As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Alciphron & Siris

Imagem: Berry Bicke
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JAIMIR CONTE*

Apresentação pelo tradutor dos dois livros recém-editados de George Berkeley

George Berkeley (1685-1753) é hoje mais conhecido por suas obras da juventude, especialmente pelo Tratado sobre os princípios do conhecimento humano (1710) e pelos Três diálogos entre Hylas e Philonous (1713), do que por quaisquer outros de seus escritos posteriores. Estas duas obras concentram os seus principais argumentos sobre diversas questões ontológicas, epistemológicas e metafísicas que continuam a ser objeto de grande interesse filosófico. É nelas que se encontram sua engenhosa negação da existência da “matéria” e sua consequente defesa do idealismo, sintetizada no princípio esse est percipi – ser é ser percebido –, pelo qual ele é frequentemente lembrado.

Durante a vida de George Berkeley, no entanto, seus primeiros escritos publicados não despertaram o mesmo interesse que as duas últimas grandes obras: Alciphron (1732), e Siris (1744). Estas obras da maturidade, mais do que as anteriores, contribuiriam para a fama que ele desfrutou em seu tempo. Posteriormente, porém, esse interesse foi suplantado pela maior atenção dada aos primeiros escritos. Nas últimas décadas, elas voltaram a ser objeto de muitos estudos e artigos, e também a receber novas traduções.

Embora aparentemente muito diferentes entre si, Alciphron e Siris têm em comum a defesa da religião cristã. Essa preocupação, na verdade, é uma marca constante em outros escritos de George Berkeley. Ela está presente nos Princípios e nos Diálogos, cujo objetivo explícito é a refutação do ceticismo e do ateísmo, que ele via como uma ameaça para a filosofia e para a religião.

O grande interesse de George Berkeley pela religião levou-o também a seguir a carreira eclesiástica. Em 1734, foi nomeado bispo anglicano, assumindo, no extremo sul da Irlanda, a diocese de Cloyne, razão pela qual quando hoje se menciona o seu nome ele é lembrado como filósofo irlandês e Bispo de Cloyne.

Alciphron

O título completo do Alciphron (Alciphron: ou o filósofo minucioso, em sete diálogos, contendo uma apologia da religião cristã, contra aqueles que são chamados livres-pensadores), segue o espírito dos títulos completos dos Princípios e dos Três diálogos. Ele deixa claro o fundo apologético da obra, que se insere na longa tradição da apologética cristã, dirigida expressamente contra os “livres-pensadores”, considerados promotores do ceticismo moral e inimigos do cristianismo. O ataque visava figuras particulares do seu tempo, dentre os quais John Toland (1670-1722), Anthony Ashley-Cooper, o terceiro Conde de Shaftesbury (1671-1713), Anthony Collins (1676-1729), Francis Hutcheson (1694-1746) e Bernard Mandeville (1670-1733), e remonta a alguns ensaios publicados anonimamente no The Guardian durante a permanência de George Berkeley em Londres em 1713, em especial aos ensaios “Filósofos minuciosos”, e “Uma visita à glândula pineal” (razão pela qual estes ensaios foram incluídos neste volume.)

Alciphron, a mais extensa das obras de Berkeley, foi escrito entre os anos de 1729 e 1731 durante sua prolongada permanência em Rhode Island, na América do Norte, enquanto ele aguardava um subsídio financeiro prometido pelo Parlamento Inglês para o seu plano de fundar um colégio missionário no Arquipélago das Bermudas. O projeto Bermudas, anunciado em 1724 num panfleto intitulado “Uma proposta para melhor abastecer as Igrejas em nossas colônias estrangeiras e para converter os americanos selvagens ao cristianismo”, visava introduzir as artes e o ensino na América, acerca da qual em 1725 George Berkeley escreveu o poema Uma profecia, em que vaticinava: “rumo ao oeste o império se encaminha” (Versos sobre a América, 7, p. 373).

Convencido de que a Europa vivia uma decadência moral e espiritual, e de que a América oferecia esperança de uma nova idade do ouro, George Berkeley obteve do Parlamento britânico a promessa de financiamento do seu projeto. Em setembro de 1728, após casar-se com Anne Forster, ele viajou para o Novo Mundo. Desembarcou em Newport, onde adquiriu uma fazenda para servir de base para o plano de estabelecer um colégio nas Ilhas Bermudas para os filhos dos colonos e americanos nativos. No entanto, após passar três anos esperando a subvenção prometida, e já tendo consumido uma boa soma de sua fortuna, parte da qual havia herdado alguns anos antes de Esther Vanhomrigh, a escritora “Vanessa”, correspondente de Jonathan Swift, Berkeley foi obrigado a abandonar os planos e retornar à Grã-Bretanha em 1731.

Algumas alusões logo no início do primeiro diálogo situam a obra no contexto do fracasso do Projeto Bermudas. Díon, o personagem narrador dos diálogos, encarrega-se de informar por escrito ao amigo Theages, que permaneceu na Inglaterra, sobre o “empreendimento” que o levou àquela “remota região do país” e sobre o “fracasso” do seu projeto, que lhe acarretou “uma grande perda de tempo, de esforços e de dinheiro” (Alc. 1.1: 31). As descrições que se encontram na abertura do segundo e quarto diálogos remetem a determinados cenários da ilha de Rhode Island, próximos a Newport, onde Berkeley se encontrava durante a composição da obra e onde ele situa o desenrolar dos diálogos entre os vários personagens. O Alciphron pode ser considerado, assim, como uma das primeiras obras filosóficas escritas na América.

A primeira edição do Alciphron, em dois volumes, foi publicada em Londres pelo editor Jacob Tonson, e em Dublin, pelos livreiros G. Risk, G. Ewing e W. Smith, em fevereiro de 1732, pouco tempo depois do retorno de Berkeley da América, ocorrido em outubro de 1731. O primeiro volume incluía a “Advertência”, o “Sumário” e os Diálogos 1 a 5; o segundo volume continha os Diálogos 6 e 7, e a republicação do Ensaio para uma nova teoria da visão, publicado pela primeira vez em 1709. A edição não informava a autoria das obras, mas, como Berkeley já era conhecido como o autor do ensaio sobre a visão, a omissão do seu nome aparentemente não visava dificultar a identificação da autoria do Alciphron.

No mesmo ano de 1732 foi publicada em Londres uma segunda edição, novamente em dois volumes e com a mesma distribuição dos textos, mas já com algumas pequenas modificações textuais. Em 1752, ainda em Londres, foi publicada a terceira edição, com uma revisão final, cuja modificação mais significativa foi a supressão dos parágrafos 5 a 7 do sétimo diálogo (inseridos neste volume em Apêndice). De forma diferente das edições anteriores, a terceira saiu num único volume e sem a inclusão do Ensaio sobre a visão. O volume mais uma vez não identificava o nome do autor.

Alciphron despertou atenção imediata e maior interesse que as primeiras obras de Berkeley. Seu sucesso pode ser avaliado pelas sucessivas edições que teve e pelas reações críticas que despertou. (Berman, 1993, p. 2). Além das várias edições em inglês, a obra recebeu uma tradução imediata para o holandês (Leyden, 1733) e outra para o francês (La Haye, 1734). Em 1753, mesmo ano da morte de Berkeley, apareceu a primeira edição póstuma. Em 1757, 1767, 1777 foram publicadas novas edições, o que indica que, no decorrer daquele século, a obra continuou a ser relativamente popular.

Parte do sucesso do Alciphron talvez se explique pelas qualidades literárias e estilo da obra, composta na forma de diálogos filosóficos, segundo o modelo platônico. Embora os Três diálogos entre Hylas e Philonous, publicados em 1713, rivalizem em beleza e sutileza filosófica, e por si só já fariam de George Berkeley um mestre da escrita elegante na forma de diálogos, do ponto de vista literário pode-se considerar Alciphron, como T. E. Jessop o descreveu, a melhor das grandes obras de Berkeley. Segundo Jessop (editor da edição moderna das obras completas de George Berkeley), como obra de arte Alciphron é uma obra suprema no conjunto total da literatura filosófica inglesa, e talvez suprema também na literatura apologética religiosa. (Luce & Jessop, Works, 1950, v. 3 p. 2).

Os sete diálogos que compõe a obra, estruturados em breves capítulos, estão escritos como se fossem uma carta de Díon, o personagem narrador, que raramente entra na discussão, dirigida a seu amigo Theages, que se encontra na Inglaterra.

O primeiro diálogo introduz os protagonistas dos diálogos e a seita dos livres-pensadores ou filósofos minuciosos. Estes são representados por Alciphron e seu aliado Lysicles. Alciphron é caracterizado como um livre-pensador ilustrado e minucioso que argumenta, no primeiro diálogo, que a religião é apenas uma impostura dos sacerdotes para fins políticos. Lysicles é caracterizado como alguém dotado de um “espírito vivaz e de uma visão geral das letras”, que se tornou amigo de libertinos e livres-pensadores, em prejuízo de sua saúde e de sua fortuna. (Alc. 1: 32). Euphranor, um agricultor que passou pela universidade, e seu amigo e aliado cristão Crito, são os outros dois protagonistas dos diálogos, que, modo geral, representam as ideias de George Berkeley. Eles enfrentam os livres-pensadores e argumentam, no primeiro diálogo, a favor da utilidade e necessidade da religião para a moralidade.

No segundo diálogo o personagem Eufranor procura enfraquecer a tese defendida por Lysicles – tomada de empréstimo da Fábula das abelhas, de Mandeville, cuja quinta edição tinha sido publicada em Londres em 1728 –, de que os “vícios privados trazem benefícios públicos”. A hipótese da utilidade do vício proposta por Mandeville é atacada por Eufranor e Crito porque ela não forneceria uma motivação para agir em benefício público, apenas para buscar o prazer e satisfação do interesse próprio.

No terceiro diálogo, os porta-vozes das ideias de George Berkeley dirigem suas críticas contra as teorias éticas de Shaftesbury e Hutcheson. Eles sugerem, opondo-se à tese da existência de um “senso moral” que nos faria perceber a beleza abstrata da virtude e que serviria de fundamento para a conduta humana virtuosa, que as únicas motivações efetivas para agir são as expectativas de recompensas ou punições futuras. Como resultado, defendem a necessidade de acreditar na onipresença de Deus e em seu governo moral nesta vida, bem como na vida futura.

O quarto diálogo retoma e expande a concepção metafísica de George Berkeley desenvolvida no Ensaio sobre a visão, segundo a qual a Mente é o princípio original que dirige tudo. Nele, através do personagem Eufranor, Berkeley desenvolve uma prova da existência de Deus com base num argumento analógico, ao tratar a existência de Deus ou mente infinita da mesma maneira como tratamos a existência de uma pessoa ou uma mente finita. Do mesmo modo como reconhecemos que existem outras pessoas ou mentes finitas independentes da nossa porque elas nos falam e se comunicam conosco, nós também poderíamos reconhecer a existência de Deus pelas suas marcas, que nos são inteligíveis, mediante a linguagem visual da natureza através qual ele nos falaria continuamente. A interpretação teísta do universo promovida pelo diálogo pretende demonstrar, assim, que cada vez que abrimos os olhos “vemos”, literalmente, Deus.

No quinto diálogo a discussão avançada por Eufranor volta-se para o teísmo em sua forma cristã. Apesar de reconhecer os defeitos do clericalismo, a variedade de religiões, os conflitos teológicos e outras falhas ligadas à religião cristã, ele passa a ilustrar como o cristianismo e suas instituições são moralmente excelentes e úteis; como, mais do que outras formas de fé, ele torna as pessoas mais virtuosas e mais felizes, trazendo benefícios não apenas para os indivíduos, mas também para as nações.

O sexto diálogo, o mais longo de todos, passa do tema anterior sobre a utilidade da religião cristã para um debate sobre a natureza divina do cristianismo. Os protagonistas do diálogo discutem sobre as evidências a favor da verdade do cristianismo. A religião cristã é apresentada como a revelação consumada de Deus aos homens, que se prenuncia em suas marcas visíveis na natureza. O diálogo acaba sugerindo que a aceitação da revelação divina, como o seria a aceitação da ciência natural, é uma questão de fé. De qualquer modo, os efeitos da fé genuína produziriam probabilidade e certezas práticas que já seriam suficientes, contra toda dúvida, como base para a religião.

No sétimo e último diálogo, os protagonistas passam da discussão anterior acerca das evidências morais a favor do cristianismo para uma discussão sobre a credibilidade da fé cristã. Segundo os livres-pensadores, por envolver os mistérios da fé, o cristianismo não poderia ser justificado por nenhuma evidência, por mais provável que esta fosse.

O livre-pensador Alciphron, que se apoia na ciência e exige uma demonstração estrita da verdade do cristianismo, exige assim que se abandone o uso de palavras ininteligíveis como “graça”. Contra essa posição, Euphranor defende os mistérios da fé recorrendo ao nosso uso da linguagem. Isso conduz o diálogo a uma discussão acerca da relação entre “fé” e “ciência” e acerca do significado e utilidade da linguagem mesmo quando as palavras não sugerem ideias. Eufranor argumenta que, se a religião emprega noções misteriosas às quais não corresponde nenhuma ideia ou acerca das quais não podemos formar uma ideia – como “graça”, “trindade”, “encarnação”, “pecado original” e “livre arbítrio” –, a ciência também emprega conceitos, como “força”, raiz quadrada de um número negativo, e outros termos teóricos, que não sugerem ideias.

Dada a discussão levantada no último diálogo, Alciphron acaba sendo, assim, uma fonte fundamental das visões de George Berkeley sobre a linguagem em geral. Opondo-se à tese semântica de John Locke (1632-1704) segundo a qual toda palavra significativa deve representar uma ideia, Berkeley pode ser visto como um defensor de uma doutrina do significado mais ampla do que a teoria ideacional lockeana. O significado das palavras não poderia apenas ser atrelado a ideias que podemos conceber distintamente, mas sim ao lugar que elas ocupam em um sistema de signos relacionados com a prática ou com a experiência.

A esse respeito, alguns intérpretes contemporâneos vislumbram em Berkeley, em particular no sétimo diálogo do Alciphron, uma antecipação da teoria emotiva do significado (Belfrage 1986; Berman, 1993), outros uma antecipação da teoria do significado como uso, semelhante à do segundo Wittgenstein. (Flew, 1974). Tal aproximação que se justificaria na medida em que George Berkeley nos incentivaria a abordar a linguagem da perspectiva de suas múltiplas funções e da sua conexão com a atividade humana. (Roberts, 2017; Pearce, 2022).

Como se pode ver num rápido levantamento dos estudos contemporâneos sobre a filosofia de George Berkeley, Alciphron tem suscitado renovado interesse entre os seus intérpretes. Apesar de seu acentuado caráter moral e apologético, os diálogos colocam questões filosóficas que extrapolam o âmbito religioso. Como uma obra clássica da tradição filosófica que é, Alciphron trata de diversas questões permanentes e vivas, que continuam a despertar grande interesse. Sua importância reside tanto nas visões avançadas sobre determinadas questões quanto na maneira dialogal exemplar e elegante de abordar abordá-las.

Siris

Siris, a última grande obra filosófica de George Berkeley, foi publicada em 1744. Ela obteve um grande êxito em sua época, tornando-se imediatamente um verdadeiro best-seller. No decorrer do mesmo ano foram publicadas várias edições consecutivas, em Dublin e em Londres. No ano seguinte passou a ser lida com grande interesse em toda a Europa, recebendo traduções parciais em holandês, alemão, e uma tradução integral em francês.

O título deriva da palavra grega Σεὶρις, diminutivo de σεὶρα: pequena corda ou cadeia. Berkeley emprega este termo tanto para se referir ao encadeamento literário estrutural da obra – descrita pelo título completo como uma “uma cadeia de reflexões e investigações filosóficas acerca das virtudes da água de alcatrão e diversos outros assuntos relacionados entre si e derivados uns dos outros” –, como para designar a própria estrutura do mundo, onde se poderia perceber admirável conexão e encadeamento entre todas as coisas, o que revelaria a unidade viva da Natureza.

Uma das ideias centrais desenvolvida em Siris, tomada de empréstimo de Jâmblico e dos Platônicos, é que “não há nenhum salto na natureza, mas uma Cadeia ou Escala de seres que se eleva por gradações moderadas e ininterruptas dos seres inferiores aos mais elevados, cada natureza recebendo sua forma e sendo aperfeiçoada pela participação em uma superior” (Siris, § 274).

Siris é uma obra de difícil interpretação. Apresentado com o objetivo de defender as virtudes medicinais da água de alcatrão, o livro na verdade trata de diversos assuntos, que vão desde a alquimia à medicina, da física à metafísica, da ciência à teologia e à filosofia platônica.

A obra apresenta uma cadeia de reflexões que pretende conduzir o leitor de um extremo a outro da cadeia dos seres: das coisas sensíveis mais grosseiras ao ser puramente espiritual do qual emanaria o todo. “Nessa cadeia, cada elo leva a outro. As coisas mais baixas estão conectadas às mais elevadas.” (Siris, § 303). Assim, do alcatrão – base para a preparação da água de alcatrão apresentada no início da obra como uma panaceia universal –, Berkeley passa em seguida para as resinas; das resinas para o espírito vegetal; do espírito vegetal para o espírito etéreo que animaria todas as coisas no mundo sensível e constituiria um princípio universal da vida; o espírito etéreo, por sua vez, encaminha as reflexões de Berkeley para os espíritos finitos e, finalmente, para o próprio Deus.

Em seus parágrafos finais, Siris culmina numa reflexão metafísica e especulativa abertamente platônica sobre a unidade primordial, o τὸ ἕν, ou o ser Uno dos platônicos, considerado por Plotino como anterior ao próprio espírito de Deus. Uma visão que, segundo George Berkeley, não apenas não conduz ao ateísmo, como é compatível com a doutrina cristã e já comporta, sob a forma das três hipóstases divinas, uma ideia exata da Trindade.

Assim, o desenvolvimento inicial de uma argumentação de natureza químico medicinal, com o objetivo de defender as virtudes terapêuticas da água de alcatrão (uma mistura preparada com base na resina de pinus), com parágrafos dedicados à química dos ácidos e dos sais, converte-se, em seguida, num tratado sobre tópicos distintos, com reflexões acerca da natureza, sobre filosofia mecanicista, sobre a alma e a divindade, visando estabelecer a ligação do mundo com a Santíssima Trindade.

Ainda que não seja anunciada de forma tão explícita como em Alciphron ou nas obras precedentes, a intenção apologética de Siris torna-se, então, evidente. Ao argumentar que a natureza é o efeito de uma causa inteligente, Berkeley não apenas salienta a necessidade de um Espírito como causa última, mas pretende também levar a mente o leitor, gradativamente, à contemplação de Deus.

Embora Siris mantenha as bases do idealismo de Berkeley, é uma obra que possui um estilo muito diferente dos Princípios e do Diálogos, sendo fortemente marcada por influências neoplatônicas. Apesar disso, Siris permanece uma fonte importante para entender a filosofia de Berkeley, uma vez que “o livro está repleto de passagens em que as principais teses das obras anteriores são reiteradas, muitas vezes com argumentos mais elaborados: o empirismo em sua forma estrita, a conformação da filosofia natural a esse empirismo, a visão nomológico-dedutiva da explicação nesse domínio do conhecimento, a crítica ao mecanicismo cartesiano, a interpretação instrumentalista das forças, a transferência para a metafísica e teologia do estudo das causas reais dos fenômenos, o caráter espiritual dessas causas etc.” (Chibeni, 2010, p. 405).

Como se pode ver, e apesar das informações “científicas” apresentadas em Siris parecerem completamente ultrapassadas, apesar dos seus conhecimentos de química e física evocados terem sido em sua maior parte suplantados ou mesmo consideradas errados (Jessop, 1953, p. 7), da mesma forma que em relação a Alciphron, há muita coisa interessante em Siris para o estudioso da filosofia em geral e para o interessado na filosofia de Berkeley em particular. E este interesse pode aumentar ainda mais quando o leitor e intérprete contemporâneo consegue deixar de “considerar Berkeley interessante apenas na medida em que ele tem algo relevante a dizer sobre os problemas com os quais nós estamos preocupados, e apenas na medida em que ele é capaz de resolver o que nós consideramos problemas filosóficos significativos” (Bradatan, 2022, p. 16).

*Jaimir Conte é professor de filosofia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Referência


George Berkeley. Alciphron ou O filósofo minucioso / Siris. Tradução: Jaimir Conte. São Paulo, Unesp, 2022, 582 págs (https://amzn.to/3OELoV4).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Marques Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Daniel Afonso da Silva Berenice Bento José Machado Moita Neto Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Ronaldo Tadeu de Souza Kátia Gerab Baggio Denilson Cordeiro Daniel Brazil Jean Pierre Chauvin Daniel Costa Anselm Jappe Sergio Amadeu da Silveira André Márcio Neves Soares Claudio Katz Celso Frederico Roberto Noritomi Lorenzo Vitral João Carlos Loebens Afrânio Catani Bruno Machado Everaldo de Oliveira Andrade Caio Bugiato Gerson Almeida Eliziário Andrade Liszt Vieira Gilberto Lopes Julian Rodrigues Elias Jabbour Henri Acselrad Eleutério F. S. Prado Leonardo Sacramento Tadeu Valadares Andrew Korybko Dênis de Moraes Leonardo Avritzer Tarso Genro Paulo Capel Narvai Flávio R. Kothe Thomas Piketty Otaviano Helene Carla Teixeira Luis Felipe Miguel Antônio Sales Rios Neto Gilberto Maringoni Luís Fernando Vitagliano João Lanari Bo José Dirceu Rodrigo de Faria Henry Burnett Eduardo Borges Érico Andrade Juarez Guimarães Osvaldo Coggiola José Micaelson Lacerda Morais Flávio Aguiar João Carlos Salles Plínio de Arruda Sampaio Jr. Valerio Arcary Samuel Kilsztajn Maria Rita Kehl Michael Roberts Ricardo Abramovay João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini Remy José Fontana Salem Nasser Gabriel Cohn José Luís Fiori Atilio A. Boron Marjorie C. Marona Priscila Figueiredo Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Werneck Vianna Alexandre de Freitas Barbosa Fernando Nogueira da Costa André Singer Leda Maria Paulani João Feres Júnior Marcelo Módolo Alysson Leandro Mascaro Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Antonio Martins Marcos Aurélio da Silva Luiz Eduardo Soares Jean Marc Von Der Weid José Raimundo Trindade Ari Marcelo Solon Alexandre Aragão de Albuquerque Valério Arcary Marcos Silva Yuri Martins-Fontes Heraldo Campos Luiz Costa Lima Antonino Infranca Francisco Fernandes Ladeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Ladislau Dowbor Eugênio Trivinho Carlos Tautz Marcus Ianoni Luciano Nascimento Marilena Chauí Eleonora Albano Boaventura de Sousa Santos Vanderlei Tenório Vladimir Safatle Luiz Bernardo Pericás Chico Whitaker Luiz Carlos Bresser-Pereira Celso Favaretto Fábio Konder Comparato Eugênio Bucci Rafael R. Ioris Leonardo Boff Manchetômetro Chico Alencar Anderson Alves Esteves João Adolfo Hansen Milton Pinheiro Armando Boito Michael Löwy Bernardo Ricupero Vinício Carrilho Martinez Annateresa Fabris Lincoln Secco Ricardo Antunes Airton Paschoa Ronald León Núñez Paulo Martins Luiz Roberto Alves Manuel Domingos Neto Sandra Bitencourt Marcelo Guimarães Lima Mário Maestri Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Renato Martins Roberto Bueno José Costa Júnior Paulo Fernandes Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald Rocha Renato Dagnino Walnice Nogueira Galvão Jorge Luiz Souto Maior Jorge Branco Ricardo Musse José Geraldo Couto Benicio Viero Schmidt Marilia Pacheco Fiorillo Dennis Oliveira Alexandre de Lima Castro Tranjan

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada