As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Pelos que ficaram em Pistóia!

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

O Brasil precisa de Forças Armadas respeitadas

Ao dizer que o Exército estaria se associando ao genocídio, o ministro Gilmar Mendes falou o que os mais informados deveriam estar gritando há muito tempo.

O governo federal menospreza a vida dos brasileiros. Como instância pública responsável por coordenar o esforço nacional contra a pandemia, não cumpre o seu papel. Desrespeita o sofrimento da sociedade, manipula estatísticas, receita remédio ineficaz, agride a ciência, atrapalha governadores e prefeitos que lutam para atenuar a catástrofe. Age em favor da morte de multidões indefesas. É genocida.

Na linha de frente dessa disposição macabra estão os militares. Um general da ativa responde pelo Ministério da Saúde. Com a autorização do Comandante do Exército, deixou a tarefa para a qual foi preparado e assumiu outra da qual não tem noção. Camaradas seus ocupam na pasta as cadeiras em que deveriam sentar civis especializados.

A conta está chegando para as Forças Armadas e não é pequena, alertou Gilmar Mendes.

Além das dezenas de milhares de vítimas da pandemia, os brasileiros sofrerão crescentemente os efeitos da desastrosa política econômica, das estultices da política externa vassala de Washington, do desmonte do sistema de ensino, ciência e tecnologia, dos estragos no meio ambiente, da ameaça de extinção dos povos originários…

Tormentas e apertos que vivemos hoje serão pequenos diante do que nos espera no curtíssimo prazo. A responsabilidade pelos estragos será cobrada.

Oficiais reagiram indignados às palavras de Gilmar. O Ministro da Defesa, articulado com os comandantes, disse que o contingente militar mobilizado contra a pandemia seria superior ao enviado à Itália.

Não há limites para a insensatez. Esta comparação não tem cabimento.

Os generais devem um mínimo de respeito aos heróis que entregaram suas vidas na Itália. Eram homens de origem modesta, saídos das periferias das cidades e de vilarejos do interior. Deixaram o Brasil mal treinados, mal vestidos, desavisados do terror que teriam pela frente. No zunido das balas compreenderam que lutavam contra o tedesco feroz, o direitista extremado, fundamentalista, racista, terrorista, inimigo da democracia, insensível ao sofrimento dos povos do mundo, avesso ao que há de bom na civilização.

Alguns ficaram em Pistóia até 1962, quando seus restos passaram a repousar no Brasil. Morreram combatendo as proposições hoje defendidas por Bolsonaro. Comandantes vilipendiam ao usar a memória destes homens para se defender de seus erros. Os parentes dos pracinhas persistem espalhados nas periferias das cidades e pelos sertões afora. Constituem a maioria das vítimas da pandemia.

A FEB não foi à Itália decidir a guerra. Representou um modestíssimo contingente sob o comando do Exército Americano. Chegou quando a derrota do nazifascimo estava decretada. Mas o seu peso simbólico é imensurável: mostrou ao mundo a opção brasileira pela liberdade.

Pedir que não lhes sejam cobradas suas responsabilidades, comandantes? Como disse Flávio Dino, quem entra no jogo político tem que aprender a receber críticas.

Está passando da hora de o comandante Pujol reunir a família militar, encher os pulmões e ordenar: “pela memória dos que ficaram em Pistóia, abandonaaar cargos, sinecuras e prebendas! Meia volta, volver!”

O Brasil precisa de Forças Armadas respeitadas.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC. Foi presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e vice-presidente do CNPq.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antônio Sales Rios Neto Boaventura de Sousa Santos Denilson Cordeiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Abramovay Paulo Nogueira Batista Jr Manuel Domingos Neto João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Thomas Piketty Ricardo Musse André Singer Tales Ab'Sáber Armando Boito João Lanari Bo Igor Felippe Santos Caio Bugiato Luiz Carlos Bresser-Pereira Luciano Nascimento Flávio R. Kothe José Dirceu Francisco Fernandes Ladeira Eleonora Albano Bernardo Ricupero Osvaldo Coggiola Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira Paulo Martins Ronald Rocha Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais Maria Rita Kehl Valério Arcary Luiz Werneck Vianna Antonio Martins Michael Löwy Lucas Fiaschetti Estevez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Fabbrini Luiz Roberto Alves Eleutério F. S. Prado José Geraldo Couto Gilberto Maringoni Daniel Afonso da Silva Gerson Almeida Vanderlei Tenório Fábio Konder Comparato Marjorie C. Marona Fernão Pessoa Ramos Marcos Aurélio da Silva José Machado Moita Neto Rubens Pinto Lyra Eugênio Trivinho Paulo Sérgio Pinheiro Rafael R. Ioris Sergio Amadeu da Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henry Burnett Marilena Chauí Ladislau Dowbor Heraldo Campos Ronaldo Tadeu de Souza Benicio Viero Schmidt Celso Favaretto Rodrigo de Faria Érico Andrade Marcelo Guimarães Lima Roberto Bueno Luiz Marques Eliziário Andrade Leonardo Boff Michael Roberts Claudio Katz Luis Felipe Miguel Gabriel Cohn Andrew Korybko Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Liszt Vieira Leda Maria Paulani Henri Acselrad Luís Fernando Vitagliano Otaviano Helene Marcus Ianoni Tadeu Valadares Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Daniel Brazil Vladimir Safatle João Paulo Ayub Fonseca Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Julian Rodrigues Renato Dagnino Fernando Nogueira da Costa Eugênio Bucci Chico Whitaker Vinício Carrilho Martinez Dênis de Moraes Jean Marc Von Der Weid José Raimundo Trindade Leonardo Avritzer Mário Maestri Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Atilio A. Boron Elias Jabbour Luiz Bernardo Pericás Eduardo Borges Priscila Figueiredo Ari Marcelo Solon Flávio Aguiar João Sette Whitaker Ferreira Ronald León Núñez Carlos Tautz João Adolfo Hansen Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai Sandra Bitencourt Bento Prado Jr. Salem Nasser Walnice Nogueira Galvão Samuel Kilsztajn Afrânio Catani Marcos Silva Berenice Bento Marcelo Módolo Anderson Alves Esteves João Carlos Loebens Lorenzo Vitral João Carlos Salles Antonino Infranca José Costa Júnior Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento Bruno Machado Jorge Luiz Souto Maior Jorge Branco Paulo Fernandes Silveira Lincoln Secco Slavoj Žižek Gilberto Lopes Anselm Jappe Milton Pinheiro Roberto Noritomi Airton Paschoa Luiz Costa Lima Annateresa Fabris Daniel Costa José Luís Fiori Juarez Guimarães Celso Frederico Francisco Pereira de Farias Marilia Pacheco Fiorillo Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada