As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Capitalismo versus… o que?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Maria Rita Kehl*

Um comentário crítico da coluna “Liberdade, igualdade, fraternidade” de Contardo Calligaris publicada no jornal Folha de S. Paulo

Li, com o interesse de sempre, a coluna de Contardo Calligaris no jornal Folha de S. Paulo no dia 5 de março. O tema é tão importante que tive vontade de entrar no debate. No caso, para discordar de alguns pontos que alicerçam os argumentos do colega psicanalista. O que é raro: concordo quase sempre com o que ele escreve. Aprendo a pensar melhor com a leitura de suas colunas, pois Contardo preserva a prática iluminista, antidogmática, de expor ao leitor o percurso de seu pensamento. Pensamos “junto com ele”. No caso da coluna “Liberdade, igualdade, fraternidade”, pensei e… discordei.

De acordo com seu argumento, é como se não houvesse alternativa ao capitalismo tal como ele se encontra hoje na quase totalidade dos países do planeta. E como se as experiências “socialistas” de Cuba e União Soviética, para não falar da Coréia do Norte, provassem que não é possível se pensar em alternativas para o capitalismo. O qual, diante disso, se torna cada vez mais selvagem.

Começo a dizer que discordo da polarização proposta pelo colunista. Igualdade (no socialismo) vs liberdade (no capitalismo). Se assim fosse, eu escolheria de olhos fechados a liberdade. Bom, convenhamos que para mim é fácil: estou na ponta privilegiada do capitalismo. Assim como ele e outros profissionais liberais, não tenho patrão. Nem salário garantido, claro, mas este é o preço de minha liberdade. Assim como outros profissionais liberais, nos momentos de crise econômica somos obrigados a trabalhar muito mais, pois as pessoas que atendemos nos pedem, com razão, para pagar menos.

Ainda assim, somos sortudos. Não temos patrão. Ninguém explora nossa força de trabalho, ninguém (a não ser nós mesmos) nos impõe jornadas exaustivas, ninguém nos ameaça de demissão quando tentamos resistir contra perdas salariais – ameaça cada vez mais real diante da fila dos desempregados batendo a porta de nosso empregador. Estes que, no desespero, aceitariam (e aceitam) ocupar nossa vaga, em condições ainda piores do que aquelas que recusaríamos ao patrão por achar abusivas. É nas crises econômicas que o regime capitalista mostra seu potencial de crueldade.

Por outro lado, a polarização Capitalismo x Socialismo abordada na coluna “Liberdade, igualdade, fraternidade” excluiu os países socialdemocratas, onde ainda é possível conciliar a redução da desigualdade com o pleno direito as liberdades individuais.

O Brasil, onde nós, das classes médias urbanas, desfrutamos de liberdades de escolha quase plenas, ainda não erradicou completamente o trabalho escravo. Os direitos trabalhistas das empregadas domésticas, instituídos por lei em 2013, certa vez foram contestados pela escritora Danuza Leão com o seguinte argumento: “…e se meus amigos velhinhos quiserem tomar um chá as 11 da noite? Não teriam esse direito?” Pensei em responder que, sim, talvez antes de começarem a conceder à serviçal o direito à jornada de oito horas, ela precisaria ministrar aos patrões duas ou três aulas sobre como se prepara um chá…

Não escrevo essas coisas para “ensinar” o que quer que seja a meu colega psicanalista e escritor. Trata-se de levar o debate adiante, na boa tradição iluminista em que incluo, por minha conta, o pensamento livre de Contardo Calligaris.

Hoje, é fácil criticar o socialismo cubano, por exemplo. Isolada, pelo bloqueio norte americano, dos países com os quais poderia ter intercâmbio comercial, Cuba tornou-se um país muito pobre. Mas ao chegar no aeroporto de Havana, o viajante se depara com um cartaz que diz: “No mundo todo, hoje, milhões de crianças dormem na rua

[perdão, não me lembro da cifra exata]

. Nenhuma delas é cubana”. Bom, propaganda cada um faz quanto quer. Só que, nesse caso, é verdade. Assim como também não há, em Cuba, crianças fora da escola.

Já no Brasil de hoje, um número cada vez maior de famílias vive nas ruas. Algumas perderam a casa recentemente: ao lado das sacolas e dos cobertores, o pedestre topa com colchões ainda em bom estado, um fogãozinho, livros escolares… desolador. O Brasil nunca foi comunista, nem espero que venha a ser. O grito de guerra da classe média irada contra os petistas – “vai pra Cuba!” – é ignorância ou má fé.

O Brasil, nos governos de esquerda moderadíssima do ciclo petista, não foi, nem de longe, “cubano”. Mas conseguiu promover alguma redução de desigualdade. Conseguiu incluir jovens negros, descendentes de escravos, nas universidades – com bom desempenho, por sinal. Conseguiu demarcar algumas terras indígenas, como a Raposa Serra do Sol, hoje ameaçada pela ganância do agronegócio. Conseguiu levar atendimento médico de qualidade a periferias e lugares isolados onde os médicos brasileiros não queriam trabalhar. Eram médicos cubanos. De excelente formação, por sinal. Mandados de volta em 2019, claro.

E por falar em Cuba… certa vez, num programa Roda Viva da TV Cultura, uma jornalista perguntou ao escritor cubano Leonardo Padura se ele tinha liberdade para escrever o que quisesse, em seu país. Ele respondeu: “tenho, sim. E essa pergunta, foi pensada por você ou seu editor mandou que você fizesse”? A moça engoliu em seco. Era jornalista do Estadão. O mesmo jornal que em 2010 cancelou minha coluna quando eu defendi – o que? O comunismo? Não: o Bolsa Família, modesto e eficiente instrumento de redução da miséria instaurado por lei aprovada pelo Congresso Nacional em 2004.

*Maria Rita Kehl é psicanalista, autora, entre outros livros, de O tempo e o cão (Boitemo).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Valério Arcary Anselm Jappe Jorge Branco Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon Osvaldo Coggiola Mariarosaria Fabris Paulo Capel Narvai Milton Pinheiro José Luís Fiori Walnice Nogueira Galvão Henri Acselrad Sergio Amadeu da Silveira Fernando Nogueira da Costa Alexandre de Freitas Barbosa Marjorie C. Marona Juarez Guimarães Eliziário Andrade José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Fábio Konder Comparato Ricardo Abramovay Liszt Vieira Ronald León Núñez Lincoln Secco Ronald Rocha Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira Tarso Genro Flávio R. Kothe Roberto Bueno Annateresa Fabris Gerson Almeida Salem Nasser Antonio Martins Mário Maestri Michael Löwy Chico Alencar João Adolfo Hansen Luís Fernando Vitagliano Marilia Pacheco Fiorillo Bruno Machado Otaviano Helene Francisco Pereira de Farias Luiz Bernardo Pericás Marcelo Módolo Afrânio Catani Vladimir Safatle Airton Paschoa Heraldo Campos Roberto Noritomi José Micaelson Lacerda Morais Eleonora Albano Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos João Carlos Salles Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko Michael Roberts Luiz Renato Martins Luiz Costa Lima Tales Ab'Sáber Vinício Carrilho Martinez Marcelo Guimarães Lima Kátia Gerab Baggio Leonardo Boff Jorge Luiz Souto Maior Remy José Fontana Priscila Figueiredo André Singer Eugênio Trivinho Chico Whitaker Celso Favaretto André Márcio Neves Soares Ricardo Musse Samuel Kilsztajn Gilberto Lopes Luiz Werneck Vianna Thomas Piketty Alysson Leandro Mascaro Jean Marc Von Der Weid Celso Frederico Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Antunes Luiz Marques Dennis Oliveira João Sette Whitaker Ferreira Gilberto Maringoni Daniel Costa João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira Manchetômetro Rubens Pinto Lyra Julian Rodrigues Sandra Bitencourt Alexandre de Lima Castro Tranjan Carla Teixeira Vanderlei Tenório Bernardo Ricupero Flávio Aguiar Caio Bugiato Luis Felipe Miguel Daniel Brazil Ladislau Dowbor Daniel Afonso da Silva Érico Andrade Lucas Fiaschetti Estevez João Lanari Bo Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos Antonino Infranca Marilena Chauí Elias Jabbour João Feres Júnior Slavoj Žižek Henry Burnett Dênis de Moraes Maria Rita Kehl Everaldo de Oliveira Andrade Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade José Costa Júnior Ricardo Fabbrini Tadeu Valadares Armando Boito Rafael R. Ioris Marcus Ianoni Gabriel Cohn Alexandre Aragão de Albuquerque Claudio Katz José Dirceu Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares José Machado Moita Neto Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Berenice Bento Denilson Cordeiro Renato Dagnino Luiz Roberto Alves Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anderson Alves Esteves João Paulo Ayub Fonseca Atilio A. Boron Manuel Domingos Neto Bento Prado Jr. Luciano Nascimento Yuri Martins-Fontes Rodrigo de Faria Eugênio Bucci Carlos Tautz Paulo Sérgio Pinheiro Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada