Por que voltamos às ruas

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GRUPO DE AÇÃO*

Carta-manifesto do Ato “Fora Bolsonaro!”de 04 de julho

Aqueles que fingem nos governar gostariam de eliminar do povo brasileiro a capacidade de se indignar diante da morte. Este é o verdadeiro projeto de governo: naturalizar valas e mais valas com corpos de brasileiras e brasileiros, resultado do descaso e do escárnio; criar uma sociedade insensível ao desaparecimento; fazer deste país um cemitério de silêncio, sobre o qual reina a indiferença. O Brasil, construído em cima dos genocídios negro e indígena, assiste agora a mais uma onda de genocídio: o das camadas mais pobres e vulneráveis de nosso povo, morrendo sem direito ao luto e à dor e, se não morrendo, desesperado diante da miséria e do desemprego que o obriga a sair às ruas e “voltar ao normal”. Essa condição, novamente, atinge desproporcionalmente mais a população negra e indígena. Diante do mundo todo, o Brasil desponta não apenas como o epicentro da pandemia, mas como o epicentro dos mortos sem luto. Nenhuma sociedade pode sobreviver a isto.

​Um governo, cujo verdadeiro horizonte é o sacrifício indiferente de seu próprio povo, não pode continuar sequer mais um dia. A pandemia colocou a céu aberto a máquina de morte que o impulsiona. Aqueles que aplaudiam torturadores, assassinos de Estado e milicianos especializados em extorquir o povo pobre não poderiam nos dar nada diferente disto. Aqueles que vieram dos porões mais sombrios da ditadura militar, das fazendas onde ainda se encontra trabalho escravo, das serras-elétricas que ainda pulsam com o ritmo colonial da conquista, dos bancos que veem esta terra apenas como um espaço de exploração, só poderiam ter como projeto de governo a naturalização da morte em massa. Contra isto, estaremos mais uma vez nas ruas e até que este governo neofascista e genocida caia.

Que nesta manifestação cada um e cada uma carregue uma foto dos mortos pela violência do Estado, seja ela produto da negligência no enfrentamento da pandemia, da violência policial, do massacre das populações indígenas, do desaparecimento na luta contra a ditadura. Que cada um e cada uma fale em alta voz o nome daquelas e daqueles que o governo quer que esqueçamos. Que façamos o digno luto daquelas e daqueles que o governo quer queimar no altar da economia para poucos.

Você é importante para esta luta. Este não é o destino de nosso país e podemos mudar essa história. Venha no dia 04 de julho, às 14 horas, diante do MASP. Este ato tem como premissa garantir a segurança de todas e todos dentro deste cenário, em que a mobilização se dá presencialmente. Respeite as medidas sanitárias de distanciamento e proteção. Venha lutar conosco!

#ForaBolsonaro!

*Grupo de Ação é um grupo apartidário e espontâneo de ativistas, artistas, advogadas, professores, profissionais de saúde, estudantes, editoras e comunicadores.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento Marjorie C. Marona Rodrigo de Faria José Machado Moita Neto Leonardo Boff Eugênio Trivinho Antônio Sales Rios Neto Anselm Jappe Flávio R. Kothe Luiz Marques Carlos Tautz Marilena Chauí Otaviano Helene Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini João Carlos Salles Walnice Nogueira Galvão Dennis Oliveira Renato Dagnino Alexandre de Freitas Barbosa André Singer José Raimundo Trindade Leonardo Avritzer Gabriel Cohn João Carlos Loebens José Micaelson Lacerda Morais Fernão Pessoa Ramos Chico Whitaker Juarez Guimarães Francisco Pereira de Farias Andrew Korybko Rafael R. Ioris Luiz Roberto Alves Paulo Martins Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Marcelo Guimarães Lima Luciano Nascimento Francisco de Oliveira Barros Júnior Valerio Arcary João Lanari Bo Manuel Domingos Neto Eduardo Borges Luiz Werneck Vianna Antonio Martins Thomas Piketty Sandra Bitencourt Ronald Rocha Ronaldo Tadeu de Souza Elias Jabbour Luiz Renato Martins Andrés del Río João Adolfo Hansen José Costa Júnior Mário Maestri Celso Favaretto Paulo Fernandes Silveira Michael Roberts Slavoj Žižek Celso Frederico Ricardo Abramovay Dênis de Moraes Claudio Katz Liszt Vieira Daniel Brazil Atilio A. Boron Henry Burnett Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Kátia Gerab Baggio Marcos Silva Bruno Machado Eleutério F. S. Prado Berenice Bento Ricardo Antunes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Matheus Silveira de Souza Chico Alencar José Dirceu Igor Felippe Santos Paulo Sérgio Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Maringoni Eleonora Albano Heraldo Campos João Paulo Ayub Fonseca Michael Löwy Ricardo Musse Bento Prado Jr. Priscila Figueiredo Tales Ab'Sáber Mariarosaria Fabris Luiz Bernardo Pericás Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary Daniel Costa Vinício Carrilho Martinez Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Anderson Alves Esteves João Feres Júnior Vanderlei Tenório Daniel Afonso da Silva Eliziário Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Fábio Konder Comparato Armando Boito Remy José Fontana José Luís Fiori Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre de Lima Castro Tranjan Rubens Pinto Lyra Antonino Infranca Ari Marcelo Solon Fernando Nogueira da Costa Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Jorge Branco Tadeu Valadares João Sette Whitaker Ferreira José Geraldo Couto Denilson Cordeiro André Márcio Neves Soares Leda Maria Paulani Tarso Genro Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Samuel Kilsztajn Érico Andrade Vladimir Safatle Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Luiz Souto Maior Afrânio Catani Marcus Ianoni Gerson Almeida Yuri Martins-Fontes Ladislau Dowbor Lorenzo Vitral Eugênio Bucci Bernardo Ricupero Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris Luis Felipe Miguel Ronald León Núñez Julian Rodrigues Airton Paschoa Michel Goulart da Silva Salem Nasser Gilberto Lopes Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Luís Fernando Vitagliano Manchetômetro Paulo Capel Narvai Benicio Viero Schmidt Milton Pinheiro Henri Acselrad Boaventura de Sousa Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada