As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Boulos e Saint-Simon

Imagem: Grupo de Ação
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO QUARTIM DE MORAES*

Lições da Revolução Francesa.

Em 20 de abril de 2020, Jair Bolsonaro afirmou: “Eu sou a Constituição”. Não escapou a Guilherme Boulos a analogia dessa declaração com a que foi atribuída ao rei da França Luís XIV, que em 1655 teria replicado aos magistrados parisienses que contestavam seus editos: “O Estado sou eu”. Em seu twitter ele comentou: “Um lembrete para Bolsonaro: a dinastia de Luís XIV terminou na guilhotina…”. Fingindo discernir nessa ironia bem-humorada uma grave ameaça à integridade física do chefe do Executivo, a Polícia Federal intimou Boulos a prestar depoimento, com base na lei dita de segurança decretada pela ditatura militar.

A alusão à guilhotina remete à Revolução Francesa; a manobra intimidatória policial ao principal precursor do pensamento socialista moderno,[1] Claude-Henri de Saint-Simon (1760-1825). Aristocrata de origem, jacobino convicto, logo no início da Revolução Francesa de 1789 abdicou de seus títulos de nobreza e de suas propriedades feudais reivindicando apenas a dignidade de cidadão. Em 1819, no ambiente ultrarreacionário da Restauração dos Bourbon, Saint-Simon publicou na revista L’organisateur um de seus textos mais célebres, posteriormente intitulado La Parabole, em que ele sustenta que uma sociedade em que os que trabalham recebem absurdamente menos que os ociosos e improdutivos era um mundo de ponta-cabeça: “A sociedade atual é um verdadeiro mundo invertido. A nação admitiu como princípio fundamental que […] os menos favorecidos se privem diariamente de uma parte do seu necessário para aumentar o supérfluo dos grandes proprietários. Os maiores culpados, […] que espremem a totalidade dos cidadãos […] estão encarregados de punir os pequenos delitos contra a sociedade. A ignorância, a superstição, a preguiça e o gosto pelos prazeres dispendiosos formam o privilégio dos chefes supremos da sociedade, e os que são capazes, econômicos e trabalhadores só são empregadas como subalternos e como instrumentos. […] os homens incapazes são os encarregados de dirigir os capazes; os homens mais imorais que são chamados a formar a virtude dos cidadãos, são os grandes culpados que são designados a punir os erros dos pequenos delinquentes” (SAINT-SIMON, La Parabole).

Ele ali imagina uma situação hipotética em que desapareceriam 30.000 dos principais intelectuais, poetas, produtores agrários, industriais e trabalhadores, concluindo que isso seria um desastre irrecuperável para a França. Depois supõe uma situação em que desapareceriam 30.000 nobres, políticos e usurários mais importantes da França, concluindo que este desaparecimento causaria tristezas individuais, mas que economicamente e politicamente o Estado francês não sofreria. Metódico e paciente, ele listou, nome por nome, cada um dos membros da família real francesa.

A reação que essa lista provocou na monarquia, nos nobres, nos políticos e na alta burguesia francesa foi imediata; entenderam-na não somente como uma ameaça à ordem social, mas também à própria integridade física da família real. Preso, considerado perigoso e subversivo, Saint-Simon foi levado a julgamento em março de 1820. Uma das acusações foi que La Parabole tinha estimulado o assassinato do Duque de Berry (sobrinho do rei Luís XVIII e filho do futuro Carlos X), ocorrido na noite de 13 de fevereiro de 1820, ao citá-lo nominalmente como um dos poderosos cujo desaparecimento não seria prejudicial à França. A acusação era absurda: o assassino do Duque de Berry, o operário e militante bonapartista Louis Louvel, preso em flagrante e executado quatro meses depois, tinha comprovadamente agido sozinho. Mas ainda reverberava no pescoço da nobreza francesa o fio gelado das guilhotinas da Revolução. Foi preciso grande empenho dos advogados de defesa de Saint-Simon para inocentá-lo. Os gastos jurídicos levaram a revista L’organisateur à falência e ele próprio, que um dia possuíra enorme fortuna, à beira da indigência.

Na parábola saint-simoniana, a enérgica defesa de transformações sociais visando a melhoria objetiva das condições de vida dos mais pobres é inseparável da denúncia dos governantes incapazes, ociosos e perniciosos. Entende-se que essa denúncia tenha reativado nos círculos governantes da monarquia restaurada terríveis lembranças da França de 1789-1794, quando o absolutismo monárquico foi derrubado e a velha classe feudal implacavelmente dizimada pelos tribunais revolucionários. Mas no Brasil a ditadura militar terminou com conciliação e impunidade aos torturadores que o mortífero capitão de milícias defende. É nosso mundo invertido…

*Francisco Quartim de Moraes é doutorando em História Econômica na USP.

Notas


[1] Friedrich Engels, por exemplo, afirmou no Anti-Duhring (1877) que ele possuía: «(…) ampla e genial visão, que faz com que todas as ideias não estritamente econômicas dos socialistas posteriores a ele, sejam contidas em germe em sua obra.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Costa Júnior Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Airton Paschoa Berenice Bento Andrew Korybko Luiz Marques Roberto Noritomi José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Sacramento João Sette Whitaker Ferreira Juarez Guimarães João Feres Júnior Annateresa Fabris Marcelo Guimarães Lima Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Marcelo Módolo Tadeu Valadares Afrânio Catani Kátia Gerab Baggio Francisco Fernandes Ladeira Caio Bugiato Ricardo Fabbrini Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Walnice Nogueira Galvão Ronald Rocha Yuri Martins-Fontes Marcos Silva Dennis Oliveira Paulo Martins Carlos Tautz Ronaldo Tadeu de Souza Boaventura de Sousa Santos Maria Rita Kehl Bruno Machado Luis Felipe Miguel Leda Maria Paulani Osvaldo Coggiola Flávio Aguiar Luiz Roberto Alves Mário Maestri Marcus Ianoni Manchetômetro Valério Arcary Daniel Costa Atilio A. Boron José Machado Moita Neto Gerson Almeida Luciano Nascimento Renato Dagnino Slavoj Žižek João Paulo Ayub Fonseca Antonio Martins Elias Jabbour Ricardo Abramovay Benicio Viero Schmidt Henry Burnett João Carlos Salles José Dirceu Jorge Branco Anderson Alves Esteves Tarso Genro João Adolfo Hansen Daniel Brazil Chico Whitaker Ricardo Antunes João Lanari Bo José Luís Fiori Everaldo de Oliveira Andrade Ari Marcelo Solon Dênis de Moraes Paulo Sérgio Pinheiro Armando Boito Vanderlei Tenório Lucas Fiaschetti Estevez Celso Frederico Samuel Kilsztajn Carla Teixeira Francisco Pereira de Farias Igor Felippe Santos Alexandre de Freitas Barbosa Fábio Konder Comparato André Singer Paulo Nogueira Batista Jr Manuel Domingos Neto Marjorie C. Marona Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira Luiz Bernardo Pericás Claudio Katz Bernardo Ricupero Michael Roberts Denilson Cordeiro Celso Favaretto Luiz Werneck Vianna Liszt Vieira Jorge Luiz Souto Maior Thomas Piketty Rodrigo de Faria Eleonora Albano José Geraldo Couto Fernão Pessoa Ramos Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Lopes Antonino Infranca Luiz Renato Martins José Raimundo Trindade Tales Ab'Sáber Chico Alencar João Carlos Loebens Vladimir Safatle Érico Andrade Ricardo Musse Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Luiz Costa Lima Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Löwy Rafael R. Ioris Remy José Fontana Sandra Bitencourt Fernando Nogueira da Costa Lincoln Secco Anselm Jappe Otaviano Helene Gilberto Maringoni Jean Marc Von Der Weid Julian Rodrigues Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Eugênio Trivinho Flávio R. Kothe Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Eduardo Soares Antônio Sales Rios Neto Eliziário Andrade Mariarosaria Fabris Priscila Figueiredo Leonardo Boff Roberto Bueno Marilena Chauí Jean Pierre Chauvin Vinício Carrilho Martinez Eugênio Bucci Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Avritzer Milton Pinheiro Daniel Afonso da Silva Paulo Capel Narvai Rubens Pinto Lyra Luiz Carlos Bresser-Pereira André Márcio Neves Soares Sergio Amadeu da Silveira Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada