Hoje vai, vai ter marmelada

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Tércio Redondo*

É pré-carnaval, mas a república já rasga a fantasia, ou a máscara, como se queira.

No Rio de Janeiro, o ministro da economia adotou o vocabulário de Goebbels para falar do servidor público. Como o judeu na Alemanha de Hitler, no Brasil de Guedes e Bolsonaro o servidor é o parasita que suga o sangue vital da nação. É possível que, numa próxima manifestação em defesa da pátria vitimada, o ministro apresente em didático power point os traços fisiognomônicos compartilhados por professores, médicos, enfermeiros e policiais, bem como pelos funcionários de carreira do ministério. O ministro há de fazer a lição de casa: primeiro o diagnóstico clínico, depois o tratamento para erradicar a doença.

O recém-saído secretário da cultura já esboçara um discurso goebbelsiano, com direito a cenário e figurino impecáveis. Apenas a interpretação ficou a desejar, e por isso foi substituído por uma atriz. Na Inglaterra achou-se estranho que uma atriz de soap opera tivesse assumido a tarefa, mas os jornalistas da ilha pensaram: a performance da própria família real não tem sido grande coisa. Na verdade, tem se revelado bastante constrangedora. Abstenhamo-nos por hora de criticar os bárbaros.

No Supremo Tribunal Federal, uma ministra decidiu que a ofensa pessoal é um direito constitucional do senhor Presidente da República. Não ficou claro se o direito se estende aos demais cidadãos. Seria possível, por exemplo, chamá-la de malandra e permanecer impune? Dificilmente. Ao ser chamada de malandra, num gesto de grandeza moral ela poderia até mesmo se basear na jurisprudência recém constituída e declarar: sejamos justos! Inocentei o Presidente, não posso agora pedir a punição de quem me chama de malandra. O problema é que, como acontece todos os dias, a decisão monocrática da ministra poderia ser revertida pela decisão monocrática de outro ministro. E então? A questão seria levada ao plenário da corte, e o incauto ficaria à mercê dos insondáveis humores de seus membros.

O carnaval está chegando. Terão os fascistas tempo e vontade de inventar uma nova fantasia ou decidiram que o rei ficará definitiva e despudoradamente nu? E o menino que aponta o dedo para o soberano? Em lugar do lança-perfume terá de se contentar com o gás de pimenta?

*Tércio Redondo é professor de literatura alemã na USP.

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • Um alvo perfeitocultura Poemas 27/05/2024 Por ANTÔNIO DAVID: Considerações sobre o ataque de Jair Bolsonaro a Marília Moschkovich
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Financeirização — crise, estagnação e desigualdadeCarlos-Vainer 28/05/2024 Por CARLOS VAINER: Considerações sobre o livro recém-lançado, organizado por Lena Lavinas, Norberto Montani Martins, Guilherme Leite Gonçalves e Elisa Van Waeynberge
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Tensões da composição policlassistaMike Chai 27/05/2024 Por ANDERSON ALVES ESTEVES: Greve nos Institutos e Universidades federais desnuda a frente amplíssima
  • A teoria da vitóriagilbertolopes1_0 27/05/2024 Por GILBERTO LOPES: Se o mundo civilizado não os detiver, estes selvagens nos levarão à Terceira Guerra Mundial

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES