Eleger Lula é um imperativo

Imagem: Lukas Hartmann
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERICK ARGÔLO*

O caminho traçado pelo bolsonarismo e o imperativo de eleger Lula

O caminho que os bolsonaristas estão traçando é evidente. E é necessário divulgá-lo, para que se tenha plena consciência do que está em jogo nessas eleições.

 

Primeiro passo: emparedar o STF

Jair Bolsonaro já tem dois dos 11 ministros do STF nomeados por ele, Nunes Marques e André Mendonça. Em 2023, se aposentarão compulsoriamente Ricardo Lewandowski e Rosa Weber.

Se Jair Bolsonaro for presidente, indicará mais dois, tendo quatro em 11, perto da metade. Como os parlamentares bolsonaristas, somados ao centrão, podem alcançar quórum no Congresso para aprovar impeachment de ministro do STF, eles vão tentar chantagear ministros para virem para o lado deles.

Outro caminho, paralelo, já vem sendo anunciado. Aprovar uma emenda (que eles têm quórum para fazer) para aumentar o número de ministros no STF de 11 para 15 (Cf. https://noticias.uol.com.br/eleicoes/2022/10/07/eleito-senador-mourao-sugere-mudancas-no-stf-alem-do-aumento-de-cadeiras.htm).

Com isso, Jair Bolsonaro não precisará nem arrancar mais dois ministros para o lado dele. Terá os dois ministros que nomeará em 2023 + 4 novos ministros depois da aprovação da PEC. Ou seja, oito de 15. Maioria para fazer o que quiser.

 

 Segundo passo: nova Constituição

Alguns líderes bolsonaristas defendem, recorrentemente, fazer uma constituinte (cf. https://congressoemfoco.uol.com.br/amp/area/congresso-nacional/lider-de-bolsonaro-promete-plebiscito-por-nova-constituinte-em-breve/).

Um meio de abrir um processo constituinte pode ser um plebiscito. Para tramitação e aprovação do qual, basta ter a presidência das casas do Congresso, 1/3 dos parlamentares de uma das casas que o apresente e maioria simples para aprovação. O bolsonarismo, com Jair Bolsonaro eleito, terá tudo isso. Uma campanha plebiscitaria, baseada na narrativa bolsonarista, já provou ter apelo popular. Com maioria do STF, a declaração de constitucionalidade do processo estaria garantida.

Uma constituição pode sempre ser mudada e melhorada. Mas o objetivo, nesse caso, não é aprofundar a democracia. E sim a implantação de um regime fascista por dentro da ordem.

Aliás, com a configuração eleita do Congresso, não seria necessária sequer a aprovação de uma Constituinte. A Constituição poderia ser mutilada por dentro do Congresso, pelos trâmites regulares.

O próprio Mourão, agora senador, propôs diversas vezes, quando candidato a vice-presidente, uma nova Constituição, sem nem mesmo prévia aprovação de uma constituinte (cf. https://valor.globo.com/google/amp/politica/noticia/2018/09/13/mourao-defende-nova-constituicao-sem-assembleia-constituinte.ghtml)

 

Terceiro passo: tomada das instituições do Estado

Com um STF emparedado, um Congresso dominado e uma Constituição alterada ou mutilada, Jair Bolsonaro abriria caminho para dominar todas instituições do Estado. Os regimes fascistas, historicamente, tendem a transferir poder político do Judiciário e do Legislativo para as forças armadas, as polícias e as milícias armadas.

Esse já tem sido o caminho flertado por Jair Bolsonaro desde 2019. Com a situação qualitativamente nova, se reeleito presidente, tende a ter muito mais sucesso que no primeiro mandato.

O que fazer? Eleger Lula é um imperativo

Com Lula eleito, o Executivo Federal servirá tanto para barrar o avanço sobre o STF, quanto para dividir, no Congresso, a ala bolsonarista e o centrão, que tende sempre a ser atraído, fisiologicamente, em direção à presidência da República. Os planos do bolsonarismo serão atrapalhados ou, ao menos, adiados para um embate futuro, dando mais tempo para as forças democráticas e populares do Brasil se recomporem.

Ou seja, a questão de fundo na eleição de Lula ou de Bolsonaro é se faremos a democracia resistir ou se caminharemos em linha reta rumo a um regime fascista.

*Herick Argôlo é defensor Público e membro da Consulta Popular.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES