Sonhos

Hannah Höch (1889–1978), Der Traum seinen Lebens (O sonho de sua vida), recorte de fotografias coloridas à mão, 1925.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO NOGUEIRA BATISTA JR.*

Mesmo sabendo ou proclamando todo sonho vão, vamos sonhando, de dia e de noite, sonhando sempre, para sentirmo-nos vivendo e a ter coração

Já disse, e repito hoje: não sou um sonhador. Cético de temperamento, parece-me até meio ridícula, ligeiramente demagógica e sentimental, a frequente referência a sonhos e à necessidade de sonhar. E, no entanto, …

Manoel Bomfim, um dos grandes pensadores brasileiros (injustamente esquecido como são muitos grandes brasileiros – enquanto, diga-se de passagem, não poucos trastes e mediocridades são celebrados intensamente), Bomfim dizia que uma nação precisa inventar os seus próprios sonhos, sonhar os seus sonhos plausíveis.

Sonhos plausíveis – inspirados de alguma forma, ainda que tênue ou não tão evidente, na realidade histórica e atual da nação. Temos que sonhar nossos sonhos, sonhados por nós, cultivar nossas próprias imagens, nossas próprias noções de beleza, verdade e valor, dizia ele por outras palavras.

Bonito. Mas aí é que se abre o alçapão. Sonhos podem ser perigosos. Certo tipo de sonho, justamente os plausíveis que desejava Bomfim. O sonho possível carrega em si a possibilidade da decepção e do sofrimento.

E, por essa via, chego ao verdadeiro assunto desta pequena crônica – um outro gênio da nossa raça, este verdadeiramente monumental. Refiro-me, leitor, ao grande, imenso, gigantesco Fernando Pessoa. A poesia, como sabemos, resiste tenazmente à tradução. Se Pessoa tivesse escrito em francês ou inglês (até escreveu nesta última língua, mas pouco), seria conhecido e venerado no planeta inteiro. Ele deixa na poeira, a meu ver, muitos luminares da literatura francesa ou anglo-americana. Quantos deles parecem realmente minúsculos ao lado do poeta português!

Não só por sua poesia, que é fulgurante, mas também por sua prosa. E dela retiro uma observação acurada sobre dois tipos de sonhos. Vamos passar a palavra a ele diretamente. Diz Pessoa, ou o heterônimo Bernardo Soares, no Livro do Desassossego: “Tenho mais pena dos que sonham o provável, o legítimo, e o próximo, do que dos que devaneiam sobre o longínquo e o estranho. Os que sonham grandemente, ou são doidos e acreditam no que sonham e são felizes, ou são devaneadores simples, para quem o devaneio é a música da alma, que os embala sem lhes dizer nada. Mas o que sonha o possível tem a possiblidade real da verdadeira desilusão. Não me pode pesar muito o ter deixado de ser imperado romano, mas pode doer-me o nunca ter sequer falado à costureira que, cerca das nove horas, volta sempre à esquina da direita. O sonho que nos promete o impossível já nisso nos priva dele, mas o sonho que nos promete o possível intromete-se com a própria vida e delega nela sua solução. Um vive exclusivo e independente; o outro submisso das contingências do que acontece”.

Maravilhoso, não? A relação ambivalente com o sonho permeia a sua obra, também a poética. Por exemplo, no lindo poema Manhã dos outros!, que sei de cor e cheguei a tentar, quando morava em Washington, traduzir para o inglês para benefício de alguns amigos estrangeiros:

“Manhã dos outros! Ó sol que dás confiança/ Só a quem já confia! / É só à dormente, e não à morta esperança/ Que acorda o teu dia.”

E aí vem o verso cintilante:

“A quem sonha de dia e sonha de noite, sabendo/ Todo sonho vão, / Mas sonha   sempre, só para sentir-se vivendo/ e a ter coração.
A esses raias sem o dia que trazes, ou somente/ Como alguém que vem/ Pela rua, invisível ao nosso olhar consciente, / Por não ser-nos ninguém.”

Em inglês, ficou assim o verso central:

To those that dream by day and dream by night, knowing / that all dreams are vain/   But go on dreaming, just to feel what it´s like to be alive/ And to have a heart

Falei em “amigos estrangeiros”. Não queria dar pinta de quem explora a poesia para fins espúrios e extra poéticos. Mas a verdade é que a tentativa de tradução foi para uma namorada estrangeira, linda, linda, mas por desgraça totalmente ignorante da bela língua portuguesa.

Mas volto ao poema. Vê-se, claramente, que a morta esperança não está tão morta assim. E que continua sonhando de dia e de noite, sonhando sempre, mesmo declarando todo sonho vão, por saber que a vida e o coração deixam de existir propriamente sem a capacidade de sonhar.

Já estou resvalando para uma defesa meio ingênua do sonho. Na verdade, o mais interessante, tanto no texto como no poema de Pessoa, é o embate, dentro da mesma alma, entre o impulso de sonhar e a resistência a ele. Ou em outros termos, talvez mais precisos: o conflito entre a vontade de sonhar e a incapacidade de fazê-lo plenamente, com o coração inteiro. A sua obra está eivada de paradoxos ou hesitações desse tipo, sempre muito carregadas de conotações emotivas.

Dou outro exemplo, também retirado do Livro do Desassossego, este do âmbito da política, sobre a dualidade sincero/insincero ou ilusão/realismo prático:

“O governo do mundo começa em nós mesmos. Não são os sinceros que governam o mundo, mas também não são os insinceros. São os que fabricam em si uma sinceridade real por meios artificiais e automáticos; essa sinceridade constitui a      sua força, e é ela que irradia para sinceridade menos falsa dos outros. Saber iludir-se bem é a primeira qualidade do estadista. Só aos poetas e aos filósofos compete a visão prática do mundo, porque só a esses é dado não ter ilusões. Ver claro é não agir.”

Raramente encontrei um parágrafo tão brilhante, tão iluminado por paradoxos certeiros! Não são os sinceros nem os insinceros que lideram. A sinceridade do estadista é fabricada e real ao mesmo tempo. E, contrariamente ao senso comum, a visão realista do mundo não é do estadista, mas do poeta e do filósofo, cuja clarividência, entretanto, impede a ação. Enfim, repito, um gênio da nossa raça.

Talvez esteja me perdendo do assunto inicial. Mas nem tanto. Em relação a sonhos, cabe a mesma ambivalência. Os sonhos plausíveis de Bomfim são fonte de equívocos, desastres e decepções. Mas sem eles o que sobra da vida? Ela não se esvazia? Sonhar não pede coragem? E o ceticismo pode ser, no fundo, sintoma de perda de vitalidade. Talvez uma forma de covardia.

E, assim, continuamos. Mesmo sabendo ou proclamando todo sonho vão, vamos sonhando, de dia e de noite, sonhando sempre, para sentirmo-nos vivendo e a ter coração.

*Paulo Nogueira Batista Jr. é titular da cátedra Celso Furtado do Colégio de Altos Estudos da UFRJ. Foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai. Autor, entre outros livros, de O Brasil não cabe no quintal de ninguém: bastidores da vida de um economista brasileiro no FMI e nos BRICS e outros textos sobre nacionalismo e nosso complexo de vira-lata (LeYa).

Versão ampliada de artigo publicado na revista Carta Capital, em em 9 de julho de 2021.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni Bernardo Ricupero Rodrigo de Faria Andrés del Río Vinício Carrilho Martinez Michel Goulart da Silva Luís Fernando Vitagliano José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto Lorenzo Vitral Marjorie C. Marona Paulo Fernandes Silveira Salem Nasser Anselm Jappe Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Valerio Arcary Antônio Sales Rios Neto Sandra Bitencourt Fernão Pessoa Ramos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Priscila Figueiredo Slavoj Žižek Francisco Pereira de Farias José Geraldo Couto Fernando Nogueira da Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira José Costa Júnior Lincoln Secco Daniel Costa Eduardo Borges Berenice Bento Leonardo Avritzer Matheus Silveira de Souza Jean Pierre Chauvin Marcus Ianoni Vladimir Safatle Flávio R. Kothe Gilberto Lopes Henry Burnett Ricardo Musse José Luís Fiori Marcelo Guimarães Lima João Carlos Salles Daniel Brazil Igor Felippe Santos Alexandre de Freitas Barbosa Juarez Guimarães Marcos Aurélio da Silva Bento Prado Jr. Milton Pinheiro Heraldo Campos Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon Luiz Marques João Adolfo Hansen Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Marilia Pacheco Fiorillo Afrânio Catani André Singer João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Boff Celso Frederico Luis Felipe Miguel Luciano Nascimento Claudio Katz Walnice Nogueira Galvão Bruno Machado Marcos Silva Lucas Fiaschetti Estevez Manchetômetro Samuel Kilsztajn João Feres Júnior Gerson Almeida Michael Roberts Ronaldo Tadeu de Souza Tadeu Valadares Eugênio Bucci Annateresa Fabris Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo João Carlos Loebens Caio Bugiato Chico Whitaker Renato Dagnino Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Tarso Genro Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Érico Andrade Denilson Cordeiro Maria Rita Kehl Daniel Afonso da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Otaviano Helene João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Antunes Jorge Branco Elias Jabbour Chico Alencar Ronald León Núñez Michael Löwy Ronald Rocha Andrew Korybko Ladislau Dowbor Eliziário Andrade Marcelo Módolo Luiz Roberto Alves Paulo Nogueira Batista Jr Dennis Oliveira Rafael R. Ioris Luiz Eduardo Soares Kátia Gerab Baggio Carlos Tautz Yuri Martins-Fontes Eleutério F. S. Prado Fábio Konder Comparato Anderson Alves Esteves Alysson Leandro Mascaro José Dirceu Ricardo Abramovay Carla Teixeira Osvaldo Coggiola Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Renato Martins Flávio Aguiar Celso Favaretto André Márcio Neves Soares Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Gabriel Cohn Boaventura de Sousa Santos Mário Maestri Mariarosaria Fabris Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Antonio Martins Eleonora Albano José Micaelson Lacerda Morais Paulo Martins Jean Marc Von Der Weid Liszt Vieira José Raimundo Trindade Luiz Bernardo Pericás Dênis de Moraes Marilena Chauí Paulo Capel Narvai Thomas Piketty Leda Maria Paulani Alexandre de Lima Castro Tranjan Vanderlei Tenório Henri Acselrad Armando Boito Antonino Infranca Julian Rodrigues Eugênio Trivinho

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada