A movimentação cidadã

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Considerações sobre a unidade democrático-republicana e o avanço bolsonarista

Antinomia entre a cidadania e o neoliberalismo é uma constatação muito comum na teoria política democrática, tanto sob o ângulo das diversas variantes marxistas (Perry Anderson, por exemplo, no livro Zona de compromisso), como do positivismo analítico de corte republicano, de Norberto Bobbio (em Direitos e deveres da República), tema que constantemente se reatualiza em produções acadêmicas e em debates que explodem nas redes, entre os dirigentes políticos eminentes dos distintos partidos e grupos de esquerda com força política imediata. A movimentação cidadã no espaço democrático da sociedade industrial clássica sempre teve na sua base, de um lado, a classe operária organizada e, de outra, os pobres de “todo o gênero”, quando identificam a sua sorte futura em uma parte da sociedade organizada.

Quando Bobbio, no interior deste debate – como intelectual democrático – é chamado a opinar sobre a “degeneração da democracia em demagogia” ele exemplifica esta crise na conduta de Berlusconi: “Berlusconi (…) considera que para ele seja lícito aquilo com que os comuns mortais sonham” (…) “é um homem que tem uma autoestima enorme” (…) “se considera infinitamente superior aos outros seres humanos” (…), “têm de si mesmo a ideia de ser uma exceção.” Não é um cidadão da República, mas um ser superior assentado no poder do Deus-mercado, cuja força é constantemente reerguida, tanto pela propaganda midiática como pela obsolescência programada.

A forma economicista da política no projeto neoliberal e rentista (Wendy Brown) aumenta a liberdade econômica para os mais fortes, à medida que a força da política é reduzida, em função das cada vez mais estreitas margens decisórias dos governantes. Esta estreiteza de opções libera as energias originárias “do medo, ansiedade” e do “status econômico declinante”, já que a política decepciona, é lenta, não resolve as duras questões do cotidiano, cheio de frustrações e ressentimentos que só podem ser sublimados em quem se socializa no mercado. Bolsonaro na ONU debochou do Brasil e do Mundo o que demonstra que ele se considera forte também pelas divisões no campo democrático.

Eis uma análise correta, mas incompleta. Ela omite o momento perfeito do giro neoliberal, assentado na força dos golpes de Estado ou na sequência de momentos de “exceção”, mesmo dentro do Estado Democrático tradicional, cuja sequência evidencia a separação cada vez mais profunda entre República e Democracia: esta consegue programar respostas somente a partir do mercado, onde as pessoas são desiguais, e as promessas republicanas são censuradas pela força normativa do mercado, que é “perfeita” apenas no imaginário dos que chegam em seu vestíbulo com dinheiro no bolso.

Tanto Berlusconi como Bolsonaro foram gerados dentro da democracia liberal, ambos destinados a sufocar seus aspectos mais vinculados aos direitos da cidadania, mas também ambos foram ancorados na legitimação pelo mercado, que igualaria a todos pelo mérito. A crença – em si mesmo – de Berlusconi, vem da sua idealização, assentada diretamente na sua condição de classe, mas a megalomania de Bolsonaro – que lhe autoriza um genocídio planejado – vem da sua aceitação pelas “elites” a partir do seu compromisso com as reformas, que unificou no seu entorno as classes dominantes mais tradicionais.

A questão não é mais se Bolsonaro vai imprimir uma ditadura pretoriana, que parece cada vez mais impossível, mas é qual a força das pactuações em sequência com o poder institucional mais resistente ao seu delírio, o STF. O enfrentamento de Bolsonaro com o STF funde – de maneira absoluta – neste momento histórico, a questão da república com a questão democrática. A República pode ser mais (ou menos) autoritária, mas a democracia política da Constituição de 1988 é incompatível com a absorção de qualquer Poder Constitucional por outro. Neste momento, se o STF, já exausto, for vencido na pugna com os esquadrões sinistros do bolsonarismo, a democracia não voltará por um longo período histórico no país.

São esses os motivos que me fazem sustentar, nos meios em que debato as questões nacionais, que os nossos líderes do campo democrático e republicano deveriam, pelo menos momentaneamente, superar suas divergências para colocarem, na ordem do dia, o fim do bolsonarismo e a preparação de um programa unitário para governarem depois da crise: para recuperar o prestígio do Brasil na ordem global, exercitar plenamente a soberania nacional compartilhada a partir dos nossos interesses, comprometerem-se com um programa emergencial de criação de empregos e atividades, combater a fome e a pandemia, defender o meio-ambiente e restaurar o ambiente democrático garantido pela Lei Maior. 2 de outubro é um dia adequado para iniciarmos este processo!

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luís Fernando Vitagliano Marilena Chauí Ronaldo Tadeu de Souza Rodrigo de Faria Bernardo Ricupero Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Alexandre Aragão de Albuquerque Benicio Viero Schmidt Liszt Vieira Boaventura de Sousa Santos Chico Whitaker Bento Prado Jr. José Geraldo Couto Paulo Capel Narvai José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Luiz Souto Maior Eleonora Albano Milton Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Mariarosaria Fabris Maria Rita Kehl Eugênio Trivinho Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Abramovay Tales Ab'Sáber Mário Maestri Paulo Martins João Lanari Bo Caio Bugiato Andrés del Río Michel Goulart da Silva Walnice Nogueira Galvão Osvaldo Coggiola Elias Jabbour Leonardo Sacramento Dennis Oliveira Celso Frederico Luiz Renato Martins Matheus Silveira de Souza Andrew Korybko Sergio Amadeu da Silveira Luis Felipe Miguel Luiz Bernardo Pericás Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto Luiz Roberto Alves Tadeu Valadares Bruno Machado Michael Roberts Salem Nasser João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Maringoni Berenice Bento Rubens Pinto Lyra José Raimundo Trindade Celso Favaretto Ronald León Núñez Ronald Rocha Dênis de Moraes Luiz Marques Vanderlei Tenório Igor Felippe Santos Carlos Tautz Luiz Werneck Vianna André Márcio Neves Soares Renato Dagnino Luiz Carlos Bresser-Pereira João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Anderson Alves Esteves Ricardo Antunes Carla Teixeira Alysson Leandro Mascaro Francisco Pereira de Farias Otaviano Helene Tarso Genro Eliziário Andrade Marcelo Módolo Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henry Burnett Leonardo Boff Annateresa Fabris Gilberto Lopes Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado Daniel Costa Julian Rodrigues Fábio Konder Comparato Marcelo Guimarães Lima Vladimir Safatle Marjorie C. Marona Thomas Piketty Antonino Infranca Chico Alencar Priscila Figueiredo Manchetômetro Ladislau Dowbor Daniel Afonso da Silva Lincoln Secco Flávio Aguiar Antonio Martins Francisco Fernandes Ladeira João Carlos Loebens Ricardo Musse Sandra Bitencourt Juarez Guimarães Michael Löwy Marcus Ianoni Daniel Brazil Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo José Luís Fiori Valerio Arcary Valerio Arcary Gerson Almeida Érico Andrade José Machado Moita Neto Eduardo Borges Ricardo Fabbrini Slavoj Žižek Jean Pierre Chauvin Denilson Cordeiro Samuel Kilsztajn Marcos Silva Rafael R. Ioris Marcos Aurélio da Silva Yuri Martins-Fontes Leda Maria Paulani Remy José Fontana João Feres Júnior Gabriel Cohn Luciano Nascimento Alexandre de Lima Castro Tranjan Manuel Domingos Neto José Dirceu Armando Boito Lorenzo Vitral Henri Acselrad Airton Paschoa Heraldo Campos Vinício Carrilho Martinez Anselm Jappe José Costa Júnior André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Salles Lucas Fiaschetti Estevez Jean Marc Von Der Weid Jorge Branco Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Avritzer Afrânio Catani Luiz Eduardo Soares Everaldo de Oliveira Andrade Kátia Gerab Baggio Atilio A. Boron

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada