A ilusão da lua

Barbara Hepworth (1903-1975), Mãe e filho, 1934, Cumberland alabastro 230 x 455 x 189mm, 11,1 kg
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro do físico Marcelo Knobel

O relacionamento historicamente conflituoso entre o conhecimento científico e a vida cotidiana das pessoas vem de longa data. Antes mesmo de Galileu Galilei ser condenado à prisão por heresia, pensadores e cientistas da Antiguidade já enfrentavam a desconfiança de seus compatriotas.

A construção de centros de excelência da pesquisa e conhecimento foi penosa, e passou por igrejas e reinados que os moldavam de acordo com suas conveniências. Na Europa medieval esta necessidade de congregar conhecimento ganhou a forma de universidade, sendo a de Bolonha, criada em 1088, considerada a pioneira. Salamanca e Oxford surgiram logo depois, comprovando que o projeto pedagógico de um conhecimento científico podia ser falado em várias línguas. Mas as primeiras “universidades” surgiram na Ásia e África, como Nalanda, na Índia, Taxila (Paquistão), Alazar (Egito), e al Quaraouiyine, no Marrocos, fundada em 859, que é considerada pela Unesco a mais antiga em atividade.

Através dos tempos, com a preciosa ajuda do Iluminismo e do Racionalismo, a ciência foi ganhando espaço e reconhecimento, até chegar ao século XX com a ilusão de ter sido plenamente reconhecida pela sociedade. O crescimento das metrópoles, a expansão midiática, a bomba atômica, a televisão, os foguetes espaciais, a erradicação de doenças, os computadores, a indústria automobilística, a música portátil em vinil (depois em CD, depois em streaming), a cerveja em lata, o raio laser, o forno de micro ondas, o telefone celular, tudo nos fazia crer que a ciência, para o bem e para o mal, estava inexoravelmente mesclada com a humanidade.

Não é bem assim. Primeiro, que boa parte dos seres humanos não usufrui de todas a maravilhas tecnológicas, ou não sentem no dia a dia os efeitos dos avanços científicos. É só acompanhar um dia na vida de um trabalhador rural no interior do Brasil (ou da Guatemala, do Gabão ou da Indonésia) para notarmos que estão muito mais próximos do estilo de vida da Idade Média.

Segundo, a sofisticação atingida em setores de ponta da ciência fez com que se descolassem do senso comum, seja através de um vocabulário impenetrável, seja porque as elaborações teóricas muitas vezes não têm aplicação prática imediata no mundo real. Em paralelo, ocorre um crescimento também exponencial das seitas obscurantistas, dos charlatães midiáticos que lucram com a desinformação, dos negacionistas e dos pseudocientistas.

Uma das tentativas mais bem sucedidas de superar essa cisão tornou-se um gênero literário e multimidiático: a divulgação científica. Cria do século XX, celebrizou alguns nomes, e tem ajudado a universidade a repensar seu relacionamento com a sociedade.

Um belo exemplo desta postura pode ser encontrada no livro A ilusão da lua, uma coletânea de artigos escritos pelo físico e ex-reitor da Unicamp, Marcelo Knobel. Cientista respeitado por seus pares e com artigos publicados nas principais revistas científicas do planeta, Knobel dedica boa parte de sua produção intelectual a construir pontes entre o saber acadêmico e a realidade que nos cerca.

O volume traz saborosas explicações sobre fenômenos que nós, leigos, não compreendemos bem (ondas eletromagnéticas, matéria e energia, bioacústica, calor específico, laser), decodificados em exemplos bem humorados (como cozinhar um peru, observar ondas no mar ou ouvir o canto de um canário). Também aborda temas urgentes e “humanísticos” (vacina contra o Covid-19, refugiados, ética científica), e joga alguma luz sobre as trevas ameaçadoras que ressurgem neste século XXI.

Knobel reafirma a importância do diálogo permanente e democrático com todos os segmentos da sociedade, e não só sobre divulgação científica. “Mais do que nunca, neste momento de obscurantismo, negacionismo e de ataques à ciência e à educação, é fundamental entender o que pensa a sociedade sobre os diversos temas que estão permeando o debate público e que afetam direta ou indiretamente a nossa vida”.

Ao dividir em três partes os capítulos-artigos do livro, Knobel chamou a terceira de “Pseudociência, Negacionismo e suas Consequências”. São cinco artigos que exemplificam de forma perturbadora como as mistificações campeiam em nossa mídia, corroborada por políticos inconsequentes. O exemplo mais risível é a proibição de uso de telefone celular nos postos de combustível no município de São Paulo. Sem nenhum fundamento científico, a proibição torna-se ridícula com a evidente contradição de que a máquina onde você paga com o cartão, ao lado da bomba de gasolina, funciona da mesma maneira que um celular!

Estes e outros exemplos da ignorância científica em que estamos imersos reiteram a necessidade da leitura de cientistas como Marcelo Knobel, que não teme apontar os erros da própria Academia em sua relação com o mundo em que vivemos.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

Referência


Marcelo Knobel. A ilusão da lua: ideias para decifrar o mundo por meio da ciência e combater o negacionismo. São Paulo, Editora Contexto, 2021, 160 págs.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Sette Whitaker Ferreira Tarso Genro Jean Pierre Chauvin André Singer Vanderlei Tenório João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Matheus Silveira de Souza Manuel Domingos Neto Bruno Machado Tadeu Valadares Marjorie C. Marona Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza Eliziário Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Mário Maestri Otaviano Helene Leonardo Boff Luiz Renato Martins Érico Andrade Celso Favaretto Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Loebens Gerson Almeida Marcos Silva Henry Burnett Luciano Nascimento José Geraldo Couto Flávio R. Kothe Bernardo Ricupero Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lorenzo Vitral Rafael R. Ioris Flávio Aguiar Eleonora Albano Annateresa Fabris Denilson Cordeiro Jorge Branco Vinício Carrilho Martinez Dênis de Moraes Bento Prado Jr. Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto Afrânio Catani Ronald Rocha Thomas Piketty Andrew Korybko Chico Alencar Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Maria Rita Kehl Anselm Jappe Kátia Gerab Baggio Renato Dagnino Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Abramovay Eduardo Borges Priscila Figueiredo José Luís Fiori Henri Acselrad Benicio Viero Schmidt Daniel Costa Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Avritzer Gilberto Lopes Liszt Vieira Sandra Bitencourt Leda Maria Paulani Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary Manchetômetro Ricardo Musse Ladislau Dowbor João Adolfo Hansen Francisco Fernandes Ladeira Antonio Martins Luiz Marques Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Salles Juarez Guimarães Ricardo Antunes Igor Felippe Santos Valerio Arcary Armando Boito Rodrigo de Faria Vladimir Safatle Paulo Fernandes Silveira Mariarosaria Fabris José Machado Moita Neto Carlos Tautz Caio Bugiato Daniel Brazil José Dirceu Remy José Fontana Michel Goulart da Silva João Paulo Ayub Fonseca Michael Löwy Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco Walnice Nogueira Galvão Eugênio Bucci Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Luís Fernando Vitagliano Berenice Bento Marcelo Módolo José Costa Júnior Luiz Roberto Alves Michael Roberts Milton Pinheiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Guimarães Lima Celso Frederico João Feres Júnior Everaldo de Oliveira Andrade José Micaelson Lacerda Morais Luiz Eduardo Soares Andrés del Río José Raimundo Trindade Dennis Oliveira Heraldo Campos Fernão Pessoa Ramos Ari Marcelo Solon Paulo Martins Antonino Infranca Atilio A. Boron Ronald León Núñez Marilia Pacheco Fiorillo Salem Nasser André Márcio Neves Soares Ricardo Fabbrini Slavoj Žižek Marcus Ianoni Samuel Kilsztajn Carla Teixeira Marilena Chauí Gilberto Maringoni Yuri Martins-Fontes Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker Leonardo Sacramento Elias Jabbour Paulo Capel Narvai Daniel Afonso da Silva Claudio Katz Airton Paschoa Julian Rodrigues Rubens Pinto Lyra Osvaldo Coggiola Luis Felipe Miguel Eugênio Trivinho

NOVAS PUBLICAÇÕES