Pinheirinho

Patrick Caulfield, Jardim com Pinheiros, 1975
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PRISCILA FIGUEIREDO*

Seleta de poemas

 

Só um nome[i]

Pinheirinho, Pinheirinho
o que te fizeram
foi tão triste
mas tão triste
que ninguém neste mundo
devia dizer mais que existe.
Pinheirinho, então eu digo —

não existo
eu minto e não só:
quando soube que você existia
é que você não mais existia.

Pinheirinho, assim diminuto
parece que posso compreendê-lo
colocá-lo a salvo na minha mão —
quanta ilusão pode produzir um nome!
Adiantaria
se não mais te chamássemos assim?

Nos livre da ilusão, de toda ilusão
você, o sem vigia ou guarita
o cujo sono interromperam sob chuva
por um mau motivo.

 

Convite para compor uma banca

Aguardamos por tua valiosa contribuição,
que dissipará muitas de nossas dúvidas bem
como plantará algumas jamais imaginadas
e com estas outros labirintos,
mais arejados que os antigos.

Batemos a cabeça tantas vezes
em portas falsas e espelhos
que mais que nos perder ficamos
empacados por tempo indefinido.

Conto que venhas nos socorrer com o brilho
de tua perspicácia e erudição, o sortilégio
de tua reflexão corajosa, a qual sempre anima
a alma, já tão fatigada, dos nossos jovens.

 

Moïse

Você estava indo cobrar 200 contos —
certo, não eram as Tábuas da Lei,
mas você foi cobrar, e cobrar
não é para o bico dos de sua espécie.

Parece que pegou uma cerveja para afrontar
o patrão ausente que te depenou,
ou seus leões de chácara ali postados.
Um empregador que deve tem
também amigos em toda parte,
e esses amigos num piscar de olhos
viram carrasco, tropa de assalto.

Se o patrão os autorizou, muito que bem;
se não autorizou, muito que bem também.
Quem mandou ir lá mexer com fogo?
Como a mulher deve saber por que apanha,
você devia saber também, Moïse.

 

Racha

a da parede
a do argumento
…………             a racha da conta
a racha do partido
…………             do grupo
…………             da igreja
…………             da torcida
…………             do eleitorado
a racha na tubulação
…………             na calçada
a racha no tronco
a racha na cara e na pedra
a racha no compromisso
a racha moral
a racha hermenêutica
a racha do sujeito
………..              a racha do continente
………………..    a da partenogênese

…………                             a das meninas

………….                                            a do Mar Vermelho

 

O touro que foi morrer no mar

Deu no jornal outro dia que um touro
desceu em atropelo da carreta quando
chegava para a Feira do Agro;
parar era como morrer e decidiu
morrer no mar…
Quanta dignidade, quanta coragem!
Poderia ter levado um tiro e lhe aproveitavam
ao menos a carne, o couro
(mas como fosse valioso e confiassem
em sua própria superioridade,
o preferiam intacto, certos de capturá-lo.)

Pesava 600 quilos.
Depois de horas viajando espremido
com outros de sua estirpe
e apavorado pelo agro ruído
que lhes dera as boas-vindas,
embarafustou pela vegetação,
isso no sábado. Na quarta o boi
inconformado seria visto
nos fundos do aeroporto —
assim que em Stella Maris por pouco
não lhe cortaram as asas.
O fim — foi como se contou.
Quase se poderia dizer: no mar
tomou posse de si, no mar voou.

 

O nevoeiro sobre o pescoço
é o centro nervoso, às vezes pacato, dos meus gestos;
a cabeça, o que chamam cabeça,
está rebolando senão no mundo, neste bairro mesmo.
Sonhei que a arrancavam de mim, mas quando acordei
lembrei ser um sonho de repetição,
um sonho de nevoeiro, de quem
não tinha já há muito a sua cabeça.

Outro dia a bola grotesca e expressiva
veio descendo em direção a mim,
me afastei.
A maçaroca
dos cabelos carregava mais e mais detritos,
e os olhos desapareceram não por sob as pálpebras,
mas sob a poeira. É tanta para uma cabeça
deitar e rolar.
O nevoeiro tem dentro de si dezenas de pares de olhos,
mas estes estão fechados como estrelas que se
apagaram.

Não há diferença palpável entre o céu
e a ficção sobre meus ombros.
A cantiga da lei moral ressoa
ainda dentro de mim.

*Priscila Figueiredo é professora de literatura brasileira na USP. Autora, entre outros livros, de Mateus (poemas) (Bem te vi).

 

Nota


[i] Poema escrito em 2012 e revisado em 2020. Inédito, como os demais desta seleção.

 

O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como.

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • Julian Assange, Edward Snowden, Daniel Ellsbergwalnice 13/07/2024 Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO: Só permanece desinformado sobre segredos e inconfidências quem de fato tiver muita preguiça
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES