As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Não, o resto não é silêncio

Imagem: Wendelin Jacober
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI*

As palavras dóceis do governador de São Paulo comprometem a honradez de seus correligionários e vandalizam a história do PSDB

O resto é o “apoio incondicional” pronunciado em volume ultrajante pelo governador paulista, Rodrigo Garcia, do PSDB, diante de um presidente da República de cara fechada e seu séquito enfezado. Não, aquilo não foi um apoio, foi uma rendição completa e sobrenatural. Ao fim da tragédia, a cena continua, provando que existem palavras depois da morte política. Eis o resto do resto.

Assim estrebuchou o cadáver do tucanato paulista, estraçalhado, desfeito – e tagarela. Sua máscara mortuária saiu matraqueando para microfones, fotógrafos e cinegrafistas, seguindo um roteiro de humilhação prolongada. Não, o clima não era de campanha. Nada daqueles figurantes se amontoando em volta dos protagonistas de braços erguidos e de mãos dadas em euforias suprapartidárias, nada disso. O clima era de velório, quer dizer, de velório militar. Homens fascistas não choram, mas também não riem – quando se permitem mostrar os dentes, parecem prestes a latir.

Nos jornais de ontem, a imagem até que não foi tão funesta. Numa das fotografias, notava-se um esgar fazendo as vezes de sorriso no semblante do incumbente federal. A foto era uma ilusão, um flagrante menos soturno. Nos noticiários de TV, na noite de terça, deu para ver melhor o estado de espírito da turma que cercava o último dos tucanos. Nenhum dos circunstantes, em hora nenhuma, descontraiu o cenho. Ninguém sorria, nem mesmo o governador que recitava os termos de seu “apoio”. O presidente e todos os homens do presidente olhavam por cima dos holofotes, empertigados, com cara de poucos aliados. Estavam bravos. Em sua imaginação rarefeita, talvez desempenhassem o papel das tropas que pisam no território conquistado enquanto o representante dos vencidos assina a capitulação, “incondicional”.

Olhando para tão degradante espetáculo, mesmo quem nunca se identificou com o partido que se pretendeu, um dia, social-democrata sentiu um travo na alma. O PSDB governa São Paulo faz uma eternidade – os mais antigos contam que desde a década longínqua de 1990. Por suas fileiras passaram personalidades respeitáveis.

Agora, reduzido a isto, nada mais que isto, banca o morto-vivo convertido à sabujice, agarrado aos coturnos contra os quais se ergueu no passado. Mais insuportável ainda é pensar que muitos daqueles tipos perfilados em desalinho estavam armados. A maioria deles elogia ou já elogiou a ditadura militar. Um lá falou que iria restabelecer o AI-5. E há, também, o que prometeu fechar o Supremo Tribunal Federal. Pois lá no meio se via, incondicionalmente submisso, o chefe do Executivo paulista.

Sabemos que os líderes mais destacados do moribundo partido não seguiram a mesma trilha. Estes, coerentes, fazem oposição ao presidente da República e apoiam, agora no segundo turno, o candidato que pode derrotá-lo. O gesto do governador, entretanto, rebaixa qualquer dignidade. Suas palavras dóceis comprometem a honradez de seus correligionários e vandalizam a história da legenda com a qual chegou ao cargo que agora exerce.

Talvez ele mesmo não saiba, mas sua atitude constitui um atentado. Às vezes, a pior violência não é física, mas é aquela que se dá no plano do simbólico e fere de morte a memória que nos identifica. Os neonazistas que profanam cemitérios judaicos têm o objetivo de violar o que há de mais sagrado naqueles que mais odeiam. A rendição que pudemos testemunhar na terça-feira pode – e deve – ser entendida como um ato de profanação simbólica, mesmo que o ator em cena não se tenha dado conta do que fez.

A sujeição a que se prestou faz sangrar o orgulho legítimo das pessoas que integram ou integraram o PSDB, do mesmo modo que ofende quem, sem jamais ter se filiado ao partido, reconhece nele um patrimônio do campo democrático. Essa agremiação não merecia ver todo o seu passado confluir para o “apoio incondicional” ao seu oposto, não merecia se reduzir a um adulador fora de lugar misturado a usurpadores que não pertencem ao lugar que ocupam.

O Estadão de ontem, em reportagem de Leon Ferrari e Levy Teles (p. A13), trouxe a notícia de que, nas redes sociais, uma onda preconceituosa se levanta contra a gente nordestina. Em postagens exumadas do esgoto da xenofobia, vozes intolerantes atacam os eleitores da Região Nordeste, onde o presidente da República teve sua pior derrota no primeiro turno. Algumas mensagens xingam o Nordeste de “Cuba do Sul”. Uma delas pede para avisarem ao “presidente da Rússia que o Nordeste faz parte da Ucrânia”. Outras afirmam que “pobre é que nem lombriga” e há quem vaticine que “os burros do Nordeste” deveriam “morrer de fome”.

Foi a esse tipo de vaga furiosa que o governador de São Paulo entregou suas forças fracas e tristes. Agora, finalmente, assume que o partido dele é o Brasil: o Brasil que nega a si mesmo, o Brasil que odeia o Brasil. Chegamos, então, ao Brasil dividido acima de tudo. Uma barulheira, uma estridência infernal. Os rabugentos a quem o governador ofertou seu “apoio incondicional” devem achar que silêncio é coisa de comunista. Ele talvez concorde.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Paulo Ayub Fonseca Bruno Machado Antonio Martins José Luís Fiori Luis Felipe Miguel Leda Maria Paulani Luiz Eduardo Soares Igor Felippe Santos Tadeu Valadares Luiz Bernardo Pericás Berenice Bento Luiz Carlos Bresser-Pereira João Sette Whitaker Ferreira Luiz Renato Martins Paulo Sérgio Pinheiro Rodrigo de Faria Leonardo Boff Mariarosaria Fabris Ladislau Dowbor Rubens Pinto Lyra Everaldo de Oliveira Andrade Jorge Luiz Souto Maior Anderson Alves Esteves Marilena Chauí Mário Maestri Elias Jabbour Dennis Oliveira Maria Rita Kehl Dênis de Moraes Luiz Roberto Alves João Lanari Bo Kátia Gerab Baggio Salem Nasser Boaventura de Sousa Santos André Singer Antonino Infranca Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay João Carlos Loebens Jean Marc Von Der Weid Priscila Figueiredo Chico Whitaker Gabriel Cohn Anselm Jappe Benicio Viero Schmidt Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Tales Ab'Sáber Celso Favaretto Carlos Tautz Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares Celso Frederico Marcos Silva Remy José Fontana Bento Prado Jr. Sandra Bitencourt Paulo Capel Narvai Fernão Pessoa Ramos Thomas Piketty Flávio Aguiar Carla Teixeira Juarez Guimarães Gilberto Lopes Lorenzo Vitral Marcos Aurélio da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento Airton Paschoa Eleonora Albano Eugênio Bucci Luiz Werneck Vianna Marcelo Módolo Denilson Cordeiro Michael Löwy Gerson Almeida Érico Andrade Luís Fernando Vitagliano Atilio A. Boron Henri Acselrad José Machado Moita Neto João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Daniel Afonso da Silva Marcelo Guimarães Lima Heraldo Campos Tarso Genro Samuel Kilsztajn Walnice Nogueira Galvão Marilia Pacheco Fiorillo Henry Burnett José Dirceu Daniel Costa José Raimundo Trindade Roberto Noritomi Eugênio Trivinho Yuri Martins-Fontes Paulo Martins Eleutério F. S. Prado José Geraldo Couto Afrânio Catani Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Lincoln Secco Andrew Korybko Marjorie C. Marona João Carlos Salles Vanderlei Tenório Ronald León Núñez Osvaldo Coggiola Leonardo Avritzer Ronaldo Tadeu de Souza Manchetômetro Daniel Brazil Valério Arcary Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valerio Arcary Ricardo Fabbrini Vinício Carrilho Martinez João Feres Júnior Francisco Pereira de Farias Claudio Katz Caio Bugiato Marcus Ianoni Luiz Costa Lima Michael Roberts Liszt Vieira Slavoj Žižek Leonardo Sacramento Rafael R. Ioris Manuel Domingos Neto Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Jorge Branco José Costa Júnior José Micaelson Lacerda Morais Fábio Konder Comparato Fernando Nogueira da Costa Otaviano Helene Alysson Leandro Mascaro Eduardo Borges Paulo Fernandes Silveira Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Marques Ricardo Musse Renato Dagnino Julian Rodrigues Ricardo Antunes Antônio Sales Rios Neto Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Vladimir Safatle Eliziário Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Milton Pinheiro Roberto Bueno

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada