As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A Pedra de Roseta

Pedra de Roseta
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Segundo o Museu Britânico, a Pedra de Roseta, ora reivindicada pelos egípcios, é o objeto mais visitado da ilustre casa em toda a sua história

Quem disse que o bom exemplo não frutifica? A descolonização progride: após a volta do dinossauro Ubirajara a seus pagos, a Dinamarca devolveu um manto cerimonial tupinambá de plumas vermelhas de guará, o mesmo que deslumbrou a Exposição dos 500 Anos, no Ibirapuera.

Vamos a outros casos na mira da descolonização.

Hiram Bingham, o “descobridor” americano de Machu Picchu, depenou a cidadela e levou embora tudo o que se mexia, num total de 40 mil peças. Algumas para a Universidade de Yale, onde estão até hoje, mas muitas mais para particulares que financiaram suas expedições. Há tempos o Peru procura reaver seus tesouros.

Segundo o Museu Britânico, a Pedra de Roseta, ora reivindicada pelos egípcios, é o objeto mais visitado da ilustre casa em toda a sua história. E isso apesar de ficarem ali ao lado os Mármores Elgin, extraídos do Partenon a serrote, com cerca de 200 estátuas em tamanho natural. O suficiente para lotar 22 navios. E objeto de pedidos de retorno, há tempos.

A Pedra de Roseta foi encontrada na cidade portuária epônima, no delta do Nilo. Quem a achou foram os franceses da invasão napoleônica, logo derrotados pelos ingleses, que a arremataram no butim da vitória. Traz uma inscrição tríplice, em hieróglifos, em egípcio demótico e em grego: um “Abre-te. Sésamo” para a decifração.

Foi baseado nessas inscrições que o francês Jean-François Champollion, hoje enterrado no Panthéon e considerado o Pai da Egiptologia, levou a cabo a missão, pois intuíra serem os hieróglifos uma mistura de ideogramas com alfabeto fonético – empreitada de importância gigantesca. Só a partir daí é que a história milenar do Egito começou a ser compilada, pois apenas se conhecia o que diziam viajantes e cronistas estrangeiros. E é uma história que ultrapassa os 5 mil anos. Outras decifrações se seguiram, como a da escrita maia, tirando do olvido uma das mais notáveis civilizações do mundo. Os maias eram tão avançados em astronomia e matemática que inventaram o zero, façanha exclusiva de apenas dois povos, eles e os hindus.

O relatório que Champollion, poliglota das línguas da Antiguidade, escreveu em forma de Lettre à M. Dacier, minuciosamente esquadrinhando todo o processo, felizmente para nós está online.

Quando se pensa em tantos retornos em curso, e tão discutidos no momento, vem à mente o vocábulo “nostalgia”, inventado em 1688 por um médico suíço. Palavra “artificial”, isto é, inventada com um certo propósito, e que “pegou”. Muitas não pegam, como aquelas que, numa investida em prol de uma língua pura, sem nódoas forasteiras, levou gramáticos e filólogos do Brasil a criarem várias palavras, em geral horríveis e que não vingaram.

Mas os estrangeirismos foram se disseminando a tal ponto que se tornaram palavras legitimamente brasileiras e expulsaram os neologismos patrióticos. Monteiro Lobato gostava de zombar da empreitada – veja-se Emília no País da Gramática – pois sabia muito bem que a língua é imprevisível, não adiantando impor padrões a ela. Entre esses neologismos estava ludopédio para substituir futebol, que então ainda se escrevia grifado e em inglês (football). Ou então lucivelo, para substituir o francês abat-jour, mas o que pegou foi abajur.

A palavra nostalgia, que é novíssima mas juraríamos ser grega da época clássica, tem sua entrada no léxico português datada de 1838 pelo Dicionário Houaiss. O vocábulo é um neologismo que juntou nostos (= regresso, ou viagem de regresso) a algos (=dor), resultando mais ou menos em “a dor do regresso”. Nostos, dos quais poucos chegaram até nós, mas são atestados na Antiguidade, era um gênero literário dedicado aos muitos regressos ao lar dos heróis da coligação grega que lutaram na Guerra de Troia, evento maior que marcou toda a literatura e as demais artes na Grécia. O grande exemplo, é claro, é a Odisseia, narrando tudo o que aconteceu nos 10 anos que durou a viagem de volta de Ulisses a Ítaca – dez anos em contagem mítica, é claro.

Mas a descolonização tem seus desdobramentos imprevisíveis. Por estes dias, o rei do povo bamum, da República dos Camarões, circundado por seu séquito, entrou no Museu Etnológico de Berlim e sentou-se acintosamente no trono que fora roubado de seu bisavô há mais de um século. Testemunhado e fotografado, o gesto sobranceiro foi executado pelo rei em toda a majestade de seus paramentos realengos.

*Walnice Nogueira Galvão é professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michael Roberts Otaviano Helene Bernardo Ricupero Érico Andrade Walnice Nogueira Galvão Salem Nasser Remy José Fontana Tarso Genro Celso Frederico Luciano Nascimento Antonio Martins Luiz Marques Gerson Almeida Luiz Werneck Vianna João Adolfo Hansen Alexandre Aragão de Albuquerque José Machado Moita Neto João Feres Júnior Thomas Piketty Lorenzo Vitral Benicio Viero Schmidt Milton Pinheiro Jorge Branco Elias Jabbour Bruno Machado Henry Burnett Dênis de Moraes Vanderlei Tenório José Geraldo Couto João Lanari Bo Caio Bugiato Rubens Pinto Lyra Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí Tadeu Valadares Ronald León Núñez Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Leonardo Avritzer Luiz Carlos Bresser-Pereira Priscila Figueiredo Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Chico Whitaker Ronald Rocha Ladislau Dowbor Andrew Korybko Afrânio Catani Daniel Costa Alysson Leandro Mascaro Eduardo Borges Luiz Renato Martins Sandra Bitencourt José Micaelson Lacerda Morais Samuel Kilsztajn Eliziário Andrade Osvaldo Coggiola Gilberto Lopes Fernão Pessoa Ramos André Singer Valerio Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Sacramento Antonino Infranca Anderson Alves Esteves Ari Marcelo Solon Roberto Noritomi José Raimundo Trindade Armando Boito Atilio A. Boron Paulo Martins Luiz Bernardo Pericás Michael Löwy Ricardo Musse José Costa Júnior Ricardo Abramovay Jean Pierre Chauvin Yuri Martins-Fontes Eugênio Bucci Slavoj Žižek Fernando Nogueira da Costa Liszt Vieira Lincoln Secco Luiz Costa Lima Leda Maria Paulani Ricardo Antunes Paulo Fernandes Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Carlos Tautz José Dirceu Igor Felippe Santos Denilson Cordeiro Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Eleonora Albano Gilberto Maringoni Anselm Jappe Daniel Brazil Renato Dagnino Vinício Carrilho Martinez Roberto Bueno Henri Acselrad João Sette Whitaker Ferreira Fábio Konder Comparato Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni André Márcio Neves Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Salles Maria Rita Kehl Jean Marc Von Der Weid Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Mário Maestri Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Carla Teixeira Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona Marcelo Módolo Celso Favaretto João Paulo Ayub Fonseca Dennis Oliveira Rodrigo de Faria Luiz Roberto Alves Gabriel Cohn Claudio Katz Juarez Guimarães João Carlos Loebens Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Fabbrini Eugênio Trivinho Airton Paschoa Eleutério F. S. Prado Boaventura de Sousa Santos Daniel Afonso da Silva Luiz Eduardo Soares Francisco Fernandes Ladeira Marcos Aurélio da Silva Paulo Capel Narvai José Luís Fiori Kátia Gerab Baggio Luís Fernando Vitagliano Manuel Domingos Neto Vladimir Safatle Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Alencar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Boff Sergio Amadeu da Silveira Valério Arcary Berenice Bento Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Sérgio Pinheiro Luis Felipe Miguel Marcos Silva Rafael R. Ioris Manchetômetro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada