As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O Deus de Maradona.

Dora Longo Bahia. Escalpo Paulista, 2005
 Acrílica sobre parede 210 x 240 cm (aprox.)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO AGUIAR*

Maradona carnavalizou o futebol e carnavalizou-se, fazendo-se o Grande Palhaço de si mesmo, onde a Palhaçada não é rebaixamento, pelo contrário, é reconhecimento e absolvição da precariedade humana

Li muitas observações sobre a relação entre Maradona e Deus. Foram desde a lembrança de seu gol contra a Inglaterra, em 1986, “com a mão de Deus”, até a de que Maradona provava que Deus pode ser humano, e vice-versa. Esta última, subrepticiamente, o aproximava de Cristo, o Deus feito homem, do Ecce Homo, na frase atribuída a Pilatos no Evangelho de João. Maradona, exuberante, mas sacrificado no altar da fama e, para deleite de seus adversários ideológicos, também no das drogas.

Nenhuma das comparações me satisfez. Todas erraram por quilômetros de distância. Porque o Deus de Maradona, se revelado, é pré-Cristão. É Dyonisus, ou Baco. Erroneamente, este Deus é associado à ilusão da bebedeira, o que é um vício consumista. O vinho de Dyonisus é o da lucidez, “in vino veritas”, e sua embriaguês é a do teatro, a fascinação pela iluminação da vida através do espetáculo.

Dyonisus era o Deus de muitos nomes; Baco, ou Bacchus era um deles, devida ou indevidamente associado com o Deus arcaico Iacchus que, pelo que se sabe, ou se conjetura, era cultuado de modo remanescente nas procissões que celebravam os Mistérios de Elêusis, dos mais antigos rituais da Grécia antiga.

Por aí poderia de fato, haver uma ligação arcaica com o Cristo dos Evangelhos, porque os Mistérios de Elêusis partiam de cultos agrários anteriores à Grécia antiga, que celebravam a morte e o renascimento das forças da natureza. Dyonisus mesmo, acreditava-se, nascera duas vezes, comportando em sua trajetória a superação do estigma da morte, como Cristo e, de certa forma, o próprio teatro: o personagem trágico, ao morrer, renasce em outro plano, e para sempre, pois ele seria aquele que morre num espetáculo para renascer no outro mais adiante e, como Drácula, sugar a atenção sanguínea dos espectadores entregues à embevecida lucidez das paixões iluminadas, pálido espelho na plateia do que se passa divinamente no plano da ficção que nos alucina por algum tempo, para nos devolver mais lúcidos ao plano da “realidade”.

Assim foi com Maradona, que nascia, agonizava e renascia continuamente, que marcou um gol com a mão contra os ingleses e outro em que driblou todo o time da Inglaterra, inclusive o goleiro, e ao mesmo tempo redimiu seu país da derrota e da estupidez da Guerra das Malvinas, provocada por uma ditadura que  estertorava sem mais outra saída. Nem entrada.

Maradona carnavalizou o futebol e carnavalizou-se, fazendo-se o Grande Palhaço de si mesmo, onde a Palhaçada não é rebaixamento, pelo contrário, é reconhecimento e absolvição da precariedade humana, é vingança dos homens reais contra os falsos deuses de pés de barro, é a concessão da dignidade à nossa fraqueza de humanos, reconhecendo nossos limites, nossos cacoetes, elevando-nos a uma condição de lucidez perante o que somos, deixamos de ser e queremos vir a ser: sobreviventes.

Maradona foi um sobrevivente. Sobrevivente à pobreza, sobrevivente à dependência química, sobrevivente ao endeusamento capitalista de sua condição de futebolista renomado. Ele negou o futebol enquanto enriquecimento dos outros, fê-lo uma alegria de si mesmo e para seu povo.

Maradona, o Deus que fez da vida um estádio onde ele dançou e dança eternamente.

*Flávio Aguiar é jornalista, escritor e professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo).

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ari Marcelo Solon Eleutério F. S. Prado Lincoln Secco João Sette Whitaker Ferreira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Érico Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Rubens Pinto Lyra Manchetômetro Yuri Martins-Fontes João Lanari Bo Mariarosaria Fabris Ronald León Núñez Gilberto Lopes Rodrigo de Faria Fernão Pessoa Ramos Ricardo Abramovay Paulo Sérgio Pinheiro Caio Bugiato Celso Frederico Jean Pierre Chauvin Lorenzo Vitral Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Michael Löwy Everaldo de Oliveira Andrade Tarso Genro André Singer Eliziário Andrade Rafael R. Ioris Luis Felipe Miguel Bruno Machado Thomas Piketty Antonio Martins Benicio Viero Schmidt Fernando Nogueira da Costa Elias Jabbour Ricardo Antunes Roberto Bueno Marcus Ianoni Maria Rita Kehl Sandra Bitencourt Atilio A. Boron Paulo Capel Narvai Michael Roberts José Raimundo Trindade Milton Pinheiro Airton Paschoa Ladislau Dowbor Alexandre de Lima Castro Tranjan Luciano Nascimento Luiz Werneck Vianna Flávio Aguiar Chico Alencar Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito Henry Burnett Marcos Silva Dênis de Moraes Luiz Costa Lima Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges Marilena Chauí Leonardo Boff Marcelo Guimarães Lima José Dirceu Denilson Cordeiro João Carlos Salles Vanderlei Tenório Priscila Figueiredo Otaviano Helene Daniel Brazil Bento Prado Jr. Gerson Almeida João Paulo Ayub Fonseca Anselm Jappe Samuel Kilsztajn Afrânio Catani José Luís Fiori Luiz Carlos Bresser-Pereira Carlos Tautz Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão Annateresa Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Roberto Alves Luiz Renato Martins Tadeu Valadares Francisco Fernandes Ladeira Berenice Bento Lucas Fiaschetti Estevez Eleonora Albano Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior João Feres Júnior Paulo Martins Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber Andrew Korybko Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Micaelson Lacerda Morais José Geraldo Couto Daniel Costa Vladimir Safatle Luiz Bernardo Pericás Antônio Sales Rios Neto Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini João Adolfo Hansen Jorge Branco José Costa Júnior Marjorie C. Marona José Machado Moita Neto Antonino Infranca Anderson Alves Esteves Alysson Leandro Mascaro Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Salem Nasser Valério Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Mário Maestri Gabriel Cohn Juarez Guimarães Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva Eugênio Trivinho Liszt Vieira Leonardo Sacramento Osvaldo Coggiola Ricardo Musse Daniel Afonso da Silva Ronald Rocha João Carlos Loebens Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad Valerio Arcary Manuel Domingos Neto Carla Teixeira Kátia Gerab Baggio Heraldo Campos Vinício Carrilho Martinez André Márcio Neves Soares Roberto Noritomi Boaventura de Sousa Santos Marilia Pacheco Fiorillo Remy José Fontana Chico Whitaker Renato Dagnino Marcelo Módolo Bernardo Ricupero Luiz Marques Dennis Oliveira Leda Maria Paulani Paulo Fernandes Silveira Luiz Eduardo Soares Flávio R. Kothe Celso Favaretto Fábio Konder Comparato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada