Hegel, Alexandre Kojève e Eric Weil

Imagem: Carl Magnus
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARI MARCELO SOLON*

Nota sobre o livro recém-publicado de Edoardo Raimondi

O Hegel de Alexandre Kojève é o Hegel russo. É a secularização da teologia do saber absoluto, da Sophia de que falava Soloviev.

No fim da história, o sábio enxerga o reconhecimento universal e homogêneo de todos. É a eliminação da dialética do senhor e do escravo na realização na Terra do reino dos céus, o comunismo.

No livro Hegel e o Estado, entretanto, Eric Weil também defende a visão kojeviana de que Hegel não é um pensador do totalitarismo, mas da liberação do homem da servidão.

Qual a diferença? A diferença se encontra no fim da história de Eric Weil, apesar das premissas hegeliano-marxistas, não chega à conclusão existencialista de Alexandre Kojève.

Eric Weil é ainda influenciado pelo neokantismo de Max Weber e pela Lebensphilosophie de Wilhelm Dilthey com a relativização de valores absolutos.

Enquanto Alexandre Kojève parte de Platão, o crente Eric Weil se espelha no realismo aristotélico.

O livro, no entanto, é bem mais minucioso e detalhista do que essas minhas teses gerais. Portanto, vale a pena ser lido como uma contribuição definitiva no embate de dois resistentes franceses.

Alexandre Kojève, em grupos que o levaram à linha de frente dentro do exército alemão tentando libertar prisioneiros franceses, enquanto Eric Weil, escondendo sua origem judaica, internado não em um campo de extermínio, mas em um campo de prisioneiros de soldados franceses.

Eles são, no pós-guerra, revolucionários, cada qual de sua respectiva maneira: um do saber absoluto, da Sophia, o outro de uma moral (neokantiana) revitalizada.

*Ari Marcelo Solon é professor da Faculdade de Direito da USP. Autor, entre outros, livros, de Caminhos da filosofia e da ciência do direito: conexão alemã no devir da justiça (Prismas).

Referência


Edoardo Raimondi. Hegel tra Alexandre Kojève ed Eric Weil: Storia, filosofia e politica all’ombra del Sapere Assoluto. Milano, Mimesis, 2023, 270 págs (https://amzn.to/45850YS).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES