O favoritismo de Lula

Imagem Max Andrey
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLOS EDUARDO BELLINI BORENSTEIN*

O ex-presidente consolida seu nome à esquerda e avança em direção ao centro em busca da construção de uma frente ampla

A fase da pré-campanha para a sucessão de outubro tem um favorito neste momento: o ex-presidente Lula (PT). Essa constatação pode ser observada não apenas pelas pesquisas de intenção de voto, mas, principalmente, quando analisamos aspectos da sucessão presidencial que vão além da frieza dos números das sondagens.

A disputa presidencial deste ano, ao contrário de 2018, terá a economia como a pauta central da eleição. Como consequência, a narrativa da antipolítica, que possibilitou a vitória de um candidato percebido como um outsider em 2018 – o hoje presidente Jair Bolsonaro – e a pauta anticorrupção perderam espaço na agenda.

Com a economia no centro do debate eleitoral, há dois aspectos que se conectam diretamente com a imagem de Lula:  (1) os oito anos de governos Lula (2003-2010) foi o último período em que a economia do país cresceu e houve a ascensão social de um expressivo contingente da população; e (2) o histórico de vida e político do ex-presidente se conectam com os segmentos da classe trabalhadora que são a maioria da população e foram os mais penalizados socialmente com a retração do PIB e o aumento da inflação e do desemprego.

Importante destacar que o grande desafio do candidato em uma campanha é se conectar com as demandas prioritárias da agenda eleitoral que tornem sua candidatura atraente para a maioria do eleitorado, principalmente para o chamado “eleitor médio”, que é a parcela do mercado eleitoral que processa sua decisão de voto não apenas por motivos ideológicos, mas também por um conjunto de variáveis que impactam positiva ou negativa no seu dia a dia.

Hoje, quem consegue se conectar com esse eleitorado é Lula. Mais do que isso, seus principais adversários devem ter dificuldades de conseguir essa conexão, salvo a ocorrência de um fato novo.

Jair Bolsonaro, por exemplo, é o candidato de um governo mal avaliado. Tem uma base conservadora consolidada no campo da extrema-direita, mas está cada vez mais distante do centro. Sergio Moro (Podemos) possui a narrativa do lavajatismo, que ainda seduz uma parcela dos eleitores de maior renda dos grandes centros urbanos que rompeu com o bolsonarismo, mas sua narrativa lembra muito 2018.

João Doria (PSDB) conta com a máquina de São Paulo na mão, porém tem uma agenda essencialmente fiscalista. Seu programa lembra muito a “Ponte para o Futuro” do governo Michel Temer (MDB).

E Ciro Gomes (PDT), embora tenha uma narrativa simpática a alguns segmentos do campo progressista, tem o desafio de se reposicionar e atrair o voto de centro, o que é improvável que aconteça por conta da pulverização de candidaturas da chamada terceira via e pelas resistências que o nome de Ciro possui junto ao eleitor mais conservador.

Neste cenário, Lula vem conseguindo hegemonizar o voto de esquerda/centro-esquerda, além de esboçar movimentos em direção ao centro. Embora ainda haja questões a serem equacionadas, a federação unindo PT, PSB, PCdoB e PV deve se viabilizar e isolar Ciro e o PDT. Aliás, há setores no PDT que internamente defendem uma composição com Lula já no primeiro turno. O mesmo ocorre com o PSOL, outro partido importante do campo progressista.

Além de consolidar seu nome à esquerda, Lula avança em direção ao centro democrático em busca da construção de uma frente ampla contra o bolsonarismo. Além da provável indicação do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (Sem partido) com seu vice, Lula estreita o diálogo com o chamado “PSDB da Constituinte”.

Após encontros com o ex-presidente FHC, o senador Tasso Jereissati, e o ex-ministro Aloysio Nunes Ferreira, além de citar o senador José Serra e lembrar do falecido ex-governador Mario Covas, o ex-presidente também tem dialogado com o PSD de Gilberto Kassab e setores do MDB, principalmente da região Nordeste.

*Carlos Eduardo Bellini Borenstein é graduado em ciência política pela ULBRA-RS.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Lanari Bo Valerio Arcary Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Leonardo Boff Jorge Branco Luiz Marques Alysson Leandro Mascaro Mariarosaria Fabris Paulo Nogueira Batista Jr Jean Marc Von Der Weid Leda Maria Paulani Luis Felipe Miguel Everaldo de Oliveira Andrade Chico Whitaker Ricardo Abramovay Sandra Bitencourt Michael Roberts Eliziário Andrade Thomas Piketty Bento Prado Jr. Fernão Pessoa Ramos Renato Dagnino Marilena Chauí Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour Eduardo Borges Fábio Konder Comparato Ricardo Fabbrini Ricardo Musse Eleutério F. S. Prado Leonardo Avritzer Afrânio Catani Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Lima Castro Tranjan Tales Ab'Sáber Vladimir Safatle Liszt Vieira Milton Pinheiro Samuel Kilsztajn João Carlos Salles Antonio Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Remy José Fontana Alexandre de Freitas Barbosa Gerson Almeida Ari Marcelo Solon Manuel Domingos Neto Luciano Nascimento Salem Nasser José Geraldo Couto Eleonora Albano Luiz Roberto Alves Henry Burnett José Costa Júnior Jorge Luiz Souto Maior Tarso Genro João Feres Júnior Marilia Pacheco Fiorillo José Micaelson Lacerda Morais Ronald Rocha Anselm Jappe Paulo Capel Narvai Atilio A. Boron José Luís Fiori Luiz Werneck Vianna Jean Pierre Chauvin André Singer José Dirceu Carlos Tautz Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Martins Gilberto Maringoni Tadeu Valadares João Carlos Loebens Boaventura de Sousa Santos Maria Rita Kehl Vanderlei Tenório Airton Paschoa Heraldo Campos Ronald León Núñez Daniel Brazil Luiz Eduardo Soares Michael Löwy João Sette Whitaker Ferreira André Márcio Neves Soares Francisco Fernandes Ladeira Henri Acselrad Anderson Alves Esteves Marjorie C. Marona Berenice Bento Andrew Korybko Luís Fernando Vitagliano Dennis Oliveira Otaviano Helene Rafael R. Ioris Walnice Nogueira Galvão Annateresa Fabris Andrés del Río Bernardo Ricupero Marcus Ianoni Gilberto Lopes Flávio Aguiar Lincoln Secco Fernando Nogueira da Costa Ricardo Antunes Leonardo Sacramento Marcos Aurélio da Silva Slavoj Žižek José Machado Moita Neto Flávio R. Kothe Marcos Silva Chico Alencar Benicio Viero Schmidt Caio Bugiato Paulo Fernandes Silveira Érico Andrade Lucas Fiaschetti Estevez José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Dênis de Moraes Lorenzo Vitral Marcelo Módolo Mário Maestri Antonino Infranca Matheus Silveira de Souza Julian Rodrigues Rodrigo de Faria Claudio Katz Celso Frederico Luiz Renato Martins Priscila Figueiredo Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Ladislau Dowbor Eugênio Bucci Francisco Pereira de Farias Eugênio Trivinho Armando Boito Ronaldo Tadeu de Souza Michel Goulart da Silva João Paulo Ayub Fonseca Daniel Costa Denilson Cordeiro Bruno Machado Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Afonso da Silva Carla Teixeira Antônio Sales Rios Neto Yuri Martins-Fontes Luiz Carlos Bresser-Pereira Igor Felippe Santos Osvaldo Coggiola Sergio Amadeu da Silveira Luiz Bernardo Pericás João Adolfo Hansen Juarez Guimarães

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada