A força dos partidos

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ GABRIEL LIMA & MONIZE ARQUER*

O desenho partidário das prefeituras e perspectivas para o segundo turno

As eleições de 2020 não acabaram e ainda precisamos esperar os dados oficiais para interpretações mais detalhadas sobre seus resultados. Apesar disso, já conseguimos traçar possíveis tendências para o segundo turno com base no que temos disponível.

Ao longo dos anos, a distribuição da força política dos partidos alterou-se consideravelmente, muito disso conectado ao contexto político nacional. Em 2020, esse padrão se repete. Os mapas abaixo mostram isso.

Começando em 2000, com PSDB na Presidência da República e DEM como um partido forte ao seu lado, eles juntos conquistaram 2016 municípios, aproximadamente 36% do total.

Já em 2012, um momento de intensa relevância do PT a nível nacional e logo após a eleição de Dilma Rousseff, sustentada pelos resultados positivos que a legenda vinha tendo entre o eleitorado, o partido, que tinha apenas 187 municípios em 2000, chega a 647 naquele ano. Porém, após o impeachment de Dilma durante seu segundo mandato e a crise política pela qual o partido passou, com a influência da Operação Lava-Jato, o PT encolhe e conquista apenas 250 prefeituras em 2016.

Esse movimento vem acompanhado de dois outros. O aumento do PSB que, ao lado do PT, conquistou espaços importantes na política nacional até 2016. E o surgimento do PSD em 2008, que atraiu diversas lideranças para a legenda, ainda recém-formada, e tem aumentado sua inserção territorial ao longo dos anos.

Em 2020, o desempenho do PSD segue chamando atenção. Até agora, com base na prévia que a tivemos acesso, o partido conseguiu eleger, aproximadamente, 20% mais prefeituras das que tinha em 2016. Ao seu lado, vem outros partidos de direita que, após longo período com resultados pouco significativos, voltam ao cenário após 2016. Hoje são atores importantes nessa disputa. Entre eles estão o DEM e o PP, que até agora elegeram, aproximadamente, 68% e 35% mais de prefeituras do que em 2016.

Com o segundo turno, no próximo domingo (29), parece que teremos o fortalecimento dessa tendência. Segundo as pesquisas de opinião que vem sido feitas nas capitais, principalmente Ibope e Datafolha, observa-se que partidos de direita, como DEM, PP e Podemos, dominam a corrida eleitoral nas capitais.

Em sete das dezoito capitais em disputa, as siglas de direita caminham rumo a vitória, como é o caso de Rio Branco (AC) e Rio de Janeiro (RJ) em que Tião Bocalom (PP) e Eduardo Paes (DEM) largam à frente com mais de trinta pontos de diferença.

Já o PSDB e MDB, diferentemente de 2016 quando conquistaram onze capitais, disputam hoje as primeiras colocações no segundo turno em pelo menos seis delas: Boa Vista (RR), Teresina (PI), Porto Velho (RO), São Paulo (SP), Goiânia (GO) e Porto Alegre (RS). Vale lembrar que, neste ano de 2020, os tucanos já venceram em Palmas e Natal logo no primeiro turno.

Por outro lado, quando analisamos os partidos de esquerda, como PT, PSB e PSOL, vemos que essas siglas lideram as outras cinco capitais restantes, em especial na região Nordeste. Nela, estes partidos estão na frente em quatro das sete capitais ainda indefinidas: Recife, Fortaleza, Aracaju e Maceió.

Campeões de intenções de voto

Arthur Henrique (MDB), em Boa Vista, e Tião Bocalom (PP), em Rio Branco, são os candidatos que mais pontuaram nas pesquisas para o segundo turno até agora. Ambos aparecem com mais de 60% das intenções de voto. Seguindo eles está Edvaldo (PDT), que busca a reeleição em Aracaju, o já citado Eduardo Paes (DEM) no Rio de Janeiro e Dr. Pessoa (MDB) em Teresina, os três à frente nas pesquisas com mais de 50% das intenções de voto.

Conforme apresentado nas imagens acima, cabe destacar que o segundo turno no Recife é entre dois candidatos situados à esquerda, João Campos do PSB e Marília Arraes do PT, e no Rio de Janeiro é entre dois situados à direita, Eduardo Paes (DEM) e o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

Pesquisas eleitorais acertaram as primeiras colocações

As pesquisas feitas nas capitais durante o primeiro turno apresentaram resultados muito próximos ao que vimos nas urnas. As últimas previsões do Ibope acertaram as primeiras colocações de todas as capitais, com exceção de Porto Alegre (RS). No Nordeste, o instituto indicou corretamente as três primeiras colocações em todas as capitais, exceto a terceira em Teresina (PI).

Além disso, as pesquisas Datafolha, realizadas em cinco capitais, acertaram as três primeiras colocações, com exceção da segunda e terceira em Belo Horizonte (MG).  Ibope e DataFolha obtiveram seu melhor desempenho desde 2016, com erro médio próximo a margem declarada por eles.

Se as pesquisas estiverem corretas, como tudo indica, já sabemos qual o provável cenário em que amanheceremos na segunda-feira (30). No entanto, surpresas podem ocorrer. Acompanharemos atentamente os resultados e as previsões feitas pelos principais institutos.

*Luiz Gabriel Lima é graduando em Ciências Sociais na Unicamp.

*Monize Arquer é pesquisadora do Centro de Estudos de Opinião Pública (Cesop-Unicamp) e de pós-doutorado no INCT/IDDC.

Publicado originalmente no Observatório das Eleições 2020 do Instituto da Democracia e Democratização da Comunicação (INCT/IDDC).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lorenzo Vitral Rodrigo de Faria Paulo Martins João Carlos Loebens Chico Whitaker José Machado Moita Neto Mário Maestri Luís Fernando Vitagliano Henry Burnett Ricardo Musse Julian Rodrigues Rafael R. Ioris Antonino Infranca Tadeu Valadares Rubens Pinto Lyra Chico Alencar Celso Frederico Eleonora Albano Eugênio Trivinho Anderson Alves Esteves Remy José Fontana Renato Dagnino Andrew Korybko Juarez Guimarães Gilberto Lopes Paulo Nogueira Batista Jr Anselm Jappe Flávio R. Kothe Fernão Pessoa Ramos Maria Rita Kehl Mariarosaria Fabris Thomas Piketty Fábio Konder Comparato José Raimundo Trindade Carla Teixeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro André Singer Denilson Cordeiro Sandra Bitencourt Dênis de Moraes João Sette Whitaker Ferreira Marilia Pacheco Fiorillo Henri Acselrad Eugênio Bucci Priscila Figueiredo Matheus Silveira de Souza Eduardo Borges Luciano Nascimento Claudio Katz Yuri Martins-Fontes Milton Pinheiro Luiz Bernardo Pericás Fernando Nogueira da Costa Michel Goulart da Silva João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Luiz Werneck Vianna Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Ronald León Núñez Alexandre de Freitas Barbosa Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto Afrânio Catani Atilio A. Boron Vladimir Safatle Lincoln Secco Lucas Fiaschetti Estevez Berenice Bento Michael Löwy Vinício Carrilho Martinez Marcos Silva Igor Felippe Santos Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. João Lanari Bo Paulo Fernandes Silveira Otaviano Helene Walnice Nogueira Galvão João Carlos Salles Leonardo Sacramento Luiz Renato Martins Leonardo Avritzer João Feres Júnior Jean Pierre Chauvin Paulo Capel Narvai José Dirceu Daniel Afonso da Silva Marcelo Módolo Jorge Luiz Souto Maior Jean Marc Von Der Weid Airton Paschoa Marilena Chauí Heraldo Campos Luis Felipe Miguel Francisco de Oliveira Barros Júnior Liszt Vieira Alexandre Aragão de Albuquerque Valerio Arcary João Paulo Ayub Fonseca Ronald Rocha Samuel Kilsztajn Salem Nasser Benicio Viero Schmidt Ladislau Dowbor Vanderlei Tenório Luiz Eduardo Soares Daniel Brazil Antonio Martins Bruno Machado Daniel Costa José Luís Fiori Érico Andrade Manchetômetro Marjorie C. Marona Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcus Ianoni Carlos Tautz Plínio de Arruda Sampaio Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Eliziário Andrade Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Paulo Sérgio Pinheiro Celso Favaretto Luiz Roberto Alves Ricardo Antunes André Márcio Neves Soares Ricardo Abramovay Ronaldo Tadeu de Souza Leda Maria Paulani Armando Boito Gilberto Maringoni Luiz Marques Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Dennis Oliveira Bernardo Ricupero Eleutério F. S. Prado Michael Roberts Slavoj Žižek Jorge Branco José Geraldo Couto Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary José Costa Júnior Boaventura de Sousa Santos Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco Pereira de Farias Kátia Gerab Baggio Manuel Domingos Neto Caio Bugiato Leonardo Boff Andrés del Río Elias Jabbour Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada