe Miguel André Singer Leonardo Boff Luciano Nascimento Carla Teixeira Dennis Oliveira João Carlos Salles Luiz Eduardo Soares Tadeu Valadares Heraldo Campos Paulo Capel Narvai Slavoj Žižek Lorenzo Vitral Ronald León Núñez Antonio Martins Mariarosaria Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene Paulo Sérgio Pinheiro Priscila Figueiredo Kátia Gerab Baggio Carlos Tautz Mário Maestri Alexandre Aragão de Albuquerque José Dirceu João Lanari Bo Ari Marcelo Solon André Márcio Neves Soares Bruno Machado José Geraldo Couto Eduardo Borges Andrés del Río Eleutério F. S. Prado Milton Pinheiro Ronald Rocha Julian Rodrigues Walnice Nogueira Galvão Alysson Leandro Mascaro Andrew Korybko Chico Alencar Manuel Domingos Neto José Costa Júnior Claudio Katz Jorge Branco Eugênio Trivinho Luiz Bernardo Pericás Renato Dagnino Marjorie C. Marona Vanderlei Tenório Marilena Chauí Dênis de Moraes Marcus Ianoni Leonardo Sacramento Celso Frederico Michael Löwy João Adolfo Hansen Gerson Almeida João Feres Júnior Thomas Piketty Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Atilio A. Boron Berenice Bento Salem Nasser Luiz Carlos Bresser-Pereira José Raimundo Trindade Igor Felippe Santos Michael Roberts Bento Prado Jr. Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Luiz Roberto Alves Michel Goulart da Silva Samuel Kilsztajn Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Abramovay Vinício Carrilho Martinez Fernão Pessoa Ramos Rafael R. Ioris Afrânio Catani Gilberto Maringoni Érico Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Ladislau Dowbor Sergio Amadeu da Silveira Airton Paschoa Jean Marc Von Der Weid Bernardo Ricupero Eliziário Andrade José Luís Fiori Gabriel Cohn Maria Rita Kehl Sandra Bitencourt Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo Lincoln Secco Armando Boito Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Musse Liszt Vieira Valerio Arcary Marcelo Módolo Antonino Infranca Rodrigo de Faria Paulo Martins Leonardo Avritzer Henry Burnett Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr Everaldo de Oliveira Andrade Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Matheus Silveira de Souza Tarso Genro Ricardo Antunes Francisco Fernandes Ladeira Osvaldo Coggiola Denilson Cordeiro José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Caio Bugiato Luiz Marques Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira João Paulo Ayub Fonseca Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber Fábio Konder Comparato Anselm Jappe João Sette Whitaker Ferreira Fernando Nogueira da Costa Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes Marcos Silva José Machado Moita Neto Daniel Brazil Luís Fernando Vitagliano Flávio R. Kothe Henri Acselrad Luiz Renato Martins Marcos Aurélio da Silva Vladimir Safatle Annateresa Fabris Manchetômetro Eleonora Albano Juarez Guimarães Eugênio Bucci Celso Favaretto

NOVAS PUBLICAÇÕES