Profetas do presente

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por José Machado Moita Neto*

Os diagnósticos monotemáticos baseados apenas na realidade atual levarão a apostas inconsequentes no futuro

Não se preocupem que não irei atacar àqueles que consultam irmã Janaina. Não a conheço. Apenas pelas peças de publicitárias (marketing) grudadas nos postes de Teresina onde anuncia os seus serviços (búzios, tarôs, etc.). Creio que a empresária, que eu não saberia identificar o setor econômico, cobra por seus serviços especializados.  É certo que a mesma deva concorrer, pelas certezas e consolo que oferece, com as diversas religiões, com os terapeutas, com os coaching e com os políticos.

O dom da profecia autêntico olha um futuro não previsto pela sociedade em sua mesmice. Os profetas foram solitários em suas ideias, pois falavam de um futuro distante. Raros os casos em que o futuro pode ser preparado e até modificado para que a catástrofe anunciada não acontecesse. Um sonho de sete anos de abundância seguido de sete anos de seca desencadearam ações para mitigar seus efeitos. Agora não precisamos sonhar, pois o conhecimento científico anunciou algumas catástrofes possíveis. Por desleixo, nós não nos preparamos adequadamente para todas elas. E as possibilidades são enormes e variadas!

Estamos diante de um tempo singular em que aumentou muito o número de profetas. São profetas do passado, profetas do presente ou profetas do futuro próximo. Aqui a proximidade se mede como menor que o palmo na frente do nariz. Neste sentido, creio que os serviços empresariais customizados ao gosto do cliente mencionados no primeiro parágrafo tenham uma eficiência bem maior (tipo irmã Janaina). De fato, a profecias que tenho lido são meras reproduções ad nauseam do óbvio. O mundo não será o mesmo ou tudo vai continuar como antes são posturas conhecidas na filosofia e na literatura pelo menos há 2500 anos.

A razão menosprezou o sentido. Talvez esta seja um resumo drástico da acusação de Nietzsche sobre a filosofia grega de Sócrates em diante. Contudo, na pós-modernidade, o sentido colapsa a razão e as várias razões particulares a cada ciência se colapsam mutuamente. Falta-nos um projeto ou uma visão de homem e de sociedade na crise ou na normalidade para os próximos 50 anos. Cenário tão grande assim dependeria de criar resiliência (e não soluções) e de ensinar a adaptabilidade a contextos diferentes para os quais exigirão novas habilidades, competências e atitudes, para o normal e para o extraordinário.

Os diagnósticos monotemáticos baseados apenas na realidade atual levarão a apostas inconsequentes no futuro. A sociedade é cada vez mais complexa e é resultado de sistemas acoplados por todas as dimensões do humano. Qualquer redução nestas dimensões da sociedade para melhor atender um destes sistemas levará no descuido dos demais. E isto pode ser fatal na próxima catástrofe que pode não ser na saúde, mas pode ser sobre as conexões virtuais ou em outro campo. Bastaria um apagão no Amazon Web Services (AWS), ou todos os serviços e aplicativos do Google desconectassem ou um fluxo eletromagnético atípico sobre a terra para criar uma catástrofe na vida 4.0 de nossos profetas da atual crise.

Há vagas para profetas autênticos!

*José Machado Moita Neto é professor aposentado da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • Uma lógica míopeVERMELHO HOMEM CAMINHANDO _ 12/06/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: O governo não tem vontade política para transformar a educação em prioridade, enquanto corteja militares ou policiais rodoviários, que não se movem um milímetro para longe do bolsonarismo que continuam a apoiar
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES