A ficha precisa cair

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RENATO FRANCISQUINI

Se quisermos evitar um morticínio ainda mais tenebroso do que o que estamos acompanhando, com cerca de mil óbitos diários e o desespero das famílias que não podem se despedir de seus entes queridos, é preciso parar Bolsonaro e o seu governo de ineptos

Em junho de 2013, no auge dos movimentos de rua que, em vários sentidos, abalaram a sociedade brasileira, a brilhante Laerte publicou uma charge em que vaticinava: a grande ficha, em algum momento…ela vai cair. Sem que o suspeitássemos, a serpente botara o ovo que seria chocado por muitos. No ano seguinte, questionou-se o resultado das eleições presidenciais (“só pra encher o saco do PT”, segundo Aécio Neves)[i] e a Operação Lava-Jato intensificou a sua rotina de abusos, que culminou no golpe parlamentar de 2016 e a ascensão de um vice sem legitimidade, vítima do mesmo ardil que o levou ao poder[ii]. A criminalização da política seguiu o seu curso e, cinco anos depois, a ficha de Laerte ainda pairava no espaço quando elegemos para a presidência da República um ex-capitão que fora expulso do Exército por planejar explodir bombas em quartéis[iii]. As suas credenciais eram fartamente conhecidas, embora tenha sido, por 30 anos, um parlamentar pífio. Para o bem do nosso fígado, tão exigido nesses tempos de quarentena, não vale a pena enumerar as tantas ocasiões em que o sujeito que ora ocupa o Palácio do Planalto e a sua família evidenciaram o seu desapreço pela democracia e pelas instituições do Estado de Direito, desde muito antes do processo que, lamentavelmente, o elegeu para o cargo político mais importante do país.

Steven Levistky e Daniel Ziblatt, em “Como as democracias morrem”, publicado no Brasil em 2018, enumeram quatro indicadores do comportamento autoritário. São eles: (1) rejeição das regras jogo democrático; (2) negação da legitimidade dos oponentes políticos; (3) tolerância ou encorajamento à violência; e (4) propensão a restringir liberdades civis de oponentes, inclusive a mídia. Segundo os pesquisadores da Universidade de Harvard, devemos rejeitar, no processo eleitoral, lideranças que apresentem qualquer um destes elementos. Não dois, três ou quatro. Apenas um seria o bastante. Em algum momento, talvez, seja o caso de revisitar editoriais e artigos de opinião do período que antecedeu o desastre eleitoral, ou mesmo os que foram publicados no primeiro ano de governo, para entender como o personagem autoritário foi normalizado perante a opinião pública. Além do famigerado editorial em que o Estadão afirmava se tratar de uma “escolha difícil” entre Haddad e Bolsonaro[iv], o secretário de redação da Folha de São Paulo, Vinícius Mota, vedou aos jornalistas o uso do termo “extrema-direita” para se referir ao então candidato[v]. A ficha ainda não havia caído, alguém poderia dizer.

Ao contrário do que faz parecer parte da imprensa, que demonstra agora surpresa com os discursos e ações antidemocráticas de Bolsonaro e família, a sua história, bem como as suas promessas de campanha, apontavam indiscutivelmente nessa direção. Como tem salientado Celso Rocha de Barros[vi], Bolsonaro não pode ser acusado de estelionato eleitoral. Desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2019, tudo o que esteve ao alcance de suas decisões monocráticas foi feito para cumprir as suas promessas de corroer, por dentro, as instituições democráticas e os padrões mínimos de convivência entre pessoas que discordam profundamente em questões delicadas, como religião e política. Por meio de decretos ou de outros instrumentos autocráticos de gestão, pretendeu flexibilizar o porte de armas, intervir em universidades e institutos federais, acabar com a fiscalização ao limite de velocidade nas estradas e desmontar os órgãos de proteção ao meio ambiente. Na reunião ministerial de 22 de abril deste ano, Bolsonaro e seus comparsas apostam na distração causada pelas mortes de milhares de brasileiros em decorrência da pandemia do novo coronavírus para seguir adiante em seus nefastos intentos. Fala-se em passar a boiada pela Amazônia, armar milícias contra os seus adversários políticos, vender o Banco do Brasil, entre outros despautérios. Decisões que não careceriam de justificação pública, pois seriam a representação de uma vontade geral encarnada na figura do líder messiânico.

Contamos, no dia 26 de maio, quase 25 mil mortes pela Covid-19 no Brasil. O sistema de saúde, em vários estados, entrou em colapso ou segue a passos largos nessa direção. A inépcia e a crueldade do governo Bolsonaro e sua equipe econômica para lidar com a crise decorrente da pandemia agravam, e muito, a situação, ao ponto de a revista britânica Lancet afirmar em editorial que o presidente representa a maior ameaça ao país no combate à pandemia. Enquanto empilhamos caixões em covas rasas, o mito debocha da realidade, manda a imprensa calar a boca e intervém sobre a Polícia Federal que, segundo ele, tentava f… com a sua família e os seus amigos milicianos. Paulo Guedes, por sua vez, intensifica o esforço para destruir o Estado, dificulta a concessão de um insuficiente benefício para a parcela mais pobre da sociedade e, ao lado de empresários peladões e irresponsáveis, pressiona os governadores pelo fim das medidas de isolamento social. Até o momento, a única ação proposta por Bolsonaro para o combate à epidemia foi a receita de um emplastro cuja ineficácia vem sendo comprovada repetidamente em testes laboratoriais, que atestam, ao contrário, o aumento do número de mortes em decorrência de sua administração[vii]. Dois ministros da Saúde foram defenestrados por não acatarem a ordem do autocrata que ora ocupa o cargo de presidente da República. A parcela mais carente da sociedade, como é comum em nosso país, tem sido a mais atingida. A dor de tantas Joanas de tal está aí, para quem quiser ver, diariamente, estampada no jornal.

O diagnóstico comum até o início deste ano sustentava que, apesar do palavrório presidencial, havia atores e instituições que impediriam uma escalada autoritária. Destacavam-se, nesse rol, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, o grupo de militares no Planalto, o Congresso, o Ministério Público e as Cortes. O histórico de Moro como juiz e mesmo o fato de ter aceitado o convite para compor o governo seriam razões suficientes para duvidarmos de sua intenção de impor limites ao ridículo tirano. O ex-juiz e agora ex-ministro tornou-se, para todos os efeitos, carta fora do baralho. Os generais apijamados não têm atuado senão para ameaçar quem se opõe à arbitrariedade do presidente e para intensificar o sentimento de que vivemos a iminência de uma drástica ruptura do que ainda nos resta de democracia. As instituições, por ora, seguem abertas e mimetizam um clima de normalidade. Uma normalidade que é obviamente mera aparência, pois, quando nos questionamos permanentemente sobre qual seria a posição do aparato coercitivo do Estado em face de uma decisão corriqueira de legisladores e juízes, fica evidente que nos encontramos sob tutela da força. Não me parece ser coincidência que a despeito do acúmulo de crimes de responsabilidade não se fale a sério, seja no Supremo, seja no Congresso, a respeito do afastamento desse grupo de facínoras. Ou será que a ficha ainda não caiu?

O professor Fernando Limongi, em 2018, fazia um apelo ao bom senso das lideranças democráticas para impedir a ascensão de Bolsonaro ao poder. Estava claro, para ele, que, uma vez investido do cargo, seria improvável conter o seu avanço sobre as liberdades democráticas. Os resultados da irresponsabilidade dos muitos que desconsideraram a ameaça representada pelo ex-capitão e seus aliados eram previsíveis. As consequências de sua presidência para o que ainda há de democracia no Brasil, como alerta o ministro-general Heleno[viii], já não o são. Ao contrário do que sugere o governo, a democracia não é apenas um método para a escolha do presidente da República, que passaria, então, a desfrutar de poderes ilimitados. Como nos mostra David Runciman, a democracia envolve corpos legislativos, tribunais independentes e a livre expressão de ideias. Os novos autoritarismos, ao contrário de seus pares que emergiram nos anos 1960 e 1970 na América Latina, não atravessam a soleira de nossas portas com tanques e fuzis, destituindo os governos eleitos e assassinando os que se lhes oferecem resistência. Donald Trump, Viktor Orban e Jair Bolsonaro se imiscuem nas regras do jogo político e desconstroem a arquitetura democrática e as instituições de controle de forma mais ou menos sutil. Nesse contexto, parece que a ficha não vai cair nunca.

Porém, se quisermos evitar um morticínio ainda mais tenebroso do que o que estamos acompanhando, com cerca de mil óbitos diários e o desespero das famílias que não podem se despedir de seus entes queridos, é preciso parar Bolsonaro e o seu governo de ineptos. Se as instituições democráticas, como a imprensa e os poderes Legislativo e Judiciário, assim como os seus atores relevantes, à esquerda e à direita, não quiserem dar razão aos que, no governo e nas hordas que o acompanham, pretendem afirmar a sua insignificância, urge levar a sério o impedimento do grupo que age por todos os meios de que dispõe para destruir o único regime político em que tais instituições têm razão de existir. A ficha, a grande ficha, em algum momento, precisa cair.

*Renato Francisquini é professor do Departamento de Ciência Política da UFBA.

 

Notas

[i] https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/29/opinion/1535573232_439295.html

[ii] https://g1.globo.com/politica/noticia/veja-trechos-da-conversa-entre-temer-e-joesley-que-foram-recuperados-pela-pf.ghtml

[iii] https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2019/07/31/aversao-de-militares-a-imprensa-ajudou-a-absolver-bolsonaro-em-1988-diz-autor-de-livro.ghtml

[iv] https://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,uma-escolha-muito-dificil,70002538118

[v] https://revistaforum.com.br/comunicacao/folha-proibe-jornalistas-de-usar-termo-extrema-direita-para-se-referir-a-bolsonaro/

[vi] https://www1.folha.uol.com.br/colunas/celso-rocha-de-barros/2019/07/escalada-autoritaria.shtml

[vii] https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/05/oms-suspende-estudo-com-hidroxicloroquina-para-avaliar-seguranca.shtml

[viii] https://noticias.uol.com.br/colunas/reinaldo-azevedo/2020/05/22/nota-do-general-heleno-e-obviamente-golpista-nao-ha-leitura-alternativa.htm

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Igor Felippe Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Musse Paulo Martins Flávio Aguiar Carlos Tautz Gerson Almeida Érico Andrade Francisco Pereira de Farias Marcus Ianoni Rubens Pinto Lyra Valerio Arcary Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade Celso Favaretto Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Ricardo Abramovay Carla Teixeira João Adolfo Hansen Vladimir Safatle José Machado Moita Neto Tales Ab'Sáber Eduardo Borges Julian Rodrigues Samuel Kilsztajn Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Marcos Aurélio da Silva André Singer Daniel Brazil Luis Felipe Miguel Vanderlei Tenório Airton Paschoa João Sette Whitaker Ferreira Tadeu Valadares Chico Whitaker Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Afrânio Catani Paulo Sérgio Pinheiro Marilena Chauí Eleutério F. S. Prado Annateresa Fabris Marcos Silva Michel Goulart da Silva Mário Maestri José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Avritzer Michael Roberts Ronald León Núñez Ronald Rocha Daniel Afonso da Silva Armando Boito Jorge Luiz Souto Maior Anderson Alves Esteves Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Elias Jabbour Milton Pinheiro João Carlos Loebens Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Maringoni Caio Bugiato Vinício Carrilho Martinez João Feres Júnior Claudio Katz Antonino Infranca Rafael R. Ioris Henri Acselrad Luiz Roberto Alves Eugênio Trivinho Chico Alencar Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino José Luís Fiori Leonardo Sacramento Eugênio Bucci Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Jorge Branco Daniel Costa Bruno Machado Antonio Martins Gabriel Cohn Anselm Jappe Walnice Nogueira Galvão Osvaldo Coggiola Michael Löwy Ricardo Fabbrini Leda Maria Paulani Luiz Carlos Bresser-Pereira Liszt Vieira Celso Frederico Paulo Nogueira Batista Jr João Lanari Bo Sandra Bitencourt Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Costa Júnior Luiz Eduardo Soares Alysson Leandro Mascaro Eleonora Albano Denilson Cordeiro Lincoln Secco Otaviano Helene Paulo Capel Narvai Slavoj Žižek Manuel Domingos Neto Atilio A. Boron Luiz Marques Ladislau Dowbor Luiz Bernardo Pericás Rodrigo de Faria Tarso Genro José Raimundo Trindade André Márcio Neves Soares Marilia Pacheco Fiorillo Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Salles Bento Prado Jr. Luiz Renato Martins Gilberto Lopes Kátia Gerab Baggio Jean Pierre Chauvin João Paulo Ayub Fonseca Henry Burnett Marcelo Módolo Flávio R. Kothe Fernando Nogueira da Costa Andrew Korybko Andrés del Río Mariarosaria Fabris Berenice Bento Paulo Fernandes Silveira Heraldo Campos Manchetômetro Luiz Werneck Vianna Marjorie C. Marona José Dirceu Alexandre de Freitas Barbosa Salem Nasser Alexandre de Lima Castro Tranjan Bernardo Ricupero Ricardo Antunes Remy José Fontana Lorenzo Vitral Fernão Pessoa Ramos Lucas Fiaschetti Estevez Dênis de Moraes Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid Leonardo Boff Dennis Oliveira Ari Marcelo Solon Matheus Silveira de Souza Maria Rita Kehl Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt José Geraldo Couto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada