Professores, uni-vos!

Imagem: SL Wong
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

Um voto de protesto contra o discurso nefasto sobre o duro, incompreendido e desvalorizado ofício de professor

Uma das notícias mais tristes, nos últimos anos, foi constatar a existência de colegas que não só votaram no mitômano especializado em matar,[i] mas continuam a defendê-lo em 2023, apesar de tudo o que ele negou, distorceu, corrompeu e desfez; a despeito de todas as ignomínias que cometeu; apesar do absoluto deboche com que desgovernou as pessoas, as coisas, as culturas, as leis e as contas do país, em favor de si mesmo e de seus asseclas, todos situados muito abaixo da mediocridade.

Ora, se nem mesmo a hecatombe sanitária por negligência federal foi capaz de sensibilizar alguns professores durante a pandemia, o que o discurso leviano do seu filho poderia despertar? É nisso que tenho refletido desde que o deputado comparou “professores doutrinadores” a “traficantes” – em prejuízo moral dos educadores –, durante o final de semana, em ato que “coincidiu” com os seis meses do atentado aos três Poderes da República, no dia 8 de janeiro de 2023.

Alguém objetará que resulta inútil propor qualquer forma de diálogo com essa turma nefasta; mas, persisto.

Comecemos pela suspeita de que pouca gente lembra ou sabe que entre os antigos romanos, o verbo “doutrinar” subjazia o ato de lecionar, ou seja, era prática inerente à relação entre Mestre e Discípulo (veja-se o que ensinou Antônio Geraldo Cunha em seu Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa).

Entretanto, o correr dos séculos, a mudança dos regimes, as novas formas de conceber o mundo, emprestaram caráter pejorativo ao termo doutrinação. Se até o final do Oitocentos, doutrina traduzia um conjunto de preceitos e, por extensão, a ideia de sistema, o fato é que a palavra assumiu caráter negativo ao longo do século XX, especialmente quando ela passou a ser empregada como sinônimo de perversão, desvio ético e/ou intelectual dos “puros” alunos, por obra do professor “doutrinador”.

Se resgatar a etimologia de doutrina pode resultar em argumento inconsistente (já que foram atribuídas muitas camadas de sentido a essa palavra, ao longo dos séculos), consideremos o uso que Paulo Freire fez dela em Pedagogia do Oprimido – publicado em 1968. Contrariando o que disparam seus detratores sem tê-lo lido, repare-se que em nenhum momento ele defendeu o papel doutrinário do professor, mas o seu propósito libertário, no trabalho com os alunos.

Uma explicação possível. A concepção freiriana de ensino-aprendizagem pressupunha solidariedade contra antagonismo; educação crítica em lugar de escolarização ingênua. Em suma, superar a contradição oprimido-opressor envolveria a relação horizontal entre educador-educando e educando-educador.

A lição pode soar óbvia aos colegas familiarizados com a extensa obra de Paulo Freire; mas, provavelmente será condenada como peça de pedagogia “doutrinária” pela extrema direita e seus adeptos – especialistas em ressentimento que fingem acreditar nos absurdos que eles mesmos criam e disseminam, em nome de quimeras como “Pátria” (quintal dos EUA), “Deus” (da prosperidade), “Família” (das aparências) e “Propriedade” (do latifúndio improdutivo) etc.

O que seres dessa estirpe simulam esquecer é que não há professor neutro, tampouco ensino isento de parcialidade. O que eles teriam a dizer sobre coachs apologetas do neoliberalismo, que transferem toda a cota do insucesso para o indivíduo “fracassado”? Sobre instrutores que “ensinam” o empreendedorismo como se fosse um valor absoluto, alheio aos limites do indivíduo e infenso às assimetrias sociais? Sobre líderes “religiosos” que espoliam os fiéis mais carentes, em benefício próprio? Sobre sujeitos na política que se divertem enquanto alvejam os profissionais da educação?

Professores, uni-vos!

Eis o link para registrar seu voto de protesto contra o discurso nefasto sobre nosso duro, incompreendido e desvalorizado ofício: https://lucienecavalcante.com.br/foraeduardobolsonaro/#form

*Jean Pierre Chauvin é professor de Cultura e literatura brasileira na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros de Sete Falas: ensaios sobre tipologias discursivas.

Nota


[i] Depoimento feito em 2017. Cf. https://www.nytimes.com/pt/2022/03/31/opinion/bolsonaro-brazil-amazon.html


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronaldo Tadeu de Souza André Márcio Neves Soares Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Eleonora Albano Juarez Guimarães Mariarosaria Fabris Otaviano Helene Heraldo Campos Sandra Bitencourt Gerson Almeida Marcelo Módolo Caio Bugiato Luiz Carlos Bresser-Pereira José Machado Moita Neto Eleutério F. S. Prado Celso Favaretto Leda Maria Paulani Osvaldo Coggiola Marilia Pacheco Fiorillo Fernão Pessoa Ramos Remy José Fontana Lincoln Secco Marcus Ianoni Renato Dagnino Fábio Konder Comparato Anselm Jappe Henri Acselrad Denilson Cordeiro Dênis de Moraes José Costa Júnior Gabriel Cohn Henry Burnett Vladimir Safatle João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Marcos Silva Eugênio Bucci João Carlos Loebens Kátia Gerab Baggio Walnice Nogueira Galvão Michael Löwy Slavoj Žižek Alexandre de Freitas Barbosa Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Paulo Martins Michael Roberts José Micaelson Lacerda Morais Flávio R. Kothe Manchetômetro João Lanari Bo Tales Ab'Sáber Luiz Roberto Alves Antonio Martins Gilberto Maringoni Luís Fernando Vitagliano Jorge Branco Afrânio Catani Eduardo Borges Thomas Piketty Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Bernardo Pericás Ricardo Antunes Gilberto Lopes Yuri Martins-Fontes Dennis Oliveira Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald León Núñez Eliziário Andrade Jean Pierre Chauvin Celso Frederico Alexandre de Lima Castro Tranjan Eugênio Trivinho Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Eduardo Soares Daniel Costa Rodrigo de Faria Elias Jabbour Anderson Alves Esteves Marjorie C. Marona Érico Andrade Luiz Renato Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Salem Nasser Leonardo Boff Antonino Infranca Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Alysson Leandro Mascaro Chico Whitaker Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Leonardo Sacramento Paulo Sérgio Pinheiro Maria Rita Kehl Annateresa Fabris Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Tarso Genro Milton Pinheiro Andrés del Río João Paulo Ayub Fonseca Michel Goulart da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Luciano Nascimento Ricardo Fabbrini Ricardo Abramovay Julian Rodrigues Armando Boito Valerio Arcary José Dirceu Luiz Marques Daniel Afonso da Silva Matheus Silveira de Souza Paulo Capel Narvai Bernardo Ricupero André Singer João Sette Whitaker Ferreira Paulo Fernandes Silveira José Geraldo Couto Jorge Luiz Souto Maior Francisco Fernandes Ladeira Priscila Figueiredo Manuel Domingos Neto Mário Maestri Valerio Arcary Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Vanderlei Tenório João Carlos Salles José Raimundo Trindade Ladislau Dowbor Rubens Pinto Lyra Leonardo Avritzer Marcelo Guimarães Lima Andrew Korybko Tadeu Valadares Flávio Aguiar Ricardo Musse Bento Prado Jr. Boaventura de Sousa Santos Luis Felipe Miguel Carlos Tautz João Feres Júnior Berenice Bento Liszt Vieira Lorenzo Vitral Bruno Machado Chico Alencar Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Carla Teixeira José Luís Fiori Lucas Fiaschetti Estevez Vinício Carrilho Martinez Francisco Pereira de Farias Daniel Brazil

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada