As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Capitalismo e democracia são incompatíveis

Imagem: Lara Mantoanelli
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GRACE BLAKELEY*

Apesar da previsão liberal de que a expansão dos mercados livres levaria a mais democracia, o autoritarismo só aumenta

Está se tornando cada vez mais difícil ignorar o fato de que a democracia em todo o mundo está em declínio.

Por um lado, muitos dos Estados mais poderosos do planeta – da China à Arábia Saudita – são governados por regimes autoritários que dão sinais de estar se fortalecendo. Por outro lado, o respeito pelas normas democráticas liberais – como o direito de protesto e a independência do judiciário – está em declínio nos regimes estabelecidos. E muitos Estados que pareciam caminhar para democracia – como Hungria e Turquia – estão presos em uma espécie de purgatório “democrático iliberal”.

Ao todo, cerca de 72% da população mundial vive sob alguma forma de regime autoritário, segundo alguns especialistas. Pesquisadores da Freedom House dizem que cerca de 38% da população mundial vive em países que podem ser classificados como “não livres”. O acadêmico liberal Larry Diamond classificou o declínio da democracia em todo o mundo de “recessão democrática”.

A erosão da democracia tem sido especialmente difícil para os liberais conceituarem. Afinal, as coisas não deveriam ser assim. A queda do Muro de Berlim deveria acabar com quaisquer questões remanescentes sobre a compatibilidade da democracia e do capitalismo. Este último inevitavelmente se expandiria, trazendo consigo direitos e liberdades que muitos no mundo rico passaram a considerar garantidos. O resto do mundo estava destinado a convergir para o modelo iniciado pelo Ocidente.

Os teóricos liberais e os formuladores dessas políticas desenvolveram uma série de argumentos para explicar a aparente contradição entre a expansão do capitalismo e o recuo da democracia.

Os que estão à direita do espectro político situam o problema nos “inimigos da democracia” estrangeiros. Para esses pioneiros da nova Guerra Fria, Xi Jinping e Vladimir Putin – embora curiosamente não Mohammed bin Salman ou Viktor Orban – são os culpados por fazerem lavagem cerebral nos povos ocidentais amantes da democracia com propaganda autoritária.

Centristas tendem a afirmar que o verdadeiro problema são os “extremistas de ambos os lados”, argumentando que socialistas democráticos como Bernie Sanders e Jeremy Corbyn, que nunca chegaram nem perto de alcançar o poder do Estado, compartilham tanta culpa pelo retrocesso democrático quanto os ex-líderes mundiais da direita populista como Boris Johnson e Donald Trump.

Qualquer avaliação do problema é, obviamente, inteiramente individualista. Muitos liberais acreditam sinceramente que o maior desafio para a democracia hoje são alguns “bandidos” corrompendo um sistema que, de uma forma geral, funciona bem.

Esses argumentos são, obviamente, totalmente absurdos. O apoio à democracia não está diminuindo por que os eleitores estão sofrendo lavagem cerebral com propaganda inimiga no TikTok. O apoio à democracia está diminuindo porque a democracia simplesmente não funciona da maneira que nos disseram que funcionaria.

Em primeiro lugar, a combinação de capitalismo e democracia deveria trazer prosperidade e progresso para todas as nações que a adotasse. Por um breve período após a queda do Muro de Berlim, quando a globalização tomou conta do mundo, essa história parecia verossímil. A crise financeira acabou com essa ilusão coletiva no Norte global. A geração que atingiu a maioridade durante a crise de 2008 teve que se ajustar à realidade de que provavelmente não estará em melhor situação do que seus pais.

Mas mesmo antes da crise financeira, a crise asiática do final da década de 1990 demonstrou para muitos no mundo em desenvolvimento que a abertura de seus mercados ao capital internacional pode ser uma receita para o desastre. Alguma combinação de autoritarismo e controle de mercado parecia a resposta natural.

Em segundo lugar, o progresso trazido pela democracia e pelo capitalismo deveria levar a mais democracia. Freios e contrapesos acabariam com a corrupção. Uma população instruída elegeria os líderes “certos”. E, em vez de fazer campanha com ideologias ultrapassadas, esses líderes competiriam por votos apelando para o “eleitor mediano”, trazendo moderação para sociedades anteriormente divididas.

Em vez disso, a corrupção está aumentando, a ideologia está de volta e as pessoas continuam elegendo os líderes “errados”. Afinal, criar sociedades tão estratificadas que a classe dominante mal consiga entender as preocupações dos eleitores comuns não seja uma receita tão infalível para a democracia.

Alguns comentaristas um pouco mais ponderados admitem que essa leitura incrivelmente simplista pode não captar toda a história. Numa nova série de podcasts para o Financial Times, Martin Wolf parece genuinamente preocupado com o futuro da democracia, aceitando uma pequena parte da culpa que recai sobre ele e os seus colegas.

O problema, Martin Wolf parece acreditar, é que os neoliberais, em todo o seu zelo pelo fim da história, ampliaram o livre mercado rápido demais. A terapia de choque dos anos 1990 não foi acompanhada de medidas para aliviar as tensões sociais e econômicas que trouxe consigo.

O argumento lembra aquele apresentado pelo teórico político Karl Polanyi, que acreditava que os mercados livres capitalistas se espalhavam rápido demais para que as sociedades se adaptassem. Aqueles cujas vidas e ideais foram ameaçados pela ascensão deste admirável mundo novo se oporiam à invasão da ‘sociedade de mercado’, muitas vezes apoiando homens fortes autoritários.

Liberais progressistas como Martin Wolf tendem a acreditar que a solução para o problema virá de alguma forma de capitalismo regulado. Frequentemente, esses comentaristas são keynesianos defendendo um retorno ao consenso social-democrata do pós-guerra.

Mas esse tipo de nostalgia não é mais saudável do que a manifestada pelos apoiadores de Donald Trump, que anseiam por retornar a um mundo anterior à disseminação da “ideologia de gênero”. Afinal, há uma razão pela qual o consenso keynesiano se desfez.

À medida que o crescimento econômico desacelerou, a batalha latente entre trabalhadores e empregadores que vinha borbulhando sob a superfície de repente explodiu no mainstream político. Sem os lucros excedentes extraídos do resto do mundo para manter esse conflito em segredo, a classe dominante ficou com apenas uma opção: a guerra total contra os trabalhadores.

Por esta razão, embora seja absolutamente óbvio que as democracias capitalistas precisam de algumas medidas para reduzir a desigualdade enquanto combatem o colapso climático, a visão capitalista progressista para o futuro não tem chance de ser aplicada. Resta apenas uma conclusão: capitalismo e democracia nunca foram realmente compatíveis, para começar.

*Grace Blakeley é jornalista, redatora do site Tribune.

Tradução: Ricardo Kobayaski.

Publicado originalmente no portal Jacobinlat.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Remy José Fontana Anderson Alves Esteves Marcelo Módolo Everaldo de Oliveira Andrade Boaventura de Sousa Santos José Raimundo Trindade Marcelo Guimarães Lima Paulo Sérgio Pinheiro Ronald León Núñez Henry Burnett Luciano Nascimento Andrew Korybko Marjorie C. Marona Leonardo Boff Ricardo Fabbrini Marilena Chauí Vanderlei Tenório Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcus Ianoni Paulo Martins Leonardo Sacramento Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Celso Favaretto Chico Alencar Valerio Arcary Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rodrigo de Faria José Luís Fiori Jorge Branco Maria Rita Kehl Benicio Viero Schmidt Rubens Pinto Lyra Daniel Costa Airton Paschoa Priscila Figueiredo Sandra Bitencourt Ronald Rocha Luís Fernando Vitagliano Alysson Leandro Mascaro Annateresa Fabris João Carlos Salles Antônio Sales Rios Neto Luiz Roberto Alves Armando Boito Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber Yuri Martins-Fontes Afrânio Catani Leonardo Avritzer Dennis Oliveira José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás Julian Rodrigues José Dirceu João Paulo Ayub Fonseca Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares Milton Pinheiro André Singer Francisco Pereira de Farias Flávio Aguiar Fernando Nogueira da Costa Michael Löwy Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Bernardo Ricupero Alexandre de Lima Castro Tranjan Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Afonso da Silva Tadeu Valadares Érico Andrade Berenice Bento Slavoj Žižek Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Vladimir Safatle Salem Nasser Gilberto Maringoni José Costa Júnior Eugênio Bucci Eduardo Borges Luiz Costa Lima Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa André Márcio Neves Soares Walnice Nogueira Galvão Eugênio Trivinho Chico Whitaker Dênis de Moraes Samuel Kilsztajn Fernão Pessoa Ramos Luiz Renato Martins Henri Acselrad João Carlos Loebens Mariarosaria Fabris Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade Gerson Almeida João Adolfo Hansen Lincoln Secco Michael Roberts Carlos Tautz Carla Teixeira Anselm Jappe Mário Maestri Atilio A. Boron Ronaldo Tadeu de Souza João Sette Whitaker Ferreira Paulo Fernandes Silveira Thomas Piketty Eleonora Albano Bento Prado Jr. José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Roberto Noritomi Jean Marc Von Der Weid Francisco Fernandes Ladeira Antonio Martins José Geraldo Couto João Feres Júnior Francisco de Oliveira Barros Júnior João Lanari Bo Flávio R. Kothe Paulo Nogueira Batista Jr Marcos Silva Vinício Carrilho Martinez Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Antonino Infranca Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Marques Elias Jabbour Gilberto Lopes Marcos Aurélio da Silva Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Luis Felipe Miguel Ricardo Abramovay Paulo Capel Narvai Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos Rafael R. Ioris Manuel Domingos Neto Liszt Vieira Caio Bugiato Daniel Brazil Valério Arcary Bruno Machado Heraldo Campos Renato Dagnino Ricardo Antunes Lorenzo Vitral Ari Marcelo Solon Eleutério F. S. Prado Osvaldo Coggiola Ricardo Musse Roberto Bueno

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada