As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O preço da destruição

Imagem: Catherine Sheila
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO ABRAMOVAY*

Água, resíduos sólidos, erosão da biodiversidade, poluição atmosférica e emissões de gases de efeito estufa são alguns dos usos gratuitos e destrutivos que o sistema econômico faz da natureza

A economia global se apoia no uso crescente de serviços oferecidos pela natureza, dos quais as empresas dependem – mas que elas sistematicamente destroem – e pelos quais, ao menos até aqui, não pagam nada ou quase nada. O fanatismo fundamentalista de Brasília e as organizações empresariais que vergonhosamente o apoiam consideram que este é o melhor dos mundos para que o Brasil cresça. É por isso que tanto a Sociedade Rural Brasileira como a Confederação Nacional da Indústria esperneiam diante da proposta europeia de proibir a entrada no continente de produtos vindos de áreas recentemente desmatadas e do “mecanismo de ajuste de carbono na fronteira“, projeto em consulta pública e que pode entrar em vigor a partir de 2023.

O ponto de partida para entender do que se trata está num importante relatório empresarial elaborado com o apoio de gigantes globais como a Standard Poor e a consultoria Trucost. Este relatório mostra que se as 1.200 maiores corporações globais tivessem que pagar pelo uso que fazem da natureza, este custo seria superior a seus ganhos líquidos. Em outras palavras, fechariam as portas.

Apesar de todo o progresso científico e tecnológico, do barateamento das energias renováveis modernas, da expansão da frota de veículos elétricos no mundo e do ritmo alucinante da revolução digital, os custos ocultos (ou seja, que não se incorporam aos preços dos produtos) do uso da natureza aumentaram 48% entre 2015 e 2018. Em 2019, eles eram 77% superiores à renda líquida das 1.200 maiores corporações globais.

Água, resíduos sólidos, erosão da biodiversidade, poluição atmosférica e emissões de gases de efeito estufa são alguns dos usos gratuitos e destrutivos que o sistema econômico faz da natureza. São dados que demonstram que a economia contemporânea é ainda fundamentalmente extrativa, apesar dos inegáveis ganhos de eficiência obtidos desde a revolução industrial.

Em vez de considerar que este mundo econômico ficcional é eterno, nada menos que duas mil empresas já trabalham com um “preço interno” do carbono em seu planejamento, segundo o Carbon Disclosure Project. O raciocínio é que em algum momento este preço interno (fictício) será efetivamente cobrado. Quanto mais esta cobrança demorar, mais os impactos dos eventos climáticos extremos serão devastadores para a sociedade e para as próprias empresas.

A questão que o administrador empresarial sintonizado com o presente (e não agarrado ao atraso e ao fanatismo) tem que responder é: quais são as mudanças no leque de produtos e nas tecnologias adotadas para que a oferta de sua empresa à sociedade deixe de destruir a natureza e contribua a regenerá-la? Cobrar pelo carbono é um estímulo à adoção de produtos e técnicas que prescindam de seu uso.

Esta cobrança pelo uso, até aqui gratuito, da biosfera já começa a ser levada à prática no que o Banco Mundial chama de instrumentos de precificação de carbono (carbon pricing instruments). Em 2021, o levantamento do Banco Mundial revela a existência de 64 regiões ou países que colocam preço no carbono. Em 2020, estes instrumentos chegavam a 15,1% das emissões globais e esta cobertura teve aumento significativo, chegando a 21,5% das emissões em 2021. Na China, esta já é uma política nacional que cobre 30% de suas emissões.

Na maior parte dos casos, os preços ainda estão muito aquém do necessário para estimular as mudanças tecnológicas que conduzirão à descarbonização da economia. O FMI estima que este preço, em média, está em três dólares por tonelada. Terá que subir a US$ 75,00 por tonelada até 2030. Mas o mundo em que emitir gases de efeito estufa não custa nada está acabando. Os instrumentos de precificação do carbono vão-se tornando mais ambiciosos.

O Banco Mundial menciona também o Ajustamento na Fronteira como um mecanismo importante para que se abandone a destruição do sistema climático. Ou seja, o produto cujo preço é competitivo por não incluir o custo da destruição do sistema climático, será taxado e onerado para entrar na Europa. Sem um alto preço pelas emissões de gases de efeito estufa esta destruição não será interrompida, como bem o mostra o fato de nada menos que 80% da energia usada no mundo ter origem em combustíveis fósseis, após quase trinta anos depois da Rio+20.

Tudo isso supõe uma transformação fundamental no funcionamento dos mercados contemporâneos. No centro desta transformação está a necessidade cada vez maior de que os processos produtivos sejam rigorosamente rastreados. Uma vez que os preços de mercado colocam na sombra custos pelos quais a sociedade paga sob a forma de incêndios, secas, enchentes, deslizamentos de terra, elevação do nível do mar, poluição, devastação florestal e derretimento das geleiras, informações precisas sobre a maneira como a economia usa a natureza serão cada vez mais importantes nas transações comerciais. A revolução digital tende a baratear estes instrumentos, mas é óbvio que eles não são gratuitos.

Protestar contra estes custos é reivindicar o direito de promover o crescimento econômico às custas da destruição da natureza. Não é de se estranhar que este direito esteja sendo reivindicado por um governo de extrema-direita, apoiado naquilo que o empresariado brasileiro tem de mais atrasado. Contrapor-se a este atraso e recolocar o Brasil no multilateralismo global, pela promoção de uma economia regenerativa, que faça da valorização da natureza a base de nossa prosperidade é parte decisiva do programa de reconstrução democrática do país.

*Ricardo Abramovay é professor sênior do Instituto de Energia e Ambiente da USP. Autor, entre outros livros, de Amazônia: por uma economia do conhecimento da natureza (Elefante/Terceira Via).

Publicado originalmente no portal UOL.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Adolfo Hansen Salem Nasser João Paulo Ayub Fonseca João Feres Júnior Ricardo Musse Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro Gilberto Maringoni Yuri Martins-Fontes Henry Burnett Carlos Tautz Bruno Machado André Singer Ronald Rocha André Márcio Neves Soares Lorenzo Vitral Luiz Renato Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Marcus Ianoni Marcos Silva Paulo Capel Narvai José Dirceu Heraldo Campos Everaldo de Oliveira Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Luís Fernando Vitagliano Leonardo Avritzer Celso Frederico Vladimir Safatle Valerio Arcary Roberto Bueno Carla Teixeira Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior Luciano Nascimento Rodrigo de Faria Celso Favaretto Tarso Genro Elias Jabbour Dennis Oliveira Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares Walnice Nogueira Galvão Renato Dagnino Manuel Domingos Neto Leonardo Sacramento Antonio Martins Anselm Jappe João Lanari Bo Armando Boito Dênis de Moraes Vinício Carrilho Martinez Fábio Konder Comparato Thomas Piketty Ladislau Dowbor Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Luiz Marques José Micaelson Lacerda Morais Eugênio Bucci Juarez Guimarães Atilio A. Boron Michael Löwy Lucas Fiaschetti Estevez Mariarosaria Fabris Bento Prado Jr. Osvaldo Coggiola Denilson Cordeiro Julian Rodrigues Tales Ab'Sáber Sandra Bitencourt Eduardo Borges Rafael R. Ioris Andrew Korybko Maria Rita Kehl Érico Andrade Eleonora Albano João Carlos Loebens Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Gabriel Cohn Marjorie C. Marona Mário Maestri Michael Roberts Igor Felippe Santos Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Fabbrini Marilia Pacheco Fiorillo Priscila Figueiredo Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Kátia Gerab Baggio Eugênio Trivinho Leda Maria Paulani Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Flávio R. Kothe Chico Alencar Marcelo Módolo Luiz Roberto Alves Alexandre de Freitas Barbosa Sergio Amadeu da Silveira Valério Arcary Claudio Katz José Geraldo Couto Paulo Nogueira Batista Jr Francisco Fernandes Ladeira Daniel Costa Ari Marcelo Solon José Luís Fiori Alysson Leandro Mascaro Berenice Bento Jorge Luiz Souto Maior Samuel Kilsztajn Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gilberto Lopes Luis Felipe Miguel José Machado Moita Neto Ricardo Antunes Caio Bugiato Bernardo Ricupero José Raimundo Trindade Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Bernardo Pericás Remy José Fontana João Sette Whitaker Ferreira Luiz Costa Lima Fernão Pessoa Ramos Ronald León Núñez Roberto Noritomi Airton Paschoa Anderson Alves Esteves Gerson Almeida Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Manchetômetro Slavoj Žižek Henri Acselrad Leonardo Boff Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Daniel Brazil Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Luiz Werneck Vianna João Carlos Salles Antonino Infranca Marilena Chauí Chico Whitaker Ricardo Abramovay Jorge Branco Otaviano Helene Liszt Vieira Annateresa Fabris Vanderlei Tenório Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada