As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As armas nucleares “secretas” de Israel

Imagem: Clara Figueiredo, Tempo_Fotografia, Digital, Luiz Beltrame, 2017
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DESMOND TUTU

Joe Biden irá por fim à política norte-americana de acobertar a existência desse arsenal atômico?

Todos os últimos governantes dos Estados Unidos praticaram um ritual perverso ao assumir o poder.  Eles aceitaram subverter a lei ao assinar cartas secretas estipulando que não reconheceriam algo que todos já sabem: que Israel tem um arsenal de armas nucleares.

Fazer com que se deixasse de focar na capacidade que Israel tem de transformar dezenas de cidades em poeira era uma das razões de tal prática. Esse fracasso no enfrentamento da ameaça posta pelo terrível arsenal israelense oferece ao seu primeiro ministro, Benjamin Netanyahu, uma sensação de poder e impunidade, permitindo que Israel dite seus termos aos outros.

No entanto, outro efeito da estratégia de avestruz adotada pelo governo é que ela o isenta de invocar a própria lei norte-americana, que ordena a interrupção das benesses oferecidas com o dinheiro dos contribuintes a países proliferadores de armamento nuclear.

Israel é, de fato, um proliferador de armas nucleares. Existem evidências abundantes de que, nos anos 1970, o país ofertou-as ao regime de apartheid da África do Sul. Os dois países inclusive realizaram um teste nuclear em conjunto, e o governo norte-americano tentou encobrir tais fatos. Israel nem sequer assinou o tratado de não proliferação.

Mesmo assim, os governos de Israel e dos Estados Unidos pressionaram pela invasão do Iraque sob o pretexto mentiroso de futuros cogumelos atômicos. Como disse o delator Mordechai Vanunu: as armas nucleares não estavam no Iraque – elas estão em Israel.

Emendas propostas pelos ex-senadores Stuart Symington e John Glenn à Lei de Assistência Estrangeira proíbem a assistência econômica e militar a proliferadores de armas nucleares e a países que adquirem arsenal atômico. Em sua presidência, Jimmy Carter invocou tais cláusulas contra a Índia e o Paquistão.

Mas nenhum presidente o fez com Israel. Muito pelo contrário. Existe, desde o governo Nixon, um acordo oral de aceitação da “ambiguidade nuclear” israelense – efetivamente dando a Israel o poder que vem com a posse de armas nuclearessem as responsabilidades que isso implica. E tais cartas secretas realmente existiram, de acordo com a revista New Yorker, desde o governo Clinton.

Políticos e presidentes norte-americanos se recusaram a reconhecer que Israel tem armas nucleares, ainda que a lei permita, excepcionalmente, a continuidade do financiamento caso o presidente certifique ao Congresso que a ajuda a um proliferador seria de interesse vital aos Estados Unidos.

O produto interno bruto per capta de Israel é comparável àquele da Grã-Bretanha. No entanto, a quantidade de recursos dos contribuintes enviados a este país ultrapassa aquela oferecida a qualquer outro país. Considerando a inflação, a quantia publicamente conhecida destes fundos aproxima-se, hoje, dos 300 bilhões de dólares.

Esta farsa tem que acabar. O governo dos Estados Unidos precisa defender suas leis e cortar o financiamento a Israel em resposta às suas práticas de aquisição e proliferação de armas nucleares.

O recém empossado governo Biden precisa reconhecer, de forma categórica, que Israel é um dos principais investidores na proliferação nuclear no Oriente Médio – apropriadamente aplicando a lei. Outros governos – em particular o da África do Sul – precisam insistir no primado da justiça e na defesa de um desarmamento significativo, além de pressionar, o mais fortemente possível, para que o governo dos Estados Unidos tome uma atitude.

O apartheid na África do Sul foi uma experiência horrível, e é horrível quando Israel pratica a sua própria forma de apartheid contra os palestinos, com seus checkpoints e um sistema de políticas opressivas. Aliás, outra regra norte-americana, a lei de Leahy, proíbe a ajuda militar a governos que violam os direitos humanos de maneira sistemática.

É possível que um dos motivos da sobrevida maior do apartheid israelense, em comparação com o sul africano, seja o fato de que Israel conseguiu manter seu sistema de opressão não apenas através das armas de seus soldados, mas também com seu canhão nuclear apontado para milhões de cabeças. A solução deste problema não está na tentativa dos palestinos e de outros árabes de tomar posse destas armas. A solução é a paz, a justiça e o desarmamento.

A África do Sul aprendeu que é apenas com a verdade que leva à reconciliação que se pode verdadeiramente alcançar a paz e a justiça. Mas nenhuma delas virá sem que a verdade seja enfrentada diretamente – e poucas verdades são mais cruciais do que um arsenal nuclear nas mãos de um regime de apartheid.

*Desmond Tutu é arcebispo da Igreja Anglicana. Foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz em 1984.

Tradução: Daniel Pavan

Publicado originalmente no jornal The Guardian.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ladislau Dowbor Liszt Vieira Lorenzo Vitral Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Flávio R. Kothe Roberto Noritomi Denilson Cordeiro Valério Arcary Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Roberto Bueno Slavoj Žižek José Dirceu Ricardo Abramovay João Lanari Bo Afrânio Catani Rubens Pinto Lyra Daniel Costa Ari Marcelo Solon Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto Fábio Konder Comparato Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Freitas Barbosa Tarso Genro Vanderlei Tenório Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado Renato Dagnino Carla Teixeira Juarez Guimarães Heraldo Campos Celso Frederico Jean Pierre Chauvin Marcelo Guimarães Lima Sergio Amadeu da Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Vladimir Safatle Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha Otaviano Helene Alysson Leandro Mascaro Ronald León Núñez Eleonora Albano Thomas Piketty Salem Nasser Luciano Nascimento João Adolfo Hansen Paulo Sérgio Pinheiro Annateresa Fabris Mariarosaria Fabris Marcos Silva José Raimundo Trindade Marilena Chauí Luís Fernando Vitagliano Rafael R. Ioris João Carlos Loebens João Paulo Ayub Fonseca Maria Rita Kehl Eugênio Trivinho Marilia Pacheco Fiorillo Valerio Arcary Marcelo Módolo Paulo Martins Elias Jabbour Paulo Fernandes Silveira Michael Roberts Marcus Ianoni Francisco Pereira de Farias Rodrigo de Faria Marjorie C. Marona Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão Daniel Afonso da Silva Luiz Roberto Alves Manchetômetro Leonardo Boff Armando Boito Claudio Katz Michael Löwy Kátia Gerab Baggio Benicio Viero Schmidt José Machado Moita Neto Lincoln Secco José Geraldo Couto Leonardo Avritzer Ronaldo Tadeu de Souza Yuri Martins-Fontes João Feres Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Branco Mário Maestri Igor Felippe Santos Chico Whitaker André Singer Everaldo de Oliveira Andrade Eduardo Borges Carlos Tautz Bruno Machado Dênis de Moraes Manuel Domingos Neto Jorge Luiz Souto Maior Celso Favaretto Milton Pinheiro Flávio Aguiar Dennis Oliveira Luiz Marques Luis Felipe Miguel Sandra Bitencourt Paulo Capel Narvai Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola Fernando Nogueira da Costa José Luís Fiori Vinício Carrilho Martinez Luiz Costa Lima Andrew Korybko Bento Prado Jr. Gerson Almeida Luiz Bernardo Pericás Caio Bugiato José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Fabbrini Leda Maria Paulani Airton Paschoa Henri Acselrad Ricardo Musse Anderson Alves Esteves Antonino Infranca João Sette Whitaker Ferreira Francisco Fernandes Ladeira Fernão Pessoa Ramos Gilberto Lopes Anselm Jappe João Carlos Salles Chico Alencar Eliziário Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Atilio A. Boron Jean Marc Von Der Weid Érico Andrade Priscila Figueiredo Daniel Brazil Tales Ab'Sáber André Márcio Neves Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Gabriel Cohn Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonio Martins José Costa Júnior Remy José Fontana Tadeu Valadares Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento Gilberto Maringoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada