Psicologia coletiva dos neofascistas

Imagem: Mustafa Ezz
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO NOGUEIRA DA COSTA*

O grande desafio intelectual atual é “decifrar a esfinge” do neofascismo tupiniquim

O que de manhã tem quatro patas, de tarde tem duas e de noite tem três? O ser humano. Ele engatinha quando criança, caminha quando é adulto e precisa de uma bengala quando envelhece. Édipo foi quem respondeu à questão e derrotou a Esfinge.

O grande desafio intelectual atual é “decifrar a esfinge” do neofascismo tupiniquim. Diz respeito ao perfil de quem só idolatra “deus, pátria e família”. Há diversos esforços de politicólogos, sociólogos e psicólogos para dar uma explicação para esse fenômeno com capacidade de abarcar 49,1% do eleitorado brasileiro.

Eu, como professor de Economia, leio a todos cientistas em busca de uma resposta cabal… se esta for possível, de maneira definitiva e categórica, sem dar lugar a dúvidas, evasivas ou imprecisão. Também assisti, pouco-a-pouco, porque é muito entristecedora, a importante série documental Extremistas.br da Globoplay.

Daí, visualizando os personagens celibatários – em sentido figurado sem proveito, estéreis, inúteis – dessa trama paranoica, senti necessidade de reler o Psicologia de massas do fascismo, publicado em 1933, durante a ascensão do nazismo na Alemanha. O psicanalista austríaco Wilhelm Reich analisa a razão de os fascistas apresentarem um sintoma da repressão sexual. Ele alerta: “a explicação socioeconômica não se sustenta”. Quando o pensamento e a ação dos humanos são incoerentes com a situação econômica, eles são irracionais.

O marxista comum e o economista tacanho, caso não reconheçam a psicologia, não têm resposta para esta contradição. Por qual razão apoiar um governo militarizado sem apoio à mobilidade social dos párias, mas só com concessões de benesses às suas castas?

“Quanto mais mecanicista e economicista é o sociólogo, tanto menos conhece a estrutura psíquica dos seres humanos e tanto mais incorre nos erros de um psicologismo superficial, na prática da propaganda de massas. Em vez de revelar e resolver a contradição psíquica do indivíduo, inserido nas massas, (…) explica o movimento nacionalista [místico] como uma ‘psicose de massas’”.

Como o economicista não conhece nem admite a existência de processos psíquicos, a expressão “psicose de massas” significa para ele uma coisa sem qualquer relevância social. Para Wilhelm Reich, significa um fato social de enorme importância histórica.

O livro Psicologia de massas do fascismo inicia seu questionamento exatamente no ponto onde fracassam as explicações socioeconômicas imediatas. Por conta de sua crítica ao economicismo do marxismo vulgar, desdobrando-se em crítica ao totalitarismo stalinista da União Soviética, Wilhelm Reich foi expulso do Partido Comunista da Alemanha.

Mas não foi só por parte dessa esquerda a recusa ao seu pensamento crítico. Ele teve de fugir da Alemanha, após a tomada de poder pelo nacional-socialismo (nazismo) com o incêndio do Reichstag. Seu livro, em conjunto com muitos outros banidos pelos nazistas alemães, quando chegaram ao poder, foi queimado publicamente.

Aqui, os neofascistas tupiniquins “queimam” os livros de Paulo Freire e toda a literatura universitária suposta ser de “comunistas e drogados”. Só leem suas redes de ódio na internet, ou seja, louvam os palavrões vomitados por Olavo de Carvalho como fossem um profundo conhecimento…

Pior, Wilhelm Reich também foi expulso da Associação Psicanalítica Internacional em 1934 por seus pontos de vista sobre sexualidade. Todos os livros publicados por ele foram posteriormente ordenados a serem queimados, a pedido da Food and Drug Administration (FDA), por um juiz do Maine, Estados Unidos, em 1954, durante o auge do macarthismo, o anticomunismo norte-americano.

Qual é o maior incômodo causado por ele aos fascistas? Considera a família (Tradição e Propriedade), uma das pernas do tripé Deus (Evangelismo) e Pátria (Forças Armadas), como a principal célula germinativa da política reacionária, o centro mais importante de produção de homens e mulheres reacionários. A família torna-se o pilar principal para a manutenção do sistema autoritário em favor da conservação do status quo.

Em contraponto, a mulher sexualmente consciente, capaz de se afirmar e ser reconhecida como tal, significaria o colapso completo da ideologia autoritária. Daí o ódio dos conservadores tacanhos contra a pauta identitária: feminismo, transexualismo, anti-homofobia, liberdade para dispor do próprio corpo etc.

Cada ordem social cria, nas massas componentes, as estruturas psicológicas necessitadas para atingir seus objetivos fundamentais. As contradições da estrutura econômica da sociedade estão enraizadas na estrutura psicológica das massas oprimidas, econômica e sexualmente. A compreensão do agir de maneira irracional e aparentemente sem propósito necessita da compreensão da clivagem entre ideologia e economia. Todo o misticismo é reacionário – e o homem reacionário é místico.

Ridicularizar o misticismo – a inclinação para acreditar em forças e entes sobrenaturais –, considerando-o como “embotamento” ou “psicose coletiva”, não é a medida adequada contra ele. Mas, se compreendermos corretamente a crença de o ser humano poder se comunicar com alguma divindade ou receber dela sinais ou mensagens, poderemos descobrir um antídoto para o fenômeno do conservadorismo reacionário.

Qualquer místico justificará tal comportamento com base na moralidade intrínseca da natureza do homem. Ela impede a rebelião contra as instituições divinas e a autoridade do Estado, caso esteja sob controle das Forças Armadas e seus representantes.

Tais fenômenos não podem ser explicados de um ponto de vista puramente econômico, ou seja, apoiando-se na luta de classes entre as frações de renda e/ou riqueza. É necessário entender a conexão entre esse comportamento auto repressivo e a distorção da vida sexual das grandes massas incultas e doutrinadas religiosa e militarmente.

A sexualidade ou sua energia — a libido —, instintiva no corpo, é o motor principal da vida psíquica. As condições biológicas e as condições sociais da vida cruzam-se na mente.

Desde a infância, a sexualidade é normalmente reprimida pelo medo do castigo por atos e pensamentos de natureza sexual. Isso explica a obsessão da extrema direita com os xingamentos de pederastia contra os discordantes. A repressão intensifica a sexualidade e a torna capaz de se manifestar em diversas perturbações patológicas da mente.

O código moral introjetado no ser humano, longe de ter origem divina, provém da educação dada pelos pais e seus representantes, desde a infância. Dentre as medidas educativas, destacam-se as contrárias à livre sexualidade.

A sociologia da economia sexual se pergunta: por quais motivos sociológicos a sexualidade é reprimida pela sociedade e recalcada pelo indivíduo conservador? O evangelismo diria ser pela “salvação da alma”, mas a atividade cultural em si não demanda a repressão e o recalcamento da sexualidade. Não é uma questão de cultura, mas sim de manutenção da mesma ordem social de outrora com suas hierarquias.

A combinação da estrutura socioeconômica com a estrutura sexual da sociedade (e sua reprodução) verifica-se desde os primeiros anos de vida na família autoritária. A Igreja continua com essa função castradora. Por fim, o líder autoritário no Estado defende ambas (Deus e família), onde estruturas e ideologias da Pátria armada são moldadas.

Como sexo é um assunto proibido, há uma paralisação geral do pensamento e do espírito crítico. O objetivo da moralidade familiar e evangélica é a criação do indivíduo submisso, adaptado à ordem autoritária, apesar do sofrimento e da humilhação.

A inibição moralista e antissexual impede a mulher conservadora de tomar consciência da sua situação social. Liga-a fortemente aos pastores “evangélicos” (sic), pois a fazem temer o “comunismo sexual”.

A repressão da satisfação das necessidades materiais se subordina à repressão das necessidades sexuais. Esta impede a rebelião contra as duas espécies de repressão ao reprimir seus impulsos sexuais, retirando-os do domínio do consciente e fixando-os como defesa da moralidade retrógrada contra os costumes sociais dos novos tempos.

O resultado, segundo Wilhem Reich, é o conservadorismo, o medo da liberdade. Por isso, predomina a mentalidade reacionária, vista em xucros interioranos no DF.

A ideologia fascista, ao contrário da ideologia evangélica, faz uma distinção entre as necessidades orgásticas do animal humano e as estruturas psicológicas, criadas na sociedade patriarcal autoritária. Em suas violentas manifestações, contrapõe-se ao celestial, assexual, puro. Libera o instintivo, demoníaco, sexual, extasio, orgástico.

Nos acampamentos em frente os quartéis, os “puritanos” se excitaram sexualmente. O convívio com gente da mais laia causou muita animação, empolgou-os até se afastarem da família. As manifestações coletivas são orgásticas. No vandalismo contra símbolos da República, finalmente, obtiveram um orgasmo, o mais alto grau de satisfação sexual.

*Fernando Nogueira da Costa é professor titular do Instituto de Economia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de Rede de apoio e enriquecimento. Disponível em https://fernandonogueiracosta.wordpress.com/2022/09/20/rede-de-apoio-e-enriquecimento-baixe-o-livro/

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henry Burnett Slavoj Žižek Luiz Marques Mário Maestri André Márcio Neves Soares João Paulo Ayub Fonseca Rodrigo de Faria Paulo Capel Narvai João Carlos Salles Flávio Aguiar Ricardo Musse Armando Boito Leda Maria Paulani Renato Dagnino Alysson Leandro Mascaro Airton Paschoa Paulo Fernandes Silveira Osvaldo Coggiola Leonardo Boff Jean Marc Von Der Weid Ricardo Fabbrini Paulo Martins Claudio Katz Julian Rodrigues Ladislau Dowbor Valerio Arcary Michael Roberts Bento Prado Jr. Celso Frederico Daniel Afonso da Silva Milton Pinheiro Gilberto Lopes Chico Alencar Paulo Sérgio Pinheiro Boaventura de Sousa Santos Denilson Cordeiro Marilena Chauí Luciano Nascimento Heraldo Campos Everaldo de Oliveira Andrade Antonio Martins Eugênio Trivinho Gabriel Cohn Jorge Luiz Souto Maior Andrés del Río Elias Jabbour Daniel Costa Fernão Pessoa Ramos Daniel Brazil Luiz Carlos Bresser-Pereira José Raimundo Trindade Marcelo Guimarães Lima Eleonora Albano José Costa Júnior Marcos Aurélio da Silva Tarso Genro Anderson Alves Esteves Marcus Ianoni Jorge Branco Sergio Amadeu da Silveira Antônio Sales Rios Neto André Singer Thomas Piketty Érico Andrade Manchetômetro João Adolfo Hansen Yuri Martins-Fontes Francisco Fernandes Ladeira José Geraldo Couto João Sette Whitaker Ferreira Lorenzo Vitral Lincoln Secco Fernando Nogueira da Costa Luiz Bernardo Pericás Liszt Vieira Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald Rocha Henri Acselrad Maria Rita Kehl Leonardo Avritzer Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Tales Ab'Sáber Valerio Arcary Luiz Eduardo Soares Annateresa Fabris Marcelo Módolo Dênis de Moraes Ronaldo Tadeu de Souza Carla Teixeira Anselm Jappe Berenice Bento Alexandre de Freitas Barbosa João Lanari Bo Eduardo Borges Michael Löwy Priscila Figueiredo Kátia Gerab Baggio Vinício Carrilho Martinez Benicio Viero Schmidt Flávio R. Kothe Luiz Werneck Vianna Francisco Pereira de Farias Antonino Infranca José Luís Fiori Manuel Domingos Neto Bruno Machado Jean Pierre Chauvin João Feres Júnior Luiz Roberto Alves Matheus Silveira de Souza Ricardo Abramovay Juarez Guimarães José Dirceu Tadeu Valadares Gilberto Maringoni Gerson Almeida Rafael R. Ioris Marjorie C. Marona José Micaelson Lacerda Morais Caio Bugiato Vladimir Safatle Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Marilia Pacheco Fiorillo Bernardo Ricupero Dennis Oliveira Walnice Nogueira Galvão Otaviano Helene Carlos Tautz Vanderlei Tenório Marcos Silva Chico Whitaker Luis Felipe Miguel Eugênio Bucci Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eliziário Andrade Eleutério F. S. Prado Ronald León Núñez Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Luís Fernando Vitagliano Samuel Kilsztajn Igor Felippe Santos Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sandra Bitencourt João Carlos Loebens Salem Nasser Atilio A. Boron Michel Goulart da Silva Remy José Fontana Fábio Konder Comparato Andrew Korybko José Machado Moita Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada