As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A figura da morte em Julia Zanatta

Imagem: Wendelin Jacober
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ADRIANO LUIZ DUARTE*

“Há ideias e modos de pensar que têm neles as sementes da vida, e há outros, talvez na profundeza de nossas mentes, que têm as sementes de uma morte geral. A medida de nosso sucesso em reconhecer esses dois tipos e em dar-lhes nomes, possibilitando assim seu reconhecimento coletivo, pode literalmente ser a medida de nosso futuro”.

Raymond Williams

O retrato da deputada não considera a política como a nossa capacidade – muito humana – de tornar o necessário desejável

Acredito que muitos de nós já tenhamos nos perguntado qual seria a imagem da morte. Talvez muitas sejam possíveis, mas uma, em especial, na semana que passou me causou grande impacto: um rosto jovem e angelical (afinal sabemos que a representação dos anjos é sempre de crianças loirinhas, cabelos cacheados e olhos azuis) uma guirlanda no cabelo (como sabemos as guirlandas remetem ao casamento e à fertilidade), na mão direita um fuzil de alta potência, mas sempre com um sorriso nos lábios. Uma camiseta bege com mais armas estampadas e, em inglês uma frase: “venha e pegue isso”, mas a que mesmo ela se refere? Do lado direito da camiseta uma mão espalmada, detalhe, a mão tem quatro dedos e três perfurações a bala. Ao lado, na cor dourada, quatro diferentes tipos de projéteis.

A deputada federal Júlia Pedroso Zanatta (PL-SC) publicou essa foto em todas as suas redes sociais e acrescentou: “Não podemos baixar a guarda”. A imagem da morte se define como mãe, esposa, advogada e jornalista e o recurso à guirlanda é recorrente em suas aparições públicas a ponto de ter se tornado uma marca, para quem não reste dúvida: é também possível parir a morte. A foto é em tudo contraditória: anuncia a vida, mas exalta a morte; anuncia a paz, mas propaga o ódio. Qual a gratificação emocional, pulsional ou econômica envolvida na exibição de uma imagem tão horrenda?

O retrato não deixa espaço para o futuro. Não há futuro na morte. Não deixa espaço para a esperança de uma convivência pacífica. Não considera a política como a nossa capacidade, muito humana, de tornar o necessário desejável. Ela emite apenas um recado, que alimenta o ódio: se depender de mim, vou matar você! A pergunta que precisamos responder, urgentemente, é: pode haver espaço na esfera pública, na política, para gente que se expressa assim? O desejo de morte pode ser usado como liberdade de expressão? Será possivel voltarmos a construir uma convivência social minimante respeitosa com tal exaltação da morte e da violência se disseminando em nosso estado?

Julia Pedroso Zanatta-Morte, não passará!

*Adriano Luiz Duarte é professor de história na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilena Chauí Marcelo Módolo Roberto Noritomi Celso Favaretto Gilberto Maringoni Mariarosaria Fabris Ronald León Núñez Salem Nasser Eugênio Bucci Atilio A. Boron Eliziário Andrade Gabriel Cohn Gilberto Lopes João Adolfo Hansen André Márcio Neves Soares Anderson Alves Esteves Carlos Tautz Dennis Oliveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber José Costa Júnior Manuel Domingos Neto Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary José Machado Moita Neto Marcos Aurélio da Silva Ricardo Fabbrini Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Feres Júnior Manchetômetro João Lanari Bo Ricardo Musse Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Renato Martins Armando Boito Sandra Bitencourt Ricardo Antunes Milton Pinheiro Jorge Branco Roberto Bueno Marcus Ianoni Leonardo Sacramento Francisco Pereira de Farias Daniel Costa André Singer Maria Rita Kehl Antonino Infranca Celso Frederico Alexandre de Lima Castro Tranjan Rubens Pinto Lyra Priscila Figueiredo Lincoln Secco Thomas Piketty Eugênio Trivinho José Micaelson Lacerda Morais Vanderlei Tenório Heraldo Campos Leonardo Avritzer Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Ronald Rocha Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna João Carlos Salles Chico Alencar Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Luiz Carlos Bresser-Pereira Tadeu Valadares Michael Roberts Bruno Machado José Geraldo Couto Luiz Marques Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Costa Lima Annateresa Fabris José Luís Fiori Érico Andrade Ari Marcelo Solon Antonio Martins Osvaldo Coggiola Paulo Nogueira Batista Jr Bento Prado Jr. Julian Rodrigues Marjorie C. Marona Marcelo Guimarães Lima Luís Fernando Vitagliano Jean Pierre Chauvin Slavoj Žižek Afrânio Catani João Sette Whitaker Ferreira Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Anselm Jappe Boaventura de Sousa Santos Bernardo Ricupero Paulo Fernandes Silveira Luis Felipe Miguel Igor Felippe Santos Caio Bugiato Eleonora Albano Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Elias Jabbour Flávio Aguiar Rafael R. Ioris Juarez Guimarães Mário Maestri Berenice Bento Jean Marc Von Der Weid Vinício Carrilho Martinez Paulo Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Capel Narvai Fábio Konder Comparato José Raimundo Trindade Andrew Korybko Leonardo Boff Dênis de Moraes Leda Maria Paulani Henri Acselrad Renato Dagnino Luiz Eduardo Soares Remy José Fontana Yuri Martins-Fontes Walnice Nogueira Galvão Valério Arcary Daniel Afonso da Silva Daniel Brazil Ricardo Abramovay Marilia Pacheco Fiorillo Airton Paschoa Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt Otaviano Helene Paulo Sérgio Pinheiro Rodrigo de Faria Marcos Silva Samuel Kilsztajn Flávio R. Kothe Luciano Nascimento Chico Whitaker José Dirceu Fernão Pessoa Ramos Claudio Katz João Paulo Ayub Fonseca Henry Burnett Michael Löwy Liszt Vieira Carla Teixeira Lorenzo Vitral Denilson Cordeiro Luiz Roberto Alves Vladimir Safatle Everaldo de Oliveira Andrade Antônio Sales Rios Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada