Literatura na quarentena: Resumo de Ana

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARTHUR NESTROVSKI*

Comentário sobre o livro de contos de Modesto Carone

Modesto Carone, o tradutor de Kafka, é bem conhecido de todos. Sua tradução das obras do escritor tcheco é tida, com justiça, como exemplo consumado do que pode esta arte, a que tão poucas vezes se concede reconhecimento. A lógica do sentido em Kafka, compelida à lógica da língua alemã, ganha em português um análogo inesperado, no sentido da língua reinventada pelo tradutor.

Sentido e língua têm outro acento em Resumo de Ana (Companhia das Letras), o quarto livro de contos de Modesto Carone (depois de As Marcas do Real, Aos Pés de Matilda e Dias Melhores), destinado a torná-lo mais conhecido ainda como autor do que como tradutor. A mesma magreza, ou rigor de estilo do recriador brasileiro de O Processo, a mesma prosa no avesso da beleza serve aqui a uma narrativa comoventemente pessoal e brasileira, capaz de inverter, nalguma medida, a direção da influência. Se é inevitável ler Carone à sombra dos contos e parábolas de Kafka, não é menos verdade que essas memórias de Sorocaba vêm alterar, para todos nós agora, as fantasias kafkianas de Praga. Não são muitos os escritores brasileiros da atualidade de quem se pode dizer algo parecido, o que indica a dimensão alcançada por Carone.

O Resumo, na verdade, são dois: duas vidas, recuperadas em seus episódios essenciais. A avó Ana (nascida em 1887) e o tio Ciro (1925) são “fiéis servidores de nossa paisagem”, como diz Drummond num poema que serve de epígrafe ao livro e que ilumina obliquamente essas histórias. O poema é uma exortação de ancestrais ao “filho de cem anos depois”, seu “fim natural”. Há uma narrativa implícita, assim, na relação entre autor e personagens, enriquecida pelo “João Carone” que assina a impressionante foto da capa – um malabarista alemão nos céus de Sorocaba, na década de 1950, o que no contexto dá mais uma volta no parafuso das interpretações.

Numa prosa tão sóbria e controlada, a passagem dessas vidas vividas com tanta dureza até sua realização exemplar, em frases perfeitas, compõe outro livro, em contraponto à derrocada geral. A narrativa fragmentária, mas coerente de pequenos e grandes desastres, duas vidas caindo numa vertigem lenta, desfazendo-se em miséria, como se obedecendo a alguma lei indecifrável, sugere ainda outro livro, preservado nas entrelinhas pela reticência do autor. Sem fazer disto um foco, sem interpretar ou “resumir”, este é também um relato sobre o Brasil, redigido com a “tristura meio cômica” a que se refere Drummond, nos labirintos da contingência familiar.

A cada etapa dessas vidas, cada degrau nessa escada abaixo de constrangimentos e ruína, correspondem momentos que a inteligência do narrador resgata como se houvesse um sentido em tudo. Mas só pode haver sentido final se tudo estiver no passado; e o próprio esforço da narração faz pensar que não há limites fixos para a criação, nem para a revelação. Desse ponto de vista, poucos livros, como esse, têm tamanha sabedoria para situar a morte. O respeito do autor pelas vidas narradas não é nunca mais contundente do que no seu desfecho, o que não exclui a consciência do absurdo.

Entre a verdade e o significado, entre o passado e o futuro, essas histórias traduzem a experiência para o presente: um enigma no vértice da interpretação. Sucinto e discreto, mas capaz de levar o leitor mais duro às lágrimas – que aqui são também uma forma de pensar –, Resumo de Ana entra serenamente para a literatura brasileira, com a confiança das obras que sabem o que são. Quem tiver olhos para ler, lerá, e saberá se render à arte atenciosa e humana de Modesto Carone.

*Arthur Nestrovski, músico e crítico literário, é Diretor artístico da OSESP e autor, entre outros livros, de Tudo Tem a Ver. Literatura e Música. São Paulo: Todavia, 2019.

Publicado originalmente na revista Bravo!, setembro/1998; e no livro Palavra e sombra: Ensaios de crítica (Ateliê, 2009).

Referência

Modesto Carone. Resumo de Ana. São Paulo, Companhia das Letras, 1998 (https://amzn.to/3qzSemU).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Caio Bugiato Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Musse Bento Prado Jr. Osvaldo Coggiola Fábio Konder Comparato Marcos Silva Bernardo Ricupero Benicio Viero Schmidt Jorge Branco Afrânio Catani Ladislau Dowbor Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker João Adolfo Hansen João Paulo Ayub Fonseca Juarez Guimarães José Raimundo Trindade Henri Acselrad Rodrigo de Faria Eduardo Borges Maria Rita Kehl Antonio Martins Tales Ab'Sáber Ricardo Fabbrini Celso Frederico Armando Boito Slavoj Žižek Igor Felippe Santos Alysson Leandro Mascaro Luiz Werneck Vianna Gerson Almeida Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Francisco Fernandes Ladeira Dênis de Moraes João Carlos Loebens Lucas Fiaschetti Estevez Eleonora Albano Michel Goulart da Silva Daniel Costa Leda Maria Paulani José Costa Júnior Priscila Figueiredo Daniel Brazil Manchetômetro Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Liszt Vieira Tarso Genro João Carlos Salles Eleutério F. S. Prado João Lanari Bo Marcos Aurélio da Silva Leonardo Avritzer Berenice Bento Mariarosaria Fabris Jorge Luiz Souto Maior Chico Alencar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Martins Fernando Nogueira da Costa Carla Teixeira Antonino Infranca Otaviano Helene Marjorie C. Marona Claudio Katz André Singer Elias Jabbour Paulo Fernandes Silveira Lincoln Secco Luiz Marques José Machado Moita Neto Remy José Fontana Salem Nasser Rubens Pinto Lyra Marilena Chauí Gilberto Lopes Bruno Machado Luis Felipe Miguel Atilio A. Boron Renato Dagnino Flávio Aguiar Alexandre de Oliveira Torres Carrasco José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Abramovay Airton Paschoa Paulo Capel Narvai Julian Rodrigues Manuel Domingos Neto Milton Pinheiro Matheus Silveira de Souza Celso Favaretto Walnice Nogueira Galvão Érico Andrade Lorenzo Vitral Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Andrés del Río Luiz Renato Martins Mário Maestri José Luís Fiori Sergio Amadeu da Silveira Thomas Piketty Gabriel Cohn Tadeu Valadares Ronald León Núñez Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Maringoni Flávio R. Kothe Ronald Rocha Eugênio Bucci Vinício Carrilho Martinez João Sette Whitaker Ferreira Jean Pierre Chauvin Michael Löwy Ricardo Antunes José Geraldo Couto Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Luís Fernando Vitagliano Marcus Ianoni Luiz Eduardo Soares Valerio Arcary Ari Marcelo Solon Samuel Kilsztajn Heraldo Campos Luciano Nascimento Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Boaventura de Sousa Santos Antônio Sales Rios Neto Marilia Pacheco Fiorillo André Márcio Neves Soares Denilson Cordeiro Alexandre Aragão de Albuquerque Vladimir Safatle Valerio Arcary João Feres Júnior Dennis Oliveira Henry Burnett Everaldo de Oliveira Andrade Yuri Martins-Fontes Marcelo Guimarães Lima Anselm Jappe Carlos Tautz Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Annateresa Fabris Luiz Roberto Alves Francisco Pereira de Farias Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Andrew Korybko Alexandre de Freitas Barbosa Michael Roberts Eugênio Trivinho

NOVAS PUBLICAÇÕES