As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Curitiba tem o germe do fascismo?

Imagem: Leonardo Dourado
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Pedro Benedito Maciel Neto*

O longo histórico da capital paranaense com o pensamento de direita e o autoritarismo

“Curitiba gerou Bolsonaro. Curitiba tem o germe do fascismo. Inclusive todas as práticas que desenvolvem. Investigações a sorrelfa e atípicas”

Gilmar Mendes

Recentemente Gilmar Mendes voltou a criticar Sergio Moro enquanto juiz da Operação Lava Jato de Curitiba. Em sua participação no programa Roda Viva, da TV Cultura, ele relacionou a atuação dos integrantes da força-tarefa de Curitiba com a ascensão da extrema-direita no País.

Concordo com Gilmar, mas há quem não concorde, por isso fui pesquisar.

Descobri que em 1955 Curitiba deu mais votos a Plínio Salgado, figura emblemática do integralismo no Brasil, do que a Juscelino Kubitschek na eleição presidencial, isso mesmo, o integralismo venceu JK na capital das araucárias.

Um pouco de história.

Nos anos 1930, o Brasil foi palco da atuação de um dos mais significativos movimentos políticos de extrema-direita no país: a Ação Integralista Brasileira, cujo surgimento pode ser relacionado ao conjunto de fatores sociais, econômicos, políticos e culturais do período.

A conjugação entre a crise econômica mundial – com reflexos sobre o Brasil -, o descrédito na democracia liberal, a ascensão das camadas populares, simultaneamente ao surgimento de movimentos políticos radicais ou revolucionários  e o fortalecimento dos ideais autoritários – tendo como principais representantes do período o nazismo e o fascismo – fez com que o terreno da história do período se tornasse fértil para um movimento que se propunha a construir uma “nova sociedade”, cujos pilares seriam a  harmonia  social,  a  renovação  espiritual  frente  ao capitalismo, a disciplina, a hierarquia e o fortalecimento do Estado, destruindo a velha sociedade da “desordem”, do liberalismo desenfreado, do individualismo egoísta e do fraco poder político nos moldes liberais.

Mas quem foi Plinio Salgado e o que foi o integralismo que seduziram Curitiba?

Plinio Salgado foi um político ultraconservador, que fundou e liderou a “Ação Integralista Brasileira”, partido autodenominado “nacionalista católico”, inspirado nos princípios do movimento fascista italiano.

O fundador do partido integralista brasileiro foi também adepto da ditadura Vargas, mas, acusado de subversão, foi preso por Vargas e exilou-se em Portugal, apoiando-se em Salazar, outro fascista, tendo apoiado a ditadura de 1964.

Jorge Amado, adversário político e ideológico de Plinio Salgado, além de membro do PCB, comentou a obra literária de Plínio Salgado em O Cavaleiro da Esperança, biografia de Prestes, dizendo que: “Nunca em todo o mundo, incluindo o futurismo de Marinetti no fascio italiano, incluindo as teorias árias do nazismo alemão, nunca se escreveu tanta idiotice, tanta crendice, em tanta má literatura, como fez o integralismo no Brasil. Foi um momento em que o maior que o ridículo só era a desonestidade. Plinio Salgado, “fuhrer de opereta”, messias de teatro barato, tinha o micróbio da má literatura….”[i].Critica pesada, não posso concordar, nem discordar porque não li nenhuma obra literária de Salgado.

E o integralismo?

A Ação Integralista Brasileira, foi um movimento político ultranacionalista, corporativista, conservador, de extrema-direita e inspirado no fascismo italiano e na doutrina social da Igreja Católica do início do século XX, fundada por Plinio Salgado em 1932.

A relação entre o integralismo e o fascismo é evidente e inegável.

O integralismo é a manifestação brasileira do pensamento fascista, que tinha forte apelo na década de 1930. Apesar de boa parte dos seus membros negarem a relação com o nazismo, existiram integralistas que defendiam ideais antissemitas. O integralista Gustavo Barroso, por exemplo, responsável pelos movimentos antissemitas, deu notável contribuição à ideologia de extrema-direita com a tradução e defesa do livro Os Protocolos dos Sábios de Sião, texto que influenciou o nazismo e que permanece em circulação até os dias atuais.

A ideologia integralista combate tanto o comunismo como o liberalismo econômico, pois entende que esses dois posicionamentos ideológicos são semelhantes devido à sua “unidade de raízes teóricas”, unidades de valores e unidade de fins, configurando-se, para ele, em duas doutrinas igualmente materialistas.

Para a ideologia integralista, o materialismo histórico, ou seja, a busca da compreensão das relações entre o trabalho e a produção de bens materiais ao longo da história ou, considerar o ser humano exclusivamente sob seus aspectos econômicos e materiais, seria a base do que se chama “civilização burguesa” e é a grande influência para a formação tanto do liberalismo econômico como do comunismo.

Muita bobagem, não é?

Bem, para Plínio Salgado a chamada “burguesia” não é uma classe social ou econômica e sim um estado de espírito, e, nas palavras de Miguel Reale, pai do jurista que assinou o pedido de impeachment de Dilma Rousseff: “Desde que o marxismo passou a ser a crítica da sociedade capitalista e (…) um método cômodo de estudar a sociedade burguesa, muitas ideias acessórias vieram se unir à tese fundamental da limitação da propriedade individual ou da sua supressão. Hoje em dia não é mais possível separá-las. O ateísmo, a abolição da família, o internacionalismo dos povos, o materialismo em todos os sentidos da vida, tudo está tão entrelaçado ao ideal socialista, que nos deparamos com um grande paradoxo: É preciso ter espírito estritamente burguês para abraçar o comunismo”[ii]

Sim, é muita bobagem.

Em síntese, o integralismo é uma importação do pensamento autoritário europeu de tipo nazifascista, é expressão da ideologia autoritária brasileira que utiliza o pensamento europeu nacionalmente, preenchendo-o com conteúdo locais.  A importação de ideias ocorre por se tratar de um pensamento autoritário, pois faz parte da lógica autoritária encontrar um “saber” já realizado, evitando-se o risco da elaboração do conhecimento e temendo o novo e o inédito. Assim, torna-se clara a debilidade teórica e a exigência de importar ideias já consagradas.

Ou seja, Curitiba em 1955 deu a um entusiasta do fascismo e do nazismo, a um antissemita e racista, a vitória na corrida pela presidência da república.

E na capital das araucárias nascerá no final de agosto de 2023 algo ainda mais patético, um tal “Foro de Curitiba”, cujo objetivo é “enfrentar a ideologia comunista, traçando um caminho que se estende desde a Escola de Frankfurt e Antonio Gramsci até o Foro de São Paulo”[iii].

O “Foro de Curitiba” nem nasceu ainda, mas já repete a cantilena integralista e lavajatista, dizendo ter “suas raízes firmemente plantadas em valores éticos, morais e princípios cristãos”, reforçando o direito inalienável de todos os cidadãos à liberdade.

E, para que não existam dúvidas sobre de que lado estão os curitibanos do tal foro, eles apoiam Bolsonaro e pleiteiam sua anistia, além de agradecerem aos “patriotas” que participaram de acampamentos em frente aos quartéis e que foram às ruas pela “liberdade e democracia” (é assim que eles chamam a barbárie de 12/12, 24/12 e 8/1).

Em resumo, Gilmar Mendes tem razão, Curitiba gerou Bolsonaro e tem o germe do fascismo.

Essas são as reflexões.

*Pedro Benedito Maciel Neto é advogado e mestre em processo civil pela PUC SP. Autor de Reflexões sobre o estudo do direito (ed. Komedi).

Notas


[i] Amado, Jorge. O Cavaleiro da Esperança. Rio de Janeiro: Record, 34ª ed. 1987. pp. 270. 378 páginas.

[ii] Reale, Miguel. O Estado Moderno. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1934

[iii] https://www.reporterpb.com.br/noticia/politica/2023/07/04/em-meio-a-crise-moral-brasileira-nasce-o-foro-de-curitiba/144960.html


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Capel Narvai Daniel Brazil Manuel Domingos Neto Marilena Chauí Eleutério F. S. Prado Armando Boito Eliziário Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Antonio Martins Luiz Bernardo Pericás Fernão Pessoa Ramos Fernando Nogueira da Costa Vladimir Safatle Roberto Bueno Celso Favaretto Luiz Renato Martins Francisco Fernandes Ladeira Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Abramovay João Sette Whitaker Ferreira Afrânio Catani Luís Fernando Vitagliano Daniel Costa Claudio Katz Vanderlei Tenório Francisco Pereira de Farias Airton Paschoa Paulo Martins Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Flávio Aguiar Luiz Eduardo Soares Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris José Luís Fiori Eugênio Trivinho Gilberto Lopes Lorenzo Vitral Ronald Rocha Alexandre de Freitas Barbosa Chico Whitaker Gerson Almeida Igor Felippe Santos Gabriel Cohn Henri Acselrad Julian Rodrigues Benicio Viero Schmidt Rodrigo de Faria João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Marcos Silva Leonardo Boff Elias Jabbour Érico Andrade Anderson Alves Esteves Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Antônio Sales Rios Neto Manchetômetro Luiz Roberto Alves Mário Maestri Jorge Branco Daniel Afonso da Silva Dennis Oliveira Paulo Fernandes Silveira Caio Bugiato Bernardo Ricupero Antonino Infranca Ricardo Musse José Micaelson Lacerda Morais João Lanari Bo Samuel Kilsztajn Everaldo de Oliveira Andrade Annateresa Fabris Tales Ab'Sáber Flávio R. Kothe Ari Marcelo Solon Anselm Jappe João Adolfo Hansen Carla Teixeira Ricardo Antunes Juarez Guimarães Lincoln Secco Boaventura de Sousa Santos Tarso Genro Paulo Nogueira Batista Jr Slavoj Žižek José Dirceu Mariarosaria Fabris Carlos Tautz José Costa Júnior João Carlos Salles Leonardo Avritzer Renato Dagnino Atilio A. Boron Dênis de Moraes Marjorie C. Marona Eleonora Albano Ronald León Núñez José Machado Moita Neto Luiz Marques Fábio Konder Comparato Marcus Ianoni Maria Rita Kehl Sergio Amadeu da Silveira Michael Roberts João Paulo Ayub Fonseca Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Fabbrini Jorge Luiz Souto Maior Denilson Cordeiro Luiz Werneck Vianna Marcos Aurélio da Silva Jean Pierre Chauvin Berenice Bento Bento Prado Jr. Walnice Nogueira Galvão Thomas Piketty Remy José Fontana Michael Löwy Jean Marc Von Der Weid Yuri Martins-Fontes Kátia Gerab Baggio Priscila Figueiredo Alysson Leandro Mascaro Henry Burnett Celso Frederico Tadeu Valadares Salem Nasser Chico Alencar Leonardo Sacramento Bruno Machado Eduardo Borges Gilberto Maringoni Valerio Arcary Milton Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior José Raimundo Trindade Marcelo Módolo Valério Arcary Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira Vinício Carrilho Martinez Eugênio Bucci Plínio de Arruda Sampaio Jr. Otaviano Helene André Singer Alexandre de Lima Castro Tranjan André Márcio Neves Soares Heraldo Campos Luciano Nascimento Luiz Costa Lima Leda Maria Paulani João Feres Júnior Roberto Noritomi Andrew Korybko Marcelo Guimarães Lima Lucas Fiaschetti Estevez José Geraldo Couto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada